sábado, 4 de janeiro de 2014

Henrique Carneiro - História das drogas

Ayahuasca, segurança e pesquisa biomédica

Etnofarmacologia das plantas de poder / Teacher Plants' ethnopharmacology

UFBA - Farmacêutica esclarece dúvidas sobre o uso das plantas medicinais

Roses Are Red: Why Some Petunias Are Blue

Jan. 2, 2014 — Researchers have uncovered the secret recipe to making some petunias such a rare shade of blue. The findings may help to explain and manipulate the color of other ornamental flowers, not to mention the taste of fruits and wine, say researchers who report their findings in the Cell Press journal Cell Reports on January 2nd. From the flowers' point of view, the findings also have important implications, since blue petals instead of red might spell disaster when it comes to attracting pollinators.
Researchers have uncovered the secret recipe to making some petunias such a rare shade of blue. The findings may help to explain and manipulate the color of other ornamental flowers, not to mention the taste of fruits and wine, say researchers who report their findings in the Cell Press journal Cell Reports on January 2nd. From the flowers' point of view, the findings also have important implications, since blue petals instead of red might spell disaster when it comes to attracting pollinators. (Credit: Cell Reports, Faraco et al.)

The key discovery is a kind of cellular pump that was previously unknown in plants. When that pump fails to work properly, as it does in some petunias, the flower petals can't acidify special compartments within their cells. As a result, those petals turn blue instead of red or violet -- much like the litmus paper many of us will recall from chemistry class.

"Blue flower colors have been enigmatic for a long time and the blue rose appears in many myths, legends, and even operas," said Francesca Quattrocchio of the VU-University in Amsterdam. "Already in the 1910s it was proposed that blue flower colors were caused by reduced acidity of the 'cell sap.' Others figured that drastic changes in the cell sap might cause terrible deleterious defects, and proposed that blue flower colors had something to do with the formation of metal-anthocyanin complexes. Our current opinion is that both got it right."

Still, no one really knew how it worked. Scientists discovered one type of proton pump in the 1980s. "Over the decades, the idea took hold that all H+ transport across internal membranes is driven by those v-ATPases," Ronald Koes of VU-University in the Netherlands explained. Not so, the new work shows.

In most cells, there are but modest differences in pH between the insides and the outsides of intracellular compartments or vacuoles. Petals, by comparison, can show much steeper pH gradients. Scientists also knew that the differences in pH between blue petunia petals and red ones were somehow connected to a handful of so-called PH genes.

Quattrocchio and Koes now find that those genes encode a proton-pumping pathway that allows petal cells, and perhaps other cells as well, to hyperacidify particular compartments. The pump is composed of two distinct proteins, which together keep on going -- and building acidity -- even when other pumps would stop. Blue petunias are blue because of genetic defects that leave that special pumping system out of order.

"By studying the difference between blue and red flowers of petunias, we have discovered a novel type of transporter able to strongly acidify the inside of the vacuole," Quattrocchio said.

Now they have the tools to isolate plant varieties with different acidification levels in their vacuoles, she added, and that could prove very fruitful indeed when it comes to generating new colors in valuable flowers or new tastes in fruits, wines, and juices. The researchers say those more acidic vacuoles and the pumps that make them possible might even be exploited as reservoirs for storing toxic compounds, such as metals and salts.

Journal Reference:
Faraco et al. Hyperacidification of vacuoles by the combined action of two different P-ATPases in the tonoplast determines flower color. Cell Reports, January 2014


Tripling Tobacco Taxes Worldwide Would Avoid 200 Million Tobacco Deaths

Jan. 1, 2014 — Tripling taxes on cigarettes around the world would reduce the number of smokers by one-third and prevent 200 million premature deaths from lung cancer and other diseases this century, according to a review published today in the New England Journal of Medicine.

Such a large tax increase would double the street price of cigarettes in some countries and narrow the price gap between the cheapest and most expensive cigarettes, which would encourage people to stop smoking rather than switch to a cheaper brand and help young people not to start.

This would be especially effective in low- and middle-income countries, where the cheapest cigarettes are relatively affordable and where smoking rates continue to rise, said Dr. Prabhat Jha, director of the Centre for Global Health Research of St. Michael's Hospital and a professor in the Dalla Lana School of Public Health at the University of Toronto. But it would also be effective in rich countries, he said, noting that France halved cigarette consumption between 1990 and 2005 by raising taxes well above inflation.

"Death and taxes are inevitable, but they don't need to be in that order," Dr. Jha said. "A higher tax on tobacco is the single most effective intervention to lower smoking rates and to deter future smokers."

Countries around the world agreed at the United Nations General Assembly and the World Health Organization's 2013 Assembly to decrease the prevalence of smoking by about one-third by 2025 to reduce premature deaths from cancer and other chronic diseases by 25 per cent.

Tobacco causes about 200,000 deaths a year of people under 70 in Canada and the United States (120,000 men and 80,000 women). Doubling cigarette prices would prevent about 70,000 of those deaths and provide new revenue that governments could spend on health care. Dr. Jha said that even while higher tobacco taxes would reduce consumption, they would still generate an additional $100 billion U.S. a year for a total of $400 billion.

"Worldwide, around a half-billion children and adults under the age of 35 are already -- or soon will be -- smokers and on current patterns few will quit," said Professor Sir Richard Peto of the University of Oxford, the co-author.

"So there's an urgent need for governments to find ways to stop people starting and to help smokers give up. This study demonstrates that tobacco taxes are a hugely powerful lever and potentially a triple win -- reducing the numbers of people who smoke and who die from their addiction, reducing premature deaths from smoking and yet, at the same time, increasing government income. All governments can take action by regularly raising tobacco taxes above inflation, and using occasional steep tax hikes starting with their next budget. Young adult smokers will lose about a decade of life if they continue to smoke -- they've so much to gain by stopping."

Controlling tobacco marketing is also key to helping people quit smoking. An independent review in the United Kingdom concluded that plain packaging would reduce the appeal of cigarettes, a switch that is expected before the next election. Australia changed to plain packaging in 2011, a measure New Zealand plans to follow.

Dr. Jha and Sir Richard noted that the 21st-century hazards of smoking have been reliably documented only in the past year, when several researchers published papers showing that men and women who started smoking when they were young and continued throughout adulthood had two or three times the mortality rate of non-smokers. An average of 10 years of life is lost from smoking. Many of those killed are still in middle age, meaning on average they lose about 20 years of life expectancy.

Both Dr. Jha and Sir Richard published papers last year showing that people who quit smoking when they are young can regain almost all of the decade of life they might otherwise have lost.

Journal Reference:
Prabhat Jha, Richard Peto. Global Effects of Smoking, of Quitting, and of Taxing Tobacco. New England Journal of Medicine, 2014; 370 (1): 60 DOI: 10.1056/NEJMra1308383


Chinese Herbal Compound Relieves Inflammatory, Neuropathic Pain

Jan. 2, 2014 — A compound derived from a traditional Chinese herbal medicine has been found effective at alleviating pain, pointing the way to a new nonaddictive analgesic for acute inflammatory and nerve pain, according to UC Irvine pharmacology researchers.

