sábado, 6 de julho de 2013

Eating Peppers Tied to Lower Parkinson’s Risk, Study Finds

This article was originally posted at: www.everydayhealth.com
Author: Robert Preidt, HealthDay News
May 09, 2013

Eating vegetables that naturally contain nicotine, such as peppers and tomatoes, may reduce your risk of developing Parkinson’s disease, according to a new study.

Previous research has found that smoking and other types of tobacco use are associated with a lower risk of developing Parkinson’s disease, and it is believed that nicotine provides the protective effect. Tobacco belongs to a plant family called Solanaceae and some plants in this family are edible sources of nicotine.

This new study included nearly 500 people who were newly diagnosed with Parkinson’s and another 650 unrelated people who did not have the neurological disorder, which is typically marked by tremors and other movement problems. The study participants provided information about their tobacco use and diets.

In general, vegetable consumption had no effect on Parkinson’s risk. The more vegetables from the Solanaceae plant family that people ate, however, the lower their risk of Parkinson’s disease. This association was strongest for peppers, according to the study, which was published May 9 in the journal Annals of Neurology.

The apparent protection offered by Solanaceae vegetables occurred mainly in people with little or no prior use of tobacco, which contains much more nicotine than the foods included in the study.

“Our study is the first to investigate dietary nicotine and risk of developing Parkinson’s disease,” Dr. Susan Searles Nielsen, of the University of Washington in Seattle, said in a journal news release. “Similar to the many studies that indicate tobacco use might reduce risk of Parkinson’s, our findings also suggest a protective effect from nicotine, or perhaps a similar but less toxic chemical in peppers and tobacco.”

Nielsen and her colleagues recommended further studies to confirm and extend their findings, which could lead to ways to prevent Parkinson’s disease.

Although the study found an association between consumption of certain nicotine-containing foods and lower risk of Parkinson’s, it could not prove a cause-and-effect relationship.

Still, one Parkinson’s expert called the study “intriguing.”

“It provides further evidence of how diet can influence our susceptibility to neurological disease — specifically Parkinson’s disease,” said Dr. Kelly Changizi, co-director of the Center for Neuromodulation at the Mount Sinai Parkinson and Movement Disorders Center in New York City. “Patients often ask what role nutrition plays in their disease, so it’s very interesting that nicotine in vegetables such as peppers may be neuroprotective.”

Another expert said more research into the role of nicotine in Parkinson’s disease is already underway.

“The observation that cigarette smokers have a reduced risk for Parkinson’s disease has long been known, and has raised the idea that nicotine may reduce the risk for [the illness],” said Dr. Andrew Feigin, who is investigating the illness at the Feinstein Institute for Medical Research in Manhasset, N.Y.

“A nicotine skin patch is currently being tested in patients with early Parkinson’s disease,” he said.

The illness occurs due to a loss of brain cells that produce a chemical messenger called dopamine. The symptoms of the disease include loss of balance, slower movement and tremors and stiffness in the face and limbs. There is currently no cure for the disorder. Nearly 1 million Americans — and 10 million people worldwide — have Parkinson’s, according to the Parkinson’s Disease Foundation.


Green Tea Could Block Alzheimer’s Disease Plaque

Author: Annie Hauser, Everyday Health Staff Writer
March 06, 2013

Finding ways to slow the growth of the amyloid peptide, or plaque, in Alzheimer’s patients’ brains is one of the key challenges facing Alzheimer’s research.

Now scientists at the University of Michigan say they might have found a new way to stop plaque growth — and slow the progress of the disease — using a specific molecule in green tea.

Their laboratory results, which are extremely preliminary, are published in the Proceedings of the National Academy of Science.

The green tea molecule epigallocatechin-3-gallate, also known as EGCG, prevented formation of Alzheimer’s-causing proteins and broke down existing protein structures in a lab setting, the researchers report. The next step is to test the molecule’s ability to block plaque formation in fruit flies, a commonly used animal model.

This development in the fight against Alzheimer’s came the same day a new report pinpointed Alzheimer’s disease as the fastest-growing health threat in the United States. From 1990 to 2010, the number of Americans who died from Alzheimer’s disease jumped 500 percent, researchers from the University of Washington say. Last month, a new study project projected the U.S. Alzheimer’s population to triple by 2050, growing from 4.7. million in 2010 to 13.8 million by mid-century.

Although there have been new treatments developed for Alzheimer’s in recent years, no cure is in sight. There are several new Alzheimer’s drugs in clinical trials that show promise in stopping the formation of Alzheimer’s plaque. But even if the current wave of trials succeed, the drugs won’t be patient ready for at least three to five years, William H. Thies, MD, chief medical officer of the Alzheimer’s Association, told the Associated Press in December.

In light of this, some medical experts who work closely with the aging population say it’s essential toencourage preventive care. Zachary Palace, MD, a geriatrician and director of the Hebrew Home, a nursing home in Riverdale, N.Y., told Everyday Health in February that he observes that residents who work to keep their brains sharp and stay busy by doing activities such as playing crossword puzzles, socializing, and staying physically active, tend to fare better and are less likely to develop dementia. “I think we need more emphasis on what we do know,” Dr. Palace says.

As for the new research, lead author Mi Hee Lim, PhD, notes in the study the long-established power of EGCG and other flavonoids in green tea for fighting brain-damaging free radicals and preventing memory loss. According to a 2012 study published in the Journal of Phytotherapy and Phytopharacology, there is significant evidence that free radicals play a role in the development of Alzheimer’s disease, and that the polyphenols in green tea can help fight these free radicals.

To date, EGCG has also been found to:

Lower cholesterol
Improve bone health and prevent osteoporosis
Kill mouth bacteria and improve oral health
Prevent some cancers
Protect against type 2 diabetes
Help manage weight and boost metabolism


sexta-feira, 5 de julho de 2013

14 Bis - Bola De Meia, Bola De Gude (Vídeo Ao Vivo)

Rolling Stones as times goes by 1966 Remastred

Agricultura urbana agroecológica auxilia promoção da saúde

Bruna Romão - bruna.romao.silva@usp.br
Projeto Colhendo Sustentabilidade incentivou práticas saudáveis em Embu das Artes

A agricultura urbana agroecológica, que une saberes científicos e tradicionais, é uma alternativa interessante para promover a saúde e a produção alimentar de qualidade em meio urbano. Voltado a esses princípios, em Embu das Artes (SP), o Projeto Colhendo Sustentabilidade: Práticas Comunitárias de Segurança Alimentar e Agricultura Urbana, realizado entre 2008 e 2011, conseguiu de maneira efetiva incentivar práticas saudáveis no município, envolvendo diversos setores da administração local e da sociedade civil.

A experiência foi investigada e sistematizada pela administradora Silvana Maria Ribeiro em pesquisa desenvolvida na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP. “A agricultura urbana agroecológica contribuiu realmente para a promoção da saúde e para a segurança alimentar e nutricional entre a comunidade”, afirma.

Colhendo Sustentabilidade

“A agroecologia faz com que se resgatem as práticas tradicionais na agricultura e promova a autonomia do agricultor” explica Silvana. Além disso, a policultura é incentivada buscando uma aproximação com a diversidade presente na natureza. Baseado neste conceito, o Projeto Colhendo Sustentabilidade foi implantado no município de Embu das Artes em 2008 por meio de uma parceria entre a prefeitura, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e a ONG Sociedade Ecológica Amigos de Embu, com o intuito de atingir beneficiários de outros programas assistenciais. “Uma das prioridades era a segurança alimentar e nutricional. Mas depois de um primeiro momento, houve a comercialização de alguns produtos cultivados no projeto promovendo também a geração de renda”, relata a administradora.

