sábado, 18 de outubro de 2014

Some rice-based foods for people with celiac disease contain relevant amounts of arsenic

Date: October 16, 2014

Source: Plataforma SINC

Rice is one of the few cereal grains consumed by people with celiac disease, as it does not contain gluten. However, it can have high concentrations of a toxic substance -- arsenic -- as revealed by the analyses of flour, cakes, bread, pasta and other foods made with rice, research shows. This is important for those suffering from celiac disease, which affects almost 1% of the population of the western world. These people cannot tolerate gluten and are thus obliged to consume products without it, such as rice.
The arsenic content is high in some rice-based products for people with celiac disease.
Credit: Sandra Munera-UMH

Rice is one of the few cereal grains consumed by people with celiac disease, as it does not contain gluten. However, it can have high concentrations of a toxic substance -- arsenic -- as revealed by the analyses of flour, cakes, bread, pasta and other foods made with rice, conducted by researchers from the Miguel Hernández University of Elche, Spain. The European Union is working to establish the maximum quantities of arsenic in these products.

Celiac disease affects almost 1% of the population of the western world, a group which cannot tolerate gluten and is thus obliged to consume products without it, such as rice. But this grain, depending on its origin, can also contain worrying levels of arsenic, a toxic and carcinogenic substance.

For the majority of consumers this does not pose any problem because they do not eat much rice every day, but this is not the case for celiac disease sufferers. Researchers from the Miguel Hernández University of Elche (UMH) have analysed the presence of arsenic in flour, bread, sweets, pastas, beers and milk made with rice and intended for this particular group of the population.

The results of the analyses, presented in the journal 'Food Additives & Contaminants', warn that some of these products contain "important contents" of total arsenic (As-t, up to 120 µg/kg) and inorganic arsenic (As-i, up to 85.8 µg/kg). Total arsenic is the sum of the organic arsenic, which is combined with carbon, and inorganic arsenic, which reacts with other elements such as oxygen, chlorine and sulphur, and is more harmful.

With these figures the As-t and As-i contents only of rice used as a main ingredient -- leaving aside the other components of the food products -- were estimated and were found to be as high as 235 and 198 µg/kg, respectively..

Moreover, the daily intake of inorganic arsenic by celiac disease sufferers -- a consequence of their consumption of rice products -- was calculated as between 0.45 and 0.46 µg/kg (micrograms per kilogram of body weight) for women and men weighing 58 and 75 kg respectively. And, in the case of children (up to the age of five), these figures are even higher, ranging between 0.61 and 0.78 µg/kg, according to another study published in the 'Journal of Food Science'.

A panel of experts from the European Food Safety Authority (EFSA) of the EU established in 2009 that there is evidence to suggest that an intake range of 0.3 -- 8.0 µg/kg of body weight per day entails a risk of developing lung, skin or bladder cancer. The estimated intakes in the two studies therefore vary within this range.

As Ángel Carbonell, co-author of the studies, explains: "These figures show that we cannot exclude a risk to the health of people who consume these kinds of products," although he recognises an important point: "The European Union has not yet established legal limits for the maximum content of arsenic in rice and rice-based foods, though it is currently working on this."

Lack of legislation

The researchers' recommendation is clear: "What is needed is for health agencies to legislate to limit the levels of arsenic that cannot be exceeded in rice-based foods intended for consumers who suffer from celiac disease." Until now, celiac disease was diagnosed predominantly in children, but in recent years the profile has changed and one in every five people with the disease is over 65 years old.

Currently, every EU country is taking samples of these products, analysing them and conveying the results to the EFSA to draw up a database broad enough to be able to make decisions. The Spanish Agency for Consumer Affairs, Food Safety and Nutrition (AECOSAN) has recently sent the Spanish report, put together in collaboration with the researchers responsible for this study..

Another important recommendation they make is to include quality information on labels: "The inorganic arsenic content in every food product should be indicated, and the variety of rice used and its provenance should be identified clearly, because some are more recommended than others," affirms Sandra Munera, one of the authors.

Arsenic is naturally present in Earth's crust, but in some regions its abundance is greater than in others, and its concentration also increases with the use of pesticides. The substance then spreads through water to rice, one of the few plants that is cultivated when flooded.

One of the 'cleanest' types of rice is from the Doñana National Park, as the use of pesticides has not been permitted here and arsenic is not naturally present in large quantities. On the other hand, in countries like India and Bangladesh, where waters are contaminated with inorganic arsenic and rice constitutes a staple food for the population, the result is currently one of the largest mass poisonings in history.

Story Source:

The above story is based on materials provided by Plataforma SINC. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal References:
Sandra Munera-Picazo, Amanda Ramírez-Gandolfo, Francisco Burló, Ángel Antonio Carbonell-Barrachina. Inorganic and Total Arsenic Contents in Rice-Based Foods for Children with Celiac Disease. Journal of Food Science, 2014; 79 (1): T122 DOI: 10.1111/1750-3841.12310
Sandra Munera-Picazo, Francisco Burló, Ángel Antonio Carbonell-Barrachina.Arsenic speciation in rice-based food for adults with celiac disease. Food Additives & Contaminants: Part A, 2014; 31 (8): 1358 DOI:10.1080/19440049.2014.933491

Cite This Page:

Plataforma SINC. "Some rice-based foods for people with celiac disease contain relevant amounts of arsenic." ScienceDaily. ScienceDaily, 16 October 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/10/141016085700.htm>.

Sugared soda consumption, cell aging associated in new study

Date: October 16, 2014

Source: University of California, San Francisco (UCSF)

Sugar-sweetened soda consumption might promote disease independently from its role in obesity, according to UC San Francisco researchers who found in a new study that drinking sugary drinks was associated with cell aging.
Drinking sugary drinks may be associated with cell aging, new research shows.
Credit: © Nitr / Fotolia

Sugar-sweetened soda consumption might promote disease independently from its role in obesity, according to UC San Francisco researchers who found in a new study that drinking sugary drinks was associated with cell aging.

The study revealed that telomeres -- the protective units of DNA that cap the ends of chromosomes in cells -- were shorter in the white blood cells of survey participants who reported drinking more soda. The findings were reported online October 16, 2014 in the American Journal of Public Health.

The length of telomeres within white blood cells -- where it can most easily be measured -- has previously been associated with human lifespan. Short telomeres also have been associated with the development of chronic diseases of aging, including heart disease, diabetes, and some types of cancer.

"Regular consumption of sugar-sweetened sodas might influence disease development, not only by straining the body's metabolic control of sugars, but also through accelerated cellular aging of tissues," said Elissa Epel, PhD, professor of psychiatry at UCSF and senior author of the study.

"This is the first demonstration that soda is associated with telomere shortness," Epel said. "This finding held regardless of age, race, income and education level. Telomere shortening starts long before disease onset. Further, although we only studied adults here, it is possible that soda consumption is associated with telomere shortening in children, as well."

The authors cautioned that they only compared telomere length and sugar-sweetened soda consumption for each participant at a single time point, and that an association does not demonstrate causation. Epel is co-leading a new study in which participants will be tracked for weeks in real time to look for effects of sugar-sweetened soda consumption on aspects of cellular aging. Telomere shortening has previously been associated with oxidative damage to tissue, to inflammation, and to insulin resistance.

