sábado, 17 de agosto de 2013

Laurel. Propiedades y beneficios de la planta de laurel

Plantas tóxicas são encontradas em espaços públicos -

Curcumin is the most widely-studied plant-derived medicinal chemical in modern science, statistical analysis reveals

A statistical analysis of millions of scientific studies reveals that curcumin — one of the active chemical constituents in turmeric — is the most widely-studied phytochemical in modern science. The analysis was conducted by medical science researcher Mike Adams, editor… [READ MORE HERE]


Pink Ladybugs in the Garden

Posted on August 3, 2013
By Jill Henderson – Show Me Oz -

Gardeners are always facing new and interesting challenges when it comes to pest management. The first line of defense includes correctly identifying the culprit so that the right measures can be taken to control it. I was recently talking to a fellow gardener about organic control of blister beetles on tomatoes when I happened to mention being cautious about using any kind of pesticide for fear of killing the pink ladybugs that have spent the last several weeks feasting on the pollen of nearby pepper plants. Her immediate response was that those pink ones were just another type of spotted cucumber beetle. I understand her confusion. I used to think that, too.

It isn’t surprising that my friend thought that these brightly colored insects were cucumber beetles of a different color. After all, they aren’t red and don’t have the classic high-domed wing covers like most other ladybugs have.

But like other ladybugs, the pink ladybug (Coleomegilla maculata), also known as pink-spotted lady beetle and twelve-spotted lady beetle, is an important beneficial in the garden, consuming many times its weight in garden pests such as aphids.

According to The Bug Guide, pink ladybugs eat a wide variety of insect pests, including “pea, green peach, melon (cotton), cabbage, and potato aphids and greenbug; eggs of European corn borer, imported cabbageworm, fall webworm, and corn earworm; asparagus beetle, Mexican bean beetle, and Colorado potato beetle eggs and larvae.”
In this way pink ladybugs are very similar to other ladybugs, except that as much as 50% of their diet comes in the form of pollen obtained from flowers such as dandelion, cucumber, squash, and in my garden, peppers.

Perhaps it is a coincidence, but for the last few years we have had large populations of pink ladybugs in our garden. They seem to arrive several weeks after the spotted cucumber beetle, which of course, feeds on the leaves, stems and flowers of cucurbits such as squash, melons and cucumbers.

With the pink ladybug’s preference for pollen, I often find them on the very same plants that the cucumber beetles are feasting on. With squash being one of the preferred flowers, it makes sense that both pink ladybugs and spotted cucumber beetles would be on the same plant at the same time. After all, cucurbits have the largest, showiest and most prolific flowers in the summer garden. What pollen-loving insect in its right mind wouldn’t be interested?

Yet, while both insects feed on the flower pollen – which increases pollination rates and doesn’t hurt the flowers – cucumber beetles feed primarily on the leaves and stems. Their insatiable feeding causes irreparable harm to foliage, transmits bacterial wilt, and spreads powdery mildew in the process.
Because pink ladybugs often show up on the same plants at the same time as cucumber beetles, they are often simply mistaken as another type of cucumber beetle. As a result, many pink ladybugs are erroneously eradicated every year by both chemical and natural insecticides.

As much as we organic gardeners love our good bugs, not all ladybugs are greeted warmly. The Asian ladybug (Harmonia axyridis) is well-known as an invasive species that congregates by the thousands on and into homes and buildings during the winter. Anyone who has never had a ladybug invasion would be well-advised not to hope for one. These non-native species has a proclivity to bite and they exude a yellow secretion that smells and stains walls, clothes and hands. For more information on Asian ladybugs and ladybugs in general, check out my article, Ladybug, Ladybug….

On the other hand, pink ladybugs are good guests who never bite the gardener that grows their flowery food and always flies home when the season is over.

Please check out these great informative sites for more info on Pink Ladybugs and tell them Show Me Oz sent you!

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Calcium calculator

Calcium calculator
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Guavas (Psidium Guajava)

Guavas (Psidium Guajava)
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

100 Pasos para una vida más ecológica

100 Pasos para una vida más ecológica
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Watermelon Juice Relieves Post-Exercise Muscle Soreness

Aug. 14, 2013 — Watermelon juice's reputation among athletes is getting scientific support in a new study, which found that juice from the summer favorite fruit can relieve post-exercise muscle soreness. The report in ACS' Journal of Agricultural and Food Chemistry attributes watermelon's effects to the amino acid L-citrulline.

Encarna Aguayo and colleagues cite past research on watermelon juice's antioxidant properties and its potential to increase muscle protein and enhance athletic performance. But scientists had yet to explore the effectiveness of watermelon juice drinks enriched in L-citrulline. Aguayo's team set out to fill that gap in knowledge.

They tested natural watermelon juice, watermelon juice enriched in L-citrulline and a control drink containing no L-citrulline on volunteers an hour before exercise. Both the natural juice and the enriched juice relieved muscle soreness in the volunteers. L-citrulline in the natural juice (unpasteurized), however, seemed to be more bioavailable -- in a form the body could better use, the study found.
Watermelon juice's reputation among athletes is getting scientific support in a new study, which found that juice from the summer favorite fruit can relieve post-exercise muscle soreness. (Credit: © emmi / Fotolia)


More Than 28 Cups of Coffee a Week May Endanger Health in Under 55s

Aug. 15, 2013 — Nearly 400 million cups of coffee are consumed every day in America. Drinking large amounts of coffee may be bad for under-55s, according to a new study published in Mayo Clinic Proceedings. A study of more than 40,000 individuals found a statistically significant 21% increased mortality in those drinking more than 28 cups of coffee a week and death from all causes, with a greater than 50% increased mortality risk in both men and women younger than 55 years of age. Investigators warn that younger people in particular may need to avoid heavy coffee consumption. No adverse effects were found in heavy coffee drinkers aged over 55.

Drinking coffee has become a normal daily routine for large numbers of people worldwide. According to the latest National Coffee Drinking Study from the National Coffee Association, more than 60% of American adults drink coffee every day, consuming on average just over three cups a day.

Coffee has long been suspected to contribute to a variety of chronic health conditions, although earlier studies on coffee consumption in relation to deaths from all causes and deaths from coronary heart disease are limited, and the results are often controversial.

A multicenter research team investigated the effect of coffee consumption on death from all causes and deaths from cardiovascular disease in the Aerobics Center Longitudinal Study (ACLS) cohort, with an average follow-up period of 16 years and a relatively large sample size of over 40,000 men and women.

Between 1979 and 1998, nearly 45,000 individuals aged between 20 and 87 years old participated and returned a medical history questionnaire assessing lifestyle habits (including coffee consumption) and personal and family medical history. The investigators examined a total of 43,727 participants (33,900 men and 9,827 women) in their final analysis.

During the 17-year median follow-up period there were 2,512 deaths (men: 87.5%; women: 12.5%), 32% of these caused by cardiovascular disease. Those who consumed higher amounts of coffee (both men and women) were more likely to smoke and had lower levels of cardiorespiratory fitness.

All participants were followed from the baseline examination to date of death or until December 31, 2003. Deaths from all causes and deaths from cardiovascular disease were identified through the National Death Index or by accessing death certificates.

