sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

WHO traditional medicine strategy: 2014-2023

Publication details

Number of pages: 76
Publication date: December 2013
Languages: Arabic, Chinese, English, French, Russian, Spanish
ISBN: 978 92 4 150609 0


The WHO Traditional Medicine Strategy 2014–2023 was developed and launched in response to the World Health Assembly resolution on traditional medicine (WHA62.13). The strategy aims to support Member States in developing proactive policies and implementing action plans that will strengthen the role traditional medicine plays in keeping populations healthy.

Addressing the challenges, responding to the needs identified by Member States and building on the work done under the WHO traditional medicine strategy: 2002–2005, the updated strategy for the period 2014–2023 devotes more attention than its predecessor to prioritizing health services and systems, including traditional and complementary medicine products, practices and practitioners.

Cozinhar é um ato de toda a família

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

American Herbal Pharmacopoeia and Therapeutic Compendium - Valerian root - monograph

Omega-3 fatty acids, vitamin D may control brain serotonin, affecting behavior and psychiatric disorders

Date: February 25, 2015

Source: UCSF Benioff Children's Hospital Oakland

Although essential marine omega-3 fatty acids and vitamin D have been shown to improve cognitive function and behavior in the context of certain brain disorders, the underlying mechanism has been unclear. In a new paper, serotonin is explained as the possible missing link tying together why vitamin D and marine omega-3 fatty acids might ameliorate the symptoms associated with a broad array of brain disorders.

Although essential marine omega-3 fatty acids and vitamin D have been shown to improve cognitive function and behavior in the context of certain brain disorders, the underlying mechanism has been unclear. In a new paper published in FASEB Journal, serotonin is explained as the possible missing link tying together why vitamin D and marine omega-3 fatty acids might ameliorate the symptoms associated with a broad array of brain disorders.

In a previous paper published last year, authors Patrick and Ames discussed the implications of their finding that vitamin D regulates the conversion of the essential amino acid tryptophan into serotonin, and how this may influence the development of autism, particularly in developing children with poor vitamin D status.

Here they discuss the relevance of these micronutrients for neuropsychiatric illness. Serotonin affects a wide-range of cognitive functions and behaviors including mood, decision-making, social behavior, impulsive behavior, and even plays a role in social decision-making by keeping in check aggressive social responses or impulsive behavior.

Many clinical disorders, such as autism spectrum disorder (ASD), attention deficit hyperactivity disorder (ADHD), bipolar disorder, schizophrenia, and depression share as a unifying attribute low brain serotonin. "In this paper we explain how serotonin is a critical modulator of executive function, impulse control, sensory gating, and pro-social behavior," says Dr. Patrick. "We link serotonin production and function to vitamin D and omega-3 fatty acids, suggesting one way these important micronutrients help the brain function and affect the way we behave."

Eicosapentaenoic acid (EPA) increases serotonin release from presynaptic neurons by reducing inflammatory signaling molecules in the brain known as E2 series prostaglandins, which inhibit serotonin release and suggests how inflammation may negatively impact serotonin in the brain. EPA, however, is not the only omega-3 that plays a role in the serotonin pathway. Docosahexaenoic acid (DHA) also influences the action of various serotonin receptors by making them more accessible to serotonin by increasing cell membrane fluidity in postsynaptic neurons.

Their paper illuminates the mechanistic links that explain why low vitamin D, which is mostly produced by the skin when exposed to sun, and marine omega-3 deficiencies interacts with genetic pathways, such as the serotonin pathway, that are important for brain development, social cognition, and decision-making, and how these gene-micronutrient interactions may influence neuropsychiatric outcomes. "Vitamin D, which is converted to a steroid hormone that controls about 1,000 genes, many in the brain, is a major deficiency in the US and omega-3 fatty acid deficiencies are very common because people don't eat enough fish," said Dr. Ames.

This publication suggests that optimizing intakes of vitamin D, EPA, and DHA would optimize brain serotonin concentrations and function, possibly preventing and ameliorating some of the symptoms associated with these disorders without side effects.

Story Source:

The above story is based on materials provided by UCSF Benioff Children's Hospital Oakland. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Rhonda P. Patrick And Bruce N. Ames. Vitamin D and the omega-3 fatty acids control serotonin synthesis and action, part 2: relevance for ADHD, bipolar, schizophrenia, and impulsive behavior. FASEB Journal, February 2015 DOI:10.1096/fj.14-268342

Cite This Page:

UCSF Benioff Children's Hospital Oakland. "Omega-3 fatty acids, vitamin D may control brain serotonin, affecting behavior and psychiatric disorders." ScienceDaily. ScienceDaily, 25 February 2015. <>.

Meditation can reduce chronic neck pain, study shows

Date: February 25, 2015

Source: American Pain Society

Meditation might be an effective treatment for reducing chronic neck pain, according to research. Chronic neck pain can lead to serious comorbidities like depression. Patients with chronic neck pain frequently experience distress. Meditation has been increasingly used as a supportive treatment for individuals with chronic pain.

Meditation might be an effective treatment for reducing chronic neck pain, according to research reported in The Journal of Pain.

Chronic neck pain can lead to serious comorbidities like depression. Patients with chronic neck pain frequently experience distress. Meditation has been increasingly used as a supportive treatment for individuals with chronic pain.

Previous research has shown that chronic pain is associated with distress and that meditation has stress relieving benefits. German researchers compared the effects of meditation on pain, perceived stress and psychological well being. They hypothesized that an eight-week meditation program will decrease pain more effectively than a standardized exercise program and that pain relief will coincide with stress reduction.

For the study, 89 patients with chronic neck pain who showed increased perceived stress were randomized into meditation and exercise program groups. Outcomes were assessed at baseline and after eight weeks.

Results showed that meditation training significantly reduced pain when compared to the exercise group and pain-related "bothersomeness" decreased more in the meditation group as well. No significant differences between meditation and exercise were found for pain during movement, pain disability, psychological scores and quality of life, which is consistent with the known benefits of exercise on pain-related outcomes. The authors concluded that meditation has unique benefits for producing pain relief and for pain coping.