Working with Chinese scientists, Olivier Civelli and his UC Irvine colleagues isolated a compound called dehydrocorybulbine (DHCB) from the roots of the Corydalis yanhusuo plant. In tests on rodents, DHCB proved to diminish both inflammatory pain, which is associated with tissue damage and the infiltration of immune cells, and injury-induced neuropathic pain, which is caused by damage to the nervous system. This is important because there are no current adequate treatments for neuropathic pain.

Moreover, the researchers found that DHCB did not generate the tolerance seen with continued use of most conventional pain relievers, such as morphine.

"Today the pharmaceutical industry struggles to find new drugs. Yet for centuries people have used herbal remedies to address myriad health conditions, including pain. Our objective was to identify compounds in these herbal remedies that may help us discover new ways to treat health problems," said Civelli, the Eric L. & Lila D. Nelson Chair in Neuropharmacology. "We're excited that this one shows promise as an effective pharmaceutical. It also shows a different way to understand the pain mechanism."

Study results appear in the Jan. 20 issue of Current Biology.

They are the product of a collaboration between two teams separated by the Pacific Ocean. As traditional Chinese medicine gains greater acceptance in Western medical practice, Xinmiao Liang at the Dalian Institute of Chemical Physics in China and his group have been working to create an "herbalome" of all the compounds in plant extracts that display pharmacological properties. The UC Irvine team suggested applying "reverse pharmacology" -- a novel drug discovery approach that Civelli devised about 25 years ago -- to the herbalome project.

Together they screened 10 traditional Chinese medicines known as analgesics, testing nearly 500 compounds for their pain-relief abilities. Only DHCB in corydalis induced a reproducible effect.

Corydalis is a flowering herbal plant that grows in Siberia, Northern China and Japan. People utilize its root extract to alleviate menstrual cramps, chest pain and abdominal pain. It's been previously studied for its analgesic properties, but this is the first time DHCB has been identified, extracted and tested.

Chronic neuropathic pain affects more than 50 million Americans, yet management of this pain remains a major clinical challenge due to the poor results and severe side effects of conventional analgesics. Civelli said that drawing upon traditional Chinese medical-herbal products could lead to a breakthrough treatment for these patients.

DHCB needs to be evaluated for any toxicity before it can be developed as a drug. It's also possible that if the compound is chemically modified, a more potent pharmaceutical may be found. While DHCB is not currently available, it is part of theCorydalis yanhusuo root or extracts that can be purchased in health stores or online.

Journal Reference:
Yan Zhang, Chaoran Wang, Lien Wang, Gregory Scott Parks, Xiuli Zhang, Zhimou Guo, Yanxiong Ke, Kang-Wu Li, Mi Kyeong Kim, Benjamin Vo, Emiliana Borrelli, Guangbo Ge, Ling Yang, Zhiwei Wang, M. Julia Garcia-Fuster, Z. David Luo, Xinmiao Liang, Olivier Civelli. A Novel Analgesic Isolated from a Traditional Chinese Medicine. Current Biology, 2014; DOI: 10.1016/j.cub.2013.11.039


Higher Vitamin D Levels in Pregnancy Could Help Babies Become Stronger

Jan. 3, 2014 — Children are likely to have stronger muscles if their mothers had a higher level of vitamin D in their body during pregnancy, according to new research from the Medical Research Council Lifecourse Epidemiology Unit (MRC LEU) at the University of Southampton.

Low vitamin D status has been linked to reduced muscle strength in adults and children, but little is known about how variation in a mother's status during pregnancy affects her child.

Low vitamin D concentrations are common among young women in the UK, and although women are recommended to take an additional 10μg/day of vitamin D in pregnancy, supplementation is often not taken up.

In the research, published in the January edition of the Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, vitamin D levels were measured in 678 mothers in the later stages of pregnancy.

When the children were four years old, grip strength and muscle mass were measured. Results showed that the higher the levels of vitamin D in the mother, the higher the grip strength of the child, with an additional, but less pronounced association between mother's vitamin D and child's muscle mass.

Lead researcher Dr Nicholas Harvey, Senior Lecturer at the MRC LEU at the University of Southampton, comments: "These associations between maternal vitamin D and offspring muscle strength may well have consequences for later health; muscle strength peaks in young adulthood before declining in older age and low grip strength in adulthood has been associated with poor health outcomes including diabetes, falls and fractures. It is likely that the greater muscle strength observed at four years of age in children born to mothers with higher vitamin D levels will track into adulthood, and so potentially help to reduce the burden of illness associated with loss of muscle mass in old age."

The 678 women who took part in the study are part of the Southampton Women's Survey, one of the largest and best characterised such studies globally.

Professor Cyrus Cooper, Professor of Rheumatology and Director of the MRC LEU at the University of Southampton, who oversaw this work, added: "This study forms part of a larger programme of research at the MRC Lifecourse Epidemiology Unit and University of Southampton in which we are seeking to understand how factors such as diet and lifestyle in the mother during pregnancy influence a child's body composition and bone development. This work should help us to design interventions aimed at optimising body composition in childhood and later adulthood and thus improve the health of future generations."

Journal Reference:
Nicholas C. Harvey et al. Maternal Antenatal Vitamin D Status and Offspring Muscle Development: Findings From the Southampton Women's Survey. Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, January 2014


Alternative to Yogurt

Jan. 3, 2014 — Researchers at the Universitat Politècnica de València have obtained new products fermented with probiotic bacteria from grains and nuts -- what is known as plant-based or vegetable "milks" -- which are an alternative to conventional yogurts. The products are specially designed for people with allergies to cow's milk, lactose or gluten intolerance, as well as children and pregnant women.
The "milk" made ​​from nuts and grains represent an alternative to animal milks and soy milk. They also have components of great nutritional value that can provide numerous health benefits for both consumer groups with specific problems (lactose intolerance, allergic to cow's milk, vegetarian...) as for the general population. (Credit: Asociación RUVID)

From the laboratories at the Institute of Food Engineering for Development, the team has worked with almonds, oats and hazelnuts and soon will evaluate the use of walnuts and chestnuts as raw material for these new products. The Institute of Agrochemistry and Food Technology (IATA -CSIC) and the University College of Dublin (Ireland) have also taken part in the study.

The in vitro studies conducted show how some of the products developed have anti-inflammatory properties in intestine cells, which could alleviate allergic reactions caused by food, and increase the bioavailability of iron. The caseins of cow's milk as well as being on the list of allergens components hinder the absorption of iron.

"The results we have obtained also show that the 'milks' studied are a good matrix for the growth and viability of probiotic bacteria for the lifetime of the product, especially after their intake," says Chelo González, a researcher at the Universitat Politècnica de València.

Furthermore, the research conducted offers new clues to improve commercial plant-based "milks" available in the market today, which have deficiencies related to low physical stability during storage.

"Overall, the project results contribute to increase knowledge about the nutritional and health properties of vegetable milks, in view of future industrial applications to develop innovative quality products suitable both for the general public and for specific groups," says Chelo González.

About plant "milks"

The "milk" made ​​from nuts and grains represent an alternative to animal milks and soy milk. They also have components of great nutritional value that can provide numerous health benefits for both consumer groups with specific problems (lactose intolerance, allergic to cow's milk, vegetarian...) as for the general population.