Based on the way telomere length shortens on average with chronological age, the UCSF researchers calculated that daily consumption of a 20-ounce soda was associated with 4.6 years of additional biological aging. This effect on telomere length is comparable to the effect of smoking, or to the effect of regular exercise in the opposite, anti-aging direction, according to UCSF postdoctoral fellow Cindy Leung, ScD, from the UCSF Center for Health and Community and the lead author of the newly published study.

The average sugar-sweetened soda consumption for all survey participants was 12 ounces. About 21 percent in this nationally representative sample reported drinking at least 20 ounces of sugar-sweetened soda a day.

"It is critical to understand both dietary factors that may shorten telomeres, as well as dietary factors that may lengthen telomeres," Leung said. "Here it appeared that the only beverage consumption that had a measurable negative association with telomere length was consumption of sugared soda."

The finding adds a new consideration to the list of links that has tied sugary beverages to obesity, metabolic syndrome, type 2 diabetes, and cardiovascular disease, and that has driven legislators and activists in several U.S. jurisdictions to champion ballet initiatives that would tax sugar-sweetened beverage purchases with the goal of discouraging consumption and improving public health.

The UCSF researchers measured telomeres after obtaining stored DNA from 5,309 participants, ages 20 to 65, with no history of diabetes or cardiovascular disease, who had participated in the nation's largest ongoing health survey, called the National Health and Nutrition Examination Survey, during the years 1999 through 2002. They found that the amount of sugar-sweetened soda a person consumed was associated with telomere length, as measured in the laboratory of Elizabeth Blackburn, PhD, professor of biochemistry at UCSF and a winner of the 2009 Nobel Prize in Physiology or Medicine for her telomere-related discoveries.

Additional study authors include, from UCSF, Nancy E. Adler, PhD, professor of psychiatry and director of the Center for Health and Community, and Jue Lin, PhD, an associate researcher with Blackburn's lab; from UC Berkeley, Barbara A. Laraia, PhD, director of public health nutrition; from the University of Michigan, Belinda Needham, PhD, assistant professor of epidemiology; and from Stanford University, David H. Rehkopf, ScD, assistant professor of medicine.

Major funding for the study was provided by the National Institutes of Health. Lin is a shareholder of Telomere Diagnostics, Inc.

Story Source:

The above story is based on materials provided by University of California, San Francisco (UCSF). The original article was written by Jeffrey Norris. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Cindy W. Leung, Barbara A. Laraia, Belinda L. Needham, David H. Rehkopf, Nancy E. Adler, Jue Lin, Elizabeth H. Blackburn, Elissa S. Epel. Soda and Cell Aging: Associations Between Sugar-Sweetened Beverage Consumption and Leukocyte Telomere Length in Healthy Adults From the National Health and Nutrition Examination Surveys. American Journal of Public Health, 2014; e1 DOI: 10.2105/AJPH.2014.302151

Cite This Page:

University of California, San Francisco (UCSF). "Sugared soda consumption, cell aging associated in new study." ScienceDaily. ScienceDaily, 16 October 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/10/141016165951.htm>.

Médica ressalta necessidade de uma política de regulamentação de práticas de saúde não-convencionais

13 de outubro de 2014
A médica Walcimar Leonel Estrela fez a palestra de abertura do 1º Encontro de Práticas Integrativas e Complementares (Foto: Alexandre Dornelas)

A legitimação das práticas não-convencionais – acupuntura, homeopatia, fitoterapia e antroposofia – na saúde pública brasileira, seus benefícios e desafios, foram tema da palestra de abertura do 1º Encontro de Práticas Integrativas e Complementares realizada pela médica do Departamento de Práticas Integrativas da Prefeitura de Juiz de Fora, Walcimar Leonel Estrela. O evento ocorreu na tarde da última sexta-feira, dia 10, no anfiteatro das pró-reitorias, na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

A médica fez um breve histórico do processo de legitimação do uso dessas práticas no Brasil e ressaltou a importância de uma política nacional que regulamentasse e reconhecesse tal tratamento. “Há mais de 20 anos que temos casos do uso das Práticas Integrativas e Completamentes no Brasil, porém, apenas em determinadas localidades, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Somente em 2006 que houve a consolidação de uma política nacional que reconhecesse esse tipo de tratamento. Lutamos muito por essa conquista, uma vez que a criação de uma política pública nacional é a forma de garantir à população o direito de optar por essas práticas e também de receber ajuda do Governo.”

Walcimar apontou os principais benefícios das Práticas Integrativas e alguns aspectos positivos da inclusão no Sistema Único de Saúde (SUS) que, segundo ela, ainda acontece de maneira informal e está em discussão. “ O tratamento que usa as práticas alternativas é menos agressivo ao organismo. Nossa preocupação é diminuir a quantidade de remédios que as pessoas tomam atualmente e também amenizar as intervenções agressivas no corpo humano. Ou seja, as Práticas Integrativas e Complementares visam melhorar a qualidade dos tratamentos”.

“Essas práticas são integralistas e preventivas, ou seja, além de ajudarem na solução de determinados problemas que a medicina convencional não descobre ou não consegue solucionar, elas evitam doenças futuras, proporcionando uma melhor qualidade de vida. Além disso, esse tipo de tratamento tem um baixo custo e tem baixa necessidade de aparelhos tecnológicos. Mas, pra mim, o principal motivo para o SUS aderir a medicina natural é a grande aceitação e procura da população por essas alternativas”, afirma Walcimar.

Preconceito, centralização no atendimento do SUS e carência de profissionais especializados foram alguns dos obstáculos que a medicina alternativa enfrenta, segundo a palestrante. “A medicina alternativa encontra alguns impasses atualmente, como o preconceito, uma vez que muitas pessoas não conhecem e já julgam como algo ineficiente.”

Ela ainda fez uma ressalva quanto a aplicação prática desses tratamentos, que muitas vezes são feitos de forma inadequada, o que oferece riscos à saúde do paciente. “As Práticas Integrativas e Complementares interferem no organismo da pessoa, tanto para o bem, quanto para o mal. Por isso, é de extrema importância que seja feita por um profissional qualificado e especializado, e que esse profissional tenha conhecimento do histórico do paciente, de tratamentos e medicamentos já usados. Por isso, a importância de uma política de regulamentação e também de eventos como esse.”

Outras informações: (32) 2102-3823 (Faculdade de Enfermagem)


Colocar os agricultores familiares em primeiro para erradicar a fome

O relatório SOFA apela para que os 500 milhões de agricultores familiares de todo o mundo sejam agentes de mudança

Nove em cada dez das 570 milhões de propriedades agrícolas no mundo são geridas por famílias, fazendo com que a agricultura familiar seja a forma mais predominante de agricultura e, consequentemente, um potencial e crucial agente de mudança para alcançar a segurança alimentar sustentável e a erradicação da fome no futuro. Os dados fazem parte do novo relatório das Nações Unidas.

A agricultura familiar produz cerca de 80% dos alimentos no mundo. A prevalência e a produção significam que “são vitais para a solução do problema da fome”, que atinge mais de 800 milhões de pessoas, escreveu o Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, na introdução do novo relatório da FAO de 2014 sobre o Estado da Alimentação e da Agricultura (SOFA 2014).

A agricultura familiar é também guardiã de cerca de 75% de todos os recursos agrícolas do mundo e, portanto, é fundamental para a melhoria da sustentabilidade ecológica e dos recursos. Estão também entre os mais vulneráveis às consequências do esgotamento dos recursos e às alterações climáticas.