Younger men had a trend towards higher mortality even at lower consumption, but this became significant at about 28 cups per week where there was a 56% increase in mortality from all causes. Younger women who consumed more than 28 cups of coffee per week also had a greater than 2-fold higher risk of all-cause mortality than those who did not drink coffee.

Senior investigator Steven H. Blair, PED, of the Department of Biostatistics and Epidemiology, Arnold School of Public Health, University of South Carolina, emphasizes that "Significantly, the results did not demonstrate any association between coffee consumption and all-cause mortality among older men and women. It is also important to note that none of the doses of coffee in either men or women whether younger or older had any significant effects on cardiovascular mortality."

Coffee is a complex mixture of chemicals consisting of thousands of components. Recent research has found that coffee is one of the major sources of antioxidants in the diet and has potential beneficial effects on inflammation and cognitive function. However, it is also well-known that coffee has potential adverse effects because of caffeine's potential to stimulate the release of epinephrine, inhibit insulin activity, and increase blood pressure and levels of homocysteine.

"Thus, all of these mechanisms could counterbalance one another. Research also suggests that heavy coffee drinkers may experience additional risk through potential genetic mechanisms or because of confounding through the deleterious effects of other risk factors with which coffee drinking is associated," say lead authors, Junxiu Liu, MD, Department of Biostatistics and Epidemiology, and Xuemei Sui, MD, MPH, PhD, Department of Exercise Science, both at the Arnold School of Public Health, University of South Carolina, "Therefore, we hypothesize that the positive association between coffee and mortality may be due to the interaction of age and coffee consumption, combined with a component of genetic coffee addiction."

The investigators suggest that younger people in particular should avoid heavy coffee consumption of more than 28 cups a week or four cups in a typical day. However, they emphasize that further studies are needed in different populations to assess details regarding the effects of long-term coffee consumption and changes in coffee consumption over time on all-cause and cardiovascular disease mortality.

Leading expert Carl J. Lavie, MD, of the Department of Cardiovascular Diseases, Ochsner Medical Center, New Orleans, and a co-author of this study, explains that "There continues to be considerable debate about the health effects of caffeine, and coffee specifically, with some reports suggesting toxicity and some even suggesting beneficial effects."

Journal Reference:
Junxiu Liu, Xuemei Sui, Carl J. Lavie, James R. Hebert, Conrad P. Earnest, Jiajia Zhang, Steven N. Blair. Association of Coffee Consumption With All-Cause and Cardiovascular Disease Mortality. Mayo Clinic Proceedings, 2013; DOI: 10.1016/j.mayocp.2013.06.020


Culinária vegetariana é tema de atividade no Sesc Taubaté

O Sesc Taubaté realiza oficina sobre Culinária Vegetariana, no próximo domingo, dia 18, às 10h30, com a empresa Canto da Horta. As inscrições devem ser feitas, gratuitamente, na Central de Atendimento. Vagas limitadas.

Apesar do crescente número de vegetarianos e também da quantidade de informações, a alimentação vegetariana ainda desperta muitas dúvidas. Nesta oficina prática serão passadas orientações para a substituição da carne no dia a dia, abordando temas como fontes de proteínas vegetais, combinação de grupos alimentares, principais nutrientes, cuidados com a dieta, e também a preparação de receitas.

A atividade faz parte do programa Meio Ambiente, que tem como missão desenvolver e compartilhar conhecimentos e iniciativas que priorizem o cuidado com o ambiente e o respeito a todas as formas de vida, tendo como referências a formação para a cidadania e a responsabilidade socioambiental.

Data: 15.08.2013

Both a Mediterranean Diet and Diets Low in Available Carbohydrates Protect Against Type 2 Diabetes, Study Suggests

Aug. 15, 2013 — New research shows that a Mediterranean-style diet and diets low in available carbohydrates can offer protection against type 2 diabetes. The study is published in Diabetologia, the journal of the European Association for the Study of Diabetes (EASD), and is by Dr Carlo La Vecchia, Mario Negri Institute of Pharmacological Research, Milan, Italy, and colleagues.

The authors studied patients from Greece who are part of the ongoing European Prospective Investigation into Cancer and nutrition (EPIC), led by Dr. Antonia Trichopoulou, from the University of Athens. From a total of 22,295 participants, actively followed up for just over 11 years, 2,330 cases of type 2 diabetes were recorded. To assess dietary habits, all participants completed a questionnaire, and the researchers constructed a 10-point Mediterranean diet score (MDS) and a similar scale to measure the available carbohydrate (or glycaemic load [GL]) of the diet.

People with an MDS of over 6 were 12% less likely to develop diabetes than those with the lowest MDS of 3 or under. Patients with the highest available carbohydrate in their diet were 21% more likely to develop diabetes than those with the lowest. A high MDS combined with low available carbohydrate reduced the chances of developing diabetes by 20% as compared with a diet low in MDS and high in GL.

The authors say: "The role of the Mediterranean diet in weight control is still controversial, and in most studies from Mediterranean countries the adherence to the Mediterranean diet was unrelated to overweight. This suggests that the protection of the Mediterranean diet against diabetes is not through weight control, but through several dietary characteristics of the Mediterranean diet. However, this issue is difficult to address in cohort studies because of the lack of information on weight changes during follow-up that are rarely recorded."

They point out that a particular feature of the Mediterranean diet is the use of extra virgin olive oil which leads to a high ratio of monounsaturated to saturated fatty acids. But again research here has been conflicting. One review of dietary fat and diabetes suggests that replacing saturated and trans fats with unsaturated fats has beneficial effects on insulin sensitivity and is likely to reduce the risk of type 2 diabetes. However, in a randomised trial of high-cardiovascular-risk individuals who were assigned to the Mediterranean diet supplemented with either free extra virgin olive oil or nuts and were compared with individuals on a low-fat diet (comparison group), there was no difference in diabetes occurrence between the two variants of the Mediterranean diet when compared with the comparison group.

Regarding GL, the authors say: "High GL diet leads to rapid rises in blood glucose and insulin levels. The chronically increased insulin demand may eventually result in pancreatic β cell failure and, as a consequence, impaired glucose tolerance and increased insulin resistance, which is a predictor of diabetes. A high dietary GL has also been unfavourably related to glycaemic control in individuals with diabetes."

They conclude: "A low GL diet that also adequately adheres to the principles of the traditional Mediterranean diet may reduce the incidence of type 2 diabetes."


Celery, Artichokes Contain Flavonoids That Kill Human Pancreatic Cancer Cells

Aug. 15, 2013 — Celery, artichokes, and herbs, especially Mexican oregano, all contain apigenin and luteolin, flavonoids that kill human pancreatic cancer cells in the lab by inhibiting an important enzyme, according to two new University of Illinois studies.
Fresh artichokes. Celery, artichokes, and herbs, especially Mexican oregano, all contain apigenin and luteolin, flavonoids that kill human pancreatic cancer cells in the lab by inhibiting an important enzyme, according to two new University of Illinois studies. (Credit: © Marzia Giacobbe / Fotolia)

"Apigenin alone induced cell death in two aggressive human pancreatic cancer cell lines. But we received the best results when we pre-treated cancer cells with apigenin for 24 hours, then applied the chemotherapeutic drug gemcitabine for 36 hours," said Elvira de Mejia, a U of I professor of food chemistry and food toxicology.