Inicialmente desenvolveram-se atividades educativas e implantado três sistemas produtivos – lavouras, agrofloresta e hortas – em duas localidades. A partir de 2010, já sem o financiamento do MDS, o projeto foi expandido para outros locais. “O Colhendo Sustentabilidade foi levado para equipamentos públicos, como Unidades Básicas de Saúde (UBS), com o intuito de sensibilizar e mobilizar beneficiários de outros programas sociais” conta Silvana. Ao final do projeto foram implantadas 13 hortas comunitárias, sendo 9 em UBSs do município, destinadas ao uso terapêutico.

Práticas saudáveis
Participantes relataram melhoras de saúde e maior cuidado nutricional

Além da promoção da maior segurança alimentar, Silvana comenta que muitos beneficiários relatavam melhoras de saúde e maior cuidado nutricional, ligados ao desenvolvimento de habilidades proporcionado pelo projeto. “A participação social da comunidade também deu função a terrenos abandonados”, lembra a administradora. Com a implantação das hortas e lavouras, foram criados espaços saudáveis, produtivos e propícios para o convívio e participação social. “Havia uma grande busca pela sustentabilidade.”

A característica sustentável do projeto, ela explica, pode ser observada tanto nos esforços para sua continuidade e fortalecimento, quanto no aspecto econômico, de autonomia dos grupos envolvidos, além da própria questão ambiental, com otimização dos recursos naturais. Além disso, a intersetorialidade, isto é, envolvimento de diversos profissionais, foi algo marcante. “Percebemos que a intersetorialidade se deu na base da pirâmide do poder público municipal”, relata. “É uma ação que envolve responsabilidades e tarefas de várias áreas”, completa.

“O Colhendo Sustentabilidade contribuiu para o desenvolvimento de políticas públicas saudáveis no município”, avalia a pesquisadora. Um exemplo disso foi a inserção das atividades de agricultura urbana agroecológica em UBS pelo programa de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde. Também destaca-se a colaboração da equipe técnica do projeto na elaboração da política pública de agropecuária do novo plano diretor de Embu (Lei Complementar n° 186, 20 de abril de 2012), bem como o Programa Municipal de Agricultura Sustentável (PROMAS), também de 2012, fruto do trabalho do projeto.

As conclusões da pesquisa foram obtidas a partir de quatro oficinas de sistematização realizadas com pessoas com pelo menos seis meses de participação no projeto, técnicos de serviços públicos e do Colhendo Sustentabilidade, além de análise documental e entrevista com informante-chave. Entre os objetivos das oficinas estavam resgatar a memória do projeto, além de fazer o levantamento de informações a respeito de seu impacto na vida dos envolvidos. A dissertação de mestrado de Silvana, orientada pela professora Helena Akemi Wada Watanabe, foi apresentada em abril de 2013.

Foto: Divulgação / cedida pela pesquisadora

Mais informações: e-mail silmaribe@gmail.com, com Silvana Maria Ribeiro


Revista Virtual de Química, Vol. 5, No 3 (2013)


Capa, Corpo Editorial, Sumário

A Mata Atlântica e o Projeto I-FLORA 
Bárbara V. da Silva, Lidilhone Hamerski, Michelle Jakeline C. Rezende 


Biotecnologia da Biodiversidade: Um Novo Instituto Brasileiro 
Antonio Paes de Carvalho, Paulo Cavalcanti Gomes Ferreira 

Produtos Naturais de Algas Marinhas Bentônicas 
Valéria L. Teixeira 

Substâncias de Origem Vegetal com Atividade Larvicida Contra Aedes aegypti 
Walmir Silva Garcez, Fernanda R. Garcez, Lilliam M. G. E. da Silva, Ulana C. Sarmento 

Usando as Cores da Natureza para Atender aos Desejos do Consumidor: Substâncias Naturais como Corantes na Indústria Alimentícia 
Lidilhone Hamerski, Michelle Jakeline Cunha Rezende, Bárbara Vasconcellos da Silva 

Fungos Endofíticos: Uma Fonte Inexplorada e Sustentável de Novos e Bioativos Produtos Naturais 
Vanessa M. Chapla, Carolina R. Biasetto, Angela R. Araujo 

Consolidação dos Grupos de Pesquisa em Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Brasil 
Paula G. Santos, Antonio Carlos Siani 

Produção de Fitoterápicos no Brasil: História, Problemas e Perspectivas 
Lucio F. Alves



Excelente banco de dados sobre plantas psicoativas

Palestra em São Paulo: " Como Prescrever Fitoterápicos Seguros Aumentando a Competitividade da Farmácia "

O Conselho Brasileiro de Fitoterapia - Conbrafito com apoio da Anfarmag e Consulfarma, convida -o (a), para uma palestra (GRATUITA), abordando o tema:
" Como Prescrever Fitoterápicos Seguros Aumentando a Competitividade da Farmácia "
Dr. Sérgio Panizza, 

06/07/2013 (sábado) às 11:00 hs., na 8ª Consulfarma - Congresso Internacional ,

Local: Anhembi Parque- Palácio das Convenções, Avenida Olavo Fontoura, 1209.

Obs: Pedimos a gentileza que acesse o site www.congressoconsulfarma.com, para ter acesso a localização do mapa e as demais atrações do evento, obrigada.

Aproveite para visitar o Congresso - Entrada Franca.

Itália: Festa della lavanda della Valdaso: Lavandaso!

21 GIUGNO 2013
Abbiamo il piacere di annunciare la seconda edizione di “LAVANDASO – La festa della lavanda della Valdaso”

Anche quest’anno l’evento si terrà presso la stupenda Rocca Montevarmine a Carassai (AP), domenica 23 giugno a partire dalle ore 11 fino a sera, quando un bellissimo concerto di flauto e pianoforte “al lume di candela e profumo di lavanda”, con il maestro Dante Milozzi, primo flauto della Rai e il maestro Roberto Galletti, professore di pianoforte a Santa Cecilia, scandirà la fine di un giorno sostiziale,

Nella speranza di vedervi tutti il 23 giugno alla Rocca Montevarmine, inviamo i piu’ profumati saluti (naturalmente alla lavanda)

Roberto Ferretti, Elizabeth Perkins e Hans Groot

PS: chiediamo cortesemente di divulgare l’evento presso familiari, amici e ospiti.

Per chi vuole saperne di più….

- Alle ore 11 si aprirà il cancello della Rocca Montevarmine dove, nel suo cortile, troverete un mercatino di prodotti legati alla lavanda e ad altre piante officinali. (Oli essenziali, fiori, mazzetti di lavanda, prodotti cosmetici a base di lavanda, idrolati, miele, piantine, ecc.).

Ad attendervi ci saranno anche alcune aziende biologiche della Valdaso di frutta o di ortaggi antichi, aziende vinicole ed altri prodotti tipici e biologici.