Story Source:

The above story is based on materials provided by American Pain Society. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Michael Jeitler, Stefan Brunnhuber, Larissa Meier, Rainer Lüdtke, Arndt Büssing, Christian Kessler, Andreas Michalsen. Effectiveness of Jyoti Meditation for Patients With Chronic Neck Pain and Psychological Distress—A Randomized Controlled Clinical Trial. The Journal of Pain, 2015; 16 (1): 77 DOI: 10.1016/j.jpain.2014.10.009

Cite This Page:

American Pain Society. "Meditation can reduce chronic neck pain, study shows." ScienceDaily. ScienceDaily, 25 February 2015. <>.

Breakfast habits affect teens' metabolic responses to protein-packed morning meals

Date: February 25, 2015

Source: University of Missouri-Columbia

A researcher compared young women who habitually skip breakfast to those who routinely eat breakfast and found that their metabolic responses to eating a high-protein breakfast were different. Specifically, the habitual breakfast skippers experienced poorer glucose control throughout the day when they consumed a high-protein breakfast, whereas those who typically ate a high-carbohydrate breakfast had improved glucose control after they ate a high-protein breakfast.
Study participants ate a high-protein breakfast wrap with lean beef and eggs. The meal contained 32 grams of protein.
Credit: Image courtesy of University of Missouri-Columbia

Breakfast habits may play a role in how individuals metabolize high-protein breakfasts, according to a recently published University of Missouri study. An MU researcher compared young women who habitually skip breakfast to those who routinely eat breakfast and found that their metabolic responses to eating a high-protein breakfast were different. Specifically, the habitual breakfast skippers experienced poorer glucose control throughout the day when they consumed a high-protein breakfast, whereas those who typically ate a high-carbohydrate breakfast had improved glucose control after they ate a high-protein breakfast.

"Current scientific evidence shows that sustained elevations in post-meal glucose is a strong contributor of poor glycemic control and is associated with an increased risk for the development of Type 2 diabetes and cardiovascular complications." said Heather Leidy, an assistant professor in the MU Department of Nutrition and Exercise Physiology. "Because of the potential risk in the long term, identifying dietary strategies that individuals can begin when they are young to reduce post-meal elevations in glucose might prevent the occurrence of Type 2 diabetes and cardiovascular disease."

The researchers studied 35 overweight young women who habitually ate breakfast or habitually skipped breakfast. For the study, the habitual breakfast skippers ate a high-carbohydrate breakfast, a high-protein breakfast or continued to skip breakfast consecutively for three days. The habitual breakfast consumers ate a high-carbohydrate breakfast or a high-protein breakfast consecutively for four days. On the fourth day of each pattern, the researchers measured the subjects' blood glucose, or blood sugar, levels throughout the day.

The researchers found the young women's glucose responses to high-protein versus high-carbohydrate breakfasts were influenced by their typical breakfast habits. For habitual breakfast skippers, eating a high-protein breakfast led to elevated glucose levels throughout the day compared to skipping breakfast, whereas the standard, high-carbohydrate breakfast did not influence these responses. However, among those who routinely ate breakfast, the high-protein breakfasts led to reduced glucose levels throughout the day.

"These findings may indicate an increased inability among habitual breakfast skippers to metabolize a large quantity of protein," Leidy said. "Unfortunately, we don't yet know how long someone who has been skipping breakfast needs to continue eating breakfast to experience benefits. However, our data would suggest that once someone begins to eat breakfast, they should gradually transition to a breakfast with more protein -- or about 30 grams -- to elicit improvements in glycemic control."

Leidy said young women should routinely aim for a 350-calorie breakfast with approximately 30 grams of protein. To meet the recommended 30 grams of protein, Leidy suggests foods such scrambled eggs, breakfast burritos with eggs and lean meats, or Greek yogurt.

The study, "The effect of breakfast type and frequency of consumption on glycemic response in overweight/obese late adolescent girls," was published in the European Journal of Clinical Nutrition.

Story Source:

The above story is based on materials provided by University of Missouri-Columbia.Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
A Y Alwattar, J P Thyfault, H J Leidy. The effect of breakfast type and frequency of consumption on glycemic response in overweight/obese late adolescent girls. European Journal of Clinical Nutrition, 2015; DOI:10.1038/ejcn.2015.12

Cite This Page:

University of Missouri-Columbia. "Breakfast habits affect teens' metabolic responses to protein-packed morning meals." ScienceDaily. ScienceDaily, 25 February 2015. <>.

Widely used food additives promotes colitis, obesity and metabolic syndrome, shows study of emulsifiers

Date: February 25, 2015

Source: Georgia State University

Emulsifiers, which are added to most processed foods to aid texture and extend shelf life, can alter the gut microbiota composition and localization to induce intestinal inflammation that promotes the development of inflammatory bowel disease and metabolic syndrome, new research shows.
This photo shows bacteria that are present deeper in the mucus layer that lines the intestine and closer to the epithelium than they should be.
Credit: Dr. Benoit Chassaing

Emulsifiers, which are added to most processed foods to aid texture and extend shelf life, can alter the gut microbiota composition and localization to induce intestinal inflammation that promotes the development of inflammatory bowel disease and metabolic syndrome, new research shows.

The research, published Feb. 25 in Nature, was led by Georgia State University Institute for Biomedical Sciences' researchers Drs. Benoit Chassaing and Andrew T. Gewirtz, and included contributions from Emory University, Cornell University and Bar-Ilan University in Israel.

Inflammatory bowel disease (IBD), which includes Crohn's disease and ulcerative colitis, afflicts millions of people and is often severe and debilitating. Metabolic syndrome is a group of very common obesity-related disorders that can lead to type-2 diabetes, cardiovascular and/or liver diseases. Incidence of IBD and metabolic syndrome has been markedly increasing since the mid-20th century.

The term "gut microbiota" refers to the diverse population of 100 trillion bacteria that inhabit the intestinal tract. Gut microbiota are disturbed in IBD and metabolic syndrome. Chassaing and Gewirtz's findings suggest emulsifiers might be partially responsible for this disturbance and the increased incidence of these diseases.