These plant "milks" are characterized by a profile of healthy fatty acids and carbohydrates with low glycaemic index (suitable for diabetics). Moreover, they constitute an important source of vitamins B and E, antioxidant compounds (phytosterols and/or polyphenols) and dietary fibre, which helps to improve intestinal health.

They are also rich in potassium and very low in sodium, so these drinks help maintain a healthy balance of electrolytes.

The "milks" derived from nuts are especially recommended for pregnant women because of its richness in folic acid and its good calcium/phosphorus ratio. "This last property, together with the absence of lactose, milk protein and gluten, are what make these drinks good substitutes for cow's milk," concludes Chelo González.


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Pesquisa com planta da Amazônia gera repelente e inseticida naturais contra dengue e malária

Estudo do Inpa com a planta pimenta-de-macaco pode render produtos em breve; conheça

MANAUS - Apesar dos esforços no combate e eliminação de doenças transmitidas por mosquitos, como dengue (Aedes aegypti) e malária (Anopheles darlingi), a comunidade científica mundial procura uma solução. Diversas alternativas são estudadas com esse propósito, uma delas há mais de 10 anos. Uma pesquisa com óleos essenciais da planta amazônica conhecida como pimenta-de-macaco (Piper aduncum) gerou formulações que agem como repelente e inseticida naturais no combate aos mosquitos transmissores de dengue e malária.

A pesquisadora Ana Cristina da Silva Pinto, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), trabalha no projeto desde 2002, quando cursou mestrado em química na Universidade Federal do Amazonas (Ufam). “Durante todo esse período de mestrado, doutorado e alguns anos da bolsa depois desenvolvi, pesquisei e preparei novos componentes com ação repelente e inseticida contra mosquitos adultos e larvas, para o desenvolvimento de formulações repelentes e inseticidas, já utilizando os derivados sintéticos obtidos a partir de uma substância natural isolada da pimenta-de-macaco”, explicou Ana.

O trabalho desenvolvido gerou formulações a base de uma substância chamada E-isodilapiol, que se destacou entre aproximadamente 15 substâncias pesquisadas, e do óleo essencial da pimenta-de-macaco, cultivada e coletada na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária na Amazônia Ocidental (Embrapa), no Amazonas, pelo pesquisador Francisco Célio Maia Chaves. “Uma coisa é quando a substância está isolada, outra é quando está agindo com vários componentes. Então a ideia era verificar se na formulação junto com o óleo ela tem também esse feito de mortalidade nos mosquitos adultos”.

O resultado foi positivo. No total, Ana obteve seis formulações, ou produtos. “Quatro são para passar na pele, em formato de gel e emulsão. E dois são inseticidas de ambiente, na forma de spray”, conta a pesquisadora.


De acordo com Ana, que é doutora em biotecnologia, as dosagens do derivado E-isodilapiol e do óleo para foram adicionados conforme padrões estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para produtos inseticidas. A pesquisa com as fórmulas de inseticida e repelente já rendeu duas patentes à pesquisadora, mas a primeira surgiu de estudos com outra planta: a caapeba (Piper peltatum), onde uma substância isolada das raízes dessa planta teve atividade favorável contra o protozoário (Plasmodium falciparum) que provoca a malária. “A caapeba é uma erva daninha que não tem ação nenhuma de repelente. Mas das raízes, oito novas substâncias foram desenvolvidas a partir do produto natural e dessas uma se destacou no combate ao Plasmodium falciparum”.

Já a segunda patente, com a pimenta-de-macaco, foi solicitada em 2010 e aprovada em 2013. O documento oficial de aprovação será liberado em 2014.

Em setembro, a pesquisa ganhou a primeira edição do prêmio Ingredientes Vegetais Amazônicos, do programa Natura Campus, no valor de R$ 30 mil. Trinta ingredientes de pesquisadores de instituições públicas e privadas da Amazônia Legal estavam na disputa.


Ana explica que no Inpa técnicos mantém um insetário, uma criação de insetos usada para avaliar o progresso das pesquisas e possíveis benefícios para a população. “A partir de janeiro [de 2014] faremos testes de tempo de repelência. O produto será aplicado na mão que será colocada na gaiola para avaliarmos o tempo que funciona com propriedade”. Apesar do processo estar em fase avançada, ela disse que ainda são necessários diversos outros testes e avaliações para que o produto chegue de fato ao consumidor. “Esse mesmo estudo que estou fazendo no Inpa é necessário ser refeito em laboratório credenciado pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para que uma empresa possa vender o produto futuramente”.

As próximas etapas para colocar o produto no mercado são verificar o tempo total de repelência efetiva, percentual de mortalidade dos mosquitos e a durabilidade do produto, a 'validade na prateleira'.

Vale lembrar que apesar dos esforços dos pesquisadores no combate às doenças, a população também pode contribuir com medidas de preveção ainda mais simples e conhecidas: tampar caixas d’água, verificar acúmulo de água em calhas e vasos, evitar formação de poças de água, usar repelentes, mosquiteiros e não se expor aos mosquitos em margens de rios e igarapés, onde se reproduzem com facilidade.

Veja dicas para eliminar locais de reprodução de mosquitos transmissores da dengue:

- Tampar depósitos de água: vedação de tampas em recipientes, como caixas d'água, tanques, tinas, poços e fossas impedem que mosquitos depositem seus ovos;

- Remover o lixo: acúmulo de lixo e detritos em volta das casas pode servir como excelente meio de coleta de água de chuva e criação de mosquitos;

- Controle químico: existem larvicidas seguros e fáceis de usar, que podem ser colocados nos recipientes de água para matar as larvas em desenvolvimento. Este método para controle doméstico da dengue em cidades grandes tem sido usado com sucesso por várias secretarias municipais de saúde e é realizado pelos agentes de controle da dengue.

- Limpar recipientes de água: não basta apenas trocar a água do vaso de planta ou usar um produto para esterilizar a água, como água sanitária. É preciso lavar as laterais e as bordas do recipiente com bucha, pois nesses locais os ovos eclodem e se transformam em larvas.

Data: 02.01.2014

Ciência explica relação entre serpentes da Amazônia e o imaginário humano

Especialistas em diversas áreas comentam sobre serpentes nas lendas indígenas e ensinam como agir em caso de ataque
MANAUS - O encanto e o medo de serpentes estão no cotidiano dos ribeirinhos da Amazônia. Na floresta, elas são comuns – em forma física ou no imaginário. A ciência explica a relação do homem com estes animais que, como a figura bíblica que seduz Eva a comer o fruto proibido, atraem tanto quanto assustam. Em todo o País, são 60 espécies venenosas. Mas não há o que temer: nas linhas abaixo, o Portal Amazônia explica quais os tipos encontrados na região, como agir em caso de ataque e lista as maiores serpentes da floresta amazônica.

Biólogo formado pela Universidade de Santa Maria e doutor em Biologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA/MCTI), Igor Kaefer afirma que as emoções e sentimentos em relação aos animais existem a partir de múltiplas origens. “Tanto o fascínio quanto o medo possuem origens evolutivas, culturais e pessoais. Nossa espécie evoluiu dessa forma e, portanto, nascemos com propensão a temer serpentes”, explica.