C’è uno spazio importante dedicato all’arte, con artisti di assoluto valore, che daranno vita ad una mostra dal titolo: “Luci e colori del paesaggio marchigiano”

- Al mattino potete assistere ad una serie di seminari, laboratori e animazioni: 1) La lavanda, un mondo da scoprire, con Rosa Vighetto (Arcevia). 2) Distillazione della lavanda, con “Agriturismo Lavanda Blu”. 3) Fabbricazione di sacchetti creativi con fiori di lavanda, con Donatella Verdecchia della Country House “La Corte” Fermo. 4) Introduzione alla saponificazione naturale, con “Saponature” . 5) Creazioni con l’argilla con Anna Maria Bozzi. 6) Massaggio californiano con olio essenziale di lavanda con Galantini Stefano master di massaggio californiano. 7) “Danza del cuore”:respirazione dinamica e aromaterapia, con Donatella Tassotti, maestra di yoga. 8) Introduzione alla fitoterapia, con Leo Marchitto, farmacista esperto di fitoterapia. 9) Presentazione del progetto: “Capperi e capperù”, con il “cappero quanto mi piace” del gruppo “Il Rosa” di Maria Angellotti di Montalto, alla scoperta del cappero e delle sue virtù. ed altri laboratori

- Non manca uno spazio per i bambini e i ragazzi dove potranno fare una bella esperienza sensoriale con tante animazioni: “C’era una volta…” una favola con sorpresa finale, raccontata e animata da Dody. Spettacolo per bambini (e adulti). Animazione con lo yoga per bambini con Donatella Tassotti

- La giornata sara’ allietata dalle musiche medioevali e celtiche dello straordinario polistrumentista Alan Petrei che fara’ anche animazione con bambini con strumenti naturali.

- A pranzo potete assaggiare dei piatti insoliti con profumi di lavanda preparati da chef straordinari come Fabrizio, Adriano e Gigi.

- Nel pomeriggio ci si puo’ distendere con una bella passeggiata alla ricerca e riconoscimento delle erbe spontanee con il Prof. Fabio Taffetani, Ordinario di Botanica Università di Ancona e Direttore dell’Accademia delle Erbe Spontanee di Monte San Pietrangeli.

Paola Marucci, di “Vivere con Gioia”, ci insegnera’ come si prepara una tisana con le erbe spontanee,

- Presso la chiesetta della Rocca Marco Geronimi Stoll ci presentera’ il suo libro “Smarketing, Comunicazione per tutti i piccoli che hanno grandi cose da dire”.

- Avremo, inoltre, il piacere di osservare l’abilita’ degli sbandieratori del Palio dell’Assunta di Fermo.

- All’approssimarsi del tramonto, sempre Paola Marucci, ci insegnera’ l’antico rito di preparazione “dell’acqua di San Giovanni con erbe officinali e petali di fiori.

- Ed infine, a conclusione di una giornata, speriamo indimenticabile, potremo immergerci nelle note di musica classica del concerto “Al lume di candele e profumo di lavanda”, per flauto e pianoforte, con i maestri Dante Milozzi e Roberto Galletto.

Per informazioni rivolgersi a Roberto Ferretti del B&B La Scentella (Petritoli): + (39) 349/8382510, e-mailinfo@scentella.it o a Elizabeth Perkins dell’Agriturismo Lavanda Blu (Carassai): + (39) 338/9134501, e-mailinfo@lavandablu.com


Salvia divinorum: da tradição à proibição

por Lucas Maia e Maria Angélica Comis
Utilizada tradicionalmente há séculos, a planta Salvia divinorum possui efeitos farmacológicos e comportamentais que variam de intensidade. O uso ritualístico difere do uso recreacional; o último tem incitado à proibição da planta em diversos países.
Foto por Aut Fleming. © 2007 Erowid.org

A Salvia divinorum (Lamiaceae) é conhecida como “ska Maria Pastora” e considerada sagrada para a cultura Mazateca, do México, sendo utilizada para fins medicinais e ritualísticos. Os propósitos medicinais incluem o tratamento da dor, diarréia, reumatismo e doenças neurológicas. Existem diversas espécies de sálvia, um grande número de plantas ornamentais e condimentares (ex. Salvia officinalis), as quais não contêm substâncias psicoativas.

Consumida principalmente sob as formas de extratos (via oral) ou folhas secas (fumadas ou mascadas), a Salvia divinorum pode produzir efeitos psicodélicos intensos, às vezes considerados assustadores. Tais efeitos dependem da concentração, da via de administração e da dose utilizada. Os estados de consciência alterada são produzidos a partir da ação da salvinorina, um diterpeno estimulador de receptores opióides tipo kappa.

Em altas doses, são relatados efeitos subjetivos que incluem distorção da percepção de tempo e espaço, imagens vívidas, sinestesiase diferentes sintomas de dissociação como: sensação de fusão com o Universo, estar em outra dimensão, sentir-se como outro indivíduo ou artefato, entre outras experiências consideradas transcendentais ou enteógenas para aqueles que utilizam a planta para fins ritualísticos ou religiosos.

O estado mental do indivíduo e o contexto de uso da substância interferem nas experiências vivenciadas. Há relatos de eventos adversos considerados aversivos, entre eles sedação, tonturas, confusão mental, medo, pânico, perda da coordenação física e riso incontrolável. A literatura sobre potencial de abuso e dependência é escassa. Segundo estudos qualitativos, o uso recreacional da sálvia é comumente associado à curiosidade. Conforme relatos de abandono de uso, a continuação parece ocorrer esporadicamente, tendo em vista os efeitos adversos¹.

Diversos países proibiram o uso da Salvia divinorum em virtude do aumento do uso recreacional². No Brasil, está em tramitação na Câmara dos Deputados um projeto de lei (PL 897/11) que visa proibir o consumo, o cultivo e a comercialização da sálvia e substâncias derivadas. Entretanto, cabe questionar se a postura proibicionista é de fato a mais eficaz em controlar o uso de substâncias.

A regulamentação é uma opção política que preconiza o direito de escolha do indivíduo, respeitando o consumo como tradição. Além disso, possibilita o desenvolvimento de estudos científicos sobre esta planta e seus possíveis potenciais terapêuticos.


EROWID – Base de dados sobre a complexa relação entre humanos & psicoativos

¹ Nyi PP et al. Influence of age on Salvia divinorum use: results of an Internet survey. J Psychoactive Drugs 42(3): 385-392. 2010.

² Schneider RJ e Ardengui P. Salvia divinorium Epling & Játiva (Maria Pastora) e Salvinorina A: crescente uso recreacional e potencial de abuso. Revista Brasileira de Plantas Medicinais12: 358-362. 2010.

Ratsch C. The Encyclopedia of Psychoactive Plants. Vermont: Park Street Press, 2005.

Lucas Maia é biólogo, mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo e integrante do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID).

Maria Angélica Comis – Psicóloga Clínica e Mestre em Psicobiologia pela Universidade Federal de São Paulo.

Data: 22.11.2011

Medicinas tradicionais: além da biomedicina

por Raquel Luna

O termo medicina tradicional se refere aos sistemas médicos praticados por grupos humanos determinados, cujas práticas de prevenção; diagnóstico; tratamento; e a compreensão do complexo saúde-doença; baseiam-se nas teorias, crenças e experiências destes grupos. São exemplos de medicinas tradicionais a Medicina Chinesa, a Medicina Ayurveda (indiana), a Medicina Tibetana e também as medicinas praticadas por etnias indígenas brasileiras. Estima-se que em países da Ásia e África, 80% da população depende das medicinais tradicionais como atenção primária à saúde. Quando estes sistemas médicos, ou partes deles, são praticados fora de seu contexto original (a Acupuntura, parte da Medicina Chinesa, praticada no SUS do Brasil), denominam-se medicina complementar e alternativa e podem não estar atrelados oficialmente ao sistema de saúde do país em questão.