Embora as evidências mostrem rendimentos impressionantes em terras geridas por agricultores familiares, muitas propriedades de menor escala são incapazes de produzir o suficiente para garantir meios de subsistência decentes para as famílias.

A agricultura familiar é, assim, confrontada com um triplo desafio: o aumento do rendimento agrícola para responder à necessidade mundial de segurança alimentar e de uma melhor nutrição; a sustentabilidade ambiental para proteger o planeta e para garantir a própria capacidade produtiva; e o aumento da produtividade e a diversificação dos meios de subsistência que lhes permita sair da pobreza e da fome. De acordo com o relatório SOFA, todos esses desafios implicam que os agricultores familiares têm de inovar.

“Em todos os casos, os agricultores familiares precisam ser líderes de inovação, pois só assim podem apropriar-se do processo e garantir que as soluções oferecidas respondem às necessidades”, afirmou Graziano da Silva. “A agricultura familiar é um componente essencial dos sistemas alimentares saudáveis ​​de que precisamos para levar uma vida mais saudável.”

O relatório chama a atenção do setor público, das organizações da sociedade civil e setor privado, para trabalhar com os agricultores, no sentido de melhorar os sistemas de inovação para a agricultura. Os sistemas de inovação agrícola incluem todas as instituições e atores que apoiam os agricultores no desenvolvimento e na adoção de melhores formas de trabalhar no mundo cada vez mais complexo de hoje. A capacidade de inovação deve ser promovida a vários níveis, com incentivos para os agricultores, investigadores, prestadores de serviços de assessoria e cadeias de valor integradas para interagir e criar redes e parcerias que permitam partilhar informações, segundo o SOFA.

Os responsáveis pelas políticas devem considerar também a diversidade da agricultura familiar em termos de tamanho, das tecnologias utilizadas, e da integração nos mercados, bem como as configurações ecológicas e socioeconômicas. Essa diversidade significa que os agricultores precisam de coisas diferentes dos sistemas de inovação. Ainda assim, todas as explorações agrícolas precisam de melhor governança, estabilidade macroeconômica, infraestruturas de mercado físicas e institucionais, educação, bem como de melhor investigação agrícola básica, de acordo com o SOFA.

O investimento público em pesquisas agrícolas, bem como em serviços de extensão e assessoria – que devem ser mais participativos – devem ser incrementados para enfatizar a intensificação sustentável e acabar com as diferenças de rendimento e produtividade da mão-de-obra que caracterizam os setores agrícolas em muitos países em desenvolvimento.

Embora os estudos agrícolas sejam feitos por empresas privadas na maioria dos casos, o investimento do setor público é indispensável para assegurar a pesquisa em áreas de pouco interesse para o setor privado – como pesquisa básica, culturas órfãs, ou práticas de produção sustentáveis​​. Essa pesquisa constitui um bem público com muitos potenciais beneficiários.

A agricultura familiar é vital

O relatório da FAO oferece um diverso conjunto de novos dados sobre a agricultura familiar. A maioria das propriedades agrícolas familiares é pequena. Oitenta e quatro por cento das culturas de todo o mundo têm menos de dois hectares. No entanto, o tamanho das propriedades agrícolas varia amplamente. De fato, as propriedades agrícolas com mais de 50 hectares – incluindo muitas de agricultores familiares – ocupam dois terços das terras agrícolas do mundo.

Em muitos países de elevado rendimento e de rendimento médio superior, as grandes propriedades agrícolas, responsáveis ​​pela maior parte da produção agrícola, detêm também ​​a maior parte das terras agrícolas. Mas, na maioria dos países de baixo rendimento e de rendimento médio inferior, as pequenas e médias propriedades agrícolas ocupam grande parte das terras para o cultivo e produzem a maioria dos alimentos.

As pequenas propriedades produzem uma proporção maior de alimentos no mundo em relação à quantidade de terras de que usufruem, já que tendem a ter rendimentos mais elevados do que explorações agrícolas com maiores dimensões dentro dos mesmos países e ambientes agroecológicos.

No entanto, a maior produtividade da terra na agricultura familiar implica uma menor produtividade ao nível da mão-de-obra, o que perpetua a pobreza e impede o desenvolvimento. Grande parte da produção mundial de alimentos envolve trabalho não remunerado realizado por membros da família.

O relatório sublinha que é imprescindível aumentar a produção por trabalhador, especialmente nos países de baixo rendimento, a fim de aumentar os rendimentos agrícolas e de promover o bem-estar econômico nas zonas rurais em geral.

Atualmente, a dimensão das propriedades agrícolas está cada vez menor na maioria dos países em desenvolvimento, onde muitas famílias rurais de pequenos agricultores obtêm a maior parte do rendimento a partir de atividades não-agrícolas.

As políticas devem aumentar o acesso a fatores de produção, como sementes e fertilizantes, bem como aos mercados e ao crédito, de acordo com o SOFA.

Organizações de produtores eficazes e inclusivas podem apoiar a inovação dos cooperados, ajudando-os a ter acesso aos mercados, e a facilitar as ligações com os outros no sistema de inovação, além de garantir que os agricultores familiares tenham uma voz na formulação de políticas, destaca o relatório.

Para incentivar os agricultores familiares a investir em práticas agrícolas sustentáveis​​, que muitas vezes têm elevados custos e longos períodos de amortização, as autoridades devem procurar criar um ambiente favorável para a inovação.

Políticas destinadas a catalisar a inovação terão de ir além da transferência de tecnologia, de acordo com o SOFA. Têm também de ser inclusivas e adaptadas a contextos locais, para que os agricultores sejam proprietários da inovação, e de ter em consideração as questões intergeracionais e de gênero, envolvendo a juventude no futuro do setor agrícola.

Fonte: FAO
Publicado no Portal EcoDebate, 17/10/2014

O leite materno e a inteligência do neném

Estudo inédito envolvendo milhares de pessoas de 28 países mostrou correlação entre a composição do leite e habilidades cognitivas das crianças.
Os autores dizem que a quantidade e razão entre alguns ácidos graxos no leite, tal como o linoleico(LÁ) e o docosahexanóico (DLA), tem grande influência no desenvolvimento das habilidades cognitivas em recém-nascidos. O aumento da razão DLA/LA favorece o aumento da inteligência.
O estudo envolveu 28 países, incluindo o Brasil; aqui a razão DLA/LA é muito baixa, explicando o fraco desempenho de nossas crianças em testes cognitivos. Em países europeus e asiáticos a razão é de 10 a 100 vezes maior – tal como as notas das crianças nesses testes.
Veja artigo em 

Canal Fala Química

Nature's smallest factory: The Calvin cycle - Cathy Symington

The simple story of photosynthesis and food - Amanda Ooten

How Mendel's pea plants helped us understand genetics - Hortensia Jiméne...

Poison vs. venom: What's the difference? - Rose Eveleth

The science of spiciness - Rose Eveleth

Aulas grátis de desenhos e pinturas

Dica do:
Artigo sugerido pelo leitor Anildo Motta

A necessidade humana a nível espiritual e emocional que advém das artes, das suas manifestações e realizações, acompanham a humanidade desde os períodos da pré historia quando os homens manifestavam os seus talentos e necessidades emocionais pintando e escrevendo no interior das grutas que habitavam, usando materiais improvisados dos mais variados fins, como sangue de animais e tintas obtidas de plantas e de outras fontes.

