sábado, 31 de maio de 2014

Differences in phenolic makeup of indigenous rose species, modern cultivars

Date: May 27, 2014

American Society for Horticultural Science

Leaf and petal phenolic profiles of four rose species traditionally used for medicinal purposes and three modern rose cultivars have been reviewed by researchers. Distinct differences in the distribution of leaf phenolic compounds were observed, especially between Rosa species and modern rose cultivars. The study also determined a strong correlation between color parameters and total anthocyanin content.
Rosa canina was one of the indigenous roses in a study of leaf and petal phenolic profiles. Differences were found in the makeup of modern rose varieties and indigenous species.
Credit: Valentina Schmitzer

The leaves and petals of roses are valued for their medicinal and aesthetic uses around the world. A new study identified specific phenolic compounds found in the petals of indigenous rose species and compared them with the phenolic profiles of modern rose cultivars to determine differences in the makeup of roses traditionally used for medicinal purposes and those varieties cherished for aesthetic qualities. According to the results, distinct differences exist in the distribution of leaf phenolic compounds, especially between indigenous rose species and modern rose cultivars.

Vlasta Cunja, corresponding author of the study published in the Journal of the American Society for Horticultural Science, said that previous research has linked phenolic and mineral composition of rose hips to their antioxidant activity. Phenolic antioxidants have also been identified in the petals of several rose species, but research on rose leaf polyphenols has been rare. Using high-performance liquid chromatography/mass spectrometry, Cunja and colleagues determined leaf and petal phenolic profiles of four indigenous rose (Rosa) species (R. canina, R. glauca, R. rubiginosa, R. sempervirens) traditionally used for medicinal purposes and three modern rose cultivars (Rosarium Uetersen, Ulrich Brunner Fils, Schwanensee).

The researchers identified seven different anthocyanins--the principal pigments responsible for intense red to mauve colors--in the rose petals. They found a "strong correlation" between color parameters and total anthocyanin content in petals. Additionally, 31 flavonols were detected in the rose petals; flavonol content varied significantly among species and cultivars analyzed. The analyses tentatively identified 30 different flavonols in the leaves of different rose species and cultivars.

"Our analyses revealed significant variations in the content and composition of phenolic compounds among species, cultivars, and plant petals and leaves," Cunja said. Interestingly, distinct differences in the distribution of leaf phenolic compounds were found between indigenous species and modern rose cultivars. Among the species investigated, leaves of Rosa canina stood out for their high and varied phenolic content. "The traditional practice of using Rosa canina for medicinal purposes appears scientifically justified because (the species) contains significantly more phenolic antioxidants compared with other naturally occurring rose species of the region," Cunja said.

The modern cultivar 'Schwanensee' was determined to be most dissimilar of all cultivars analyzed as a result of the low levels of phenolic constituents found in the leaves. The authors said this could potentially be linked to the cultivar's susceptibility to diseases. They concluded that species are likely more suitable than cultivars as a potential source of leaf phenols with antioxidative activity.

Story Source:

The above story is based on materials provided by American Society for Horticultural Science. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Vlasta Cunja, Maja Mikulic-Petkovsek, Franci Stampar And Valentina Schmitzer.Compound Identification of Selected Rose Species and Cultivars: an Insight to Petal and Leaf Phenolic Profiles. Journal of the American Society for Horticultural Science, March 2014

Cite This Page:

American Society for Horticultural Science. "Differences in phenolic makeup of indigenous rose species, modern cultivars." ScienceDaily. ScienceDaily, 27 May 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/05/140527124107.htm>.


Mycotoxin protects against nematodes, study finds

Date: May 27, 2014

Source: ETH Zürich

Most terrestrial plants enter into biocoenosis with funghi. Both sides benefit: the fungus, which surrounds the small roots of the host plant with a thick felt, supplies the plant with trace elements and water. The plant, in turn, supplies the fungus with sugars and other metabolites which it is unable to produce itself.

The fungal toxin binds to specific sugar structures which occur on the surface of intestinal cells of the nematode Caenorhabditis elegans. Where the toxin accumulates the surface is glowing bright red.
Credit: Alex Butschi / University of Zürich

Most terrestrial plants enter into biocoenosis with funghi. Both sides benefit: the fungus, which surrounds the small roots of the host plant with a thick felt, supplies the plant with trace elements and water. The plant, in turn, supplies the fungus with sugars and other metabolites which it is unable to produce itself.

Toxic protein kills intestinal cells

ETH researchers from the research group of microbiology professor Markus Aebi have discovered a protein in the cells of one such ectomycorrhizal fungus which offers an additional advantage to the fungus-plant duo. It protects the fungus and possibly its roots, too, against nematodes as it is toxic to the parasites. "This toxin is probably part of this fungus' defence system against predators," says Markus Künzler, senior assistant in Aebi's group. If the nematodes feed on the fungal cells, they ingest the toxic protein. The nematode's intestinal cells are destroyed by a mechanism which has still to be elucidated.

The mushroom mainly forms the protein in its pileus, i.e. the part of the fruiting body visible above ground and in the dense fungal net around the tips of the roots. The fact that the toxin is close to the root tips could be an indication that the toxin not only protects the fungus but also the plant roots against predators. Many nematodes that live in the soil feed not only on fungal tissue but also on plant cells.

Modified sugar as the docking station

In their study, which has just been published in the journal PNAS, the researchers demonstrate that the defence protein docks on to a specific target in the nematode : a modified sugar found on the surfaces of the worm's intestinal cells but also on those of molluscs like snails. However, there doesn't seem to be any such surface structure on the cells of vertebrates.

Furthermore, Künzler and his colleagues show that this point of attack is also found in specific bacteria which means that the toxic protein can also dock on there. As the protein has several binding points for the target structure, the protein and several bacteria form clumps, they "agglutinate."

"This reaction is interesting as close relatives of this protein, known as homologs have also been found in animals -- ranging from invertebrates like the horseshoe crab to humans -- where they play a role in the defence against bacteria," continues Künzler.

The fact that fungal and animal toxic proteins bind to the same target structures means that this defence mechanism must be very old in terms of evolution. This type of defence is part of the "innate" defence system of highly diverse organism groups like mushrooms, crabs or even humans.

Vaccinate livestock against parasites

This finding also paves the way for practical applications: the ETH spin-off Malcisbo, which came from the microbiologist's laboratory, endeavours, on the basis of these surface sugar structures to develop novel vaccines against parasites and pathogenic germs for livestock and humans. "The funghi reveal to us the Achilles heel of nematodes and bacteria. We can now use these findings to combat them," hopes Künzler.

Story Source:

The above story is based on materials provided by ETH Zürich. The original article was written by Peter Rüegg. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Wohlschlager T, et al. Methylated glycans as conserved targets of animal and fungal innate defense. PNAS, May 2014 DOI: 10.1073/pnas.1401176111

Cite This Page:

ETH Zürich. "Mycotoxin protects against nematodes, study finds." ScienceDaily. ScienceDaily, 27 May 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/05/140527085516.htm>.


Smells like deceit: A record number of species use the same odor to exploit each other

Date: May 29, 2014

Source: Frontiers

Ecologists discover a fascinating story of hijacked signals, deceit, stowaways, and eavesdropping in the natural world. It involves the citrus tree, an infectious plant disease called huánglóngbìng, a sap-sucking plant louse, and a predatory wasp -- all communicating with each other through a single odor.
The incurable and deadly disease huánglóngbìng, also known as citrus greening.
Credit: H. Gomaz, USDA

The open-access journal Frontiers in Ecology and Evolution reports the first known case where four species, all at different levels in the food chain, use a single odor to communicate with and ruthlessly exploit each other.