Após a segurança e eficácia de suas práticas serem avaliadas, as medicinas tradicionais e suas partes podem adquirir legitimidade num país e fazer parte do sistema de saúde local. Em geral, a medicina complementar e alternativa é utilizada para promover saúde e bem-estar, bem como reduzir efeitos adversos provenientes dos tratamentos convencionais. Países como Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha adotaram uma política inclusiva, onde as técnicas complementares são aceitas e seus profissionais reconhecidos. Assumir a coexistência de diferentes tipos de práticas terapêuticas favorece a população.

Os produtos naturais, principalmente as plantas medicinais, são os principais recursos terapêuticos das medicinas tradicionais. Os testes químicos e farmacológicos destes produtos ajudam a validar a própria medicina, ao mesmo tempo em que contribuem para o repertório farmacológico convencional – muitas drogas disponíveis atualmente na indústria farmacêutica são provenientes do conhecimento tradicional. É importante salientar, porém, que a ciência desenvolveu suficientemente metodologias que avaliem a ação de drogas isoladas (moléculas), mas ainda não possui metodologias adequadas para controlar a ação das fórmulas herbais multi-ingredientes, contendo diversos ingredientes, em oposição ao uso de uma única planta, que são comumente utilizados nas medicinas tradicionais. Este é um dos desafios por trás da inclusão das práticas complementares e alternativas nos sistemas de saúde.


Raquel Luna é naturóloga, mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo.

Data: 23.09.2011

Bacteria Communicate to Help Each Other Resist Antibiotics

July 4, 2013 — New research from Western University unravels a novel means of communication that allows bacteria such as Burkholderia cenocepacia (B. cenocepacia) to resist antibiotic treatment. B. cenocepacia is an environmental bacterium that causes devastating infections in patients with cystic fibrosis (CF) or with compromised immune systems.
Artist's 3-D rendering of bacteria (stock image). (Credit: © fotoliaxrender / Fotolia)

Dr. Miguel Valvano and first author Omar El-Halfawy, PhD candidate, show that the more antibiotic resistant cells within a bacterial population produce and share small molecules with less resistant cells, making them more resistant to antibiotic killing. These small molecules, which are derived from modified amino acids (the building blocks used to make proteins), protect not only the more sensitive cells of B. cenocepacia but also other bacteria including a highly prevalent CF pathogen, Pseudomonas aeruginosa, and E. coli. The research is published in PLOS ONE.

"These findings reveal a new mechanism of antimicrobial resistance based on chemical communication among bacterial cells by small molecules that protect against the effect of antibiotics," says Dr. Valvano, adjunct professor in the Department of Microbiology and Immunology at Western's Schulich School of Medicine & Dentistry, currently a Professor and Chair at Queen's University Belfast. "This paves the way to design novel drugs to block the effects of these chemicals, thus effectively reducing the burden of antimicrobial resistance."

"These small molecules can be utilized and produced by almost all bacteria with limited exceptions, so we can regard these small molecules as a universal language that can be understood by most bacteria," says El-Halfawy, who called the findings exciting. "The other way that Burkholderia communicates its high level of resistance is by releasing small proteins to mop up, and bind to lethal antibiotics, thus reducing their effectiveness." The next step is to find ways to inhibit this phenomenon.

The research, conducted at Western, was funded by a grant from Cystic Fibrosis Canada and also through a Marie Curie Career Integration grant.

Journal Reference:
Omar M. El-Halfawy, Miguel A. Valvano. Chemical Communication of Antibiotic Resistance by a Highly Resistant Subpopulation of Bacterial Cells. PLoS ONE, 2013; 8 (7): e68874 DOI: 10.1371/journal.pone.0068874


Principais formas de preparo do medicamento a base de plantas

Texto extraído do site do Hospital de Medicina Alternativa da Secretaria da Saúde do Estado de Goiás

Infusão quente:

- Folhas, Flores e Cascas Finas.
- Ferver a água e verter sobre a planta medicinal, previamente higienizada e colocada dentro de uma vasilha. Tampar e deixar em repouso por 5 a 10 minutos, coar. 


- Casca, ramos, frutos, sementes e raiz. 
- Colocar a planta medicinal em água fria, tampar e ferver por 5 a 10 minutos em fogo brando. Deixar em repouso por 20 minutos, coar. 


- Folhas, flores, frutos, sementes, raízes e cascas. 
- Secar a planta medicinal, triturar até reduzir a um pó fino. 


- Ferver duas (02) partes de água e três (03) partes de açúcar ou rapadura, até dissolver. Juntar uma medida de suco da planta medicinal e ferver até dar o ponto de xarope. 

Maceração ou infusão fria::

- Amassar a planta medicinal e colocar em água natural filtrada, deixar em repouso de 12 a 24 horas, coar. 


- Preparar a infusão quente da planta medicinal e fazer a inalação utilizando um funil de papel ou cobrir a cabeça com uma toalha, deixando-a caída sobre a vasilha. 

Óleo medicado:

- Misturar o suco fresco ou decocção das plantas medicinais com óleos vegetais (coco, gergelim, rícino), aquecer em fogo brando até evaporar toda a água. Coar.


- Mergulhar um pano ou algodão no suco ou infusão da planta e aplicar, quente ou frio, sobre o local afetado.


- Acrescentar farinha de mandioca à decocção da planta medicinal enquanto quente, fazendo uma papa. Colocar sobre um pano, o suficiente para cobrir a área afetada. 


- Preparar o óleo medicado, adicionar cera de abelha (formando uma pasta) misturar até que esfrie e fique cremoso.

Fitoterapia: Volume 89, In Progress (September 2013)


Encontro em Foz quer sensibilizar profissionais da saúde sobre fitoterápicos

O Primeiro Encontro do Arranjo Produtivo Local (APL) em Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito SUS da região Oeste do Paraná será realizado em Foz do Iguaçu na sexta-feira, dia 19. Segundo Christiane Lopes Pereira, médica do Município e uma das autoras do projeto que incluiu Foz do na lista oficial dos APLs no Paraná, o evento terá como meta a sensibilização dos profissionais da saúde sobre o uso dos fitoteráicos. Segundo a médica que atende na Unidade Básica de Saúde do Ouro Verde, Foz do Iguaçu foi contemplada pelo Projeto de Arranjo Produtivo Local (APL) no âmbito SUS em julho de 2012. O projeto é proposto pelo Ministério da Saúde por meio do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Foz do Iguaçu já possui o serviço de atendimento em saúde pública utilizando fitoterápicos – ou plantas medicinais. (Jackson Lima).

Data: 05.07.2013

Pilar Sala

Fogo, de bênção a praga infernal, artigo de Procópio de Castro

[EcoDebate] O fogo sempre nos atraiu de forma quase que mágica, hipnotizante de encantos. Quem um dia não parou frente uma chama de vela e viajou no seu tremular e deixou os pensamentos voarem? Quem numa noite de fogueiras, juninas ou não, não se deixou aquecer enquanto viajava em braseiros como em mundos fantasmagóricos de sonhos e fantasias?