No mundo moderno dito civilizado essas necessidades não desapareceram com a introdução de novos interesses e acessórios tecnológicos, muito pelo contrario, só serviu para despertar mais ainda a necessidade de através das artes as pessoas manifestarem os seus pensamentos e ansiedades projetando que seja na pintura, música, dança, teatro… todas as suas emoções e fantasias deslumbrando assim os espectadores que dotado de sensibilidade e emoção captam essas informações conseguindo dessa forma encontra paz, tranquilidade e emoção nas suas vidas.

Sou mais um desses chamados “artistas” que nutrem pela arte um desejo e necessidade de manifestar as minhas emoções e pensamentos através da pintura e do desenho, e procurando também levar a outras pessoas razões para que possam despertar e encontrar em si o vosso talento manifestando assim os seus sonhos, e as suas emoções, tornando a vida mais feliz e equilibrada a nível social, espiritual, emocional e humana.

Esse prazer de viver no mundo das artes e poder usufruir das suas compensações, levou-me a procurar através dos meus sites levar todas as informações e conhecimentos por mim adquirido a outras pessoas através de aulas gratuitas no meu site das quais explico passo a passo todas as técnicas e métodos utilizados para a realização de um desenho e pintura em diversas técnicas e estilos.

São mais de 50 aulas passo a passo que incluem, desenhos de retratos a lápis grafite, pinturas com pastel seco e aquarelas.

Visite o site www.anildo-motta.com e comece a desenvolver as suas capacidades artísticas, e envie o link aos seus amigos para que possamos levar a todos os amantes das artes a possibilidade de poder aprender de forma gratuita varias técnicas e estilos de pintura.


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Drogas psicodélicas para combater a depressão

Um estudo corajoso e inusitado em London: pesquisadores neuroquímicos estão usando drogas como LSD, cannabis, mescalina e psilocibina para combater distúrbios como a depressão e o stress.

Os testes estão sendo feitos com pacientes do Imperial College's Neuropsychopharmacology Centre. Os resultados preliminares são bastante promissores: pacientes que não respondiam a drogas convencionais indicam melhora de seus sintomas. 

Veja matéria em jornal britânico: 

Canal Fala Química 

Químicos da maconha: indústria farmacêutica investe em pesquisa!

Cannabis, a planta medicinal mais usada no mundo, ainda é proibida no Brasil; enquanto isso, indústrias farmacêuticas européias e americanas investem muito dinheiro no desenvolvimento de fármacos a partir desta planta milagrosa. Agora, a Sociedade Britânica de Química (RSC) vai criar uma divisão para pesquisas com a cannabis.

A planta é extremamente saudável: possui centenas de compostos medicinais e já é usada no tratamento de muitas doenças. Todavia, no Brasil, não somente o consumo é proibido, mas mesmo a pesquisa acadêmica com a planta pode dar cadeia. Desta maneira, mais uma vez, vamos ter que depender da tecnologia de outros países.

Recentemente, a justiça brasileira liberou a importação de alguns fármacos a base de maconha, que custam muito caro, pois são importados. Enquanto isso, nos US e na EUROPA, tanto o consumo vem sendo tolerado como a pesquisa acadêmica é estimulada.

Veja matéria no boletim da RSC: 

Canal Fala Química

Circuito Carioca de Feiras Orgânicas


Boa ideia!


Prevenção de toxoplasmose

Se cuidem!


Como diminuir o açúcar da alimentação das crianças

quinta-feira, 16 de outubro de 2014



Food systems for better nutrition

Malnutrition in all its forms – undernutrition, micronutrient deficiencies, and overweight and obesity – imposes unacceptably high economic and social costs on countries at all income levels. Improving nutrition and reducing these costs requires a multisectoral approach that begins with food and agriculture and includes complementary interventions in public health and education. The traditional role of agriculture in producing food and generating income is fundamental, but the entire food system – from inputs and production, through processing, storage, transport and retailing, to consumption – can contribute much more to the eradication of malnutrition. 

Agricultural policies and research must continue to support productivity growth for staple foods while paying greater attention to nutrient-dense foods and more sustainable production systems. Traditional and modern supply chains can enhance the availability of a variety of nutritious foods and reduce nutrient waste and losses. Governments, international organizations, the private sector and civil society can help consumers choose healthier diets, reduce waste and contribute to more sustainable use of resources by providing clear, accurate information and ensuring access to diverse and nutritious foods.


Innovation in family farming

More than 500 million family farms manage the majority of the world’s agricultural land and produce most of the world’s food. We need family farms to ensure global food security, to care for and protect the natural environment and to end poverty, undernourishment and malnutrition. But these goals can be thoroughly achieved if public policies support family farms to become more productive and sustainable; in other words policies must support family farms to innovate within a system that recognizes their diversity and the complexity of the challenges faced.

The State of Food and Agriculture 2014: Innovation in family farming analyses family farms and the role of innovation in ensuring global food security, poverty reduction and environmental sustainability. It argues that family farms must be supported to innovate in ways that promote sustainable intensification of production and improvements in rural livelihoods. Innovation is a process through which farmers improve their production and farm management practices.


Family farms

Bolo vegan de quinua com frutas secas

Olá, mais uma receita sem glúten e sem lactose. Esse bolo fica uma delícia!

1 xícara(s) de chá de leite de arroz
1 xícara(s) de chá de flocos de quinua
1 xícara(s) de chá de fubá ou farinha de arroz integral
2 colher(es) de chá de bicarbonato de sódio
1 colher(es) de chá de fermento em pó
1 xícara(s) de chá de frutas secas picadas (ameixa, passas, banana passa, damasco)
1 banana amassada
0 colher(es) de chá de canela em pó


Misture o leite de arroz com flocos de quinua. Deixe descansar um pouco para absorver a umidade e ficar demolhada. Adicione as frutas secas. Misture o restante dos ingredientes.

Coloque em uma forma de pão untada e deixe descansar 20 minutos antes de levar para assar. Polvilhe com flocos de quinua e leve para assar por aproximadamente 1 hora.

Dica: pode ser congelado também.

Nutricionista especialista em Nutrição Esportiva


Dicas para facilitar seu Trabalho de Conclusão de Curso

Postado por: Carolina Pignatari 

Olá estudantes!

Como está chegando o fim do ano e muita gente ainda está correndo atrás de seusTCCs, o Canal do Ensino traz mais algumas dicas para ajudar quem está na correria aí para o fatídico trabalho de conclusão de curso.

Vamos as dicas:

1. Antes de tudo, escolha um TEMA que você goste e tem curiosidade, caso contrário, ficará mais difícil acompanhar o ritmo das atividades ao longo do semestre. Caso você ainda não tenha um tema em mente, comece a observar os conteúdos que mais lhe atraem dentre as disciplinas do curso, ou áreas da profissão que você pensa em trabalhar ou se especializar. Lembre-se: o trabalho será assinado por você, levará o seu nome! Portanto escolha algo que realmente você irá defender, e claro, com argumentos concretos e imparciais.

2. Escolhido o tema, delimite o universo da PESQUISA, quanto mais específico melhor. Escolha um objeto de estudo, que basicamente pode ser um autor, um livro, um site, uma empresa, uma teoria, um exemplo específico, case de mercado, uma instituição, pessoa, etc; Lembre-se: tudo vai depender do foco que você quer dar à sua pesquisa.