Kaefer acredita que o comportamento de distanciamento em relação ao grupo animal contribui com a fobia. “Temos a tendência de temer aquilo que desconhecemos”, afirma. O biólogo destaca ainda a pesquisa da antropóloga Lynne Isbell, proponente da teoria em que células nervosas no cérebro dos macacos respondem automaticamente à ameaça das serpentes. A Teoria das cobras foi baseada em estudos realizados pela antropóloga desde 2006, e resultou na publicação do livro 'The Fruit, the Tree and The Serpent' (O Fruto, A Árvore e a Serpente).

“Várias características definem a espécie humana, inclusive nossas habilidades visuais que evoluíram em resposta ao contato entre populações humanas e serpentes, nossos principais predadores ao longo da história”, explica o doutor em Biologia.

A Lenda da Cobra Grande ou Boiúna – uma das mais conhecidas da Amazônia - saiu das concepções cosmológicas e ganhou a sétima arte com o filme Anaconda, do diretor português, Luis Llosa. No artigo “A Amazônia e o Imaginário das Águas”, a doutora em Antropologia e professora do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Marilina Oliveira Bessa Pinto, destaca que a Boiúna convive nas concepções dos ribeirinhos principalmente porque habita o fundo dos grandes rios: “Sua aparição é sonora e inusitada, marca o relevo e modifica a topografia, faz surgir os igarapés. Seus olhos lembram duas tochas de fogo.”

Em entrevista ao Portal Amazônia, o doutor em Antropologia pela Universidade de São Paulo (USP) e professor de Antropologia da Ufam, Gilton Mendes, explica que as cobras possuem na narrativa dos povos amazônicos um poder de respeito da natureza. “Elas [as serpentes] têm um poder de destruição, pois as cobras classificam-se como uma das maiores predadoras da Amazônia, ao lado do Gavião Real e da Onça”, relembra. “O povo não conhece o poder do veneno. Para eles, as cobras estão associadas aos espíritos e a cobra seria um elemento que incorpora os espíritos negativos.”

O doutor em Antropologia ainda explica o poder que a cobra exerce nos sonhos dos povos da Região Norte. “Geralmente, quem convive no interior pergunta com o quê você sonhou e se a pessoa responde com cobra ela imediatamente está associada a traição”, relata.

Ataques de cobras

De acordo com o Instituto Butantan - referência em pesquisas e na produção do soro antiofídico -, as jararacas são as responsáveis pelo maior número de ataques de cobras no Brasil – cerca de 85% do total. Cascavéis e surucucus, que atingem o comprimento máximo de 4,5 metros, causam pouco mais de 10% dos acidentes.

No Amazonas, a Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) contabilizou 405 casos de ataques de animais peçonhentos até outubro de 2013. Os indicadores incluem serpentes, aranhas e escorpiões. Já em 2012, a Fundação registrou 355 casos. A maior ocorrência acontece no período da chuva, geralmente pelo mês de novembro.

O doutor em Biologia pelo Inpa/MCTI, Igor Kaefer, afirma que ocorrem na Amazônia quatro das serpentes que podem causar acidentes. “Essas serpentes são popularmente conhecidas como jararacas, cascavéis, corais-verdadeiras e a surucucu-bico-de-jaca”, acrescenta.

A maior cobra da Amazônia é a sucuri (Eunectes murinus). A espécie pode atingir cerca de 7 metros. Já a segunda maior é a jiboia (Boa constrictor), que pode atingir cerca de 5 metros de comprimento. Kaefer explica que nenhuma das grandes espécies da Amazônia são peçonhentas, ou seja, 'não são capazes de inocular veneno'.

O infectologista e chefe do departamento clínico da FMT-HVD, Antônio Magela Tavares, afirma que 90% das pessoas que procuram a Fundação são mordidas por cobras. “Esse ano aconteceu uma situação atípica, pois os casos se mantiveram constantes em função da cheia permanecer quase por completo neste ano”, destacou.

Magela avalia que a maior parte das serpentes são não-peçonhentas. “A pessoa mordida pela cobra apresenta os sintomas de dor e não cede ao uso de analgésicos, edema progressivo e que pode até sangrar”, explica.

O infectologista aponta que 97% dos casos registrados são de mordidas da espécie Surucucurana (Boltrops Atrox). Magela explica que os outros 3% dos acidentes registrados na Fundação são das espécies surucucu e coral. “O veneno dessa serpente [Surucucurana] tem ação coagulante. Após desencadear o processo de coagulação do sangue, em torno de duas horas todas as proteínas do sangue são consumidas e essa pessoa fica vulnerável a sofrer hemorragia”, relata. Magela ainda enfatiza que qualquer traumatismo que a pessoa possa ter pode levar a uma hemorragia, inclusive interna.

Magela observa que algumas hemorragias aparecem também em outras áreas do corpo, como nariz, olhos e até dentro do Sistema Nervoso Central (SNC). “É difícil perdermos uma pessoa em tratamento, mas em 1999 uma paciente veio a óbito porque teve uma hemorragia dentro do Sistema Nervoso Central e não tivemos como recuperá-la”, relembra.


O pesquisador faz uma alerta para a população ao observar que uma pessoa sofreu de ataque de cobra. “O indivíduo deve ficar em uma posição confortável e ser imediatamente encaminhado para um hospital porque o único tratamento é o soro. Todo município do interior tem um hospital com o soro antiofídico. Aqui em Manaus só a Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado possui o tratamento, pois somos uma unidade de referência”, explica.

O infectologista relata que o soro é produzido em três locais do Brasil, no Instituto Butantan, Fundação Ezequiel Dias e Instituto Vital Brasil. “Para produzir o soro é necessário uma grande infraestrutura com uma fazenda, um serpentário, laboratório, cavalos, cuidado com a alimentação, além de possuir um amplo quadro de biólogos”, salienta. Magela destaca que o Brasil não possui casos de falta de soro. “Menos de 1% das pessoas atacadas por cobras são levadas a óbito. O principal fator é o tempo de atendimento e a população amazônica é muito vulnerável a esse fator. Já atendi pessoas que chegaram quatro dias após a mordida”, avalia.

Magela relembrou a história para a equipe do Portal Amazônia sobre um senhor que perdeu a vida após a mordida de uma cobra. “Ele foi mordido no braço, ao se levantar caiu em cima da cobra e foi novamente mordido por ela. Ao chegar aqui ele estava com um edema extremamente grave, pois aplicou um torniquete no braço e a infecção foi generalizada”, relata.

Apaixonados por cobras

Ao mesmo tempo em que há quem tenha repulsa pelas serpentes, há verdadeiros apaixonados e defensores destes animais. É o caso do designer e estudante de Arquitetura e Urbanismo, Fabrício Araújo. Ao Portal Amazônia, o estudante conta que desde pequeno tinha verdadeiro fascínio por cobras, lagartos e aranhas. “Criei uma Boa Constrictor Imperator, ou Jiboia Branca. O nome dela era Morgana”, relatou.

Araújo explica que sempre procurou na Internet como poderia adquirir uma serpente para criar, mas não tinha condições de comprar. “Ganhei a Morgana de uma amiga que trabalhava no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), ela me presentou um pouco antes do meu aniversário no dia 31 de dezembro. Morgana tinha somente uma semana de vida e era legalizada.Tiver que assinar termos de responsabilidade sobre a tutela”, salienta.