É realmente incrível a atração que o fogo nos provoca e esta é uma realidade ancestral, arcaica, milenar e remonta à descoberta do fogo nos primórdios da nossa existência planetária. Por raios ou por vulcões o contato se fez ate chegar á produção pro fricção ou fagulhas das timbocas. Um misto de medo e encanto que nos levou à descoberta de sua utilidade que são muitas. De um alimento bem cozido, uma sopa quentinha, a fusão do metal, a produção da cerâmica e do vidro, de um ambiente aquecido a uma sauna deliciosa… Quem não se encantou com os espetáculos dos fogos comemorativos?

É o fogo é energia é transmutação de elementos e de estados e matéria e é de grande utilidade seja em casa ou nos processos industriais, sem dúvida alguma.

Mas o fogo é também o perigo, a dor e a destruição. Quem não se queimou uma só vez e sentiu o ardor e o poder causticante da chama e seus efeitos por horas ou dias? Quem não viu a paisagem por onde vivia ser lambida por impressionantes labaredas que formavam serpentes gigantescas percorrendo a vegetação e em seus rastros só restavam o negrume das cinzas e o cheiro da morte das plantas, dos insetos, dos ovos cozidos nos ninhos, e dos animais chamuscados ou assados vivos sob os pios dolorosos das aves mães que não puderam ver seus filhotes alçar vôo, pois ainda eram pequenos.

Neste caso o fogo carrega consigo desolação e destruição e sofrimento com consequências inumeráveis. Basta dizer que a cada incêndio muitas plantas não nascem mais, muitos animais e insetos extinguem-se nestes locais, e assim se criam desertos pois nem sempre a demorada recuperação é possível e nunca será completa pois os sobreviventes sem alimento migram ou morrem de fome. Sem animais e insetos não haverá polinização e a dispersão de sementes será também reduzida e consequentemente a baixa produção de novos frutos. A erosão da biodiversidade estará instalada em um começo do fim. Imaginem o crime quando este incêndio é promovido de forma proposital pelo animal humano em uma unidade de conservação do natureza.

Para as águas um incêndio deste também é um desastre. Sem vegetação protegendo o solo as águas da chuva pouco infiltram promovendo a recarga dos lençóis aquáticos subterrâneos que abastecerão os rios ao longo do ano. Sem infiltração teremos então a diminuição dos rios e falta de água. Solta sobre o solo só resta a água despencar rumo aos fundos dos vales e aos cursos d’água levando milhares de toneladas de terras férteis, soterrando as vidas aquáticas, destruindo estes ecossistemas e provocando enchentes onde também morre o bicho homem. Atrás restam terras inférteis, peladas de vida e cheias de cortes na terras que denominamos voçorocas, buracos, crateras…

No ar, os danos dos incêndios são igualmente danosos. Fumaça e fuligem sufocando a respiração dos seres vivos do entorno, humanos ou não. É poluição para todos os lados e por grandes distancias. A fuligem, dispersadas ao precipitar, sujam as casas, as roupas nos varais e pior, penetram fundos nos pulmões que em defesa isolam definitivamente estas partículas juntamente com os alvéolos responsáveis pela troca de oxigênio, provocando infecções e cada vez mais problemas respiratórios para toda a vida.

O fogo também cria caos quando atinge materiais exclusivos da invenção humana, como isopores, plásticos, madeiras aglomeradas com alto teor de resinas sintéticas. Aí é um show de substancias tóxicas no ar. Verdadeiros venenos espalhados por quilômetros e quilômetros e que irão se acumular nas cadeias da vida na forma de dioxinas e furanos, duas pragas que o homem criou e não existiam na natureza e que provocam câncer e mutações genéticas maléficas…

Restam duas perguntas: que uso faremos do fogo? Seu uso utilitário e benéfico ou o produtor de infernos? A decisão é sua e nossa.

Procópio de Castro

Coordenador da Sociedade Civil Subcomitê do Ribeirão da Mata, e Mobilizador do Projeto Manuelzão/UFMG; Conselheiro do CBH Velhas, e membro do Conselho de Administração da AGB Peixe Vivo e da CTCOM – Câmara Técnica de Educação, Comunicação e Mobilização do CBH Rio das Velhas; Conselheiro da APA Carste de Lagoa Santa, da Apa Morro da Pedreira e Parque Nacional da Serra do Cipó e dos Parque Estadual do Sumidouro.
Diretor de Meio Ambiente Circuito das Grutas

EcoDebate, 05/07/2013


International Symposium on Medicinal Plants and Natural Products

Calêndula: infográfico

Propiedades y beneficios de la calendula

Assentamento em Minas inicia transição do café convencional ao orgânico

O assentamento Primeiro do Sul, localizado no município de Campo do Meio (MG), foi resultado de uma ocupação do MST em novembro de 1996. Um ano depois, a área foi desapropriada.

São 40 famílias assentadas, em uma área de 887 hectares.

Cada família tem em média 14 hectares de terra para cultivar.

A produção é bem diversificada, com as famílias produzindo café, feijão, milho, banana, frutas, leite, gado de corte.

Mas a principal atividade econômica é a cultura do café, por se tratar de um cultivo predominante na região. E no último período, as famílias iniciam um projeto de transição do cultivo do café convencional para o orgânico.

Segundo Roberto Carlos do Nascimento, do setor de produção do MST e membro da diretoria da cooperativa do assentamento, o café orgânico dará ao produtor independência econômica e um produto de maior qualidade.

“O produtor, na lógica de produção do café convencional, acaba trabalhando para a indústria e não tendo retorno nenhum. O cultivo de orgânicos possibilita a ele produzir a própria matéria-prima para atuar na adubação do café. Isso faz com que o capital dele gire em sua propriedade, sem depender da indústria externa”.

Confira a entrevista de Roberto Carlos para a página do MST sobre a produção de café do assentamento Primeiro do Sul:

Quantas sacas de café o assentamento Primeiro do Sul produz?

Este ano a produção está estimada em 2500 sacas de café. Temos em torno de 500 mil plantas de café plantadas, com diferentes idades, e acreditamos que daqui há dois, três anos estaremos colhendo de 3500 a 4 mil sacas de café.

Há alguma dificuldade na comercialização do café?

O café não tem dificuldade para ser comercializado. Você produziu, vende. A dificuldade que enfrentamos está no preço, porque é o mercado que determina o valor da saca, não o produtor. Mas independente do preço sempre tem um comprador.

Quem compra as sacas do assentamento?

Comercializamos nas cooperativas regionais. Ainda não temos nossa estrutura para comercializar toda nossa produção. Uma pequena parte do nosso café nós conseguimos torrar, empacotar, moer e comercializar, mas é uma porcentagem muito baixa se comparado à nossa produção geral.

Há planos para desenvolver o assentamento?

Estamos criando uma cooperativa camponesa na região. O processo de regulação dela está na junta comercial para aprovação do estatuto e ata. Dentro de dois meses teremos o CNPJ e a documentação em dia, para na prática começar a implementar as propostas.

Também participamos de um pré-projeto do Terra Forte (programa do governo que vai investir R$ 600 milhões em projetos de agroindústria para assentamentos da Reforma Agrária).Temos outro projeto na questão da industrialização do café, como montar um torrefação, que já há uma possibilidade bem real de sair em parceria com o Incra, com objetivo de podermos empacotar, moer e comercializar pelo menos 35% da nossa produção.