3. Antes de pesquisar e estudar o seu tema, estude METODOLOGIA DE PESQUISA. Leia sobre o assunto e converse com o seu professor orientador. Não fique com dúvidas. Ler outros TCCs também ajuda muito nesta etapa. Procure trabalhos na biblioteca da sua Universidade.

4. Se a sua intenção é escrever um PROJETO EXPERIMENTAL, propondo novas ideias para um determinado campo, fique atento para a importância de fundamentar o projeto teoricamente. O TCC não pode ser construído apenas com ideias soltas baseadas no senso comum, tudo deve estar bem explicado, argumentado com bases teóricas. Prepare-se, não tenha preguiça e pesquise bastante.

5. Crie uma AGENDA de estudos especial para o TCC. Leve em consideração seu dia-a-dia, suas outras disciplinas no curso, seu trabalho externo e também o seu tempo para o lazer, afinal, não dá só pra viver de pesquisa, né? O ideal é separar um horário diário para o TCC. Importante: vá marcando as etapas vencidas, isso ajuda a acompanhar o cronograma.

6. Você definiu seu tema e não sabe por onde começar? A solução é LEITURA, leitura e mais leitura. Sim, uma das atividades mais importantes para quem está iniciando um TCC é ler, conhecer o que tem se falado sobre o assunto, estudar com profundidade a temática. Pesquise autores da área, livros, revistas, documentos, internet, blogs, redes sociais. Catalogue tudo que você encontrar que seja relevante para o trabalho.

7. Antes de começar a escrever pra valer o TCC, é de extrema importância preparar o ANTEPROJETO DE PESQUISA, será o seu primeiro contato científico com a temática que deseja pesquisar. É durante a produção do anteprojeto que deve ser testado brevemente se a pesquisa terá condições de ser realizada. Assim, evita-se erros durante o processo de desenvolvimento do TCC em si. Pode ajudar escrever o anteprojeto com as seguintes etapas: Apresentação (Introdução); Objetivos (Geral e Específicos); Justificativa; Metodologia; Cronograma; e Referências;

8. Com o seu PROFESSOR ORIENTADOR, determine datas e horários para orientações, além de prazos para entrega de textos. Uma certa pressão pode ajudar bastante durante o processo de produção de conteúdo, principalmente levando-se em consideração o prazo muito curto para entrega da atividade. E não esqueça que sempre é necessário entregar o TCC pronto e com antecedência para os professores que participarão da banca de avaliação..

9. Uma das dúvidas mais comuns dos que vão produzir um TCC pela primeira vez é: o trabalho deve ter quantas páginas? Procure checar na coordenação do seu curso se há números limites estabelecidos. Quando o TCC é no formato de artigo científico, recomenda-se até 30 páginas. Números acima disso são recomendados para Monografias, que costumam ter entre 40 e 100 páginas. Relatórios de projetos experimentais podem ser mais curtos, entre 25 e 40 páginas. Entretanto fique tranquilo quanto a isso, afinal quando a pesquisa é bem feita e escrita com atenção, a preocupação com o número de páginas deixa rapidamente de existir.

10. Por último e não menos importante: aproveite este período para aprender e crescer profissionalmente. Além de ser obrigatório para a conclusão do curso, é através do TCC que o estudante tem a possibilidade de demonstrar que está preparado para concluir adequadamente esta etapa inicial da formação profissional. Portanto, aproveite a fase, transforme o seu TCC num trabalho realmente com a sua cara, algo que você possa até aproveitar e incluir no seu portifólio.

Se você se preparar, pesquisar, ler, escrever o que sabe e principalmente se sentir confiante, seguindo essas dicas, o seu TCC está garantido.

Boa sorte!


Descoberta: Broccoli diminui efeitos do autismo!

Em artigo publicado nesta semana, químicos observaram que uma substância presente no brócolis diminui drasticamente os efeitos do autismo em crianças e jovens.

Trata-se do composto SULFORAFANO, que existe em grande quantidade neste vegetal. O estudo mostrou que dificuldades sociais e intelectuais são diminuídas em autistas com a administração desta droga.

O SULFORAFANO protege as células contra o stress oxidativo e mal funcionamento mitocondrial, fatos associados com o autismo.

Canal Fala Química

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Horta Caseira em tubos de Pvc

Tecnologia Social - a Revolução dos Baldinhos

Agricultura urbana suburbana y familiar. Parte final

Agricultura hurbana, suburbana y familiar

9a Semana de la FCA - Conferencia “Agricultura Urbana”

Uso de plantas medicinais pode mascarar doenças crônicas

Projeto ensina técnicas de cultivo de plantas medicinais

 - See more at: http://tvdiario.verdesmares.com.br/noticias/cidade/projeto-ensina-tecnicas-de-cultivo-de-plantas-medicinais-1.1124723#sthash.Tf4f8nIo.dpuf

Papel das plantas medicinais para o desenvolvimento social será discutido em evento na sexta e no sábado

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Ciência para o desenvolvimento social: o papel das plantas medicinais é o tema de seminário que reunirá, nos dias 17 e 18 (sexta e sábado), especialistas da UFMG e convidados de diversas instituições, no Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, como parte da Semana do Conhecimento 2014.

Para participar, é preciso enviar mensagem para o e-mail inscricoesceplamt@outlook.com e pagar a taxa diária de entrada no Museu (R$ 4).

Promovido pelo Centro Especializado em Plantas Aromáticas, Medicinais e Tóxicas (Ceplamt) do Museu, o evento inclui discussões sobre aspectos científicos e práticos relacionados ao uso das plantas medicinais, passeio por trilhas ecológicas e visita guiada à horta de plantas medicinais.


Dia 17/10
14h - Abertura - homenagem ao professor Luiz Bernardes, patrono do laboratório de farmacognosia da Faculdade de Farmácia da UFMG
14h15 - Conferência Plantas medicinais espontâneas dos quintais
Marcos Furlan, professor de Agronomia da Universidade de Taubaté (São Paulo)
15h30 - Mesa-redonda Uso tradicional de plantas medicinais

Dia 18/10
9h - Conferência As plantas medicinais como instrumento de desenvolvimento social
Farmacêutica Leticia Ricardo, técnica da área de Fitoterapia do Ministério da Saúde, doutoranda em Medicamentos e Assistência Farmacêutica pela UFMG
10h – Mesa-redonda Uso de plantas medicinais 
Profissionais da área da saúde
14h - Passeio pelas trilhas ecológicas do Museu e visita guiada à horta de plantas medicinais
Encerramento: homenagem à professora Telma Grandi, patronesse do Ceplamt


O Ceplamt ocupa espaço no Museu de História Natural e Jardim Botânico e dedica-se a estudos de recuperação e divulgação de informações históricas e técnico-científicas sobre as plantas úteis nativas do Brasil, especialmente as medicinais.

Os trabalhos do Centro são conduzidos por grupo de pesquisadores de diferentes áreas e instituições, além de estudantes de graduação e pós-graduação, com o objetivo de contribuir para a preservação da vegetação nativa do Brasil, promovendo seu melhor aproveitamento.