The trick seemed to be using the flavonoids as a pre-treatment instead of applying them and the chemotherapeutic drug simultaneously, said Jodee Johnson, a doctoral student in de Mejia's lab who has since graduated.

"Even though the topic is still controversial, our study indicated that taking antioxidant supplements on the same day as chemotherapeutic drugs may negate the effect of those drugs," she said.

"That happens because flavonoids can act as antioxidants. One of the ways that chemotherapeutic drugs kill cells is based on their pro-oxidant activity, meaning that flavonoids and chemotherapeutic drugs may compete with each other when they're introduced at the same time," she explained.

Pancreatic cancer is a very aggressive cancer, and there are few early symptoms, meaning that the disease is often not found before it has spread. Ultimately the goal is to develop a cure, but prolonging the lives of patients would be a significant development, Johnson added.

It is the fourth leading cause of cancer-related deaths, with a five-year survival rate of only 6 percent, she said.

The scientists found that apigenin inhibited an enzyme called glycogen synthase kinase-3β (GSK-3β), which led to a decrease in the production of anti-apoptotic genes in the pancreatic cancer cells. Apoptosis means that the cancer cell self-destructs because its DNA has been damaged.

In one of the cancer cell lines, the percentage of cells undergoing apoptosis went from 8.4 percent in cells that had not been treated with the flavonoid to 43.8 percent in cells that had been treated with a 50-micromolar dose. In this case, no chemotherapy drug had been added.

Treatment with the flavonoid also modified gene expression. "Certain genes associated with pro-inflammatory cytokines were highly upregulated," de Mejia said.

According to Johnson, the scientists' in vitro study in Molecular Nutrition and Food Research is the first to show that apigenin treatment can lead to an increase in interleukin 17s in pancreatic cells, showing its potential relevance in anti-pancreatic cancer activity.

Pancreatic cancer patients would probably not be able to eat enough flavonoid-rich foods to raise blood plasma levels of the flavonoid to an effective level. But scientists could design drugs that would achieve those concentrations, de Mejia said.

And prevention of this frightening disease is another story. "If you eat a lot of fruits and vegetables throughout your life, you'll have chronic exposure to these bioactive flavonoids, which would certainly help to reduce the risk of cancer," she noted.

Journal References:

Jodee L. Johnson, Elvira Gonzalez de Mejia. Interactions between dietary flavonoids apigenin or luteolin and chemotherapeutic drugs to potentiate anti-proliferative effect on human pancreatic cancer cells, in vitro. Food and Chemical Toxicology, 2013; 60: 83 DOI:10.1016/j.fct.2013.07.036

Jodee L. Johnson, Elvira Gonzalez de Mejia. Flavonoid apigenin modified gene expression associated with inflammation and cancer and induced apoptosis in human pancreatic cancer cells through inhibition of GSK-3β/NF-κB signaling cascade. Molecular Nutrition & Food Research, 2013; DOI: 10.1002/mnfr.201300307


Ginseng siberiano - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Ginseng siberiano 

Eleutherococcus senticosus 

Interage com: Digoxina - Lanoxin®; Lanitop®

Efeito: elevação dos níveis plasmáticos de digoxina, sem efeitos tóxicos associados. 

Mecanismo: o ginseng siberiano contém eleuterósidos (moléculas com relação química com os glicósidos cardíacos, tal como a digotoxina) que podem converter-se em digoxina in vivo. No caso reportado não houve toxicidade associado pelo que se pensa que os compostos digoxina-like do ginseng siberiano aumentaram o doseamento da digoxina mas não potenciaram o seu efeito.
Adverte-se precaução na alteração de terapêutica apoiada nos referidos valores.

McRae, S. Elevated serum digoxin levels in a patient taking digoxin and Siberian ginseng. Canadian Medical Association Journal 1996; 155: 293–295.

Tang, W.; Eisenbrand, G. Chinese Drugs of Plant Origin: Chemistry, Pharmacology and Use in Traditional and Modern Medicine. Springer-Verlag 1992, 1-11.

Espinheiro-alvar - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Espinheiro-alvar ou pirliteiro 

Crataegus oxycantha (sinônimo C. laevigatta)

Interage com: Digoxina - Lanoxin®; Lanitop®

Efeito: elevação dos níveis plasmáticos de digoxina. 

Mecanismo: o espinheiro-alvar contém na sua composição compostos digoxina-like, que podem contribuir para um aumento do efeito da digoxina. 

Kahn, M. Contemporary Cardiology: Cardiac Drug Therapy 7th Edition. Totowa: Humana Press Inc.; 2007 pp 378

Farelo de trigo - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Farelo de Trigo 

Triticum spp 

Interage com: Digoxina - Lanoxin®; Lanitop®

Efeito: diminuição da concentração plasmática de digoxina.

Mecanismo: as fibras presentes no farelo de trigo comprometem a absorção da digoxina. Representa preocupação se o limiar terapêutico necessário deixar de ser atingido. 

Nordstrom, M.;Melander, A.; Robertsson, E.; Steen, B. Influence of wheat bran and of a bulk-forming ispaghula cathartic on the bioavailability of digoxin in geriatric in- patients. Drug-Nutrient Interactions 1987; 5: 67–69.

Izzo, A.A. Herb–drug interactions: an overview of the clinical evidence. Fundamental & Clinical Pharmacology. 2005; 19: 1–16

Ginkgo - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)


Ginkgo biloba 

Interage com: Ácido Acetilsalicílico - Aspirina®; Aspirina GR®; AAS®; Cartia®; Tromalyt®; Migraspirina®; ASP® 

Efeito: pode aumentar risco de hemorragia.

Mecanismo: Ginkgolídeo B pode inibir o fator de ativação plaquetar, inibindo a sua agregação. Este efeito somado ao efeito antiagregante plaquetar da aspirina aumenta o risco de hemorragia.

Izzo , A. A.; Ernst,E. Interactions Between Herbal Medicines and Prescribed Drugs. Drugs 2001 61(15) 2163-263-2175

Interage com: Ibuprofeno - Brufen®; Trifene®; Nurofen®; Seractil®;Moment®; Ozonol®; Spidifen®

Efeito: pode aumentar risco de hemorragia.

Mecanismo: Ginkgolídeo B pode inibir o factor de activação plaquetar, inibindo a sua agregação. Este efeito somado ao efeito antiagregante plaquetar do ibuprofeno aumenta o risco de hemorragia.

Meisel, C.; John, A.; Roots, I. Fatal intracerebral mass bleeding associated with Ginkgo biloba and ibuprofen. Atherosclerosis 2003 167:367

Interage com: Varfarina - Varfine® 

Efeito: pode aumentar risco de hemorragia.

Mecanismo: Ginkgolídeo B pode inibir o factor de activação plaquetar, inibindo a sua agregação. Este efeito somado ao da varfarina (anticoagulante oral) aumenta o risco de hemorragia.

Bebbington A., Kulkarni R., Roberts P. Ginkgo biloba: persistent bleeding after total hip arthroplasty caused by herbal self-medication. J Arthroplastly 2005 20: 125-126.