Por que o assentamento decidiu iniciar a produção de café orgânico?

Para ter um produto de melhor qualidade, tanto para as famílias que trabalham quanto para os consumidores, pois o orgânico reflete na questão da saúde de todos. Além disso, os insumos industrializados comprometem muito o resultado da produção do agricultor.

O produtor, na lógica de produção do café convencional, acaba trabalhando para a indústria e não tendo retorno nenhum. O cultivo de orgânicos possibilita a ele produzir a própria matéria-prima para atuar na adubação do café. Isso faz com que o capital dele gire em sua propriedade, sem depender da indústria externa.

Qual o lucro que os produtores obtêm do cultivo convencional do café?

No preço que está hoje para produzir, o produtor não tem lucro. A saca de café na região custa em torno de R$ 300,00. Nesse valor o que o produtor ganha está praticamente empatando o custo de produção dele.

E que vantagens econômicas o café orgânico oferece?

Tem uma cooperativa na nossa região que exporta o café orgânico, e vende a saca 50% mais caro que o convencional. Eles exportam a saca do café a R$450, e recebem outros benefícios por fazer parte do comércio solidário. O café orgânico exige mais mão de obra para desenvolver. Nesse sentido é importante que ele seja desenvolvido na agricultura familiar, já que há essa disponibilidade de força de trabalho.

Como essa transição está sendo feita?

Conseguimos um projeto com o CNPQ de transição de 21 famílias que vai durar dois anos. A partir desses trabalhos assistidos, vamos ter bem mais facilidade em realizar a transição com outras famílias, pois teremos o exemplo prático de como se dá a transição do convencional para o orgânico.

As famílias que participam do projeto vão ter um resultado que vai possibilitar a implantação desse cultivo em outras áreas. Acreditamos que dentro de três a quatro anos nós vamos ter pelo menos 50% das famílias produtoras já tendo uma área de seu lote com café orgânico.

Quais os desafios dessa transição?

Nosso solo no geral foi muito degradado, pois onde foram feitos os assentamentos, a terra já vinha sendo trabalhada há muitos anos com máquinas e uso de químicos. Outra dificuldade é o produtor conseguir a própria matéria prima para suprir a necessidade nutricional da planta. A família assentada ainda não tem condições de produzir insumos.

Também estamos numa região em que o café é uma monocultura, então há influência externa das cooperativas, que apresentam uma facilidade inicial ao produtor, mas que a médio e longo prazo todo o lucro acaba sendo direcionado para as cooperativas, e o produtor não recebe seu lucro.

Como funcionam estas cooperativas?

A maioria dos sócios destas cooperativas são pequenos produtores, mas quem dirige são os grandes. Não tem nenhum pequeno produtor que é parte da diretoria. Tem cooperativas lá com 2 mil sócios, sendo que 1800 são pequenos agricultores. O pequeno serve de escada para essa estrutura de cooperativa.

Por isso a importância de criarmos uma cooperativa do Movimento, diferente da convencional: ao final do ano, o que a cooperativa ganhar será distribuído para as famílias. Nas convencionais os produtores filiados nem sabem qual foi o lucro da cooperativa, muito menos fazem parte do rateio no fim do ano.

Como é a relação do assentamento com essas cooperativas?

No início, teve muito preconceito das cooperativas e foi difícil nos aproximarmos. Quando o assentamento começou a produzir, elas foram aproximando, e hoje há disputa de cooperativa dentro do assentamento pela filiação das famílias.

As famílias assentadas representam um grupo importante para as cooperativas. Nesse sentido a gente tem dificuldade de implementar a discussão do MST da importância de trabalhar com uma produção alternativa, sem degradar o meio ambiente. Tanto para pautar este tema como para melhorar a situação econômica das famílias é que estamos organizando a nossa cooperativa.

Existem outros assentamentos na região que vão se beneficiar da cooperativa do Movimento?

Estamos com dois assentamentos e um pré-assentamento na região, além de um acampamento em Campo do Meio que, se for desapropriado, pode assentar 350 famílias. Vai ser um potencial muito importante para a região quando tivermos definido o assentamento na área, já que teremos mais de 400 famílias produtoras.

EcoDebate, 05/07/2013


quinta-feira, 4 de julho de 2013

STF recebe ação contra prática de vaquejada no Ceará

O ministro Marco Aurélio é o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4983) em que a Procuradoria Geral da República (PGR) pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda a eficácia de lei estadual que regulamenta a prática da vaquejada no Ceará.

A ação foi ajuizada pela PGR para contestar a integralidade da Lei estadual nº 15.299/2013, que estabelece as regras para a realização da vaquejada como atividade desportiva e cultural. A norma fixa os critérios para a competição e obriga os organizadores a adotarem medidas de segurança para os vaqueiros, público e animais. 

A vaquejada consiste em uma competição onde uma dupla de vaqueiros, montados em cavalos distintos, busca derrubar um touro, puxando-o pelo rabo, de forma a dominar o animal em uma área demarcada. A prática da vaquejada é considerada atividade esportiva e cultural fundada no Nordeste brasileiro e remonta, segundo a ação da PGR, “a uma necessidade antiga de fazendeiros daquela região para reunir o gado”, quando as fazendas não eram cercadas e era preciso reunir os animais. Entretanto, argumenta a PGR, “a prática inicialmente associada a atividades necessárias à produção agrícola passou a ser explorada como esporte e vendida como espetáculo, movimentando hoje cerca de R$ 14 milhões por ano”.

Segundo a ação, com a profissionalização da vaquejada, algumas práticas passaram a ser adotadas, como o enclausuramento dos animais antes de serem lançados à pista, momento em que são açoitados e instigados para que entrem agitados na arena quando da abertura do portão. “Diferentemente do que ocorria no campo, os objetivos do esporte e do espetáculo hoje ditam a maneira como se trata o animal”, argumenta a PGR. Tais práticas, prossegue a PGR, acarretam danos e constituem crueldade contra os animais, o que é vedado pelo artigo 225, parágrafo 1º, inciso VII, da Constituição Federal.

A PGR lembra ainda que, em situações específicas em que houve embate entre as manifestações culturais e o meio ambiente, como em julgamentos de grande repercussão – briga de galo no Rio de Janeiro (ADI 1856) e farra do boi em Santa Catarina (RE 153531) –, a Corte entendeu que “o conflito de normas constitucionais se resolve em favor da preservação do meio ambiente quando as práticas e os esportes condenam animais a situações degradantes”. Assim, a PGR pede a concessão de liminar para suspender a prática da vaquejada no Estado do Ceará, “diante do risco de que animais sejam submetidos a tratamento cruel, o que é em si irreversível”. No mérito, requer que a lei estadual seja declarada inconstitucional.

Data: 03.07.2013

The top superfoods: infographic


Infographic: Are Energy Drinks Healthy? (clicar no link)


A História da Índia -3/6 - Rota das sedas e das especiarias

A História da Índia -3/6 - Rota das sedas e das... por TerraSoleMar

Livros para baixar (SciELO Livros)


Livro Xacriabá de plantas medicinais: fonte de esperança e mais saúde

Guarujá: Horta Fitoterápica permanece disponível ao público durante as férias escolares

Em Guarujá, o projeto Horta Fitoterápica Comunitária, da Biblioteca Municipal Geraldo Ferraz, permanece disponível ao público, durante o recesso escolar. Os munícipes serão atendidos de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas, por especialistas, na Rua Ceará, s/nº - Vila Alice.