"A key feature of these modern plagues is alteration of the gut microbiota in a manner that promotes inflammation," says Gewirtz.

"The dramatic increase in these diseases has occurred despite consistent human genetics, suggesting a pivotal role for an environmental factor," says Chassaing. "Food interacts intimately with the microbiota so we considered what modern additions to the food supply might possibly make gut bacteria more pro-inflammatory."

Addition of emulsifiers to food seemed to fit the time frame and had been shown to promote bacterial translocation across epithelial cells. Chassaing and Gewirtz hypothesized that emulsifiers might affect the gut microbiota to promote these inflammatory diseases and designed experiments in mice to test this possibility.

The team fed mice two very commonly used emulsifiers, polysorbate 80 and carboxymethylcellulsose, at doses seeking to model the broad consumption of the numerous emulsifiers that are incorporated into almost all processed foods. They observed that emulsifier consumption changed the species composition of the gut microbiota and did so in a manner that made it more pro-inflammatory. The altered microbiota had enhanced capacity to digest and infiltrate the dense mucus layer that lines the intestine, which is normally, largely devoid of bacteria. Alterations in bacterial species resulted in bacteria expressing more flagellin and lipopolysaccharide, which can activate pro-inflammatory gene expression by the immune system.

Such changes in bacteria triggered chronic colitis in mice genetically prone to this disorder, due to abnormal immune systems. In contrast, in mice with normal immune systems, emulsifiers induced low-grade or mild intestinal inflammation and metabolic syndrome, characterized by increased levels of food consumption, obesity, hyperglycemia and insulin resistance.

The effects of emulsifier consumption were eliminated in germ-free mice, which lack a microbiota. Transplant of microbiota from emulsifiers-treated mice to germ-free mice was sufficient to transfer some parameters of low-grade inflammation and metabolic syndrome, indicating a central role for the microbiota in mediating the adverse effect of emulsifiers.

The team is now testing additional emulsifiers and designing experiments to investigate how emulsifiers affect humans. If similar results are obtained, it would indicate a role for this class of food additive in driving the epidemic of obesity, its inter-related consequences and a range of diseases associated with chronic gut inflammation.

While detailed mechanisms underlying the effect of emulsifiers on metabolism remain under study, the team points out that avoiding excess food consumption is of paramount importance.

"We do not disagree with the commonly held assumption that over-eating is a central cause of obesity and metabolic syndrome," Gewirtz says. "Rather, our findings reinforce the concept suggested by earlier work that low-grade inflammation resulting from an altered microbiota can be an underlying cause of excess eating."

The team notes that the results of their study suggest that current means of testing and approving food additives may not be adequate to prevent use of chemicals that promote diseases driven by low-grade inflammation and/or which will cause disease primarily in susceptible hosts.

This study was funded by the National Institutes of Health and Crohn's & Colitis Foundation of America.

Story Source:

The above story is based on materials provided by Georgia State University. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Benoit Chassaing, Omry Koren, Julia K. Goodrich, Angela C. Poole, Shanthi Srinivasan, Ruth E. Ley, Andrew T. Gewirtz. Dietary emulsifiers impact the mouse gut microbiota promoting colitis and metabolic syndrome. Nature, 2015; DOI: 10.1038/nature14232

Cite This Page:

Georgia State University. "Widely used food additives promotes colitis, obesity and metabolic syndrome, shows study of emulsifiers." ScienceDaily. ScienceDaily, 25 February 2015. <>.

Asian Herb Holds Promise as Treatment for Ebola Virus Disease

Date: February 26, 2015

Source: Texas Biomedical Research Institute

New research focuses on the mechanism by which Ebola virus infects a cell and the discovery of a promising drug therapy candidate. A small molecule called Tetrandrine derived from an Asian herb has shown to be a potent small molecule inhibiting infection of human white blood cells in vitro or petri dish experiments and prevented Ebola virus disease in mice.
Blood sample. (stock image)
Credit: © ChiccoDodiFC / Fotolia

New research that focuses on the mechanism by which Ebola virus infects a cell and the discovery of a promising drug therapy candidate is being published February 27, 2015, in the journal Science. Dr. Robert Davey, scientist and Ewing Halsell Scholar in the Department of Immunology and Virology at Texas Biomedical Research Institute announced today that a small molecule called Tetrandrine derived from an Asian herb has shown to be a potent small molecule inhibiting infection of human white blood cells in vitro or petri dish experiments and prevented Ebola virus disease in mice.

The latest outbreak of Ebola virus disease has caused the death of more than 9,400 people worldwide and created an international crisis that has shown few signs of stopping, continuing to infect thousands in West Africa. Ebola virus causes hemorrhagic fever in humans and currently has no approved therapy or vaccine. Scientists at Texas Biomed have been working in the Institute's Biosafety Level 4 containment laboratory for more than 10 years to find a vaccine, therapies and detection methods for the virus.

Davey and his team have been working for more than five years on identifying and finding therapy targets for Ebola virus disease. Davey's research has focused on stopping the virus before it has a chance to enter or interact with cellular factors, as that is a critical first step to combating infection.

Ebola virus begins its entry into a cell by first binding to several types of cell surface proteins. Then the virus is taken into the cell and follows an endosomal route, or membrane-bound route that transports the virus to various cell compartments.

From previous studies, Davey said that during this endosomal process, he knew that calcium signaling in cells, which allow cells to transmit electrical charges to one another, controls many of the processes in the cell and was important for Ebola virus infection.

"We were not able, however, to pinpoint the mechanisms involved in this process," Davey explained. "With this research, we discovered that two pore channels (TPCs) are the key calcium sensor involved in Ebola virus infection. These TPCs essentially needed to be turned on in order for the virus to function properly."

Two pore channels are unusual calcium channels found in endosomes that control the way endosomes move through cells and the environment of the cells. Davey compared TPCs to traffic cops and air conditioners, helping direct the endosomes and any virus it might be carrying through the cell and making the endosomes and its passengers more comfortable along the way.

Davey and his team were able to show the critical role of two pore channels in Ebola virus infection, which has not previously been shown in any other virus.