Matthews, M.K. Association of Ginkgo biloba with intracerebral hemorraghe. Neurolog 1998 50: 1933-1934

Lambrechet, J. E.; Hamilton, W; Rabinovich, A. A review of herb-drug interactions: documented and theoretical. US Pharma 2000 25:8

Mais pesquisadores se dedicam ao estudo de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Brasil

Por Antonio Carlos Siani
Foto: Fernanda Birollo

Nas instituições brasileiras, a quantidade de Grupos de Pesquisa (GP) que se dedicam ao estudo de plantas medicinais e fitoterápicos teve um significativo aumento na primeira década do século XXI, conforme indica o levantamento publicado na edição mais recente da Revista Virtual de Química (*). Com base em inventários realizados nos censos bianuais do CNPq, disponíveis em buscas no Diretório de Grupos de Pesquisa, este estudo apontou um significativo aumento na quantidade de GP e nas Linhas de Pesquisas (LP) dedicadas às investigações destes temas.

Quatro temas principais orientaram as buscas no Diretório, segundo as palavras-chave: Plantas Medicinais, Fitoterápicos, Biodiversidade eProdutos Naturais. No ranking de utilização de quaisquer deles, entre 2000-2010, houve uma liderança constante da região Sudeste. Esta apresentou o crescimento de 37 para 105 GP e de 30 para 112 LP, para a busca pelo tema plantas medicinais, e de 8 para 40 GP e 5 para 34 LP para o tema fitoterápicos. Em seguida, apareceram as regiões Nordeste (32 para 76 GP e 36 para 83 LP) e Sul (23 para 60 GP e 20 para 56 LP). Com menor expressão, mas também demonstrando constantes crescimentos ao longo da década, estão as outras regiões do país. Embora estes números sejam em parte relativizados, devido às possíveis replicações derivadas dos grupos que utilizam mais de uma palavra-chave na denominação de seus GP e LP, as tendências de crescimento são claramente observadas. As buscas no Diretório do CNPq também foram estendidas a terminologias de escopo mais amplo, como biodiversidade eprodutos naturais, produzindo maiores quantitativos (já que envolvem temas com escopo mais abrangentes); contudo produzindo tendências similares de crescimento.

Os expressivos aumentos constatados nos inventários são, em parte, atribuídos às políticas públicas de criação e expansão da rede de ensino superior, que vem se consolidando depois da metade da década, com a constituição de novos campi universitários em regiões mais periféricas do território nacional, e a renovação do status acadêmico dos Institutos de Pesquisa. Também relevante para o aumento dos GP e LP nas áreas levantadas foi a evolução do marco regulatório na área de fitoterápicos e da produção de vegetais com fins medicinais – o que paulatinamente tem o efeito de organizar a cadeia tecnológica de produtos farmacêuticos que utilizam esta matéria-prima, estimulando assim o setor produtivo de medicamentos, cosméticos, nutracêuticos e outros.

O crescimento observado dos GP institucionais também reflete um aumento quantitativo de projetos que integram múltiplas áreas, como Biologia, Química, Farmácia, Agronomia e Ciências Biomédicas em geral, cujas atividades científicas compõem a cadeia tecnológica para obtenção de produtos para a saúde humana, em especial as plantas medicinais e os fitoterápicos. Ao promover a integração entre disciplinas e profissionais diversos, a multiplicação qualitativa e quantitativa dos GP nos temas em foco também reforça a capacidade interdisciplinar das universidades e institutos científicos nacionais, o que é considerado pelos autores como o pilar da contribuição da academia científica para promover a inovação nesta área.


(*) P. G. Santos & A. C. Siani. Consolidação dos Grupos de Pesquisa em Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Brasil. Revista Virtual de Química 5 (3), 438-449 (2013).

Antonio C. Siani é graduado e doutorado em Química Orgânica pela UNICAMP. Atualmente, é servidor no Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fiocruz, Rio de Janeiro, atuando como tecnologista no desenvolvimento de produtos oriundos da diversidade vegetal brasileira, especialmente plantas medicinais e fitoterápicos.

Data: 15.08.2013


Ministério do Meio Ambiente detecta crescimento de desmatamento seletivo na Amazônia

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse ontem (15) que não há aumento do desmatamento na Amazônia, mas o ministério detectou um crescimento da prática da fragmentação, que ocorre quando se corta árvores seletivamente, sugerindo uma mudança na dinâmica do crime ambiental. “O sistema de inteligência do ministério já detectou essa prática e estamos combatendo com novas estratégias de fiscalização”, disse a ministra.

Segundo Izabella, o desmatamento da Amazônia foi reduzido para menos de 5 mil quilômetros quadrados. Em 2004, o desmatamento chegou a mais 27 mil quilômetros quadrados. “Todos os recursos tecnológicos, humanos e financeiros foram alocados para a fiscalização. Não há corte de recursos. Ao contrário, é o maior contingente de fiscais que já trabalhou na Amazônia”, disse Izabella.

A ministra também cobrou dos estados maior empenho na fiscalização. “Tem estado que colocou na operação total de homens apenas seis funcionários para combater o desmatamento. E é um dos estados que mais desmata. Quando vai ser prioridade dos governos estaduais cuidar da Floresta Amazônica?”, disse Izabella. A ministra não quis revelar qual é o estado por questões de segurança.

Segundo a ministra, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vai tornar disponível em breve em seu site as áreas embargadas (proibidas ao plantio para recuperação da área degradada). “Tem gente plantando em área embargada e apostando na impunidade. A regularização prevista no Código Florestal é para quem desmatou até 2008. Após 2008, tem multa. É inaceitável que as pessoas ainda busquem o caminho da ilegalidade”, ressaltou.

Edição: Fábio Massalli

Reportagem de Ana Cristina Campos, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 16/08/2013

Uma estratégia à segurança alimentar dos pobres urbanos: Agricultura urbana, artigo de João de Deus Barbosa Nascimento Júnior

[EcoDebate] Está em marcha acelerada no mundo, um triste fenômeno, que atesta o fracasso da revolução verde e de seus métodos destruidores: um bilhão e duzentos milhões de pessoas sem acesso à alimentação mínima necessária para manterem-se capazes de executar algum trabalho para garantir a segurança alimentar individual e de seus familiares no mundo, mas, para 800 milhões a fome já é endêmica. O restante, cerca de quatro bilhões e meio de habitantes do globo, conseguem acesso à sua ração alimentar diária suficiente apenas, quando se pode dispor de pelo menos um dólar americano de renda individual, para sua subsistência, digo existência altamente comprometida e fragilizada para o ataque constante de diversas doenças relacionadas à baixa nutrição. Outros agricultores já respondem por grande parte dessa população, menos de 5% que detém acesso a uma dieta de cerca de 2.000 calorias diárias, pensam que estão fora de risco, mas cada vez mais estão sendo literalmente envenenadas por exposição aos agroquímicos de toda espécies, sejam eles fertilizantes, agrotóxicos ou aditivos químicos existentes nos alimentos de origem animal ou vegetal que consumidos ou remetidos para consumo de outrem. Os primeiros morrem de fome os segundos de câncer e males circulatórios.