Plant-feeding insects are often attracted to odors that are released by damaged plant tissue because these plants are already under attack and so a good place to look for food, sexual partners, and egg-laying sites. The jumping plant louse Diaphorina citri hones in on the odor methyl salicylate that is released by damaged young leaves of citrus trees, whose sap is the only food of the young lice. But other species have evolved the capacity to take advantage of its attraction to methyl salicylate.

One of these is the bacterium Canditatus Liberibacter asiaticus, which infects citrus trees, hijacks its odor production, and forces it to release methyl salicylate to mimic an attack by plant lice. Jumping plant lice that fly towards the source of the odor are duped: they will not find enough food there, as the bacterium has drastically lowered the nutritional quality of infected leaves. This is a trick that forces the lice to quickly seek out another tree again, this time with the bacterium hitching a ride on their body. In this way, the bacterium can infect new citrus trees, where it causes the incurable and deadly disease huánglóngbìng.

Enter the wasp Tamarixia radiata, which lays its eggs on young jumping plant lice, so that the wasp larvae can feed on them. Lukasz Stelinski and colleagues from the University of Florida asked whether the wasp is likewise attracted to the odor of methyl salicylate while hunting for plant lice. They placed female wasps in an olfactometer, a Y-shaped device that delivers two opposing air flows, each carrying a different odor. The wasps had the choice of flying towards methyl salicylate or to a control odor such as limonene, another compound produced by citrus trees.

The wasps were strongly attracted to the smell of both bacteria-infected and louse-infested citrus plants, and also to pure methyl salicylate. A further experiment revealed that the wasps were more likely to find and attack young plant lice on plants infected with the bacterium, or on plants that had been treated with methyl salicylate. This proves that the wasp finds its prey by eavesdropping on the odor signal exchanged between bacteria, citrus trees, and plant lice.

"Communication between species is widespread in nature, but almost always involves only two or three species. Here, we show for the first time that the same signal connects four different species, each at a different level in the food chain. Through their separate evolutionary histories, they independently hit on the use of methyl salicylate as a way to take advantage of their prey," says Stelinski.

Story Source:

The above story is based on materials provided by Frontiers. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Xavier Martini, Kirsten S. Pelz-Stelinski, Lukasz L. Stelinski. Plant pathogen-induced volatiles attract parasitoids to increase parasitism of an insect vector. Frontiers in Ecology and Evolution, 2014; 2 DOI: 10.3389/fevo.2014.00008

Cite This Page:

Frontiers. "Smells like deceit: A record number of species use the same odor to exploit each other." ScienceDaily. ScienceDaily, 29 May 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/05/140529182617.htm>.


Eating prunes can help weight loss, study shows

Date: May 30, 2014

Source: University of Liverpool

Eating prunes as part of a weight control diet can improve weight loss, research shows. Consumption of dried fruit is not readily recommended during weight loss despite evidence it enhances feelings of fullness. However, a study of 100 overweight and obese low fiber consumers tested whether eating prunes as part of a weight loss diet helped or hindered weight control over a 12-week period. The results were promising.

Research by the University of Liverpool has found that eating prunes as part of a weight control diet can improve weight loss.

Consumption of dried fruit is not readily recommended during weight loss despite evidence it enhances feelings of fullness.

However, a study by the University's Institute of Psychology, Health and Society of 100 overweight and obese low fiber consumers tested whether eating prunes as part of a weight loss diet helped or hindered weight control over a 12-week period.

It also examined if low fiber consumers could tolerate eating substantial numbers of prunes in their diet, and if eating prunes had a beneficial effect on appetite.

To assess the effects of prunes on weight and appetite, participants in the study were divided into two groups -- those who ate prunes every day (140g a day for women and 171g a day for men) and those who were given advice on healthy snacks over the period of active weight loss.

The researchers found that members of the group which ate prunes as part of a healthy life-style diet lost 2kg in weight and shed 2.5cm off their waists. However, the people in the group which was given advice on healthy snacks lost only 1.5kg in weight and 1.7cm from their waists.

The study also found that the prune eaters experienced greater weight loss during the last four weeks of the study. After week eight, participants showed increased feelings of fullness in the prune group. Moreover, despite the high daily doses, prunes were well tolerated.

Liverpool psychologist, Dr Jo Harrold who led the research, said: "These are the first data to demonstrate both weight loss and no negative side effects when consuming prunes as part of a weight management diet. Indeed in the long term they may be beneficial to dieters by tackling hunger and satisfying appetite; a major challenge when you are trying to maintain weight loss."

Professor Jason Halford, Professor of Experimental Psychology and Director of the University's Human Ingestive Behaviour Laboratory, added: "Maintaining a healthy diet is challenging. Along with fresh fruit and vegetables, dried fruit can provide a useful and convenient addition to the diet, especially as controlling appetite during dieting can be tough."

Story Source:

The above story is based on materials provided by University of Liverpool. Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:

University of Liverpool. "Eating prunes can help weight loss, study shows." ScienceDaily. ScienceDaily, 30 May 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/05/140530124331.htm>.


Green tea could reduce pancreatic cancer risk: Study explains how

Date: May 30, 2014

Source: Los Angeles Biomedical Research Institute at Harbor-UCLA Medical Center (LA BioMed)

A new study explains how green tea changed the metabolism of pancreatic cancer cells, opening a new area in cancer-fighting research. Green tea and its extracts have been widely touted as potential treatments for cancer, as well as several other diseases. But scientists have struggled to explain how the green tea and its extracts may work to reduce the risk of cancer or to slow the growth of cancer cells.

Green tea and its extracts have been widely touted as potential treatments for cancer, as well as several other diseases. But scientists have struggled to explain how the green tea and its extracts may work to reduce the risk of cancer or to slow the growth of cancer cells.

A study recently published online by the journal, Metabolomics, offers an explanation that researchers say could open a new area of cancer-fighting research. The study reports that EGCG, the active biologic constituent in green tea, changed the metabolism of pancreatic cancer cells by suppressing the expression of an enzyme associated with cancer, LDHA.

The researchers also found an enzyme inhibitor, oxamate, which is known to reduce LDHA activity, operated in the same manner: It also disrupted the pancreatic cancer cells metabolic system.

"Scientists had believed they needed a molecular mechanism to treat cancer, but this study shows that they can change the metabolic system and have an impact on cancer," said Wai-Nang Lee, MD, corresponding author of the study and a Los Angeles Biomedical Research Institute (LA BioMed) lead researcher. "By explaining how green tea's active component could prevent cancer, this study will open the door to a whole new area of cancer research and help us understand how other foods can prevent cancer or slow the growth of cancerous cells."

Using sophisticated metabolic profiling methods, the researchers found EGCG disrupted the balance of "flux" throughout the cellular metabolic network. Flux is the rate of turnover of molecules through a metabolic pathway. The researchers found the EGCG disrupted this balance in the same manner that oxamate, a known LDHA inhibitor, did.

Based on this finding, they concluded that both EGCG and oxamate reduced the risk of cancer by suppressing the activity of LDHA, a critical enzyme in cancer metabolism, thereby disrupting the balance in the cancer cells metabolic functions.