O estudante de Arquitetura e Urbanismo disse que o animal morava em um viveiro de vidro, onde tinha água e uma pedra aquecida. “Mas quando ela ficou um pouco maior ficava solta no meu quarto, quando eu ia alimentá-la colocava no viveiro e depois deixava por algumas horas do dia em um pé de acerola que tinha em casa”, relata.

Araújo explica que a família tinha receio de criar uma cobra em casa. “Eu tinha um sobrinho de sete anos, na época, e meus pais e os pais dele sempre tiveram medo, mas meu sobrinho não. Desde pequeno eu o acostumei com a presença da Morgana. Ele até segurava às vezes. Para o desespero do resto da família”, brinca.

O estudante acredita que a ignorância faz com que as pessoas tenham essa reação de repulsa com as serpentes. “São animais lindos e pacatos, só atacam aquilo que comem. Nunca fui atacado. Aliás, só uma vez porque estava com um ratinho na mão e não prestei atenção ela deu o bote no rato e acertou minha mão. Na hora ardeu um pouco mais nada além disso. Quem nunca brincou com um gato e saiu arranhado?”, questiona Araújo.

Fabrício perdeu o animal de estimação ano passado e, após a morte, teve que levar na sede o Ibama para procedimentos legais, mas informa que sente vontade de criar outra cobra. “Tenho muita vontade sim, pois são animais que ao contrário do que se pensam criam relação entre criador e animal. São, de certo modo, bem fáceis de criar, não dão trabalho algum, pois comem pouco, não precisam de muito espaço, não são venenosos e vivem muitos anos e são lindos. Recomendo”, acrescenta.

Orientações ao comprar

O Instituto Butantan informa que a legislação atual não permite a entrada e comercialização de serpentes exóticas em território brasileiro. Nos últimos anos as exóticas que entram no Brasil são de forma ilegal. Da mesma forma que as serpentes da fauna brasileira "saem" do Brasil.

O biólogo e diretor do Museu Biológico do Instituto Butantan, Giuseppe Puorto, informa que o grande problema é que as pessoas compram as cobras jovens e esquecem que elas vão crescer. “Uma jiboia pode alcançar cerca de 4 metros e aí o grande problema é o que fazer com um animal tão grande”, observa.

Puorto explica que uma cobra precisa de espaço para se movimentar. “Teoricamente para um animal cativo viver bem é preciso ter em mente: cada meio metro de cobra 1 metro quadrado de área útil”, detalha.

Ao adquirir uma serpente o biólogo orienta que seja comprada em local credenciado, com nota fiscal e chip. “É uma questão delicada e de responsabilidade. Uma cobra, mesmo PET, sem o menor aviso pode morder. Nunca se deve esquecer que uma serpente pet é um animal silvestre com comportamento muito diferente de um cão ou de um gato”, analisa.

Data: 02.01.2013


7 Health Numbers Every Man Should Know

7 Health Numbers Every Man Should Know
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

Best Antioxidant Foods for Men and Women

Best Antioxidant Foods for Men and Women
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.

The Science of Happiness

The Science of Happiness
by WebpageFX.
Explore more infographics like this one on the web's largest information design community - Visually.


Sementes: patrimônio vivo


Descubra o Brasil por meio de suas sementes

27 Dezembro 2013

Essa é a proposta do site da Rede de Sementes do Xingu, uma rede de trocas e encomendas de sementes de árvores e outras plantas nativas da região do Xingu, Araguaia e Teles Pires. 

A Rede foi criada em 2007 para promover os conhecimentos locais sobre uso e recuperação das florestas e cerrado do Mato Grosso e se propõe a realizar um processo continuado de formação de coletores de sementes nas cabeceiras do Rio Xingu. 

A ideia é disponibilizar sementes na quantidade e qualidade que o mercado demanda, valorizando a florestas nativa e seus usos, servindo como canal de comunicação e intercâmbio entre coletores de sementes, viveiros, proprietários rurais e outros interessados.


Etanol e biodiesel



Guinnan é o nome que se dá ao fruto da Ginkgo biloba, uma árvore existente desde os tempos pré-históricos e que sobreviveu a bomba atômica de Hiroshima.
O sexo é separado nas plantas. Existem plantas fêmeas que produzem frutos de odor desagradável muito forte quando podres e plantas machos que não produzem frutos e que são bastante empregadas no paisagismo no Japão. 

A folha possui um formato flabeliforme, isto é, em forma de leque. 

No Brasil, na medicina popular utiliza-se as folhas para o tratamento de alguns problemas de saúde. 

No Japão, a semente da Ginkgo biloba ou guinnan, é uma iguaria comestível. Pode-se consumir como aperitivo ou utilizada em pratos típicos da culinária japonesa como chawan-mushi (suflê de ovos).

O guinnan é vendido limpo e seco, pronto para ser torrado e consumido.

Interessados em adquirir o guinnan podem enviar um e-mail para: appc.secretaria@gmail.com 

Frutos maduros
Folha em formato de leque (flabeliforme)
Colheita do fruto
Colheita do fruto
Frutos antes do processamento
Retirada da polpa
Guinnans sendo preparado para consumo
Aperitivos (parte verde) prontos para serem degustados
Postado há 17th March 2013 por APPC






Você já ouviu falar de atemoia, pinha, graviola, cherimoia, fruta-do-conde, condessa, biribá, marolo, araticum, bruto? Sabe o que elas tem em comum? Todas pertencem à família das Anonáceas.

Algumas são plantadas comercialmente como é o caso das atemoias, cherimoias, pinhas e graviolas. Outras são encontradas somente nos quintais de algumas casas ou chácaras como é o caso da biribá e outras ainda são somente encontradas em feiras-livres ou sendo vendidas em beira de rodovias e geralmente são oriundas de coletas no Cerrado como é o caso do Marolo ou Bruto. Infelizmente, com o desmatamento do Cerrado, cada dia é mais raro encontrar essas plantas em estado nativo.

Neste post apresentamos algumas Anonáceas cultivadas e outras encontradas em estado silvestre na região do Cerrado brasileiro.

Anonáceas Cultivadas

Cherimoia (Annona cherimola) - originária dos Vales Andinos do Equador, Peru e Chile. Se dá melhor em climas frios.
Pinha (Annona squamosa) - originária das Antilhas e América Tropical. São produzidas em áreas mais quentes (áreas tropicais).
Atemoia (var. Thompson) - Cruzamento entre Annona squamosa e Annona cherimola. A atemóia se dá melhor em clima subtropical, nem muito quente e nem muito fria.
Flor de atemoia
Graviola (Annona muricata) - originária da América Central, Antilhas e Vales Andinos do Peru
Graviola (Annona muricata)
Anonáceas Nativas do Cerrado

Araticum-do-campo (Annona coriacea)
Flores de Annona coriacea
Annona sp.
Marolo ou Bruto (Annona crassiflora)
Biribá (Rollinia mucosa)
Duguetia furfuracea

Fotos: H.A.S. 
As fotos poderão ser utilizadas desde que citada a fonte.