Mas existe outro fenômeno que o mundo não tem prestado a devida atenção: 800 milhões de pessoas, em todo o mundo, se dedicam hoje à agricultura familiar urbana, e o número vem crescendo aceleradamente. É a FAO quem estima em 800 milhões o número de agricultores urbanos no mundo, reconhecendo que esses agricultores ou ex-agricultores que migraram para os grandes centros urbanos, já respondem por 15% de toda a produção mundial de alimentos – uma alimentação muito mais variada e nutritiva, não baseada apenas em cereais e outras commodities agrícolas. Uma das causas é sem dúvida o grande, e, se pode dizer, maciço êxodo rural, acompanhado pelo proporcional êxodo das atividades agrícolas, esse sim, o mais perigoso para as comunidades rurais tradicionais.

Dados do IBGE apontam para o crescimento das populações urbanas acentuada nas últimas décadas e que o desenvolvimento rural, causado pelo modelo tecnicista, não holístico e substituidor de mão-de-obra, causada muitas vezes, pela própria adoção de máquinas e implementos, pela monoatividade, pelo monocultivo granífero que vem ocupando cada vez mais espaços/solos de grandes áreas brasileiras, expurgando assim, massas inteiras de trabalhadores, não aproveitados por essas culturas, nem pelos seus sistemas de cultivo empregados.

Daí urge a necessidade, que se estabeleça uma planificação municipal, estadual e regional para atender as demandas de técnicas, capazes de absorver essas massas trabalhadoras, para que possam das continuidade as suas atividades agrícolas, sendo mais saudáveis do ponto de vista ecológico, mais econômico e que venha principalmente ao encontro das necessidades de consumidores mais exigentes, localizados às margens ou às proximidades das suas novas áreas, cada vez menores e que necessitam de uso intensivo de mão-de-obra e de tecnologias, serviços e processos que gerem produtos com maior produtividade por unidade plantada, com rentabilidade e rendimento bem maiores, pra aumentar a oferta de alimentos cada vez mais orgânicos.

Essas atividades envolvem o plantio de hortaliças, frutas, grãos e ervas medicinal e/ou aromáticas, pequenos bosques, áreas de permacultura, flores e outras plantas ornamentais. Esses cultivos acontecem tanto em cidades pequenas do terceiro mundo, como no coração de megalópoles do mundo industrializado: Amsterdã, Paris, Nova York, Los Angeles, Vancouver. Acontece no Brasil, com importância em Cachoeiro do Itapemirim, Rio Branco do Sul e nas capitais como: Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo dentre outras. Essa atividade é estratégica em Havana, onde 26.000 habitantes são praticantes. Em Moscou (20.000), na Philadelphia, em Kampala, na Cidade do México, Boston, Tirana, Nairóbi, Bangkok, Perth, Sidney, Toronto, São Petersburgo, Shangai, Montevidéu, Lima, Buenos Aires, Corrientes, La Paz, etc. Essa atividade está muito bem apoiada pelos governos do Canadá, África do Sul, Austrália, Alemanha, Índia e China. No Brasil, bem aqui, ainda estamos dormindo em berço esplêndido.

Por exemplo, em Chicago há criações de cabras e ovelhas além de abelhas em plena cidade. O mesmo acontece em várias cidades da Inglaterra, onde a criação de vacas é permitida. Na Cidade do México, a municipalidade tem autorizado a criação de até 60 porcos em terrenos urbanos por família, desde que observadas rígidas condições de higiene. Na maior parte das cidades e países citados, a atividade d plantio convive com a criação de animais, em plena zona urbana. As autoridades sanitárias ditam as regras e mantêm a fiscalização. Os criadores tratam de segui-las e tudo funciona muito bem. Na Philadelphia, a Universidade local está implantando um Programa de apoio aos agricultores urbanos, que os capacitará a desenvolver a piscicultura urbana, em tanques de moderna tecnologia, com circulação e aeração, onde a produtividade chega ao equivalente a 400 toneladas por hectare de Lâmina de água. Também o cultivo de cogumelos está sendo incentivado.

A FAO entende que “A agricultura urbana oficialmente sancionada e promovida pode se tornar uma componente importante do desenvolvimento urbano e proporcionar mais alimentação aos pobres urbanos. A agricultura também pode proporcionar produtos mais frescos e mais baratos, mais espaços verdes, o esvaziamento de aterros sanitários e a reciclagem do lixo doméstico”. Outras vantagens dessa prática pode-se citar: a geração de renda; a criação de empregos diretos e indiretos; absorção de mão-de-obra do migrante rural; absorção da mão-de-obra adolescente; oportunidade de trabalho para mulheres; ampliação da segurança alimentar; substituição de importações municipais; reciclagem do lixo doméstico urbano; reciclagem de águas pluviais; disponibilização de alimentos de melhor qualidade ou mais frescos; alimentos mais baratos, aumento da disponibilização de proteínas e fibras vegetais; disponibilização de micronutrientes; melhora do meio ambiente urbano por sequestro de carbono; melhoria da estética urbana; fortalecimento de mercados intermunicipais; criação de agroindústrias; absorver mão-de-obra da terceira idade e proporcionar a criação de hobbies.

Para se concretizar e se perenizar a atividade da agricultura urbana, tornando-a sustentável é necessário a tomada de algumas ações importantes como: possibilitar o conhecimento dos agricultores de contabilidade financeira básica e técnicas de vendas e outras atividades relacionadas ao produto e ao consumo, como teoria de negócios, cálculo de custos de produção, lucro e formação de preços, além da teoria da gestão de estoques, estabelecendo metodologias de fácil entendimento para que esses agricultores possam elaborar seus próprios fluxos de caixa, determinar seus preços de equilíbrio, calcular seus custos de produção, calcular seus lucros, determinar as quantidades a serem produzidas sem prejuízo para atividade, criação de entrepostos para comercialização direta ou para grandes varejistas locais.

Revisão bibliográfica:

Guerra, G.A.D; silva, L.C.M .da; DA ROÇA À FEIRA: Perfil de pequenos produtores mercantis da ilha de Cotijuba, Belém-Pará: In : CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE SOCIOLOGIA RURAL, 6. 2002. Porto Alegre: UFRGS, 2002, p.1-25.

Frère, N.; Ludovino, R.M.R.; Martins, P.F. da Silva.; – Agricultura urbana de Belém-Pará – APACC – Programe de développement integre dans les quartiers de la Bacia de Tucunduba. Belém – Pará-Brésil. Mai. 1994 – juillet, 1998. Belém. APACC. 1998. 25p.

Instituto solo Vivo – Agricultura Urbana; www.solovivo.com;

Roese, A.D. – Agricultura Urbana; adroese@cpap.embrapa.br.

Roese, A. D.; – Agriultura Urbana; Fundação Dalmo Giacometti; www.giacometti.org.br.

Roese, A.D.; Embrapa Pantanal.; Fazendeiro.; Agricultura Urbana.;www.clubedofazendeiro.com.br.

Marcos, V. Toda Fruta – Ocupação potencial da exploração de fruteiras no Estado do Rio de Janeiro – Agricultura Urbana; www.todafruta.com.br.

João de Deus Barbosa Nascimento Júnior, Analista A da Embrapa Amazônia Oriental.

EcoDebate, 16/08/2013

Plantas medicinais no "Tratado descritivo do Brasil" de 1587

Autor: Gabriel Soares de Sousa

Importante obra, onde já são realçadas as qualidades das plantas medicinais. Há capítulos específicos sobre árvores medicinais, sobre "ervas" medicinais, e como os índios tratam suas doenças.