"This is an entirely new way of looking at metabolism," said Dr. Lee. "It is no longer a case of glucose goes in and energy comes out. Now we understand how cancer cell metabolism can be disrupted, and we can examine how we can use this knowledge to try to alter the course of cancer or prevent cancer."

Story Source:

The above story is based on materials provided by Los Angeles Biomedical Research Institute at Harbor-UCLA Medical Center (LA BioMed). Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Qing-Yi Lu, Lifeng Zhang, Jennifer K. Yee, Vay-Liang W. Go, Wai-Nang Lee.Metabolic consequences of LDHA inhibition by epigallocatechin gallate and oxamate in MIA PaCa-2 pancreatic cancer cells. Metabolomics, 2014; DOI:10.1007/s11306-014-0672-8

Cite This Page:

Los Angeles Biomedical Research Institute at Harbor-UCLA Medical Center (LA BioMed). "Green tea could reduce pancreatic cancer risk: Study explains how." ScienceDaily. ScienceDaily, 30 May 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/05/140530133214.htm>.


Vida saudável podia evitar 37 milhões de mortes prematuras

05 de Maio de 2014

Cigarros, álcool e sal são grandes inimigos

Cerca de 37 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas até 2025 a nível mundial se a população adotasse um modo de vida mais saudável, sem cigarros, álcool ou alimentação salgada, conclui um estudo divulgado recentemente.

Os cientistas do Imperial College de Londres calculam que a eliminação ou a redução de seis fatores de risco para a saúde poderá evitar ou retardar a morte prematura de 37 milhões de pessoas, de acordo com o estudo publicado na revista médica britânica «The Lancet».

Os objetivos de vida mais saudável consistem em reduzir em um terço a metade o consumo do tabaco, limitar em 10% o álcool, diminuir em 30% a quantidade de sal consumida, reduzir em 25% o número de pessoas que sofrem de hipertensão e parar o aumento de obesos e diabéticos.

Este esforço permitiria evitar ou adiar, até 2025, mais de 16 milhões de mortes entre a população mundial entre os 30 e os 70 anos e evitar 21 milhões de óbitos prematuros depois dos 70.

Os dois elementos preponderantes para agir sobre a esperança de vida são o tabaco e a hipertensão arterial, que são um fator de risco importante para as doenças cardiovasculares e que podem ser combatidas através de medicamentos e da prática de exercício físico e redução do consumo de sal.


Alternative Medicine - Exactly What Is It?


Um possível caminho para os carros verdes

Por Da Redação - agenusp@usp.br
Publicado em 30/maio/2014

Da Assessoria de Comunicação do IFSC
Desafio é quebrar a molécula de etanol para que ela alcance eficiência máxima

No Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP, um estudo investiga um novo método capaz de tornar o funcionamento dos motores de automóveis veículos menos poluentes e mais eficientes.

Trata-se de uma metodologia de pesquisa que está na interface entre a química e que vem sendo estudado pelo docente do IFSC, Paulo Barbeitas Miranda, numa parceria de estudos com a pesquisadora do Instituto de Química de São Carlos (IQSC), Janaína Fernandes Gomes.

O método utiliza uma célula a combustível (etanol, por exemplo) que gera energia elétrica com a produção de pouco calor. Esta, por sua vez, alimenta um motor elétrico, que usualmente perde pouca energia na forma de calor, tornando o funcionamento do automóvel mais eficiente e, principalmente, limpo.

Sendo esse o objetivo final do estudo (um carro com motor elétrico que consuma menos combustível e funcione de maneira mais limpa), alguns problemas se colocam à frente para concretização de tal projeto: durante a reação de quebra da molécula de etanol para produção de energia elétrica, que ocorre na superfície de um eletrodo metálico, há muita perda de energia. “Atualmente, o grande desafio é conseguir quebrar completamente a molécula de etanol para que ela alcance eficiência máxima. Porém, essa reação ainda gera muitos subprodutos, tendo-se uma reação parcial e o não aproveitamento de toda energia da molécula”, explica Paulo Miranda.

Também durante a quebra da molécula de etanol na célula a combustível, ocorre outro problema: o chamado “envenenamento do eletrodo”, quando o monóxido de carbono, resultante da reação parcial, fica grudado na superfície do eletrodo, atrapalhando sua eficiência. “São moléculas difíceis de remover e que bloqueiam a reação”, elucida o docente.

O trabalho principal dos pesquisadores do IFSC e IQSC, portanto, foi buscar o entendimento sobre como ocorre o envenenamento do eletrodo, tentando descobrir quais são as outras moléculas “grudadas” na superfície do metal, que são produtos intermediários da reação de oxidação do etanol no eletrodo.

O eletrodo estudado foi o de platina, o mais investigado e promissor (embora muito caro) para a fabricação de células a combustível. No caso do IFSC, os pesquisadores utilizaram a técnica de espectroscopia não-linear de interfaces, na qual são utilizados lasers de alta intensidade para se obter o espectro de vibração das moléculas que estão na superfície. “Na situação experimental temos um filme com uma solução composta por etanol e eletrólito, e com isso conseguimos estudar as moléculas que estão na superfície do eletrodo”, conta Paulo.

Sobre o filme fino, são disparados dois tipos de laser: um infravermelho e outro verde. Tal diferencial oferece a seguinte vantagem: a combinação das duas cores, produzindo luz azul, permite investigar apenas as moléculas que se encontram na superfície. “Nesse caso específico, saber o que se encontra na solução não é de nosso interesse, pois muitos pesquisadores podem fazer isso rotineiramente. A técnica que utilizamos é, entretanto, muito mais sensível ao que ocorre na superfície do eletrodo, deixando de lado o que se encontra na solução”.

Depois de aplicada a técnica na superfície do eletrodo metálico, os pesquisadores encontraram um espectro complexo, com muitas vibrações em frequências próximas, e visualizaram “impressões digitais” de várias moléculas, o que foi a grande novidade da pesquisa em questão. “A dificuldade é saber a quem pertencem essas ‘impressões digitais’, uma vez que encontramos uma média de 15 frequências diferentes. Tivemos que buscar dados na literatura e fazer comparações com diversos espectros já conhecidos para identificar a quais moléculas elas pudessem pertencer”, explica Paulo.

Após diversas análises e comparações, os pesquisadores chegaram a uma proposta de possíveis candidatos – a certeza só existirá quando forem feitas novas simulações computacionais bem mais complexas. “O ideal, mesmo, seria fazer uma simulação do que ocorre com uma molécula de etanol quando ela chega a uma superfície metálica e se quebra em diversas outras”, comenta Paulo.

Outra surpresa durante o estudo foi a descoberta de que o eletrodo de platina é extremamente ativo para reação de quebra da molécula de etanol, pois, de acordo com Paulo, outras moléculas menores, que resultam dessa reação, podem se juntar novamente para formar moléculas novas. “Isso mostra que o caminho dessa reação é muito mais complicado do que se imaginava. No entanto, ao se utilizar diferentes combustíveis, a reação pode ser diferente, bem como os produtos e a eficiência da reação”, explica Paulo.

Obviamente, os próximos passos da pesquisa caminham em direção à descoberta exata das moléculas que estão “grudadas” na superfície do eletrodo e também como ocorre, exatamente, a reação nessa superfície.