Quem comparecer à unidade receberá atendimento de equipe composta por biólogo, farmacêutico e engenheiro agrônomo. O momento oferece informações de 47 espécies diferentes de ervas medicinais, plantadas na Horta.

Segundo o coordenador da Biblioteca Municipal, Pedro Menezes, o projeto recebe vários atendimentos durante o recesso escolar. “Aqui na Região, várias pessoas possuem o hábito de curar doenças com a preparação de chás. A Horta oferece orientação para essas pessoas, a respeito das funções das plantas. Além do uso, é benéfico também para acréscimo de conhecimento”.

Durante o período letivo, os educadores das escolas municipais de Guarujá comparecem com os alunos à Horta, com o objetivo de realizar um momento prático nas aulas, principalmente de biologia e ciências. Conforme Pedro, o espaço oferece instrumento de aprendizado para várias disciplinas, facilitando a compreensão de conteúdos.
Horta Fitoterápica Comunitária da Biblioteca Municipal Geraldo Ferraz (Foto: Pedro Rezende/PMG)

Estudos – A Horta Fitoterápica Comunitária foi implantada com base em pesquisas que comprovam que, cerca de 80% da população mundial faz o uso de algum tipo de erva na busca por um alívio de sintomas dolorosos e desagradáveis. Deste montante, 30% são diagnosticados pelos médicos.

As plantas medicinais estão cientificamente aprovadas, para ser utilizadas pela população nas necessidades básicas de saúde, em função de sua facilidade de acesso, do baixo custo e da compatibilidade cultural com as tradições populares. Por essa razão, o trabalho de resgate do conhecimento das plantas vem se tornando cada vez mais importante, principalmente nas áreas mais carentes.

A Biblioteca Geraldo Ferraz atende a visita de grupos de pessoas, escolas, universidades e também realiza orientações individuais. É necessário ligar para a unidade e agendar um horário.

Data: 02.07.2013

Sobre a Resolução que trata da regulamentação da prática da fitoterapia pelo Nutricionista

Revogando a resolução CFN n. 402/2007, o Conselho Federal de Nutrição (CFN) lançou no dia 25 de junho de 2013 a Resolução nº 525, que trata da regulamentação da prática da fitoterapia pelo Nutricionista.

Resolução na íntegra, publicada no Diário Oficial.

Com destaque para os artigos:

Art. 2º. O Nutricionista poderá adotar a fitoterapia para complementar a sua prescrição dietética somente quando os produtos prescritos tiverem indicações de uso relacionadas com o seu campo de atuação e estejam embasadas em estudos científicos ou em uso tradicional reconhecido. Parágrafo Único. Ao adotar a Fitoterapia o nutricionista deve basear-se em evidências científicas quanto a critérios de eficácia e segurança, considerar as contra indicações e oferecer orientações técnicas necessárias para minimizar os efeitos colaterais e adversos das interações com outras plantas, com drogas vegetais, com medicamentos e com os alimentos, assim como os riscos da potencial toxicidade dos produtos prescritos. 

Art. 3º. A competência para a prescrição de plantas medicinais e drogas vegetais é atribuída ao nutricionista sem especialização, enquanto a competência para prescrição de fitoterápicos e de preparações magistrais é atribuída exclusivamente ao nutricionista portador de título de especialista ou certificado de pós-graduação lato sensu nessa área.

UFMT, IFMT, Sesc Pantanal e prefeitura de Poconé assinam termo de cooperação para implantação do programa de plantas medicinais e fitoterápicos

Data: 03.07.2013

O IFMT disponibiliza no Napan uma área coberta de 144 metros quadrados para implantação da Farmácia Viva, além de um espaço de aproximadamente um hectare e meio para ser instalado o viveiro/horto

Texto: Fonte Site da UFMT

A reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Maria Lúcia Cavalli Neder, o vice-reitor em exercício do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), Ademir José Conte, e os representantes da Estância Ecológica Sesc Pantanal, José Alberto Guimarães, e da prefeitura de Poconé, secretário municipal de Saúde, Darlan Guimarães Ribeiro, assinaram termo de cooperação técnico-científica multinstitucional,nesta segunda 01.07, a fim de realizar a instalação, implantação e execução do Programa de Plantas Medicinais e Fitoterápicos de Poconé/MT. A solenidade contou com a participação do diretor do Núcleo Avançado do Pantanal do IFMT, campus de Cáceres, Jasson Borralho Paes e Barros, e da representante do Laboratório de Farmacologia da Faculdade de Medicina, Isanete Geraldine Costa Bieski. 

O objetivo geral do termo de cooperação é a produção de mudas, drogas vegetais e fitoterápicos para disponibilizar à Rede Básica de Saúde de Poconé. Esse programa prevê quatro etapas. A primeira etapa é desenvolver pesquisa etnobotânica para o levantamento do uso e conhecimento de plantas medicinais em Poconé. A segunda é a realização de cursos de extensão em vários temas para capacitar diferentes profissionais envolvidos na cadeia produtiva de plantas medicinais. A terceira etapa e a quarta dizem respeito à implantação da Farmácia Viva - modelo I, Farmácia Viva - modelos II e III, respectivamente. 

A reitora Maria Lúcia destacou a importância desse programa para as áreas de ensino, pesquisa e extensão da universidade. Além disso, ressaltou o papel da parceria com o IFMT, Sesc Pantanal e prefeitura municipal de Poconé para as comunidades da região e as contribuições para o desenvolvimento regional. José Alberto Guimarães falou do trabalho social desenvolvido pelo Sesc Pantanal, inclusive o incentivo às cooperativas, associações e a inclusão social e digital. Ele também destacou a importância do projeto para as comunidades pantaneiras.

Isanete Bieski observa que esse projeto é resultado de uma dissertação de mestrado que identificou 409 plantas em 37 comunidades da região. Ela considera esse trabalho de grande valia para as comunidades e pequenos produtores da região, além de que possibilitará avanços frente aos programas e políticas públicas nacionais de plantas medicinais e fitoterápicas, inclusive com a implantação da Farmácia Viva. Segundo ela, já existem 400 projetos municipais no país e Poconé será o piloto em Mato Grosso. A proposta é expandir para outros municípios mato-grossenses. 

Jasson Paes de Barros também destacou o papel das parceiras entre as instituições e a doação do IFMT de uma área coberta de 144 metros quadros para implantação da Farmácia Viva, além disponibilizar uma área de aproximadamente um hectare e meio para ser instalado o viveiro/horto. 

Farmácia Viva

De acordo com o termo de cooperação, a Farmácia Viva - modelo I se aplica à instalação de hortas de plantas medicinais em unidades de Farmácias Vivas Comunitárias e/ou unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) mantidas sob a supervisão dos profissionais do serviço público estadual/ municipal de fitoterapia. Tem como finalidade realizar o cultivo e garantir à comunidade assistida o acesso às plantas medicinais “in natura” e a orientação sobre a preparação e o uso correto dos remédios caseiros, realizada por profissionais capacitados. Já a Farmácia Viva - modelo II se aplica à instalação de hortas de plantas medicinais em unidades de Farmácias Vivas Comunitárias e/ou unidades do SUS, com a produção/dispensação de plantas medicinais secas (droga vegetal) destinadas ao provimento das unidades de saúde do SUS. A matéria-prima vegetal será submetida às operações primárias, em áreas específicas, de acordo com as Boas Práticas de Processamento (BPP) e poderá também ser produzida através do desenvolvimento da agricultura familiar credenciada.