Sobre as árvores, destaque para embaíba, caraobuçu, caraobamirim e almécega. Por não haver a identificação por meio dos nomes científicos, não é possível precisar quais são as espécies.

Alguns trechos do livro:


"A natureza destes cajus é fria, e são medicinais para doentes de febres, e para quem tem fastio, os quais fazem bom estômago e muitas pessoas lhes tomam o sumo pelas manhãs em jejum, para conservação

do estômago, e fazem bom bafo a quem os come pela manhã, e por mais que se coma deles não fazem mal a nenhuma hora do dia, e são de tal digestão que em dois credos se esmoem."


"Quando estas mangabas não estão bem maduras, travam na boca como as sorvas verdes em Portugal, e quando estão inchadas são boas para conserva de açúcar, que é muito medicinal e gostosa."


"Estas raízes da mandioca curtida têm grande virtude para curar postemas, as quais se pisam muito bem sem se espremerem; e, feito da massa um emplasto, posto sobre a postema a mole fica de maneira que a faz arrebentar por si, se a não querem furar."


"A natureza deste fruto é quente e úmida, e muito danosa para quem tem ferida ou chaga aberta; os quais ananases sendo verdes são proveitosos para curar chagas com eles, cujo sumo come todo o câncer e a carne podre, do que se aproveita o gentio; e com tanta maneira como esta fruta, que alimpam com as suas cascas a ferrugem das espadas e facas, e tiram com elas as nódoas da roupa ao lavar; de cujo sumo, quando são maduras, ..."


"Não se podiam arrumar em outra parte que melhor estivessem as árvores de virtude que após das que dão fruto; e seja a primeira a árvore do bálsamo, que se chama cabureíba, que são árvores mui grandes de que se fazem eixos para engenhos, cuja madeira é pardaça e incorruptível. Quando lavram esta madeira cheira a rua toda a bálsamo, e todas as vezes que se queira cheira muito bem. Desta árvore se tira o bálsamo suavíssimo, dando-lhe piques até um certo lugar, de onde começa de chorar este suavíssimo licor na mesma hora, o qual se recolhe em algodões, que lhe metem nos golpes; e como estão bem molhados do bálsamo, os espremem numa prensa, onde tiram este licor, que é grosso e da cor do arrobe, o qual é milagroso para curar feridas frescas, e para tirar os sinais delas no rosto. O caruncho deste pau, que se cria no lugar de onde saiu o bálsamo, é preciosíssimo no cheiro; e amassa-se com o mesmo bálsamo, e fazem desta massa contas, que depois de secas ficam de maravilhoso cheiro."

E muitas informações interessantes sobre uso na cura ou prevenção de doenças, e também sobre o uso de plantas, pouco utilizadas atualmente, na alimentação.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Hipérico - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Erva de S. João / Hipericão 
Hypericum perforatum 

Interage com: Nifedipina - Adalat®; Angipina®; Meborilan®

Efeito: pode levar a uma diminuição da concentração plasmática, o que compromete o efeito terapêutico.

Mecanismo: indução da CYP3A4.

Sparreboom A. et al. Herbal remedies in the United States: potencial adverse interactions with anticancer agents. J Clin Oncol 22:2489-2503

Interage com: contraceptivos orais 

Efeito: pode conduzir a uma diminuição da concentração plasmática, o que compromete o efeito terapêutico dos contracetivos orais.

Mecanismo: potencial indução da CYP3A e P- glicoproteína.

Schwarz, U. I.; Buschel, B.; Kirch, W. Unwanted pregnancy on self-medication with St John’s wort despite hormonal contracepcion.[Letter] Br J Clin Pharmacol 2003 55:112-113

Interage com: Amiodarona - Cordarone®; Corbionax®; Amiodarona MG®

Efeito: diminuição dos níveis plasmáticos de amiodarona, comprometendo os seus propósitos terapêuticos e consequentemente predispondo o doente a arritmias. 

Mecanismo: a hiperforina induz as CYP3A4 e formação de glicoproteína-P por indução da transcrição do gene MDR-1, provocando um decréscimo do fármaco biodisponível.

Dresser, G.; Schwarz, U.; Wilkinson, G. et al. Coordinate induction of both cytochrome P4503A and MDR1 by St John’s wort in healthy subjects. Clinical Pharmacology & Therapeutics 2003; 73: 41–50

Tirona, R.; Bailey, D. Herbal product-drug interactions mediated by induction. British Journal of Clinical Pharmacology 2006; 61: 677-681.

Interage com: Digoxina - Lanoxin®; Lanitop®

Efeito: pode levar a uma diminuição da concentração plasmática, o que compromete o efeito terapêutico.

Mecanismo: indução da ABCB1 P- glicoproteína.

Sparreboom A. et al. Herbal remedies in the United States: potencial adverse interactions with anticancer agents. J Clin Oncol 22:2489-2503

Efedra - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)


Ephedra sinica 

Interage com: Amiodarona - Cordarone®; Corbionax®; Amiodarona MG®

Efeito: prolongamento tendencialmente fatal do intervalo QT eletrocardiográfico.

Mecanismo: sinergismo entre a ação da amiodarona e da efedra no prolongamento do intervalo QT.

Tachjian, A.; Maria, V.; Jahangir, A. Use of Herbal Products and Potential Interactions in Patients with Cardiovascular Diseases. Journal of the American College of Cardiology 2010; 55: 515-525

Cardo-mariano - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Cardo Mariano 

Silybum marianum 

Reage com: Indinavir - Crixivan® 

Efeito: pode levar a uma diminuição da concentração plasmática, o que compromete o efeito terapêutico do indinavir.

Mecanismo: não está esclarecido. 

Hu, Z. et al. Herb-drug interactions: A literature review.Drugs.2005 65: 9 1239-1282

Camomila - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)


Matricaria recutita 

Interage com: Varfarina - Varfine®

Efeito: pode aumentar risco de hemorragia.

Mecanismo: a camomila tem na sua constituição derivados cumarínicos, que em concomitância com a varfarina provocam um efeito supraterapêutico na anticoagulação. 

Segal,R.; Pilote, L. Warfarin interaction with Matricaria chamomilla.CMAJ 2006; 174(9): 1281-2

Aloe vera - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Aloe vera 

Interage com: Digoxina - Lanoxin®; Lanitop®

Efeito: aumento da toxicidade digitálica com risco de hipocalemia grave. 

Mecanismo: sinergismo na depleção dos níveis de potássio pelo aloe e digoxina. 

Tachjian, A.; Maria, V., Jahangir, A. Use of Herbal Products and Potential Interactions in Patients with Cardiovascular Diseases. Journal of the American College of Cardiology 2010; 55: 515-525.

Interage com: Sevoflurano - Sevorane®; Sevoflurano MG 

Efeito: pode aumentar risco de hemorragia.

Mecanismo: o Aloe vera pode causar uma redução de 48% na síntese de prostaglandinas. Podendo alterar a agregação plaquetar.

O sevoflurano inibe a formação do tromboxano A2, possivelmente devido à supressão da actividade da ciclooxigenase. Isto pode diminuir a agregação plaquetar.

O efeito do Aloe somado ao do sevoflurano aumenta o risco de hemorragia. 