Foto: Pedro Bolle / USP Imagens

Mais informações: (16) 3373-9825 ou emailmiranda@ifsc.usp.br, com o professor Paulo Miranda

Belém, PA: XVIII Feira Pan-Amazônica do lLivro


Ciência para cego sentir

30 de Maio de 2014

Projeto inovador faz réplicas aumentadas de células em três dimensões com o objetivo de incluir alunos deficientes visuais no estudo científico.
Estudar ciência no Brasil nunca foi fácil. A maioria das escolas não dispõe de material adequado para cativar os alunos. No caso dos estudantes com necessidades especiais, a precariedade de equipamentos didáticos de apoio costuma ser ainda maior.

O objetivo é difundir o estudo científico entre estudantes cegos ou com baixa visão, de maneira que eles consigam, por meio do tato, conhecer o formato das células

Pensando nisso, um projeto da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), com a colaboração do Instituto Nacional de Tecnologia (INT), inovou ao desenvolver réplicas aumentadas de células em três dimensões. O objetivo é difundir o estudo científico entre estudantes cegos ou com baixa visão, de maneira que eles consigam, por meio do tato, conhecer o formato das células.

“Certa vez, conversando com o professor Athelson Bittencourt, responsável pelo Museu de Ciências da Vida da Ufes, ele me relatou que já havia recebido visitas de estudantes cegos ou com visão imperfeita e não sabia que estratégia didática utilizar com eles”, conta o imunologista Marco Guimarães, pesquisador da Ufes e coordenador do projeto, que teve início em 2011. “Foi assim que tivemos a ideia de elaborar células em três dimensões.”

Para confeccionar o material, os pesquisadores geram, no Laboratório de Ultraestrutura Celular da Ufes, modelos digitais a partir de imagens reais das células. Esses modelos são obtidos com técnicas de microscopia eletrônica de transmissão – essa tecnologia possibilita que a estrutura celular seja reproduzida de forma proporcional à verdadeira.


sexta-feira, 30 de maio de 2014

Health benefits of peaches


Entenda por que é Importante Reaproveitar os Alimentos

Cascas, talos, sementes e folhas possuem até mais nutrientes do que as partes costumeiramente utilizadas -

Por Bruna Stuppiello - publicado em 09/10/2013

Você sabia que aquela casca de banana que você joga fora possui duas vezes e meia mais vitamina C do que a polpa da fruta? As cascas, talos, sementes e folhas dos vegetais e frutas que costumamos desprezar podem ser muito saudáveis. "As partes não convencionais dos alimentos possuem um rico valor nutricional, ou seja, a quantidade de vitaminas, sais minerais e proteínas concentradas podem aparecer até em quantidade maior do que na parte costumeiramente utilizada", observa a nutricionista Lenita Borba do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. 

Aproveitar as frutas e vegetais ao máximo é cada vez mais importante em um mundo onde 1,3 bilhão de toneladas de alimentos é desperdiçado anualmente de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. Confira quais as partes de alimentos que você deve parar de jogar no lixo e passar a colocar na panela, conheça os seus benefícios para a saúde e aprenda receitas saborosas com eles. 

Casca de abóbora

A casca de abóbora é rica em fibras, vitamina C e carotenoides. "O consumo deste último nutriente auxilia na prevenção de doenças cardíacas e câncer, também previne problemas de visão e de pele", explica a nutricionista Silvia Honorato da Silva, supervisora do programa Alimente-se bem do Sesi São Paulo. 

Um estudo sul-coreano publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry dos Estados Unidos concluiu que a casca da abóbora possui uma proteína chamada Pr-2 que tem um poderoso efeito antifúngico. Ela enfrenta o fungo que causa infecções vaginais, assaduras e outros problemas de saúde. 

A casca de abóbora pode ser utilizada em saladas, para enriquecer o arroz e ser servida como um canapé. Em todos os casos é preciso ferver o alimento antes já que o seu aspecto é muito duro e a espécie de abóbora utilizada é a seca. 

-Confira em quais nutrientes a casca da abóbora vence a polpa 
Proteínas: 100 gramas de casca possuem 1,5 gramas, enquanto a mesma quantidade da polpa têm 0,81g. 
Fibras: A casca possui mais do que o dobro deste nutriente do que a polpa. 100 gramas de casca têm 2,34 g enquanto a mesma quantidade de polpa possui 1,06 g. 
Potássio: 100 gramas de casca possuem 0,51g, enquanto a mesma quantidade da polpa têm 0,33g. 

-Clique aqui e aprenda uma deliciosa receita de salada de casca de abóbora


Cuide do seu coração para torcer na Copa

27 Maio 2014
Arte: Portal da Copa

Não vai faltar emoção quando a bola rolar no próximo dia 12 de junho. Mas é preciso ter saúde para torcer pelo Brasil durante a Copa do Mundo. A alta carga de euforia e adrenalina partilhada pelos torcedores da seleção durante os dias de jogo pode ser um fator de risco cardiovascular se somada a hábitos ruins. E não apenas para quem já apresenta alguma cardiopatia. A bebida em excesso e o fumo são inimigos do coração e levam milhares ao infarto anualmente.

“Alimentar-se corretamente e dormir bem nos dias precedentes à partida é fundamental, mas é importante também tomar outros cuidados para que a comemoração não se torne um estresse para o coração”, explica o cardiologista Stephan Lachtermacher, do Instituto Nacional de Cardiologia (INC). O médico destaca o cuidado com a sobrecarga de músculos, pelas horas em pé e pela agitação da festa, destacando que é importante fazer exercícios regularmente.

O cardiologista do INC esclarece que a euforia faz com que o coração precise bombear uma quantidade maior de sangue em menor tempo. Por isso, o cuidado deve ser redobrado com pessoas portadoras de hipertensão arterial, diabetes, com colesterol alto (LDL), estressadas e com histórico familiar de doença cardíaca. Para os fumantes, a recomendação é largar o fumo o quanto antes. Bebida alcoólica é permitida, mas com moderação.

Os cuidados precisam ser os mesmos, independentemente de onde você assistirá ao jogo. Para evitar os lanches gordurosos, uma boa opção são sanduíches de peito de peru e sucos de laranja ou manga. Se a festa for em casa, o churrasco não precisa ser vetado, mas é importante dar preferência à carne branca e magra. Nada de linguiças, salsichas e farofa. Se quiser comer um doce, prefira uma gelatina. 

Dicas do INC para um coração saudável na Copa
Comece a se exercitar. Caminhe cinco vezes por semana, vinte minutos ao dia.
Lembre-se que o foco é a festa, a diversão. Nada de se estressar!
Coma com qualidade. Frutas, verduras e proteínas precisam estar no cardápio.
Não abuse do sal.
Durma bem antes da partida, de preferência completando oito horas de sono.
Beba bastante água durante o dia.
Escolha sanduíches, suco de frutas e barra de cereais.
Não fume. Especialmente no jogo, quando a emoção e o exagero falam mais alto.
Se possível, faça antes uma consulta ao médico para saber como anda sua saúde.

Fonte: INC

Bebês que se alimentam com leite materno adoecem menos

30 Maio 2014
Foto: Aurelie and Morgan David de Lossy/cultura/Corbis

De acordo com o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos, bebes de até seis meses devem se alimentar exclusivamente com leite materno. E para que nenhum bebe fique sem leite, o Ministério da Saúde lançou uma campanha nacional de doação de leite humano com o slogan “Quando você doa leite materno, doa vida para o bebê e força para a mãe”. A campanha deste ano tem como meta aumentar em 15% o volume de leite coletado no Brasil, ampliando o número de bebês beneficiados.