Estudo mostra impactos do Bolsa Família no trabalho infantil

Da Redação - agenusp@usp.br
Publicado em 3/janeiro/2014

Lucas Jacinto, da Assessoria de Comunicação Esalq
Trabalho teve como foco crianças com idade entre 05 e 15 anos

Estudo realizado pela economista Adriana Rosa do Nascimento, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, analisou o impacto do Programa Bolsa Família sobre as decisões de trabalho das crianças. Os resultados indicam que o Bolsa Família não é estatisticamente significativo na redução do trabalho infantil por diversos fatores. No entanto, para crianças da zona urbana, o aumento no valor do benefício social reduz a probabilidade de a criança trabalhar. A pesquisadora diz ainda que, no caso das crianças que trabalham, o valor do benefício tem impacto negativo sobre o número de horas trabalhadas tanto na zona urbana quanto na rural.

Adriana destaca que os resultados encontrados não significam que o programa Bolsa Família não tenha impacto sobre o trabalho infantil. “Programas de transferência de renda reduzem a vulnerabilidade social e a pobreza das famílias participantes tornando o trabalho infantil não necessário para garantir a sobrevivência da família”, diz. E acrescenta que, o que ocorre, muitas vezes, e já foi mostrado por outras pesquisas, é que o trabalho realizado por jovens não possui a conotação negativa que usualmente se associa a ele.

A pesquisa teve orientação da professora Ana Lucia Kassouf, do Departamento de Economia, Administração e Sociologia (LES) da Esalq. Adriana atualizou pesquisas anteriores e utilizou como base microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tendo como foco crianças com idade entre 05 e 15 anos.

“O estudo concentrou-se em crianças dessas idades porque é a partir de 05 anos que os dados sobre trabalho são coletados na PNAD e o trabalho é permitido no Brasil a partir dos 16 anos”, conta Adriana.
Pesquisadora atualizou estudos anteriores e utilizou como base microdados da PNAD


O trabalho apresenta informações sobre o perfil das crianças que trabalham. “São geralmente meninos, que exercem atividades ligadas à agropecuária, pesca e silvicultura, setores que mais empregam a mão de obra infantil, seguidos pelo comércio e serviços domésticos, em se tratando das meninas”.

A economista observou também o fato de que, muitas vezes, o trabalho é considerado uma forma de preparação para a vida adulta e uma maneira de jovens possuírem um rendimento próprio e que muitas famílias também consideram o trabalho uma alternativa para ocupar o tempo livre de crianças e adolescentes. “Dessa forma, embora os programas de transferência de renda atuem no sentido de reduzir a pobreza, o trabalho infantil, por possuir outros determinantes além da pobreza familiar, não é tão impactado pela participação da família no programa”, conclui.

Trabalho infantil

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em 2011, nos países em desenvolvimento, aproximadamente 150 milhões de crianças com idade entre cinco e 14 anos, trabalhavam, o que representa 16% do total de pessoas nessa faixa etária. O efeito nocivo do trabalho infantil para o bem estar da criança depende das circunstâncias em que esse trabalho é realizado e do que a criança está abdicando para exercer o labor.

O próprio tema “trabalho infantil” já foi amplamente estudado no século 19 – devido à forte presença de trabalho infantil em fábricas no período da Revolução Industrial. Em contrapartida, o assunto foi negligenciado por anos, voltando a ser foco de pesquisas na área da economia na metade da década de 1990. Em um contexto em que o Brasil busca melhorar seu estágio de desenvolvimento, o assunto ganha importância, sendo necessário discutir o problema a fim de delinear as melhores formas de atenuá-lo.

Foto 1: Wikimedia
Foto 2: Gerhard Waller, da Assessoria de Comunicação da Esalq

Mais informações: (19) 3429-4109 / 3447-8613 / 3429-4485, na Assessoria de Imprensa da Esalq

Gestantes apresentam baixo consumo de frutas e hortaliças

Júlio Bernardes - jubern@usp.br
Publicado em 2/janeiro/2014

Pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP analisou a relação entre o ambiente alimentar e das práticas alimentares com o consumo de frutas e hortaliças em gestantes. No total, 282 gestantes atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de Ribeirão Preto (interior de São Paulo) foram avaliadas pela nutricionista Daniela Zuccolotto. A média de consumo de frutas e hortaliças foi de 207 gramas (g) por dia, abaixo da recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a população em geral, que é de 400 g.
Média diária de consumo de frutas e hortaliças entre gestantes é de 207 gramas

“Em relação ao ambiente alimentar, a pesquisa verificou se a percepção da gestante em relação à distância de sua residência até o mercadinho, supermercado, varejão ou feira livre, lanchonete, padaria loja de conveniência e restaurantes mais próximos de sua casa apresentava relação com maior consumo de frutas e hortaliças”, diz Daniela. “Além disso, questionamos sobre a percepção em relação a qualidade e variedade de frutas e hortaliças no local onde ela adquiria esses alimentos (boa ou ruim), se apresentava relação com maior consumo desses alimentos”. Foi questionado também se a gestante possuía horta em casa para ver se as que possuíam apresentavam maior consumo de frutas e hortaliças. Nenhuma dessas questões apresentou associação com maior consumo de frutas e hortaliças entre as gestantes estudadas.

No que diz respeito às práticas alimentares, foi questionado o número de refeições que a gestante fazia por dia, se ela fazia refeições no trabalho, na casa de amigos ou parentes, restaurantes do tipo self service e lanchonetes, o meio de transporte utilizado para ir fazer compras, se ela tinha o hábito de comprar alimentos em supermercados, mercearias, varejão ou feira livre, lanchonetes, padarias, lojas de conveniência ou vendedores ambulantes. “Elas também foram perguntadas se costumavam comprar frutas e hortaliças para consumir em casa e com qual freqüência, se frutas e hortaliças fossem mais baratos se ela consumiria mais, se ela considerava que consumia quantidade suficiente desses alimentos e se ela costumava ganhar frutas e hortaliças de vizinhos ou parentes”.

As gestantes que reportaram fazer quatro ou mais refeições ao dia apresentaram maior chance de consumir uma maior quantidade de frutas e hortaliças quando comparadas àquelas que relataram menos refeições ao dia, independente de idade, escolaridade e classe econômica. “As gestantes que consideraram que consumiam frutas e hortaliças suficientes também apresentaram maior chance de consumir uma maior quantidade de frutas e hortaliças quando comparadas àquelas que não consideravam, independente de idade, escolaridade e classe econômica”, aponta a nutricionista.

Abaixo do recomendado

A OMS recomenda o consumo de 400 g por dia ou mais de frutas e hortaliças para a população em geral. Não há uma recomendação específica para gestantes. “No presente estudo, a estimativa média de consumo de frutas e hortaliças foi de 207 g entre as gestantes avaliadas”, aponta Daniela. “Apenas 10% delas consumiam a quantidade recomendada pela OMS. A mediana de consumo, que foi utilizada como o desfecho de interesse, foi de 158 g”.

Embora a pesquisa tenha avaliado o consumo de frutas, verduras e legumes, de modo geral, pode-se observar um consumo elevado de alimentos fritos, salgadinhos tipo chips, refrigerantes e bolachas entre as gestantes avaliadas. “O consumo elevado de alimentos gordurosos é muito preocupante, uma vez que podem levar a um ganho de peso excessivo durante a gestação causando sérias complicações tanto para mãe quanto para o bebê”, ressalta a nutricionista.