Lee, A. et al. Possible interaction between Sevoflurane and Aloe vera. Ann Pharmacother 2004; 38:1651-4

Hirakata, H. et al . Sevoflurane inhibits human platelet aggregation on tromboxane A2 formation, possibly by suppression of ciclooxygenase activity. Anesthesiology 1996;85:1447-53

Yokubol, B. et al Anesthesia with sevoflurane, but not isoflurane, prolongs bleeding time in humans. J Anesth 1999; 13:193-6

Vazquez, B.; Avila, G.; Segura, D.; Escalante B. Antiinflamatory activity of extracts from Aloe vera gel. J Ethnopharmacol1996;55:69-75

Alcaçuz - Base de dados de interações do Observatório de Interações Planta-Medicamento (Universidade de Coimbra)

Glycyrrhiza glabra 

Interage com: Digoxina Lanoxin®; Lanitop®

Efeito: pode potenciar a toxicidade da digoxina com risco de hipocalemia grave.

Mecanismo: potenciação do efeito da digoxina e sinergismo na depleção dos níveis de potássio pelo alcaçuz e digoxina.

Tachjian, A.; Maria, V.; Jahangir, A. Use of Herbal Products and Potential Interactions in Patients with Cardiovascular Diseases. Journal of the American College of Cardiology 2010; 55: 515-525.
Gomez-Sanchez, C.E.; Gomez-Sanchez E.P.; Yamakita, N. Endocrine causes of hypertension. Semin Nephrol.1995 15:106-115.

Canela - resumo de artigos (do Boletim PLANFAVI, n.26, 2013)

a. Canela e síndrome metabólica

A síndrome metabólica está associada com a resistência à insulina, aumentos de glicose e lipídios, inflamação, diminuição da atividade antioxidante, aumento do ganho de peso e aumento de glicação das proteínas. A canela tem melhorado todas estas variáveis em estudos in vitro, pré-clínicos e clínicos. Os estudos in vitro também mostraram que os compostos da canela controlam a angiogênese, associada à proliferação de células cancerosas. Os efeitos benéficos da canela pura e/ou extratos aquosos foram evidenciados em estudos clínicos, levando em consideração os seguintes fatores: glicose, insulina, a sensibilidade à insulina, lipídios, capacidade antioxidante, pressão arterial, massa corporal magra e esvaziamento gástrico. Todavia, nem todos os estudos demonstraram efeitos positivos da canela. O tipo e quantidade de canela, bem como as características dos pacientes e os medicamentos que estavam utilizando, influenciaram no resultado. Concluindo, os componentes da canela podem ser importantes na redução e prevenção dos sinais e sintomas da síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Bolin et al., 2010. Cinnamon: Potential Role in the Prevention of Insulin Resistance, Metabolic Syndrome, and Type 2 Diabetes. J Diabetes Sci Technol. v. 4. p.685-693.

b. Diabetes, obesidade e metabolismo

O objetivo desta revisão foi examinar os resultados de ensaios clínicos randomizados controlados da canela e avaliar a capacidade de reduzir os níveis de glicose no sangue e inibir a glicação de proteínas entre pacientes com diabetes e pacientes insulino-resistentes. Uma revisão sistemática da literatura foi realizada entre janeiro de 2003 e julho de 2008. Cinco estudos de diabéticos tipo 2 e três não-diabéticos (Ntotal = 311) foram elegíveis. Em dois dos estudos, diabéticos mostraram reduções significativas da glicemia em jejum (GJ) de 18-29% e 10,3% apoiado por um teste com não-diabéticos descrevendo uma redução de GJ de 8,4% em relação ao placebo. Outro estudo revelou reduções significativas na resposta da glicose. Três estudos com diabéticos não relataram resultados significativos. Enquanto conclusões definitivas não podem ser tiradas sobre o uso de canela como uma terapia antidiabética, foi possível verificar propriedades antihiperglicemiantes e potencial para reduzir os níveis de glicemia pós-prandial.

Kirkham et al. 2009. The potential of cinnamon to reduce blood glucose levels in patients with type 2 diabetes and insulin resistance. Diabetes Obes Metab. v.11. p.1100-13.

c. Efeito anti-hipertensivo da Canela.

Esse trabalho investigou os efeitos anti-hipertensivos agudo e crônico do extrato metanólico de casca de canela (EMCC) em ratos hipertensos induzidos por L-NAME. Para avaliar os efeitos crônicos, os animais foram tratados com L-NAME (40 mg/kg/dia) mais o veículo ou L-NAME (40 mg/kg/dia) em combinação com captopril (20 mg/kg/dia) ou EMCC (300 mg/kg/dia) e comparado com o grupo controle, por quatro semanas. A pressão arterial foi medida e amostras de sangue foram recolhidas para a determinação do perfil de lípidos. Na administração crônica, EMCC e captopril preveniram o aumento da pressão arterial e do peso dos órgãos, bem como os danos histológicos de tecidos e foram capazes de reverter o depleção de óxido nítrico (NO) no tecido. Esses estudos mostraram que o EMCC possui efeitos anti-hipertensores e de proteção de órgãos que podem resultar da sua capacidade para aumentar a produção endógena de NO e/ou a regular a dislipidemia.

Nyadjeu, et al. 2013. Acute and chronic antihypertensive effects of Cinnamomum zeylanicum stem bark methanol extract in L-NAME-induced hypertensive rats. Bmc Complementary and Alternative Medicine. v. 13. n. 27.

Outros estudos:

1. Hassan et al., 2012. Aqueous Bark Extract of Cinnamomum Zeylanicum: A Potential Therapeutic Agent for Streptozotocin-Induced Type 1 Diabetes Mellitus (T1DM) Rats. Tropical Journal of Pharmaceutical Research. v. 11. p. 429-435.

2. Mathew et al. 2004. Studies on the antioxidant activities of cinnamon (Cinnamomum verum) bark extracts, through various in vitro models. Food Chemistry. v. 94. p. 520-528.

Canela (do Boletim PLANFAVI, n.26, 2013)


O Anel de Tucum? (do Boletim PLANFAVI, n.26, 2013)

Conhecida popularmente como Tucum e cientificamente como Bactris setosa, esta planta pertence à família das Arecaceae e ocorre na Colômbia, Venezuela, Equador, Peru e Brasil. É uma palmeira nativa do norte do Brasil, podendo ser encontrada no Acre e no Amazonas com distribuição restrita ao Vale do Juruá. Para os povos da floresta, o tucum sempre foi considerado uma planta muito leal e de muita utilidade por estar sempre por perto, sendo utilizada para várias finalidades. De suas folhas é feita uma fibra utilizada em cordoaria, tecelagem e cestaria; a casca do coco, marrom e de pequenas dimensões, é aproveitada para a escultura de pequenos adornos; e as sementes fornecem um óleo comestível, do qual também se obtém sabão, cosméticos e medicamentos; o epicarpo é usado na defumação da borracha. A semente também é utilizada para confecção de instrumentos musicais regionais (maracás), de artesanatos e na confecção do Anel de Tucum. Um anel preto que representa um sinal de compromisso, de quem o usa, com a “Igreja dos Pobres”, como sinal da aliança com a causa indígena e com as causas populares. Também é um símbolo de solidariedade de pessoas que lutam e se engajam em movimentos sociais. Na época do Império, quando o ouro era usado em grande escala entre os opressores, principalmente nos anéis, os negros e os índios, não tendo acesso ao ouro, criaram o Anel de Tucum como símbolo de pacto matrimonial, de amizade entre si e de resistência. Relatos indicam que sua origem remonta às quebradeiras de coco daquela região, que, na clandestinidade, começaram a se organizar para exigir melhores condições de vida e de trabalho.