Todas as informações históricas sobre as plantas estão disponíveis no banco de dados do Ceplamt. As plantas são localizadas em seus habitats, coletadas, e as drogas vegetais (partes que contêm os princípios ativos) devidamente secas são guardadas no banco de amostras, credenciado como fiel depositário no Ministério do Meio Ambiente. O Ceplamt conta também com horta de plantas medicinais, onde espécies exóticas e nativas são cultivadas.

Coordenado pela professora Maria das Graças Lins Brandão, o Ceplamt realiza amplo trabalho de recuperação de dados, imagens e uso de plantas medicinais. Entre as obras publicadas pelo Centro estão Quadro geográfico da vegetação primitiva de Minas Gerais e Plantas úteis de Minas Gerais na obra dos naturalistas, que contêm dados e imagens, antigas e atuais, de plantas nativas.

Entre outras ações, o Ceplamt realizou a pesquisa Uma Viagem pela Estrada Real, que resultou no CD Plantas medicinais – um saber ameaçado; a publicação em língua portuguesa do livro Plantas usuais dos brasileiros, de Auguste de Saint-Hilaire.

Também organiza oficinas e exposições permanentes em museus e parques do estado, mantém trabalho educativo em escolas de Minas Gerais e participa do programa Plantas do Brasil: Resgate Histórico e Herbário Virtual para o Conhecimento e Conservação da Flora Brasileira (Reflora)

Local: Centro Especializado em Plantas Aromáticas, Medicinais e Tóxicas
Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG
Avenida Gustavo da Silveira, 1.035, bairro Horto.

Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (31) 3409-7635, 3409-7636 e 3409-6940 ou pelo site do Ceplamt.


To the Kitchen! DIY Deodorant

DIY Natural Deodorant
"How Dangerous Is Your Deodorant?" on Health Perch

Ervas e Plantas | Propriedades da chicória, tajá, canela e trevo cumaru

Ervas e Plantas | Utilização do jaraqui caá, cominho amazônico e o mastruz

Ervas e Plantas | Benefícios do marupazinho, crajiru e vinagreira

~ Beginner's Guide to Meditation ~ Learn To Meditate in 5 Easy Steps

Does Meditation Affect Cellular Aging?

Protecting Teeth From Hibiscus Tea

Is There Too Much Aluminum in Tea?

Hibiscus Tea vs. Plant-Based Diets for Hypertension

Cooked Beans or Sprouted Beans?

Água e Solo

Alimente-se Bem - Sopa de Melancia com Frango

Alimente-se Bem - Sopa Tofu

Como o estrabismo pode ser corrigido

Plantio de florestas é estratégia de enfrentamento do aquecimento global

08 de outubro de 2014

Por Karina Toledo

Agência FAPESP – Em um artigo publicado na seção de opinião do jornal norte-americano The New York Times, em 19 de setembro, Nadine Unger, professora da Yale University, afirmou serem fracas as evidências científicas sobre os benefícios proporcionados pelo reflorestamento e pela redução do desmatamento na mitigação das mudanças climáticas.

O texto causou forte reação na comunidade científica. No dia 22 de setembro, um grupo formado por 31 pesquisadores – vários deles membros do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) – divulgou uma carta aberta na qual discordam veementemente das declarações feitas por Unger.

Uma versão resumida do texto foi publicada na seção de opinião do The New York Times no dia 23 de setembro, mesma data em que começou em Nova York a Cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o Clima.

Na carta resposta, o grupo de cientistas contesta a afirmação de Unger, de que estaria incorreta a “sabedoria convencional” segundo a qual o plantio de árvores auxilia no combate ao aquecimento global. Na avaliação dela, a medida poderia até mesmo agravar o problema climático.

De acordo com os cientistas, as florestas promovem um efeito de resfriamento do clima porque armazenam vastas quantidades de carbono em troncos, galhos, folhas e são capazes de manter esse elemento químico fora da atmosfera enquanto permanecerem intactas e saudáveis.

Segundo o grupo, as florestas também resfriam a atmosfera porque convertem a energia solar em vapor d’água, o que aumenta a refletividade da radiação solar por meio da formação de nuvens, fato negligenciado no trabalho de Unger. Concordam, em parte, com a afirmação da professora de Química Atmosférica em Yale, de que “as cores escuras das árvores absorvem maior quantidade de energia solar e aumentam a temperatura da superfície terrestre".

Unger afirmou que plantar árvores nos trópicos poderia promover o resfriamento, mas em regiões mais frias causaria aquecimento.

“Ela (Unger) aponta corretamente que florestas refletem menos energia solar do que a neve, as pedras, as pastagens ou o solo, mas ignora o efeito das florestas de aumentar a refletividade do céu acima da terra, por meio das nuvens. Esse efeito é maior nos trópicos”, afirmaram os cientistas.

Unger disse não haver consenso científico em relação aos impactos da mudança de uso da terra promovida pela expansão da agricultura e se o desmatamento resultante teria contribuído para esfriar ou aquecer o planeta.

“Não podemos prever com certeza que o reflorestamento em larga escala ajudaria a controlar as temperaturas em elevação”, disse ela. Argumentos semelhantes já haviam sido apresentados pela cientista em artigo publicado em agosto na Nature Climate Change.

Ainda segundo Unger, os compostos orgânicos voláteis (VOCs, na sigla em inglês) emitidos pelas árvores em resposta a estressores ambientais interagem com poluentes oriundos da queima de combustíveis fósseis aumentando a produção de gases-estufa como metano e ozônio.

Por último, a cientista de Yale afirmou que o carbono sequestrado pelas árvores durante seu crescimento retorna à atmosfera quando elas morrem e que o oxigênio produzido durante a fotossíntese é consumido pela vegetação durante a respiração noturna. “A Amazônia é um sistema fechado que consome seu próprio carbono e oxigênio”, argumentou.

Benefícios indiscutíveis

A carta resposta divulgada pelos cientistas ressalta que os próprios estudos de Unger mostraram que qualquer potencial efeito de resfriamento promovido pela redução das emissões de compostos orgânicos voláteis resultante do corte de árvores seria superado pelo efeito de aquecimento promovido pelas emissões de carbono causadas pelo desmatamento.

“Esta semana, as negociações das Nações Unidas sobre o clima abordam a importância de dar continuidade aos esforços para frear a degradação das florestas tropicais, que são uma contribuição essencial e barata para a mitigação das mudanças climáticas. A base científica para essa importante peça da solução do problema climático é sólida. Nós discordamos fortemente da mensagem central da professora Unger. Concordamos, no entanto, com a afirmação feita por ela de que as florestas oferecem benefícios indiscutíveis para a biodiversidade”, concluem os cientistas.

O grupo de autores é liderado por Daniel Nepstad, diretor executivo do Earth Innovation Institute, dos Estados Unidos, um dos fundadores do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e um dos autores do quinto relatório divulgado pelo IPCC.

Também fazem parte do grupo Reynaldo Victoria, professor da Universidade de São Paulo (USP) e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais, e Paulo Artaxo, professor da USP e um dos autores do quinto relatório do IPCC.

“O artigo divulgado por Unger na revista Nature Climate Change tem erros elementares e não leva em conta aspectos fundamentais, como a importância das florestas tropicais na formação de nuvens, que altera a refletividade da superfície e também atua no controle do ciclo hidrológico”, disse Artaxo à Agência FAPESP.