De acordo com Daniela, os estudos mostram que a gestação é um período permeado por muitas crenças, prescrições e proibições. “Na maioria das sociedades, as mulheres quando engravidam alteram a sua dieta, pois acreditam que as prescrições e proibições durante esse período visam proteger mãe e filho, e, se caso não forem seguidas, podem apresentar sérias conseqüências para o bebê”, conta. “Essas modificações na dieta são baseadas em saberes diversos, provenientes da cultura familiar, da cultura de gênero e da cultura biomédica. Assim, os cuidados que a gestante realiza, os quais, na maioria das vezes, são provenientes de orientações biomédicas, direcionam-se para o bem-estar fetal”.

A nutricionista também observa que em todas as sociedades, os aspectos culturais são sempre valorizados. “Geralmente ouve-se, por exemplo, desde o início do período gravídico, que a mulher precisa ‘comer por dois’ ou então que o companheiro precisa atender os desejos alimentares da gestante para que o bebê não apresente marcas ao nascer e até mesmo deformidades corporais”, afirma. “As crenças alimentares durante a gestação têm como objetivo principal proteger a saúde da mulher e do bebê. Além do que, a mulher passa para um espaço provisório que a encaminha para um novo status social, o de mãe”.

Daniela afirma que uma alimentação adequada durante a gestação é fundamental para que a gestante consiga suprir as suas necessidades de energia e nutrientes, que estão aumentadas, e para que ela tenha um ganho de peso adequado neste período, evitando complicações futuras. “É importante que a gestante esteja consciente disto e que o profissional de saúde saiba orientá-la e motivá-la a ter hábitos alimentares saudáveis nesse período”, conclui. A pesquisa foi orientada pela professora Daniela Saes Sartorelli, da FMRP.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens
Mais informações: email danyzc@hotmail.com, com Daniela Zuccolotto

Educadores têm conhecimento limitado e estereotipado do ECA

Hérika Dias - herikadias@usp.br
Publicado em 3/janeiro/2014

Uma pesquisa da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP está investigando como os educadores da rede pública de ensino representam o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e as implicações dessas significações nos processos de mediação e prevenção da violência nas escolas.
Estudo envolveu 20 educadores de instituições do ensino fundamental II e médio

Os primeiros resultados indicam que parte dos professores compreende o estatuto como “excessivamente liberal”, “facilitador da conduta desregrada e indisciplinada” do aluno em sala de aula, “impedindo a tomada de medidas punitivas e disciplinares”. Outros acreditam que o estatuto é “adequado e até avançado em relação à prevenção da violência contra crianças e adolescentes, o problema seria ele ser posto em prática”.

Essas percepções e opiniões paradoxais podem estar ligadas ao desconhecimento do ECA, segundo Daniel Massayuki, doutorando e autor do estudo, realizado com orientação do professor da FFCLRP, Sérgio Kodato. “Observa-se que o conhecimento sobre o estatuto é um pouco limitado e estereotipado, pois os discursos dos educadores representam o ECA como facilitador da indisciplina, mas ao mesmo tempo indicam que se avançou na conquista de direitos de crianças e adolescentes, desde que melhor executado.”

O professor Kodato destaca que “os educadores, acuados com a hostilidade dos alunos e seus familiares, reclamam que as medidas e recomendações do ECA sobre a contenção da violência não são colocadas em prática na escola, permanecendo no plano teórico e alimentando o caos”. Com isso, prevalece o clima de desacato à figura de autoridade, a falta de limites, sendo que os direitos de adolescentes que querem aulas e aprendizagem ficam prejudicados pelos que estão excluídos do processo pedagógico e adotam a conduta agressiva e transgressiva como uma forma de fornecer sentido a permanência cotidiana na escola.

“Os professores têm consciência da necessidade de detectar, cuidar e notificar ao Conselho Tutelar, os casos de alunos violentados e maltratados, em suas famílias e comunidades de origem. Mas, muitas vezes, preferem se omitir, em função de medo, do temor de vingança por parte dos denunciados e porque os encarregados de coibir a violência não estão conseguindo efetivar a averiguação das denúncias e culpabilização dos responsáveis”, afirma Kodato.

Segundo os pesquisadores, a forma como os educadores representam o estatuto influencia nas relações pedagógicas e desencadeia problemas que refletem negativamente no trabalho de todos na escola. “No caso do professor que desconhece o Estatuto da Criança e do Adolescente e está na sala de aula, ao presenciar relações conflituosas e brigas promovidas pelos estudantes indisciplinados, poderá representar essa violência como delituosa, se eximindo de mediar o conflito e encaminhando para a hierarquia superior ou mesmo à Ronda Escolar.

Instrumento de apoio

O professor Kodato destaca que os educadores poderiam assimilar o ECA como um instrumento de apoio ao desenvolvimento de estratégias e práticas para solucionar os problemas de violência na escolas, “no entanto esse processo está paralisado, atualmente, muitas instituições e agentes educacionais sentem-se intimidados e impotentes frente a situação de descalabro e agressão direta ou simbólica a figura do professor”.

A coleta de dados da pesquisa foi realizada com 20 educadores (professores, coordenadores, auxiliares de ensino e outros) de instituições do ensino fundamental II e médio da região de Barretos, no interior de São Paulo.

De acordo com os pesquisadores, o estudo utiliza a “Teoria das Representações Sociais” com referencial metodológico. “As representações são produzidas e circulam nas comunicações entre as pessoas, revelam singularidades delas no espaço político e institucional. Por exemplo, ao processo de socialização, resultado da interação entre as pessoas e o grupo de pertença, contribui para a elaboração de representações e significados a respeito de si, da sociedade, dos outros e do mundo”, afirma Kodato.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens
Mais informações: email massayuki3@hotmail.com, com Daniel Massayuki, ou email skodato@ffclrp.usp.br, com Sérgio Kodato


Uso Correto de Medicamentos - Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013

Fiocruz. Uso correto de medicamentos: cartilha./ Janaína de Pina Carvalho e Col. 2.ed. - Rio de Janeiro : Instituto de Tecnologia em Fármacos, 2013. 

Nesta segunda edição da Cartilha de Uso Correto de Medicamentos, além de pequenas atualizações, foi incluído um tópico sobre o descarte de medicamentos e outro tópico com as perguntas e respostas utilizadas na adaptação do jogo de “Ludo”. 

Disponível em: 

Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013
Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. 
Depto. Medicina Preventiva, Universidade Federal de São Paulo 

Pregabalina: Um agente antiepilético usado para dor neuropática

Blommel, MI; Blommel, AL (2007), Pregabalin: an antiepileptic agent useful for neuropathic pain, American Journal of Health-Systempharmacy, 64(14), 1475-1482. 

Pregabalina é o primeiro agente antiepilético aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA) desde 1999. O medicamento é indicado para: neuropatia diabética dolorosa e neuralgia pós-herpética. 

A falta de metabolismo hepático e de interação com o citocromo P-450 pode explicar a ausência de interações medicamentosas por essa via. Todavia, pode reagir com etanol e lorazepam afetando a função motora, dentre outras possíveis interações. A droga apresenta potencial para abuso e dependência, dessa forma os pacientes devem ser monitorados. 

Os principais eventos adversos são relacionados ao sistema nervoso central, tais como tontura, sonolência e edema periférico, entre outros. 