In addition to identifying this critical mechanism to infection, Davey's team also showed that drugs targeting this interaction show some efficacy as potential treatments against Ebola virus disease.

In the study, Davey's team determined that existing drugs currently used to treat high blood pressure have an ability to turn this key calcium sensor on and off. Working with a group in Munich, Germany and Southwest Research Institute, the team tested several small molecules to see which was most effective at turning the sensors off thus prohibiting Ebola virus from moving any further through the cell.

The team found Tetrandrine protected mice from disease without obvious side effects and was the best candidate for further animal testing, because it was the most potent compound tested, gave little evidence of cytotoxicity and required a smaller dose to be effective and tolerated.

"When we tested in mice, the drugs stopped virus replication and saved most of them from disease," Davey said. Essentially, this drug shows an ability to stop the virus before it has a chance interact with cellular factors, thus stopping the virus from continuing its infection process.

"We are very excited about the progress made in this study and the momentum it provides as scientists across the world vigorously search for effective vaccines and treatments against Ebola virus," Davey said. "We are cautiously optimistic. The next step in the process is to test both safety and effectiveness of the interaction of the drug with Ebola virus in non-human primates."

Story Source:

The above story is based on materials provided by Texas Biomedical Research Institute. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Yasuteru Sakurai, Andrey A. Kolokoltsov, Cheng-Chang Chen, Michael W. Tidwell, William E. Bauta, Norbert Klugbauer, Christian Grimm, Christian Wahl-Schott, Martin Biel, Robert A. Davey. Two-pore channels control Ebola virus host cell entry and are drug targets for disease treatment. Science, 2015 DOI:10.1126/science.1258758

Cite This Page:

Texas Biomedical Research Institute. "Asian Herb Holds Promise as Treatment for Ebola Virus Disease." ScienceDaily. ScienceDaily, 26 February 2015. <>.

Can coffee reduce your risk of multiple sclerosis (MS)?

Date: February 26, 2015

Source: American Academy of Neurology (AAN)

Drinking coffee may be associated with a lower risk of developing multiple sclerosis (MS), according to a new study.

Drinking coffee may be associated with a lower risk of developing multiple sclerosis (MS), according to a study released today that will be presented at the American Academy of Neurology's 67th Annual Meeting in Washington, DC, April 18 to 25, 2015.

"Caffeine intake has been associated with a reduced risk of Parkinson's and Alzheimer's diseases, and our study shows that coffee intake may also protect against MS, supporting the idea that the drug may have protective effects for the brain," said study author Ellen Mowry, MD, MCR, with Johns Hopkins University School of Medicine in Baltimore and a member of the American Academy of Neurology.

For the study, researchers looked at a Swedish study of 1,629 people with MS and 2,807 healthy people, and a U.S. study of 1,159 people with MS and 1,172 healthy people. The studies characterized coffee consumption among persons with MS one and five years before MS symptoms began (as well as 10 years before MS symptoms began in the Swedish study) and compared it to coffee consumption of people who did not have MS at similar time periods. The study also accounted for other factors such as age, sex, smoking, body mass index, and sun exposure habits.

The Swedish study found that compared to people who drank at least six cups of coffee per day during the year before symptoms appeared, those who did not drink coffee had about a one and a half times increased risk of developing MS. Drinking large amounts of coffee five or 10 years before symptoms started was similarly protective.

In the US study, people who didn't drink coffee were also about one and a half times more likely to develop the disease than those who drank four or more cups of coffee per day in the year before symptoms started to develop the disease.

"Caffeine should be studied for its impact on relapses and long-term disability in MS as well," said Mowry.

The study was supported by the Swedish Medical Research Council, the Swedish Research Council for Health, Working Life and Welfare, the Knut and Alice Wallenberg, AFA, and Swedish Brain Foundations, the Swedish Association for Persons with Neurological Disabilities and the U.S. National Institute of Neurological Disorders and Stroke, the National Institute of Environmental Health Sciences and the National Institute on Aging.

Story Source:

The above story is based on materials provided by American Academy of Neurology (AAN). Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:

American Academy of Neurology (AAN). "Can coffee reduce your risk of MS?." ScienceDaily. ScienceDaily, 26 February 2015. <>.

Boa notícia para quem bebe etanol: ginsenosídeos!

Lesões no fígado causadas pelo consumo de etanol estão entre as principais causas de morte no mundo. O álcool pode levar à hepatite, necrose, fibrose progressiva, e carcinomas hepatocelulares.
Seguindo costumes da medicina chinesa, químicos estudaram extratos da planta Panax notoginseng, um parente do ginseng. Os resultados mostraram que muitos dos danos no fígado de alcoolistas foram completamente revertidos.
A planta é rica em saponinas — os triterpenos como notoginsenosídeos e ginsenosídeos. O artigo mostra que estas moléculas protegem contra o stress oxidativo nas células hepáticas e controla a acumulação de lipídeos. Ainda, o extrato da planta diminui drasticamente a formação de citotoxinas hepáticas durante a ingestão de etanol.

Canal Fala Química

Estudo demonstra que consumo de amêndoa baru reduz a concentração de colesterol no sangue

Atualizada em 24/11/14
Publicação da Assessoria de Comunicação da Universidade Federal de Goiás 
ANO VII – Nº 68 – Outubro – 2014

Pesquisadores do Laboratório de Nutrição Experimental realizaram ensaio clínico inédito para analisar o efeito do fruto em seres humanos

Texto: Águita Araújo Fotos: Carlos Siqueira e Divulgação 

A prevenção de doenças cardiovasculares, como a arteriosclerose, agora tem uma nova aliada: a amêndoa de baru. Pesquisadores do Laboratório de Nutrição Experimental (Lanut) da Faculdade de Nutrição (Fanut) da UFG descobriram, por meio de uma pesquisa inédita, que indivíduos com alteração moderada nos níveis de colesterol total (hipercolesterolemia) podem se beneficiar do consumo de baru.