“Esse episódio mostra como a ciência, quando negligencia aspectos importantes, pode ser muito prejudicial do ponto de vista de políticas públicas. Reflorestamento e redução do desmatamento são umas das melhores estratégias de redução dos efeitos do aquecimento global”, afirmou.
Artigo no New York Times contesta evidências científicas sobre benefícios do reflorestamento e da redução do desmatamento e causa reação na comunidade científica (foto: Wikimedia)


Dandelion Jam - Green Renaissance

Vitamina K


Praga agrícola produz substância antiaderente como estratégia de adaptação

09 de outubro de 2014
Pesquisadores da USP e da University of California em Berkeley constatam que a Xylella fastidiosa produz partículas nanométricas de lipídeo para transitar e espalhar-se mais facilmente na planta (imagem: Paulo Zaini)

Por Elton Alisson

Agência FAPESP – A bactéria Xylella fastidiosa, causadora de uma série de doenças em citros, videiras e café, adota diferentes estratégias de adaptação para sobreviver ao ambiente em que vive.

A fim de colonizar o aparelho bucal dos insetos vetores e contaminar as plantas quando esses animais se alimentam da seiva das culturas agrícolas, a bactéria apresenta-se em um estado “grudento” ou adesivo. Ao ser inoculada na planta pelo inseto vetor, a bactéria passa para um estado antiaderente, de modo a transitar e espalhar-se mais facilmente no interior dos vasos do xilema (tecidos) das plantas.

“A Xylella fastidiosa tem um estilo de vida duplo. Ela precisa alternar essas duas estratégias de adaptação para sobreviver”, disse Aline Maria da Silva, professora do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo (USP), à Agência FAPESP.

Um estudo realizado por pesquisadores do grupo de Silva no Departamento de Bioquímica do IQ, em colaboração com colegas do Departamento de Plantas e Biologia Microbiana da University of California (UC) em Berkeley, nos Estados Unidos, demonstrou que a Xylella fastidiosa regula a transição dessas estratégias de adaptação por meio da produção de vesículas (bolhas) de lipídeos em escala nanométrica (da bilionésima parte do metro).

Resultado de um projeto de pesquisa de pós-doutorado, orientado por Silva e realizado com apoio da FAPESP, a descoberta foi descrita em um artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

O artigo foi recomendado pelo Faculty of 1000, um site criado nos Estados Unidos que identifica e recomenda artigos considerados importantes em Biologia e Medicina, selecionados por um comitê composto por cientistas e médicos de diferentes países.

“Propomos no artigo que a produção das vesículas de membrana externa pela Xylella fastidiosa é uma espécie de ajuste fino realizado pela bactéria para aderir ou não ao ambiente que coloniza, dependendo da circunstância”, disse Silva.

O grupo de pesquisadores da UC Berkeley já havia identificado recentemente que a Xylella fastidiosa secretava um tipo de sustância que bloqueava a adesão da bactéria às paredes dos vasos do xilema das plantas. Não se sabia, contudo, qual era a substância exatamente.

Por meio de uma colaboração iniciada em 2011 com Steven Lindow, professor da universidade americana, os pesquisadores investigaram em conjunto a natureza dessa substância que confere à bactéria um efeito “teflon”.

A principal suspeita recaiu sobre as vesículas de membrana externa, uma vez que bactérias gram-negativas, como a Xylella fastidiosa, secretam o tempo todo essas pequenas bolhas de lipídeos, com tamanho que varia de 20 a 100 nanômetros, contou Silva.

“As funções dessas vesículas de membrana externa em outras bactérias já são bastante estudadas”, afirmou. “No caso dos patógenos humanos, elas desempenham as funções de carregar proteínas, fatores de virulência e antígenos durante as infecções. Mas em fitopatógenos [organismos causadores de doenças em plantas], como a Xylella fastidiosa, os estudos ainda eram muito incipientes.”

A fim de tentar preencher essa lacuna, os pesquisadores avaliaram por meio de um conjunto de diferentes técnicas de análise se a Xylella fastidiosa também produzia vesículas de membrana externa, o tamanho dessas bolhas em relação à bactéria e, principalmente, a função desempenhada por elas.

Os resultados das análises demonstraram que as vesículas de membrana externa, de fato, proporcionam um efeito antiaderente à bactéria.

Quando está no aparelho bucal dos insetos vetores, a Xylella fastidiosa produz uma quantidade de vesículas de membrana externa suficiente apenas para que possa se desprender do animal e infectar a planta, enquanto ele se alimenta da seiva.

Já ao infectar a planta, a bactéria passa a produzir maior quantidade dessas bolhas para invadir e movimentar-se pelos vasos do xilema.

Ao colonizar a planta suficientemente, a bactéria interrompe a produção das vesículas de membrana externa de modo a se juntar com outras bactérias semelhantes a ela e formar um biofilme no interior dos vasos do xilema da planta para aumentar sua virulência.

“A bactéria precisa encontrar uma forma de se espalhar pela planta após infectá-la. E as vesículas de membrana externa são uma das armas utilizadas por ela para atacar a planta”, avaliou Silva.

Mecanismo de ação

Os pesquisadores identificaram que um dos mecanismos utilizados pela Xylella fastidiosa para controlar a produção de vesículas de membrana externa e a transição da fase “grudenta” para a antiaderente é uma molécula chamada DSF.

O DSF faz a sinalização para a Xylella fastidiosa de quantas bactérias semelhantes a ela estão no ambiente. Ao adentrar um microambiente, como o intestino de um inseto vetor ou o xilema de uma planta, a bactéria produz e libera o DSF. Com base na quantidade do hormônio já existente no ambiente produzido por outras bactérias semelhantes a ela, a Xylella fastidiosa consegue estimar a densidade de sua população.

Se há muitas bactérias até então isoladas no ambiente, elas coletivamente diminuem a produção de vesículas de membrana externa e produzem moléculas de adesão de modo a formar um biofilme para sobreviver às intempéries do ambiente.

Da mesma forma, se percebem, por meio da liberação de DSF, que há poucos integrantes de seu grupo no ambiente elas aumentam a produção de vesículas de membrana externa para explorar melhor o lugar, explicou Silva.

“Constatamos que, quanto mais bactérias houver em um microambiente e quanto mais juntas estiverem, menor é a produção de vesículas de membrana externa”, disse a pesquisadora. “Por outro lado, quanto mais isoladas estiverem, maior é a produção de vesículas de membrana externa para poderem se espalhar mais facilmente”.

A constatação foi feita por meio de uma cepa de Xylella fastidiosa sem um gene fundamental para produção do DSF – o mutante ΔrpfF –, desenvolvido pelo grupo de pesquisadores da UC Berkeley por meio de técnicas de engenharia genética.

Os pesquisadores observaram que essa cepa mutante da bactéria produzia uma quantidade de vesículas de membrana externa cinco vezes maior que as bactérias sem mutação genética.

“Quanto mais vesículas de membrana externa as bactérias mutantes produziam, mais virulentas eram. Elas grudavam menos e se espalhavam melhor e mais rapidamente pela planta, que ficava mais contaminada por elas”, afirmou Silva.

Técnicas analíticas inovadoras

A avaliação da produção de vesículas de membrana externa de Xylella fastidiosa foi feita por meio de análises da seiva de plantas contaminadas pelas bactérias selvagens e mutantes.

Para identificar e quantificar a produção de vesículas, os pesquisadores usaram o marcador proteico XadA1, que revela a existência das vesículas em uma solução, como a seiva da planta, por exemplo.