A Pregabalina continua uma alternativa para pacientes que não toleram efeitos adversos de outros medicamentos e para os que não respondem aos tratamentos convencionais. 

*Nota do CEBRID: Nome comercial da pregabalina no Brasil: Lyrica®

Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013
Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. 
Depto. Medicina Preventiva, Universidade Federal de São Paulo 

Relação entre a Mirtazapina e Rabdomiólise - Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013

WHO. (2013), Mirtazapine and Rhabdomyolysis - Signal from UMC. WHO Pharmaceuticals Newsletter, 5, 15. 

A relação entre mirtazapina e Rabdomiólise foi identificada como um sinal potencial no ano 2000. Este acompanhamento mostrou que em fevereiro de 2013 haviam registrados 47 casos no banco de dados da OMS, mas essa reação adversa não constava da bula dos produtos na Inglaterra e EUA. O levantamento das publicações científicas revelou que quatro desses casos encontrados no VigiBase™ da OMS foram publicados e estes fornecem a informação em conjunto com na avaliação. Sugere-se que a associação de rabdomiólise com mirtazapina é um sinal e que deve ser investigado.

Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013
Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. 
Depto. Medicina Preventiva, Universidade Federal de São Paulo 

ANVISA – Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores do Apetite. Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013

ANVISA. Nota técnica sobre a Eficácia e segurança dos medicamentos inibidores do apetite. Dias MF, Gradim MM (org). Brasília - DF, 2011. 

O objetivo desse relatório foi descrever os aspectos de eficácia e segurança dos medicamentos inibidores do apetite registrados no Brasil dos grupos anfetaminas e derivados (anfepramona, femproporex e mazindol) e da sibutramina (agente serotoninérgico). Esse relatório, realizado pela ANVISA, utilizou publicações indexadas na base de dados Pubmed e Bireme. Transcrevemos as conclusões do relatório; todos os créditos devem citar a ANVISA. 

1.1. Anfepramona 

Anfepramona não é um medicamento registrado, atualmente, na Europa, nem nos Estados Unidos. Apesar da Importante subnotificação para este grupo de medicamentos no Brasil, a ANVISA registrou 341 reações adversas, sendo que 16% foram consideradas graves e 48% são reações do sistema nervoso central. 

A Anfepramona reduz o peso corporal apenas em curto prazo, não permanecendo o resultado desejado por longo prazo. Os estudos clínicos não foram considerados suficientemente comprobatórios de sua eficácia no tratamento da obesidade. Os estudos clínicos apenas avaliaram desfechos primários de redução de peso e não de avaliação relativa à melhoria do quadro de morbidade e mortalidade referentes às complicações das doenças associadas à obesidade, o que compromete a sua eficácia. 

Devido as graves reações adversas, contraindicações, risco de dependência e abuso, e ainda, a ausência de estudos clínicos com padrão de qualidade regulatório que comprovem sua eficácia e segurança, este medicamento apresenta riscos que se sobrepõem aos seus benefícios, inexistindo subgrupo populacional que tenha indicações para o seu uso. 

1.2. Femproporex 

O femproporex nunca foi registrado nos Estados Unidos (Bray, 2000). Em 1999 o femproporex foi retirado do mercado Europeu devido a sua ineficácia, impactando em sua relação benefício/risco (WHO, 1999). Apesar da Importante subnotificação para este grupo de medicamentos no Brasil, a ANVISA registrou 662 reações adversas, sendo que 38% foram consideradas graves, 1 óbito e 10% de inefetividade. Reações do sistema nervoso central representaram 37% das notificações. O relatório conclui que o femproporex apresenta reações adversas semelhantes às anfetaminas em decorrência de sua semelhança química, levando parte de seu metabolismo a se transformar em anfetamina e metanfetamina in vivo. 

Apesar das reações adversas mais comumente esperadas não serem consideradas graves e serem relativas aos efeitos no SNC (inquietude, nervosismo, irritabilidade, insônia), foram notificadas reações importantes, tais como artralgia, visão borrada, vulvovaginite e herpes. Espera-se que o femproporex apresente efeitos do tipo síndrome de abstinência, dependência e tolerância. Também ocorreram reações mais raras, porém mais graves, tais como psicose paranoide, alucinação visual, transtorno obsessivo-compulsivo, escleroderma, hemorragia subaracnóide e síndrome adrenérgica, descritas para o femproporex. Está associado, ainda, a hipertensão pulmonar.

Todos os riscos anteriormente descritos, associados à ausência de estudos clínicos com padrão exigido para o registro de medicamentos demonstram que o femproporex não apresenta fundamentação científica para permanecer no mercado brasileiro. 

1.1. Mazindol 

O mazindol nunca foi registrado nos Estados Unidos (Rihmer, 1984) e não está disponível para o consumo na Europa. Apesar da Importante subnotificação para este grupo de medicamentos no Brasil, a ANVISA registrou 88 notificações contendo 111 reações adversas, sendo que 28 (32%) graves e 28% de reações do trato gastrointestinal. A inefetividade representou 9% das notificações. 

O mazindol reduz o peso a curto-prazo, porém não existem dados significantes sobre a mudança da morbi-mortalidade relacionada com complicações das doenças associadas à obesidade, o que compromete a sua eficácia. Existem estudos clínicos publicados com mazindol, mas não foram encontrados estudos comprobatórios robustos de sua eficácia no tratamento da obesidade. 

As reações comuns com uso do mazindol geralmente levam ao abandono da terapêutica. Além disso, o risco de reações adversas graves, importantes contraindicações e efeito de tolerância em poucas semanas, depõem contra o seu uso terapêutico. Seus riscos sobrepõem-se aos benefícios, tornando-o incompatível com os requisitos de eficácia e segurança mínimos para manutenção de seu registro. 

1.2. Sibutramina 

Nos últimos anos foram realizados estudos de segurança em que se constataram riscos em nível cardio e cerebrovasculares, que podem colocar a vida dos usuários em risco. 

Além disso, o estudo SCOUT sugeriu que 70% dos sujeitos do estudo que estavam em uso de sibutramina não responderam ao tratamento, indicando possível alta taxa de inefetividade. Desta forma, a sibutramina apresenta relação risco/benefício desfavorável para a sua utilização clínica como adjuvante no tratamento da obesidade. 


-Bray GA, A. concise review on the therapeutics of obesity. Nutrition. 2000 Oct;16(10):953-60. 

-Rihmer Z, et al. Two case reports of mazindol-induced depression. Am J Psychiatry. 1984 Nov;141(11):1497-8. 

-Maggioni AP, et al. Tolerability of sibutramine during a 6-week treatment period in high-risk patients with cardiovascular disease and/or diabetes: a preliminary analysis of the Sibutramine Cardiovascular Outcomes (SCOUT) Trial. J Cardiovasc Pharmacol 2008; 52(5): 393-402. 

-WHO. Anorectic agents - withdrawal of marketing authorizations recommended: EC, Portugal. WHO Pharmaceuticals Newsletter, No. 09&12, 1999.


Boletim Psifavi, Sistema de Psicofarmacovigilância CEBRID, n. 51, Jul/Ago/Set - 2013
Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. 
Depto. Medicina Preventiva, Universidade Federal de São Paulo