Abreu, R., Nunes, NL., 2012. Tecendo a tradição e valorizando o conhecimento tradicional na Amazônia: o caso da "linha do tucum". <http://www.scielo.br/pdf/ha/v18n38/02.pdf > Acessado em 10/01/2013.

Anel de Tucum. <http://pjpira.wordpress.com/2009/10/13/anel-de-tucum/> Acessado em 10/01/2013.

Gaspar Ed. O caminho da cruz, 2001. <http://books.google.com.br/books?> Acessado em 17/01/2013.


Técnicas de Cultivo Ajudam a Prevenir Mudanças Climáticas?

By Rachel Moreno,

ARAR OU NÃO ARAR: Ao deixarem o solo intacto, sem arar, os agricultores podem ajudar a reduzir os níveis de dióxido de carbono na atmosfera, embora a compactação do solo também seja um problema. Por David Biello 

Quando as chuvas pesadas chegaram a Iowa nessa primavera americana, o cultivador de milho Dave Miller arou as partes irregulares de sua lavoura de 255 hectares.

Os sulcos no solo retardam as enxurradas e impedem a erosão da terra fértil e fofa. Há alguns anos, essa operação teria lhe custado dinheiro graças a uma tentativa de unir agricultores determinados a melhorar a gestão de carbono em seus solos e empresas que procuram reduzir a poluição.

“Sabemos que o aumento de matéria orgânica no solo é bom para a terra, a sociedade e o clima”, diz Miller que também trabalha como economista para o Iowa Farm Bureau (IFB, na sigla em inglês).

No passado, ele operou o maior serviço de crédito de carbono agrícola do país. A ideia é simples: o solo é um dos melhores lugares para se depositar o dióxido de carbono que causa as mudanças climáticas e atingiu novos picos de concentração na atmosfera terrestre. As plantas ajudam a depositar o carbono no solo por meio da fotossíntese ao transformarem o CO2 e a água em carboidratos por meio da luz solar.

Além disso, os fazendeiros podem incrementar o processo ao converterem algumas dessas plantas em carvão, ou biocarvão como os defensores dessa prática gostam de chamar o processo.

No entanto, os agricultores precisam de incentivos para adotar essas práticas.

Um dos poucos esforços para estimular os fazendeiros americanos a cuidar de suas terras e da atmosfera foi o agora extinto Chicago Climate Exchange (CCX), um plano que reuniu diversas empresas que se ofereceram, voluntariamente, a adotar um limite para a poluição de CO2 e negociaram créditos de carbono para cumprir essa meta.

Com o CCX, Miller começou a elaborar um programa climático que também “funcionaria para a agricultura” em vez de ser projetado por “engravatados de Chicago”. 

Em suma, um programa como o CCX é implantado e estabelece um limite para as emissões de gases de efeito estufa geradas por um conjunto de empresas, como as concessionárias de energia elétrica.

As empresas poluidoras no programa teriam de reduzir suas emissões ou comprar créditos de redução de poluição de outras. Os fazendeiros, representados pelo IFB, forneceriam uma parte dessas reduções adicionais de CO2 ao mercado CCX.

Em seu auge, o programa de Miller contava com mais de quatro mil fazendeiros, pecuaristas e silvicultores cadastrados em 31 estados do país.

Um programa similar da North Dakota Farmers Union envolveu mais agricultores ainda.

As regras do programa de Iowa, concebidas por Miller e seus colegas, eram simples: não arar o solo durante cinco anos. Ao não revolverem a terra e expor a matéria orgânica, Miller e outros fazendeiros como ele prenderam o carbono no solo. (A prática, no entanto, não é uma panaceia: ela não armazena carbono em todas as paisagens).

A política de plantio direto ajudou os produtores a formar um solo melhor e, ao mesmo tempo, combater as alterações climáticas. Em troca, eles receberam cerca de US$ 1 por 0,40 hectare. “A maioria dos participantes não estava interessada no dinheiro”, observa Miller, mas esperava descobrir como se adaptar a possíveis novas regras para a poluição do CO2. “Eles estavam ali para aprender”.

Entre 2003 e 2010 o programa de Miller cobria cerca de 810 mil hectares de lavouras, mais de dois milhões de hectares de pastagens e cerca de 400 mil hectares de florestas. “Estávamos nos preparando para milhões de toneladas de créditos de compensação de carbono por ano”, lembra Miller.

O serviço tinha planos de expansão nacional ao vender créditos em um proposto programa de “cap-and-trade” (“limite e comércio”), embora a abordagem fosse criticada por ambientalistas e outros grupos. “Não se tratava de gerar um monte de dinheiro”, diz Miller, “tratava-se de uma solução de baixo custo para a mudança climática”.

Em vez disso, não houve nenhum programa nacional de combate à mudança climática nos Estados Unidos, nem cap-and-trade, nem qualquer outra alternativa depois que a legislação para instituir um programa desse tipo não obteve a aprovação do Congresso dos Estados Unidos em 2009.

Em parte, a razão pela qual a legislação não foi aprovada é que o American Farm Bureau, do qual o IFB faz parte, retirou seu apoio no último momento. “Acreditamos que a política de cap-and-trade impactaria de modo significativo a indústria agrícola, particularmente em termos de custos energéticos”, explica Mace Thornton, um porta-voz do Farm Bureau. “A organização também se preocupa com o fato de as terras agrícolas estarem sendo utilizadas como um ‘poço’ de carbono tirando-as da linha de produção de alimentos’”, acrescenta.

Como resultado, os planos de expansão do serviço de Miller desmoronaram quase imediatamente — assim como ocorreu com o mercado CCX, que fechou em 2010. “Fomos um dos poucos participantes que honraram todos os nossos compromissos”, diz Miller. “Perdemos dinheiro fazendo isso”.

Atualmente há mais lavouras sendo aradas no cinturão do milho e mais CO2 se concentrando na atmosfera.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos lançou programas de conservação para ajudar os agricultores a acumular carbono no solo e tem apoiado mais pesquisas sobre a “saúde do solo”, o que proporcionará algum alívio climático na ausência de um mercado cap-and-trade para gases de efeito estufa. “Acreditamos que esta seria a melhor abordagem baseada no mercado para lidar com a mudança climática”, diz Roger Johnson, presidente da União Nacional de Fazendeiros e agricultor na Dakota do Norte. “Obviamente isso não acontecerá por algum tempo – se é que acontecerá”.

Quanto a Miller, quando, no início deste ano caíram chuvas torrenciais de mais de152,4 milímetros, ele arou as encostas de suas terras para protegê-las. “Isso libera carbono? Sim, com certeza”, admite ele. Em vez de reduzirem o risco de mudanças climáticas, os agricultores só terão que aprender a ajustar-se a elas, até terem uma razão para fazer o contrário.