Por meio de microscopia eletrônica de varredura (capaz de produzir imagens de alta resolução da superfície de uma amostra) e de microscopia de fluorescência, os pesquisadores visualizaram diretamente as vesículas de membrana externa interagindo com superfícies e com as bactérias na seiva das plantas.

Além das técnicas analíticas mais convencionais, também utilizaram metodologias até então inéditas em estudos dessa natureza, como a Nanoparticle Tracking Analysis (NTA), contou Paulo Adriano Zaini, pós-doutorando orientado por Silva e que compartilha a primeira autoria do artigo com o também pós-doutorando na UC em Berkeley Michael Ionescu.

“Somos um dos primeiros grupos de pesquisadores a usar esse método de análise que possibilita fazer um rastreamento de nanopartículas em uma solução”, afirmou.

A metodologia era utilizada até então para estudar vesículas em células humanas, como as tumorais, que as produzem em grande quantidade para se deslocar mais facilmente, explicou Zaini. No estudo, os pesquisadores usaram um equipamento do A.C. Camargo Cancer Center.

“Essa é uma abordagem muito original para o estudo de bactérias. Acreditamos que influenciará outros grupos de pesquisa em bactérias”, estimou.

Os pesquisadores também utilizaram uma técnica denominada microfluídica, na qual Zaini é especializado. A técnica possibilita simular os vasos do xilema de uma planta em laboratório por meio de cânulas de vidro microscópicas, com diâmetro de 50 micrômetros.

Por meio dessa técnica, os pesquisadores mediram a força com que as bactérias são arrancadas da superfície das cânulas na ausência ou na presença de vesículas de membrana externa.

“Conseguimos demonstrar que as bactérias, na ausência de vesículas de membrana externa na superfície das cânulas, conseguem resistir a uma velocidade muito mais alta de fluxo da seiva e grudar no vidro”, disse Zaini. “Já nas cânulas recobertas com as vesículas de membranas as bactérias se desprendiam mais rapidamente.”

O artigo Xylella fastidiosa outer membrane vesicles modulate plant colonization by blocking attachment to surfaces (doi: 10.1073/pnas.1414944111), de Zaini e outros, pode ser lido na revista PNAS em www.pnas.org/content/111/37/E3910.abstract


Preservação dos oceanos é crucial para a segurança alimentar e a economia mundial

Pescador na Tanzânia. Foto:ONU/M. Grant

Melhorar a gestão dos recursos oceânicos do planeta é crucial para garantir a segurança alimentar global, afirmou o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, durante mesa-redonda com o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, realizada na quinta-feira (25), em Nova York.

O evento, “Nosso Oceano: Próximos Passos sobre Pesca Sustentável e Áreas Marinhas Protegidas”, foi organizado como seguimento da Cúpula do Clima da ONU e para aproveitar a presença de líderes mundiais na Assembleia Geral da ONU.

O setor vem enfrentando grandes dificuldades, causadas por fatores como as práticas de pesca nocivas e o mau gerenciamento da pesca ilegal, não declarada e não regulamentada, segundo a última edição do relatório da FAO “O Estado Mundial da Pesca e da Aquicultura“.

Para reverter esta tendência, a FAO está tomando providências com seus parceiros para promover a pesca sustentável e o combate à ilegalidade na atividade pesqueira. Ao mesmo tempo, lançou uma nova ação de estímulo ao Crescimento Azul que, para Graziano da Silva, tem potencial para liderar as principais discussões referentes aos oceanos e seus recursos.

A subsistência de 10% da população global depende da pesca e, para 4,3 bilhões de pessoas, o peixe constitui 15% do consumo de proteína animal. Portanto, é necessário ampliar as medidas de proteção aos estoques de peixes nos oceanos para garantir a segurança econômica e alimentar de milhares de pessoas.

Fonte: ONU Brasil

Publicado no Portal EcoDebate, 29/09/2014

Uso de medicamento para deficit de atenção cresceu 775% em 10 anos

Um projeto de lei obriga o governo a manter um programa de acompanhamento integral doTDAH para estudantes do ensino básico da rede pública e privada.

Cada vez mais comum no Brasil, o transtorno do Deficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) costuma causar problemas no convívio social e familiar, e muitas vezes atrapalha o desempenho na escola. Em geral, aparece na infância – afeta de 3% a 5% das crianças.

Nos últimos 10 anos, o uso de ritalina – nome comercial do metilfenidato, receitado para o transtorno – subiu 775% no Brasil. O dado, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), levanta dúvidas sobre possíveis erros de diagnóstico e sobre o tratamento.

De um lado, efeitos colaterais do remédio. Do outro, consequências psicológicas graves provocadas pela falta de medicação, como baixa autoestima, depressão e abuso de drogas. No meio do caminho, o paciente.

A questão é tema de um projeto de lei, em análise na Câmara dos Deputados. O PL 7081/10 obriga o governo a manter um programa de acompanhamento integral do TDAH e de outros transtornos de aprendizagem para estudantes do ensino básico da rede pública e privada.

A relatora do projeto na Comissão de Educação, deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), aposta na capacitação dos profissionais da saúde para garantir diagnósticos mais precisos. “Quando a gente qualifica o diagnóstico, fazendo com que as informações cheguem de forma aprofundada aos médicos, com certeza a prescrição de ritalina passa a ser mais coerente, e não de forma deliberada”, afirma a parlamentar.

Erro de diagnóstico

Não existe um exame para comprovar a existência do transtorno. O diagnóstico é dado com base na rotina do paciente. Em crianças, são levadas em conta informações dos pais e da escola. Entre as características mais comuns estão: dificuldade de concentração e de seguir instruções. Pessoas inquietas, agitadas e muito falantes também são candidatas a receber o diagnóstico.

Como forma de questionar uma possível prescrição indiscriminada do remédio, foi criado em 2010 o Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade, que reúne 40 entidades acadêmicas profissionais para difundir as críticas que existem na literatura científica.

A psicanalista e especialista em psicologia escolar Kátia Batheney questiona o excesso de diagnósticos. “Será que as crianças estão realmente mais agitadas, que nós estamos diante de uma epidemia de hiperatividade, ou estamos superestimando as crianças?”, questiona ela. Kátia ressalta que, desde cedo, as crianças são expostas a vários estímulos tecnológicos, ao mesmo tempo em que a escola não acompanha essa demanda por estímulos.


O pediatra e professor da Universidade de Brasília (UnB) Carlos Nogueira Aucélio concorda que a tecnologia (computadores, tablets, videogames, etc.) pode gerar um estresse cerebral e levar a um quadro de TDAH. “É preciso ter um controle de horas e momentos de uso de tecnologia. Não pode ser algo exagerado.”

Ele acrescenta que o diagnóstico do transtorno é subjetivo e, por isso, precisa ser criterioso. Segundo o pediatra, a idade mínima para começar a tomar medicamento é 10 anos, em razão do estágio das funções cerebrais. “É muito comum crianças com menos de 10 anos que tomam ritalina e, em vez de melhorar a atenção, só têm efeito colateral.”

Íntegra da proposta: PL-7081/2010

Reportagem – Mariana Przytyk
Edição – Daniella Cronemberger

Fonte: Agência Câmara Notícias

Publicado no Portal EcoDebate, 29/09/2014