A pesquisa, iniciada em 2013 e desenvolvida como parte de uma dissertação de mestrado da então estudante do Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Saúde, Ana Paula Nunes Bento, foi publicada este ano no Nutrition, Metabolismand Cardiovascular Disease, periódico de referência mundial na área de nutrição e doenças cardiovasculares. Ana Paula Bento desenvolveu o estudo com a orientação da professora Maria Margareth Veloso Naves e coorientação das professoras Mara Reis Silva e Cristiane Cominetti.
Cristiane Cominetti, Ana Paula Nunes Bento e Maria Margareth Veloso Naves, autoras do artigo no periódico Nutrition, Metabolismand Cardiovascular Disease

O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito da inclusão de uma porção diária de amêndoa de baru na alimentação de pessoas moderadamente hipercolesterolêmicas. Foram avaliados o perfil lipídico e o estado oxidativo desses indivíduos. O método utilizado foi o crossover, no qual todos os voluntários da pesquisa são submetidos tanto ao tratamento testado (nesse caso, o baru) quanto ao tratamento com placebo (nesse caso, uma cápsula de amido de milho). Esse método permitiu a observação mais precisa do momento em que houve o processo de redução das concentrações lipídicas dos indivíduos, aumentando a força estatística dos resultados obtidos.

Homens e mulheres com idade entre 21 e 57 anos compuseram o grupo de 20 indivíduos que participaram do estudo. Eles consumiram 20g, que equivale aproximadamente a 15 unidades de amêndoa de baru por dia, durante seis semanas. Ao final da suplementação, foi observada uma redução significativa, comparada ao período que o voluntário consumiu placebo, nas concentrações de colesterol total (-8,1%) e lipoproteínas de baixa densidade associadas ao colesterol, LDL - colesterol (-9,4%). De acordo com Ana Paula Bento, a suplementação da dieta de indivíduos moderadamente hipercolesterolêmicos com amêndoas de baru melhorou o perfil lipídico, isso indica que este alimento pode ser incluído em dietas para reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

As vantagens do baru

A formação de placas de gordura na parede dos vasos sanguíneos é considerada um dos principais fatores para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como a arteriosclerose. Segundo a nutricionista, Ana Paula Bento, o colesterol e os triglicerídeos compõem a categoria dos lipídios que, em níveis elevados na corrente sanguínea, contribuem mais para a ocorrência dessa doença.

Ela esclarece que o baru atua justamente na redução desses lipídios. Esse efeito é atribuído à composição nutricional do alimento, com destaque para o conteúdo de ácidos graxos mono e poli-insaturados. Além disso, o fruto possui fibras e compostos bioativos, como os polifenóis, que possuem a propriedade de reduzir a absorção de gordura no intestino e atuar como antioxidantes, respectivamente, explica Ana Paula Bento.
A descoberta da suplementação alimentar diária com a castanha relacionada à prevenção de doenças cardiovasculares pode contribuir também para a valorização da vegetação do bioma Cerrado

O efeito do consumo da amêndoa de baru na redução das concentrações de colesterol total e de LDL possui um diferencial em relação a outras oleginosas já pesquisadas. “A maior parte dos estudos feitos com oleaginosas, como castanha-do-pará, amêndoas, macadâmia e nozes, utilizou uma porção de 60g a 100g. No nosso estudo, utilizamos apenas 20g de amêndoa de baru, o que foi suficiente para obtermos um resultado satisfatório, ou seja, a porção utilizada foi de 3 a 5 vezes menor em comparação a outros estudos”, explica a nutricionista.

Essa importante descoberta para a prevenção de doenças cardiodvasculares pode contribuir também para a valorização da vegetação do bioma Cerrado. Ana Paula Nunes explica que a árvore do baru costuma ser abatida para a comercialização da madeira. Uma vez que o fruto se torna um elemento importante para a alimentação, a espectativa da nutricionista é de que a exploração da madeira seja evitada.

Novas questões

Os resultados do estudo realizado por pesquisadores do Lanut estimulam outras investigações, como a relação entre a dose consumida e a resposta no organismo; se o fruto pode beneficiar indivíduos em diferentes fases e condições fisiológicas; o impacto sobre outros tipos de doença e desfechos clínicos, além de estudos com enfoque no impacto do alimento sobre a expressão de genes e a influência da genética no efeito do alimento no organismo.

Segundo a professora Maria Margareth Veloso Naves, coordenadora do Lanut, análises prévias da composição da película que envolve o fruto, semelhante a do amendoim, porém mais espessa, indicam a presença de altas concentrações de compostos fenólicos, que possuem atividade antioxidante. Ela explica que é importante conduzir outras pesquisas para esclarecer os tipos de compostos fenólicos existentes na película do fruto e quais benefícios podem trazer para a saúde das pessoas.
Pesquisas da Fanut sobre o fruto

Há sete anos, o grupo de pesquisa da professora Maria Margareth vem desenvolvendo estudos para identificar os benefícios do baru para a alimentação. Ao longo deste tempo, os pesquisadores já realizaram atividades como o levantamento completo dos componentes do fruto, como macronutrientes, composição mineral, perfil de ácidos graxos, qualidade proteica, compostos bioativos e capacidade antioxidante de frutos coletados em diferentes regiões do Cerrado. Em decorrência desses estudos, o grupo já publicou vários artigos em revistas de impacto internacional.

Além dos estudos de caracterização química e nutricional, ensaios com modelos animais foram realizados para investigar o efeito do baru no perfil lipídico no sangue, tendo sido obtidos resultados positivos, o que motivou o estudo em seres humanos. De acordo com a professora Maria Margareth, o Lanut contribuiu fundamentalmente para a identificação e análise do potencial do fruto para consumo humano, em termos de qualidade proteica e lipídica, tendo em vista que constitui um laboratório próprio para experimentação com animais, com o objetivo de investigar o efeito dos alimentos ou seus componentes na saúde.


Produção agroecológica de pequenas frutas - Programa Rio Grande Rural

Ecoideias - 14/12/2014 - Homeopatia

Unesp em Pauta - 19/12/2014 - Fitovigilância

Artemisia absinthium

Informações do:

Apareceu no Jornal Sol da passada sexta-feira (dia 20 de fevereiro 2015) uma noticia sobre a possibilidade de se utilizar artemisina (constituinte quimico da Artemisia absinthium) para tratamento do cancro. Aqui fica o nosso comentário à noticia.