Tal campanha se faz necessária porque algumas mães não conseguem amamentar seus filhos por algum motivo e precisam de doações. Qualquer mulher que amamente tem condições de doar leite para bebês prematuros e de baixo peso. Para isso, basta procurar o banco de leite mais próximo de sua casa e se informar. A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (Rede BLH) possui hoje 213 BLHs e 131 postos de coleta em todo o Brasil (encontre-os aqui) e eles podem inclusive ir até a casa da mãe para recolher o leite.

O leite materno contém tudo que o bebê precisa até o sexto mês de vida, inclusive água. “Esse é o alimento padrão para o bebê até os seis meses, não só pelo beneficio nutricional, mas também pela consolidação dos vínculos afetivos com a mãe e pela cobertura imunológica”, explica Jacira Maria Gomes da Silva, pediatra da creche do Ministério da Saúde. Jacira ressalta que o leite materno é como se fosse uma primeira vacina que o bebê recebe, pois ele evita doenças como diarreia e pneumonia, diminuindo a mortalidade infantil.

Os bancos de leite estão entre as principais iniciativas do Ministério da Saúde para a redução da mortalidade infantil, inseridos na estratégia da Rede Cegonha. Essa iniciativa ajudou o Brasil a reduzir em 77% a taxa de mortalidade na infância (menores de cinco anos), no período de 1990 a 2012. Com isso, alcançamos o índice definido pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio três anos antes do prazo estabelecido.

Após os primeiros seis meses de vida, o bebê deve receber de forma lenta e gradual uma alimentação complementar. Mesmo recebendo outros alimentos, a criança deve continuar a mamar no peito até os dois anos ou mais, pois o leite materno continua alimentando e protegendo-a contra doenças.

“Não tem problema continuar amamentando depois dos dois anos. O leite materno jamais trará algum dano. Mas, a partir do sexto mês, há outras necessidades do organismo que precisam ser supridas. O bebê deve se alimentar com leite materno e uma alimentação complementar, como feijão, arroz, frutas e hortaliças”, completa a pediatra Jacira da Silva.

Referência – O modelo do Banco de Leite Humano brasileiro é referência internacional. Desde 2005, o Brasil exporta as técnicas de baixo custo para implantar bancos de leite humano para 23 países na América Latina, Caribe hispânico, Península Ibérica e África. 

Para saber como doar leite humano ou esclarecer dúvidas sobre amamentação, consulte o site da rede ou ligue gratuitamente para 0800 026 8877

Lucas Pordeus Leon / Blog da Saúde


Better than green tea?

Herbal Tea Update: Rooibos & Nettle

Herbal Tea Update: Hibiscus

How to Reach the Antioxidant RDA

EtnoBotanica Ulysses O que e Eco HUm

Agricultora familiar tem agroecologia como estilo de vida e método de trabalho

Foto: Fábio Caffe

A agricultora Francisca Eliane Viana vive em Mossoró, no Rio Grande do Norte. No assentamento Mulunguzinho, porém, não pergunte por Francisca para encontrá-la, mas, sim, por Neneide. Com três filhos, de 20, 23 e 26 anos, Neneide foi mãe pela primeira vez aos 15 anos e, aos 41 anos, tem quatro netos. Trabalhadora do campo, ela tem disposição de sobra para enfrentar os desafios diários, colocar sua força na gestão de uma cooperativa e divulgar, para quem puder, os benefícios das práticas agroecológicas.

Atualmente, Neneide preside a Cooperativa de Comercialização Solidária Cooperxique, formada por 60 famílias, homens e mulheres agricultores familiares, e também coordena a rede Xique-Xique, que reúne 14 núcleos de artesãos e artesãs em 14 municípios do Rio Grande do Norte. A rede une associações e cooperativas para promover a comercialização dos produtos dos cooperados. A cooperativa familiar Cooperxique é um braço da rede que cuida da parte administrativa e comercial.

Neneide e todos os agricultores da cooperativa vendem sua produção individualmente para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA): hortaliças, galinha caipira e mel. Já a cooperativa vende produtos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). A comercialização para o programa começou no segundo semestre de 2013, quando foram feitos dois contratos, de peixes e frutas, no valor de R$ 7 mil, e que deve ser o primeiro de muitos, segundo expectativa da presidente Neneide.

“Quando comecei a frequentar grupos de discussão de mulheres agricultoras, conheci um tipo de agricultura diferente. Comecei a me reconhecer e minha mãe passou a resgatar como era o manejo. A gente se encontrou novamente com o campo e as práticas que se fazia antes, trabalhar de uma maneira em que se respeitassem os animais, as pessoas que vivem naquela comunidade”, relata Neneide.

Manejo sustentável

“Começamos a trabalhar o manejo sustentável, com uma perspectiva diferenciada da comunidade”, ela lembra. O trabalho com hortaliças agroecológicas foi iniciado em 1999. “Percebemos o equilíbrio da natureza, aprendemos que não se precisa de químicas para ter o equilíbrio, como a natureza tem o ciclo. O sapo come o grilo, as joaninhas comem o pulgão, a natureza faz com que as coisas permaneçam sem você interferir nela. A gente tem que aprender a conviver com o equilíbrio que a natureza nos oferece”, descreve. As agricultoras do Mulunguzinho passaram, então, a cultivar frutas e 30 variedades de hortaliças. “Isso começou a fortalecer nossa produção e dar condições para nossa segurança alimentar”.

Em 2003, a comunidade pensou em exercer uma atividade diversificada para não depender de muita água, que falta em período de seca na região. Iniciaram a produção de mel: “A abelha fazia a polinização das frutas e fazia o mel para nossa segurança alimentar”, conta Neneide. Em busca de mercado para comercializar as frutas, o mel e as hortaliças, as agricultoras acessaram o PAA e outras políticas públicas. Criaram, também, uma associação, para estimular o consumo urbano do que era produzido.

“Para nós, foi muito importante viver e conviver com agroecologia, porque começamos a nos organizar, a tirar nosso sustento e a fortalecer nossa mesa; ter diversidade de produção e de alimentos para nossa casa. Se um filho nosso sentisse fome, a gente buscava na horta um mamão para ele comer, uma banana pra ele lanchar, verdura para colocar no feijão. E foi assim que a gente começou a perceber o quanto a agroecologia é importante”, relata Francisca Eliane Viana, a Neneide.


Palmitos, SC: Grupos de hortos medicinais de Palmitos realizam oficina na Linha da Gruta

Publicado em 28/05/2014 
Os grupos são formados por homens e mulheres das comunidades do interior
Créditos: Helfer Comunicação

No dia 21 de maio os quatro grupos de chás e ervas de Palmitos, reuniram-se na Linha da Gruta, para mais uma oficina com aperfeiçoamento de técnicas e troca de experiências. Estes grupos representam os quatro hortos medicinais existentes em Palmitos. Trata-se de uma coleção de plantas que podem ser medicinais, aromáticas e condimentares, produzidas em determinado local e que servem como alimentos preventivos e curativos.