A Farmácia Viva - modelo III destina à preparação de “fitoterápicos padronizados”, na oficina farmacêutica, para o provimento das unidades do SUS, por meio da Oficina Farmacêutica, no Núcleo Avançado do Pantanal/IFMT.



Juiz de Fora: I Simpósio de Plantas Medicinais e Etnofarmacologia

Promoção: Curso de Ciências Biológicas do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF).

Data: 22 e 25 de julho de 2013.

As inscrições vão até o dia 8 de julho e podem ser feitas através do e-mail:berechiavegatto@pucminas.cesjf.br. Ovalor da taxa é de R$ 15.

O Simpósio visa a capacitar os discentes de Ciências Biológicas e áreas afins a realização de pesquisas científicas que objetivem o resgate de conhecimentos sobre plantas medicinais. Desta maneira, os módulos contemplam, essencialmente, conteúdos com esses fins. A saber, segue abaixo cada um deles:

Módulo 01) Histórico e definições: Homo sapiens x Reino Plantae, com Aline Moreira de Siqueira – 22 de julho, das 9h às 12h;
Módulo 02) Aspectos éticos e legais do direito de propriedade intelectual adquirida no contexto da Etnofarmacologia, com o Ms. Bruno Esteves Conde – 22 de julho, das 14 às 17h;
Módulo 03) Aplicação da Etnofarmacologia, com Izabela Taiana Salazar Rogério – 23 de julho, das 9h às 12h;
Módulo 04) Métodos e técnicas na pesquisa sobre plantas medicinais, com Ms. Bruno Esteves Conde – 23 de julho, das 14h às 17h;
Módulo 05) Validação farmacológica de plantas medicinais, com Arthur Moreira Siqueira – 24 de julho, das 9h às 12h;
Módulo 06) O retorno social nos trabalhos etnofarmacológicos, com Aline Moreira de Siqueira – 24 de julho, das 14h às 17h e
Módulo 07) A hora dos chás, com Ms. Bruno Esteves Conde – 25 de julho, das 9h às 11h (Turma A) e das 14h às 16h (Turma B).

Curcumin May Protect Premature Infants' Lungs

July 2, 2013 — Turmeric, a key ingredient in spicy curry dishes, has long been known to have medicinal values. Now new research finds a substance in turmeric, curcumin, may provide lasting protection against potentially deadly lung damage in premature infants.

Premature infants often need the assistance of ventilators and forced oxygen therapy because they're frequently born with inadequate lung function. These therapies can cause the infants to suffer lasting lung damage and even death. Researchers at Los Angeles Biomedical Research Institute at Harbor-UCLA Medical Center (LA BioMed), using disease models, found curcumin provided long-term protection against this damage.

Their study, published online by the American Journal of Physiology, Lung Cellular and Molecular Physiology, found curcumin provided protection against bronchopulmonary dysplasia (BDP), a condition characterized by scarring and inflammation, and against hyperoxia, in which too much oxygen enters the body through the lungs, for up to 21 days after birth. A previous LA BioMed study found curcumin provided protection for up to seven days after birth.

"This is the first study to find long-term benefits of using curcumin to protect lung function in premature infants," said Virender K. Rehan, MD, the LA BioMed lead researcher who authored the study. "Curcumin is known to have potent antioxidant, anti-inflammatory and anti-microbial properties, making it a promising therapy for premature infants who require oxygen therapy after birth."

BDP is now the most common chronic lung disease of infancy in the U.S. With more premature babies surviving because of improvements in neonatal care, the cases of BPD have increased. A 2010 study found 67.3% of babies born at 22-25 weeks of gestation developed BPD, compared to 36.6% of infants born at 26-30 weeks of gestation.

Reiko Sakurai, Patricia Villarreal, Sumair Husain, Jie Liu, Tokusho Sakurai, Emiley Tou, John S. Torday, and Virender K Rehan. Curcumin Protects the Developing Lung Against Long-Term Hyperoxic Injury. American Journal of Physiology - Lung Cellular and Molecular Physiology, 2013 DOI: 10.1152/ajplung.00082.2013


Pharmacopée et médecine traditionnelle chez les Pygmées du Gabon: répertoire de 117 plantes médecinales (première étude)


Guía de uso de cocinas y hornos solares. Recetario solar.

Guía de uso de secaderos solares para frutas, legumbres, hortalizas, plantas medicinales y carnes

Tapa guia de secadero solar

Publicação: Savoirs des femmes: médecine traditionnelle et nature


Primeira década do século 21 foi a mais quente desde 1850, afirma relatório da ONU

Mudança climática provoca êxodo na África. Foto: ACNUR/B. Bannon

Novo relatório da Organização Meteorológica Mundial ressalta aumento de inundações, secas e ciclones tropicais, além do rápido derretimento das calotas polares.

O mundo experimentou “temperaturas extremas com um impacto sem precedentes” entre 2001 e 2010. Mais recordes nacionais de temperaturas foram quebrados do que em qualquer outra década. A afirmação é do relatório das Nações Unidas “O Clima Global 2001-2010, Uma Década de Extremos”, lançado nesta quarta-feira (3).

Segundo o documento, desde que as medições começaram em 1850, a primeira década do século 21 foi a mais quente em ambos os hemisférios tantos nas temperaturas do solo quanto nos oceanos.

“O aumento das concentrações de gases de efeito estufa que retêm o calor está alterando o nosso clima, com profundas implicações para o nosso ambiente e oceanos, que estão absorvendo dióxido de carbono e calor”, disse o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Michel Jarraud, que produziu o documento.

O relatório constata que as altas temperaturas foram acompanhadas por um rápido declínio no gelo do mar Ártico e uma acelerada perda de camadas das geleiras do mundo.

Ao longo da última década, o mundo experimentou inundações extremas, secas e ciclones tropicais. Mais de 370 mil pessoas morreram em decorrência desses fenômenos naturais, o que representa um aumento de 20% no número de vítimas se comparado à década anterior.

As inundações foram os desastres naturais mais frequentes ao longo da década. Porém, foi a seca que afetou mais pessoas do que qualquer outro tipo de desastre natural por causa da sua larga escala e longa duração. A bacia amazônica, afirma o documento, está entre os pontos que mais sofreram os impactos negativos desse fenômeno no mundo.

Os ciclones tropicais também foram destaque ao longo da década, matando cerca de 170 mil pessoas e causando danos estimados em 380 bilhões de dólares.

O estudo incorpora os resultados de uma pesquisa com 139 serviços meteorológicos e hidrológicos, além de análises e dados socioeconômicos de várias agências das Nações Unidas e parceiros.

Mais do que analisar as temperaturas globais e regionais, o relatório também mapeou as crescentes concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa, concluindo que as concentrações globais de dióxido de carbono na atmosfera aumentaram 39% desde o início da era industrial, em 1750. A concentração de óxido nitroso aumentou 20% e as de metano mais que triplicaram.

Informe da ONU Brasil, publicado pelo EcoDebate, 04/07/2013