A artemisinina é uma das substâncias químicas existentes em plantas como a Artemisia. Estas plantas, por exemplo, a Artemisia absinthium são espontâneas em Portugal e TÓXICAS, como é do conhecimento do grande público, e não precisam de vir da CHINA porque são espontâneas em Portugal.

Em 2001, o Professor Proença da Cunha (meu director de serviço na época) e eu escrevemos o livro “Efeitos Tóxicos Provocados por Plantas Espontâneas de Portugal”. Maria da Graça Campos e António Proença da Cunha , Ed. Associação Nacional de Farmácias, Lisboa. 2001 ISBN 1668009/01 (ESGOTADO), aonde alertamos exactamente para esse facto (ver páginas 46 e 47 nesta informação). Fotos retiradas do livro incluídas nesta notícia

A Artemisia já é estudada para a malária faz muito tempo e no estudo que vem referido neste anuncio nada acresce de relevante ao que se sabe. Apenas fica a ideia de que vai vender muito bem, pois promete uma cura rápida e sem falar em nenhum risco.

É preciso relembrar que dos 128 medicamentos para o cancro colocados nos últimos 30 anos no mercado, apenas 20 são de origem totalmente sintética, todos os outro são se ORIGEM NATURAL OU A MOLÉCULA QUÍMICA QUE LHES DEU ORIGEM É NATURAL.
Os que se usam em Portugal são os mesmos que se usam no resto do mundo incluindo na China. Quanto mais grave for a doença mais complexo e agressivo é o tratamento e crucial a monitorização do mesmo, e não devem ser usados produtos, como se refere no final do anúncio, sem que haja aprovação das entidades competentes de que pode ser feita essa terapêutica sem risco. 

Exemplos de medicamentos para o cancro de origem natural:

Vinorelbina é um alcalóide extraído da planta Vinca rosea (Catharanthus roseus L..), o Paclitaxel e outros medicamentos similares são derivados de compostos extraídos do Teixo (Taxus baccata L.) e a Combrestastatina foi estudada e desenvolvida a partir do Combretum caffrum L.. 

Estes são apenas alguns exemplos entre muitos outros. Dada a sua elevada atividade terapêutica não podem ser usados diretamente da planta, pois não é possível controlar a dose que se utiliza e com o elevado risco de toxicidade pode conduzir à morte do doente.

Isto também é referido no vídeo que vem com esta notícia do uso de ferro e artemisina (constituinte químico isolado e não a planta inteira). Aliás o Dr. Len Saputo, que faz este vídeo, refere ao minuto 3 “que, PELO MENOS, EM TEORIA DEVE FUNCIONAR” e ao minuto 4 diz ainda que PODE HAVER PROBLEMAS QUE PODEM ADVIR DA TOXICIDADE DO TRATAMENTO QUE AINDA NÃO FOI TESTADO CIENTIFICAMENTE EM HUMANOS DADO QUE OS RESULTADOS DE QUE FALA SÃO DE ENSAIOS APENAS EM CÉLULAS IN VITRO. 

Assim, os constituintes ativos quer estejam isolados, quer em concentrados (extratos) padronizados para que exerçam a sua atividade causando o menos efeitos secundários, devem ser usados com o máximo de rigor e com o mínimo de interferências. Voltar a usar “produtos naturais” em regime “tentativa erro”, como se fazia no início do século passado, é uma profunda regressão em tudo o que conseguimos validar cientificamente até hoje. 

O uso de Plantas Medicinais está devidamente legislado para salvaguarda de quem as virá a utilizar com fins terapêuticos e o conhecimento científico que para elas existe, permite-nos usá-las com o rigor necessário que ajude no tratamento da doença salvaguardando a pessoa.

Todo e qualquer produto usado para tratar deve ser preparado e administrado segundo a legislação vigente, o que obedece a um rigoroso controlo de qualidade salvaguardando a Saúde Pública. Não se deve tomar, ou induzir alguém a tomar, produtos que saiam destes parâmetros pois, caso contrário, está a servir de cobaia na administração de substâncias que não estão aprovadas com todo o risco que a isso está adjacente, que é o que o Dr. Len Saputo sugere no final do vídeo, e isso é ilegal e pode colocar em risco a saúde dos doentes.

Comunidade em Cena - A Saúde está entre nós (ANAV - Rural)

Ligado em Saúde - Vitaminas e Sais Minerais

Em Família - Agricultura Familiar

Sala de Convidados - Pesquisa Nacional de Saúde e Alimentação

Manual para construção de cisterna

FAO and Post 2015

Biodiversity for food security and nutrition: 30 years of the Commission on Genetic Resources for Food and Agriculture

Chocolate: facts and figures

Ending hunger and malnutrition a top priority for Caribbean region

FAO Director-General speaks at Caribbean Community agriculture ministers’ meeting
A farmer inspecting a maize crop in Haiti.25 February 2015, Nassau - Over the last two decades efforts to combat hunger and malnutrition in the Caribbean have made substantial progress, but these need to be further strengthened, according to FAO Director-General José Graziano da Silva.

Since 1990 the prevalence of undernourishment in the Caribbean fell from 27 to 20 percent, but even now more than 7.5 million people still suffer hunger while obesity is another challenge the region faces, he noted in a statement yesterday to agriculture ministers from the Caribbean Community (CARICOM). They were meeting ahead of this week's CARICOM summit which is also slated to take place in the Bahamas.

"Ensuring food security and nutrition for all needs to be our main goal," Graziano da Silva said, noting how the CARICOM nations are addressing this by bringing together a series of strategies that tackle the "multiple dimensions of food insecurity".

"This is a winning combination, and FAO is proud to play an active part in all these efforts," he said.

At a CARICOM level this is represented by CARICOM's Food and Nutrition Security Action Plan approved in 2011. The FAO Director-General noted that at a national level many of CARICOM's 15 member states are developing national action plans in response to the Zero Hunger Challenge launched by the United Nations Secretary-General.