A Assistente Social Rosângela do Nascimento, da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente, acompanha rotineiramente os trabalhos dos grupos, numa forma de o município incentivar este trabalho. “Considero o trabalho e estudo dos grupos de fundamental importância para a conscientização da alimentação saudável e prevenção de doenças. Este é um caminho muito sábio e que precisa ser difundido.” Afirma Rosângela.

As plantas medicinais são aquelas que têm a capacidade de tratar alguma doença. Já as aromáticas podem ter efeitos medicinais, mas caracterizam-se principalmente por seu cheiro específico. As condimentares são plantas que servem como temperos de alimentos. Algumas têm várias propriedades além de aromáticas, servem também como tempero e como solução medicinal. O manjericão e o hortelã são exemplos claros de plantas que possuem essas três qualidades. 

O horto da Linha da Gruta, “Em busca da saúde”, conta com 15 integrantes e está ainda nos estudos da implantação. Na Linha Central, o horto “Margarida” já atua com cerca de 10 mulheres, que realizam reuniões mensais, técnicas, preparados e xaropes para fazer chás. O horto “Malva Rosa” encontra-se em fase de implantação, em Santa Lúcia, e é composto por 16 famílias que interagem no local, inclusive homens, com várias plantas, hortaliças e semeadura de trigo para artesanato. O horto “Aroma Flor” foi o primeiro implantado em Palmitos, há mais de 10 anos. 20 mulheres participam, com vários encontros de planejamento para divulgar o trabalho e buscar mais integrantes.

Normalmente o que é produzido neste hortos é dividido entre as famílias participantes e próximas. Os integrantes trazem várias mudas para agregar valor e variedade aos locais. As plantas são inúmeras, inclusive existe o resgate de plantas de outras regiões, que são remanejadas, adaptadas para a nossa terra e clima.

Algumas plantas já são mais conhecidas e bastante usadas, como a calêndula, que é uma planta medicinal utilizada como cicatrizante e anti-inflamatório, principalmente contra pancadas e ferimentos. Em geral é apresentada em forma de pomada. A stévia tem o poder adoçante 300 vezes superior à sacarose. Não contêm calorias. Extraído da planta stevia rebaudiana, planta nativa da América do Sul. Uma vez que a stevia é uma planta ela contém outras propriedades que complementam o seu poder adoçante, usada para diabéticos, pessoas com depressão e ansiedade.

Edel Schenider ensina a forma correta de manipular, utilizar e plantar as ervas e chás. Como faz parte do Movimento de Mulheres Camponesas, participa de encontros e estudos em Chapecó, que depois são disseminados nos grupos locais e regionais. “Este trabalho com as plantas é bastante adiantado nos hortos Palmitenses. Temos terra fértil, e conseguimos bastante material para as famílias e comunidade aos arredores. As plantas (mudas) também ficam à mostra para comercialização em feiras e troca de variedades, além de doação. O Horto Aroma Flor serve como um laboratório para as demais integrantes, devido a grande variedade de espécies”.

Edel Schneider é a monitora dos quatro grupos e junto de sua filha Débora é precursoras do processo. Já trabalha desde 1998 com a agroecologia e estudos sobre as plantas e a partir dos anos 2000 iniciou as oficinas, com experiências práticas, também para fortalecer e cuidar das plantas e da biodiversidade.

Neri Otto, Técnico da EPAGRI, também presente no encontro, afirmou a importância da existência dos grupos pela melhoria da qualidade de vida, “por isso incentivamos esta cultura dos produtos de subsistência. O trabalho da EPAGRI é apoiar e acompanhar, além de oferecer oficinais” declarou. 

A vereadora Loreci Orsolin Pfeifer também participou da oficina, inclusive por fazer parte de um horto. No final de setembro Santa Lúcia será sede do encontro regional de alimentação saudável, incluindo o uso das plantas.

Ediane Zanella

Departamento de Jornalismo e Marketing - Helfer Comunicação

MTB/SC 0004865



Registro, SP: Profissionais da saúde recebem capacitação em plantas medicinais e fitoterápicos

Objetivo é aplicar o uso de homeopatia no SUS, segundo a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos.

Publicada em 28/5/2014 

Com o objetivo de implantar a Fitoterapia no Município, a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Registro, por intermédio da Assistência Farmacêutica, iniciou no dia 9 de maio um ciclo de capacitações junto aos funcionários do setor. A palestra sobre Homeopatia foi ministrada pelo Doutor Edson Prata, médico Homeopata no Município, e contou com a participação de 90 profissionais da área da saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, farmacêuticos, técnicos de farmácia, nutricionistas, dentistas e psicólogos.

Também assistiram à palestra os estudantes do curso de Farmácia das Faculdades Integradas Vale do Ribeira (FVR), do grupo educacional Unisepe. Segundo a farmacêutica Márcia Cristina Ribeiro Riboski, coordenadora da Assistência Farmacêutica de Registro, a capacitação terá mais duas etapas. Entre os dias 28 e 31 de julho, os profissionais terão curso sobre os 12 fitoterápicos contemplados na RENAME 2012 (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais), plantas para uso na odontologia, pediatria, nevralgias diabéticas, curativos de escara, também voltada ao mesmo público da primeira etapa das capacitações. Na terceira etapa, em data a ser definida, haverá cursos para os Agentes de Saúde, que serão realizados nas próprias Unidades de Saúde, com o tema “Plantas Medicinais e cultivo em vasos e pequenos espaços”.

O secretário municipal de Saúde, João Sakô, explica que as capacitações visam proporcionar maior conhecimento sobre os fitoterápicos, para que possam ser aplicados no SUS, segundo a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. A realização da capacitação também só foi possível graças ao engajamento da farmacêutica Tânia Shiguena Yokota, responsável pelo projeto de implantação da Fitoterapia no Município, e ao apoio da atual gestão.

“Contamos com três pequenas hortas medicinais, sendo duas utilizadas nas reuniões realizadas com a comunidade pela farmacêutica Tânia, localizadas na UBS Vila Nova e no CRAS do Registro B. A outra horta fica na UNESP, já visando um planejamento futuro. Nosso objetivo é ampliar o projeto no município”, revela a coordenadora Márcia.


Café e a quântica

Foto: Quer um CAFÉ EXCELENTE? Então peça a um QUÍMICO! Artigo usa QUÂNTICA para mostrar como a QUALIDADE da extração dos aromas do café é influenciada pelas variáveis do processo: http://pubs.acs.org/doi/full/10.1021/jf501687c
Quer um CAFÉ EXCELENTE? Então peça a um QUÍMICO! Artigo usa QUÂNTICA para mostrar como a QUALIDADE da extração dos aromas do café é influenciada pelas variáveis do processo:http://pubs.acs.org/doi/full/10.1021/jf501687c

Dica do

Benefícios ambientais da produção e do uso do biodiesel


13ª Jornada de Agroecologia


"Um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar." Rubem Alves

Eat better. Feel better.


2 livros grátis para ensinar português para alunos surdos

Dica do
Olá professores e pais!

Ensinar uma língua escrita para quem desconhece a oralidade é um desafio para todos os professores com alunos surdos em suas turmas. As principais dificuldades não decorrem da surdez em si, mas da falta de conhecimento da Língua Portuguesa falada.