Tapping agriculture's full potential

Speaking to the ministers, the FAO Director-General stressed how a vibrant agricultural sector helps to drive sustainable and inclusive development in the Caribbean.

"Agriculture creates employment opportunities, especially important for the youth, and is critical to reduce rural poverty. Agriculture can supply the Caribbean tourism industry," he said, adding that local production can help recover and revitalise traditional crops and increase self-sufficiency during times of volatile international food prices and food import bills.

Building resilience against natural hazards

Graziano da Silva noted how the island nations of the Caribbean are particularly vulnerable to extreme natural events such as hurricanes, how these are made more frequent, violent and unpredictable by climate change, and how they threaten agriculture, food security and sustainable development.

In this context, he underscored the importance of disaster risk management, raising preparedness levels, adapting to climate change and building resilience.

FAO's work

FAO's Director-General outlined to the assembled agriculture ministers the main aspects of the organization's three regional initiatives noting how they will provide important support to formal discussions and priority setting that will take place at the next FAO Regional Conference for Latin America and the Caribbean in 2016.

The first of FAO's regional initiatives centres on supporting countries' food and nutrition security efforts through zero hunger and malnutrition programmes; improving food and feed systems to address the food import bill; building resilience, and; strengthening agriculture, food security and nutrition governance and policy.

The second focuses on strengthening family farming, recognizing that in the Caribbean as in many other parts of the developing world, family farmers play a crucial role in increasing local availability of food thus reducing hunger and malnutrition.

FAO's third regional initiative works to improve food and feed systems and is specifically designed for the Caribbean. It aims to boost and add value to local production; recover local products; reduce the dependency on food imports and; a provide employment opportunities, especially for youth, in agriculture and aquaculture.


Sugestões de leitura sobre plantas medicinais do site

Click no link para download


Entidades buscam política de incentivos para manejo florestal comunitário

Representantes da Rede de Manejo Florestal Comunitário e Familiar da Amazônia Brasileira propuseram à ministra do Meio Ambiente nesta terça-feira (24/02) a reativação do programa governamental de incentivo a práticas e técnicas de gestão que permitem explorar a madeira e outros produtos da floresta de forma contínua e não predatória – o chamado manejo florestal.

Além de pedir à ministra Izabella Teixeira a reativação do Programa Federal de Apoio ao Manejo Comunitário, paralisado desde 2012, uma comissão representando 47 entidades que reúnem comunidades extrativistas, cooperativas que trabalham com manejo florestal, ONGs socioambientais e até o Fundo Vale, anunciou a realização nos dias 24 e 25 de março, em Brasília, de um seminário para formulação de políticas e implementação de uma agenda mínima ligada ao tema.

A avaliação de um seminário preliminar articulado em novembro passado pelo Instituto de Educação Internacional do Brasil (IEB) e que resultou na Carta de Brasília, constatou que as florestas comunitárias são alvo de pressão, exploração ilegal e fonte de suprimento do mercado ilegal de madeira na Amazônia.

“Os casos de assassinatos na Amazônia se davam no passado pela disputa pelo acesso a territórios,” explica Manuel Amaral, Coordenador do Escritório paraense do IEB e um dos membros da comissão recebida pela ministra. “Hoje é a disputa pelo uso dos recursos que catalisa o conflito. O que torna a questão do manejo comunitário ainda mais importante.”

Emblematicamente, a filha mais velha do seringueiro e ativista Chico Mendes, assassinado há 26 anos em Xapuri, no Acre, no que viria a ser a primeira Reserva Extrativista do país, estava na comissão recebida pela ministra. Ângela Mendes, diretora do Centro de Trabalhadores da Amazônia, OnG criada pelo pai, ouviu relatos sobre uma comunidade extrativista na Calha Norte, no Pará, que vem realizando os empates criados por Chico Mendes e sofrendo ameaças semelhantes as sofridas pelo pai.

A Reserva Extrativista Chico Mendes em Xapuri é uma das cinco comunidades que integram a Cooperfloresta, uma cooperativa acreana de produtos florestais comunitários. Segundo Simony Hechenberger, engenheira florestal e consultora da cooperativa que funciona desde 2005, a Cooperfloresta trabalha sempre com a produção prevista em anos anteriores. Isto porque a autorização do plano anual de manejo, dada pelo governo federal, chega sempre com pelo menos um ano de atraso.

“As dificuldades são tantas para cumprir as exigências, que a tendência é ir para a ilegalidade. O corte das árvores está previsto no plano de manejo, mas muitos acabam vendendo a madeira por fora”, afirma Hechenberger. Mesmo assim, a renda média chegou a R$ 8 mil em 2014 “e só não ganhou da coleta de castanha por causa do licenciamento”, diz Hechenberger.


“A agenda de fomento florestal está em descompasso com a da regulação. O controle evoluiu muito tentando encurralar e tirar os ilegais do processo, mas isto refletiu no pequeno produtor. Hoje em dia, o pequeno lá na Amazônia precisa ter acesso à internet, certificado digital para acessar o sistema de Controle de Documentos de Origem Florestal (que garante a rastreabilidade da madeira) e, a partir de agosto o Ibama avisou que vai exigir também o Cadastro Ambiental Rural”, explica Carlos Koury, Secretário-Executivo do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesan), OnG que dá suporte a manejo florestal no estado há vários anos.

Para ele, sem condições de fomento, de assistência técnica continuada, de subsídios, o manejo florestal familiar está se tornando inviável. “Em 2009, o manejo florestal de pequena escala respondia por 62% do planos de manejo do estado do Amazonas. Hoje caiu para 50%”, conta. “Ele (o pequeno) não tem o preparo necessário ou financiamento para acessar uma assistência técnica que o ajude a tirar uma nota fiscal, por exemplo. E quem é licenciado, precisa vender para licenciado. Nem sempre há uma serraria licenciada perto do pequeno produtor. Ele precisa vender para fora do estado por exemplo. O aumento do controle não foi acompanhado do aumento de mecanismos de fomento e isto atingiu o manejo florestal familiar em cheio”.