O contato com a língua portuguesa, na maioria das vezes, é tardio, porque normalmente os pais são ouvintes. A criança surda tem inicialmente o aprendizado da Língua Brasileira de Sinais (Libras), totalmente diferente da língua utilizada pela sociedade ouvinte, o que atrapalha a comunicação em geral. Quem procura uma profissão ou busca o sucesso na carreira, sabe que é essencial o aprendizado de uma segunda língua. Para as pessoas com deficiência auditiva essa atitude significa a busca pela melhora do convívio social.

É necessário criar meios para ensinar o português às pessoas com deficiência auditiva, pois trata-se da língua oficial, embora seja uma segunda língua para eles, o que exige um processo formal de aprendizagem. Mas primeiro, é preciso estudar um plano de ensino e qualificar os professores, para que estes sejam capazes de atender os alunos.

Vale lembrar que, mesmo que não alcancem os mesmos resultados obtidos pelos alunos ouvintes, osestudantes com deficiência auditiva precisam participar de todas as aulas. Se o aluno surdo ainda não for capaz de escrever um texto, faça com que ele contribua para as atividades escrevendo listas ou frases sobre o tema abordado. Produções coletivas ou em pequenos grupos também ajudam o aluno a se expressar melhor pela escrita. O importante é que ele sempre conte com o apoio visual da escrita. O professor deve registrar todas as atividades e utilizar recursos diferenciados, como letras móveis ou cores diferentes para designar elementos distintos de uma frase, por exemplo. Fazer com que o aluno surdo sente-se nas carteiras da frente é outra medida essencial, assim como atuar em conjunto com o Atendimento Educacional Especializado (AEE).

Para ajudá-lo a incluir os estudantes com deficiência auditiva, o MEC disponibiliza 2 livros grátis para ensinar português para alunos surdos. São eles:

Os livros contém um conjunto de propostas de atividades para ensinar língua portuguesa escrita para alunos surdos, desde a alfabetização até os anos iniciais do ensino fundamental. Auxilia o professor no desenvolvimento de práticas educacionais na sala de aula comum e no atendimento educacional especializado.

Até logo!


30 sites para baixar música gratuitamente

Dica do
Olá leitores do Canal do Ensino!

Já está provado que música é tudo de bom, e que nós deveríamos ouvir, fazer ou cantar todos os dias.

Pensando nisto separamos uma lista com os30 sites internacionais mais importantes para você ouvir e baixar música de maneira fácil, legal e gratuita.

The Internet Archive – O site que tem a proposta de organizar a web inclui em sua lista uma seleção com mais de 150 mil itens, entre músicas, podcasts e livros em áudio, licenciadas com Creative Commons.

Jamendo – Oferece links diretos para a música ou download via torrent. Com mais de 110 mil músicas o site está disponível em oito línguas diferentes, incluindo português.

Epitonic – É o lugar para baixar tudo de uma vez. Com diversas seleções sugeridas diariamente, você faz o download de maneira simples.

Fat Wreck Chords - Para os amantes de música punk o site é recheado dos clássicos.

Stereokiller – Muitos usuários dizem que é uma versão melhorada do MySpacededicado ao punk, ao hardcore e ao metal. Lá você encontra mais de 32 mil músicas, 43 mil bandas e um acervo com 9 mil críticas de álbuns.

Anti’s - Com o slogan: “Verdadeiros artistas criando grandes gravações em seus próprios termos.” (tradução livre) o site dispõe de um acervo com nomes como Michael Franti, Spearhead, Graffin Greg, Nick Cave e Billy Bragg.

3hive – Um blog com navegação agradável que publica resenhas sobre as músicas e as disponibilizam em formato MP3.

itsfreedownloads – Para os usuários do iTunes é uma excelente opção para baixar músicas gratuitas de maneira legal.

mp3.com - Mais de 1 milhão de downloads de música gratuitos. Comece a explorar agora.

Purevolume.com – Seu forte é o streaming de música, mas também há uma grande opção de downloads. Busque pela organizada caixa de pesquisa ou navegue pelas categorias do site.

Last.FM – A rede social mais conhecida de músicas do mundo. Você monta seleções com as músicas que ouve e baixa de acordo com sua preferência.

iSound - Oferece streaming de alguns artistas e possuí um imenso catálogo para downloads gratuitos.

We7 – Com todos os tipos de músicas, você encontrará bandas que normalmente tem que pagar para conseguir MP3 completo.

Blentwell – Um site em evolução constante que mistura toneladas de misturas de DJs divididos por gênero.

MTV – A maior televisão de música do mundo oferece, toda semana, um novo grupo de cerca de uma dúzia de downloads em uma base um tanto irregular. Uma gota no oceano, mas as músicas são totalmente legais.

Freekidsmusic.com – Um parque de diversão para quem tem criança em casa. Você encontra uma imensidão de melodias de grande qualidade para os baixinhos.

Classic Cat – Mantém uma enorme lista de MP3 clássicos disponíveis na internet. Os arquivos não são hospedados no site, mas ele reúne de uma maneira muito simples de buscar.

Spinner (AOL Music) – Durante os últimos dois anos o site disponibiliza diariamente um apanhado com diversos MP3 para download.

Hulkshare – Uma plataforma de música que presta serviços a artistas, blogs, revistas e profissionais da indústria. Enviar e compartilhar suas músicas é simples e grátis. Também há o serviço Premium que libera algumas funções especiais.

Best MP3 Links – O portal reúne uma lista com centenas de links para sites onde você legalmente pode baixar música no formato MP3 gratuitamente. Separados por categorias que variam do humor, passando por eletrônica, até músicas temas de natal.

iLike – Uma rede social que permite descobrir novas músicas com ajuda de seus amigos. Muitos artistas aderiram a rede para disponibilizar seus discos gratuitamente para download.
Altsounds – Milhares de músicas com ótima qualidade para baixar em MP3 e sair ouvindo.

bt.etree.org – Disponibiliza faixas ao vivo via streaming de artistas como Ben Harper, Jerry Garcia, Blues Traveler, Trey Anastasio entre outros.

Stereogum – Com uma navegação fácil, o site publica músicas de maneira legal desde 2006. Além de disponibilizar fotos e vídeos dos mais variados artistas que você pode incorporar em qualquer site ou blog.

Web Banda unsigned – É um lugar para bandas independentes compartilhar sua música e serem notadas. Músicas de todos os gêneros ficam disponíveis para download e o site apresenta um gráfico com um ranking das mais baixadas.

Soundclick’s – As bandas disponibilizam seus discos e os fãs baixam as faixas para ouvir, simples e prático.

Honc – “Se você ama música este é o seu site”, com este slogan o portal faz com que bandas dos mais inusitados estilos compartilhem suas músicas com o mundo.

Indie Rock Cafe – O site oferece o melhor da música indie rock music, hot new songs,rock bands, e os lançamentos de álbuns em MP3.

DMusic – Desde 1998, atualiza diariamente o ranking dos 22 melhores artistas colocando para baixar seus álbuns.

iCompositions – “Nós ajudamos os artistas a se conectar, colaborar e compartilhar suas músicas com o mundo”. É dedicado aos músicos ou aspirantes.

Aproveite e compartilhe!


Pablo Neruda

Bela postagem de:


Pesquisa busca na diversidade vegetal brasileira novos pesticidas

Por Caio Albuquerque, da Esalq em Piracicaba - caioalbuquerque@usp.br
Publicado em 27/maio/2014 
A utilização de compostos sintéticos no manejo de insetos e ácaros em culturas agrícolas de importância econômica no Brasil enfrenta, atualmente, significativas restrições. “A permanência de resíduos nos alimentos, em virtude da alta persistência dos ingredientes ativos empregados, e a ineficiência no controle das espécies-praga pela seleção de populações resistentes a diferentes ingredientes ativos são algumas das limitações atuais do manejo integrado de pragas (MIP)”, comenta o engenheiro agrônomo Leandro do Prado Ribeiro.

Visão geral de um dos experimentos conduzidos no estudo (cultura do repolho)

Segundo Ribeiro, esse cenário vem sendo ainda mais agravado pela retirada do mercado de ingredientes ativos amplamente utilizados no manejo de importantes espécies-praga em distintos sistemas de produção agrícola. “Diante desse panorama, a descoberta de novas substâncias, com características superiores, passou então a constituir uma eminente necessidade dos programas de MIP, tanto no campo quanto na armazenagem agrícola”.

Com objetivo de identificar e caracterizar substâncias sintetizadas pelo metabolismo secundário (aleloquímicos) de anonáceas neotropicais e avaliar o seu potencial de uso no manejo de pragas de importância para a agricultura brasileira, bem como sua compatibilidade com agentes de controle microbiano, Ribeiro desenvolveu um estudo, de forma biomonitorada, no Programa de pós-graduação em Entomologia, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP.

Com orientação do professor José Djair Vendramim, do Departamento de Entomologia e Acarologia (LEA), o trabalho foi realizado por meio da parceria do Laboratório de Resistência de Plantas a Insetos e Plantas Inseticidas da Esalq, com o Departamento de Química da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), como parte das atividades do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Controle Biorracional de Insetos Pragas (INCT-CBIP). “Uma das etapas do estudo foi realizada no Insect Toxicology Laboratory, University of British Columbia, Vancouver, Canadá”, conta o autor do estudo.

De acordo com o agrônomo, além de contribuir para o conhecimento das interações artrópodes-planta, o estudo dos aleloquímicos constitui uma abordagem contemporânea para a seleção de novos (bio)pesticidas que preencham os requisitos de eficácia, segurança e seletividade. “Além disso, o risco de extinção de espécies pela ação predatória do homem tem motivado os estudos dessas plantas, visando sua preservação e aproveitamento racional, uma ação estratégica de pesquisa para países megadiversos como o Brasil”, comenta.

A pesquisa contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e, com base no programa de pesquisa estabelecido, novos compostos foram isolados e demonstraram promissoras ações acaricida e inseticida, além de serem compatíveis com agentes de controle microbiano. “Estudos de síntese e semi-síntese e de otimização dos processos de obtenção a partir de fontes naturais estão sendo realizados, os quais poderão resultar no desenvolvimento de novos pesticidas sintéticos produzidos com base nos esqueletos moleculares dos compostos caracterizados ou mesmo na formulação de novos inseticidas botânicos (“não sintéticos”) que poderão ser disponibilizados no mercado brasileiro”, conclui.

Foto: Leandro do Prado Ribeiro

Mais informações: (19) 3447-8613/3429-4109/3429-4485


Brócolis é eficaz como alimento auxiliar no combate ao câncer

Por Da Redação - agenusp@usp.br
Publicado em 26/maio/2014

Raiza Tronquin, da Assessoria de Comunicação da Esalq

Na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, estudos mostram que o brócolis (Brassica oleracea L. var. italica) está entre os alimentos funcionais que mais tem se destacado quando o assunto é a prevenção do câncer. Segundo a farmacêutica Patricia Bachiega, o consumo de alimentos funcionais é uma medida promissora e vantajosa para o combate à doença. “Eles possuem compostos bioativos, responsáveis por modulações fisiológicas que irão resultar em benefícios ao nosso organismo”, afirma a pesquisadora.

Pesquisa avaliou o efeito da suplementação com selênio durante o cultivo do brócolis

Mestranda pelo programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, da Esalq, a pesquisadora observou que os excelentes resultados do brócolis na prevenção do câncer podem aliar-se ao selênio. “Para manter a saúde humana, pequenas quantidades de selênio [55 microgramas-μg- por dia] necessitam ser consumidas. Sua importância deve-se ao fato deste mineral ser responsável pelo aumento na síntese de enzimas, que apresentam elevada atividade antioxidante, minimizando assim os danos oxidativos”, comenta.

Em seu estudo, Patricia avaliou o efeito da suplementação com selênio durante o cultivo do brócolis, nas atividades antioxidantes e antiproliferativas, observadas em três diferentes estádios de maturação: brotos, mudas e inflorescências. “A biofortificação proporcionou um aumento significativo na atividade antioxidante e na quantidade de compostos fenólicos das amostras que receberam o tratamento com selênio com relação as que não receberam a biofortificação”.

De acordo com a pesquisadora, “quanto a atividade antiproliferativa, para que fosse possível a obtenção de maior amplitude dos resultados, foram utilizadas seis diferentes linhagens de células tumorais: linhagens de glioma (U251), mama (MCF-7), rim (786-0), pulmão (NCI-H460), cólon (HT29) e queratinócito humano (HaCat)”.

Estádios observados

A partir do teste, pôde-se notar que o extrato do broto sem a biofortificação com selênio apresentou atividade antiproliferativa um pouco maior, quando comparado ao extrato do broto com biofortificação de selênio, sendo que o primeiro apresentou atividade citostática (capacidade de paralisar o crescimento das células) para as linhagens 786-0 e MCF-7.

Referente às amostras de mudas com e sem selênio, ambas demonstraram atividade citostática seletiva para a linhagem 786-0. “No entanto, a amostra de muda com selênio também manifestou atividade citocida (capacidade de induzir a morte celular) para a linhagem de glioma. Por fim, as inflorescências com e sem selênio apresentaram atividade citostática fraca para as linhagens MCF-7”, relata. Diante dos resultados de atividade antiproliferativa, ambas as mudas de brócolis se destacaram.

Patricia lembra que, para a descoberta de novos compostos com potencial anticâncer, o primeiro passo a ser dado é a avaliação do seu desempenho em análises in vitro. “Dessa forma, estes testes foram os primeiros passos dessa pesquisa. Mais estudos devem ser conduzidos a fim de avaliar de maneira detalhada os possíveis mecanismos de ação dos compostos bioativos do brócolis, junto ao selênio, a fim de comprovar a eficiência desta união no controle do câncer”, conclui a pesquisadora.

Pesquisas apontam que cerca de 21,4 milhões de pessoas serão diagnosticadas com câncer em 2030, sendo que 13,2 milhões terão como causa de morte tal doença. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a carga nacional para 2014, válida também para 2015, é de aproximadamente 576 mil novos casos e o câncer de pele tipo “não melanoma” será o mais incidente na população, totalizando 182 mil casos novos. Desconsiderando-se este câncer, são estimados outros 395 mil casos, os quais afetarão 190 mil mulheres e 204 mil homens.

O estudo foi orientado pela professora Jocelem Mastrodi Salgado, do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição (LAN), da Esalq, e contou com o apoio do Departamento de Produção Vegetal (LPV), da Esalq, e com a Divisão de Farmacologia e Toxicologia, do Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Foto: Divulgação

Mais informações: (19) 3429.4109; (19) 3447.8613; (19) 3429.4485; email acom.esalq@usp.br