Antes da reunião, o diretor do Grupo de Trabalho Amazônico, João Bosco Campos, falava com esperança em “retomar as agendas paralisadas do manejo florestal comunitário e familiar” e confidenciava: “A expectativa é grande”.

Segundo Amaral, a ministra recebeu bem “a proposta de repactuação da agenda e isso abre espaço para o resgate das ações de fomento que a comunidades da Amazônia precisam para realizar o manejo comunitário”. Mas o otimismo é contido. Joaquim Belo, do Conselho Nacional das Populações Extrativista (CSN) – antigo Conselho Nacional de Seringueiros, resume: “Não é só a questão do manejo, mas a da política florestal que está paralisada há algum tempo. E se está abandonada, é porque não tem sido priorizada.

Publicado no Portal EcoDebate, 26/02/2015

Lideranças indígenas voltam ao Congresso para pedir rejeição da PEC das Terras Indígenas

Índios e ambientalistas lutam pela rejeição da PEC que muda regras de demarcação de terras indígenas. Foto de Lucio Bernardo Jr. – Câmara dos Deputados

Mais de 30 lideranças de povos indígenas e diversas entidades ligadas a eles marcaram presença na manhã desta quarta-feira (25) em mais um ato contra a Proposta de Emenda à Constituição 215/00, chamada de PEC das Terras Indígenas. A PEC transfere do Executivo para o Congresso a decisão final sobre a criação e a modificação de terras indígenas, quilombolas e áreas de proteção ambiental. O encontro foi promovido pela Frente Parlamentar Ambientalista.

Coordenador da frente, o deputado Sarney Filho (PV-MA) considera decisivo, neste momento, reunir todo o apoio possível de deputados e de representantes de organizações ambientalistas e indigenistas contrários à PEC 215/00. “Se essa emenda passar é para acabar com todo o processo de criação, ampliação e possivelmente começar o de extinção das reservas indígenas”, alertou Sarney Filho, em referência ao fato de que a bancada ruralista na Câmara, que está maior na atual legislatura, passaria interferir diretamente no processo demarcatório.

Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados
Sarney Filho quer reunir apoio contra a proposta

Para o deputado, a ideia de transferir a palavra final para o Congresso Nacional é uma manobra de segmentos radicais do ruralismo brasileiro, que querem plantar e minerar nas terras dos índios.

Coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Sônia Guajajara, também entende que esse é o momento de buscar apoio para impedir retrocessos nos direitos constitucionais dos índios. “Em 2014 estivemos aqui [em Brasília] quase todos os meses fazendo o devido embate com os ruralistas”, disse Guajajara. “E nós não podemos sossegar enquanto não enterrarmos definitivamente essa PEC.”

Falta d’água

Guajajara lembrou o problema da atual crise hídrica, que afeta principalmente estados do Sudeste, e destacou a importância dos territórios indígenas no processo de preservação de reservas e de mananciais de água. “De que adianta viver em uma mansão em São Paulo e só ter água salgada para beber”, questionou. “Lutar pelas terras dos índios é também lutar pela água”, acrescentou.

Segundo o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Flávio Chiarelli, estudos do governo mostram que hoje os territórios indígenas se encontram mais preservados do ponto de vista ambiental do que as próprias unidades de preservação. “Ou seja, os índios cumprem um papel fundamental na conservação do meio ambiente e sem receber nada por isso”, disse Chiarelli, ao defender por que o processo de demarcação tem que ser técnico e não político.


O presidente da Funai chamou atenção ainda para a violência sofrida por índios que participaram de manifestações contra a PEC 215/00 no ano passado, ressaltando que 5 deles acabaram presos. Para Chiarelli, a PEC retira direitos assegurados aos índios pela Constituição de 1988 e poderá ser questionada futuramente no Supremo Tribunal Federal (STF).

Cléber Busato, que representou o Conselho Missionário Indigenista (Cimi), destacou pontos preocupantes do substitutivo apresentado no ano passado pelo então relator da PEC 215/00 na comissão especial, o ex-deputado Osmar Serraglio. “O principal deles é o que passa a exigir que a demarcação seja feita por projeto de lei de iniciativa da Presidente da República, sendo posteriormente aprovado pelo Congresso, ou seja, submetendo o processo de demarcação aos interesses direitos do agronegócio e de mineradoras”, disse Busato.

No começo de fevereiro, em reunião com lideranças indígenas, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, garantiu que vai oferecer “todas as condições de diálogo” para que as lideranças indígenas sejam ouvidas.
Reportagem – Murilo Souza
Edição – Natalia Doederlein

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Publicado no Portal EcoDebate, 26/02/2015

Estudo mostra por que exercício é benéfico na insuficiência cardíaca

Em novo artigo, grupo do Incor elucida como a reabilitação cardíaca modula determinados receptores no tecido muscular e promove redução na atividade nervosa simpática (foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Em portadores de insuficiência cardíaca, qualquer atividade simples do cotidiano, como subir escadas, fazer compras ou tomar banho, pode causar taquicardia, fadiga e dificuldade para respirar.

Tal intolerância ao esforço, segundo dados da literatura científica, está relacionada com uma hiperatividade do sistema nervoso simpático – parte do sistema nervoso autônomo responsável por controlar, entre outros fatores, os batimentos cardíacos, pressão arterial e a contração e o relaxamento de vasos sanguíneos.

Os mecanismos moleculares por trás da hiperatividade simpática e os efeitos benéficos do treinamento físico na modulação desse sistema foram investigados durante o doutorado de Lígia M. Antunes-Corrêa, realizado no Instituto do Coração da Universidade de São Paulo (Incor-USP) no âmbito do Projeto Temático “Bases celulares e funcionais do exercício físico na doença cardiovascular”, coordenado pelo professor Carlos Eduardo Negrão, que também é membro da Coordenação Adjunta de Ciências da Vida da FAPESP.

Os resultados foram divulgados recentemente em artigo publicado no ( Journal of Physiology – Heart and Circulatory Physiology.

“Existem dois tipos de receptores no tecido muscular: o metaborreceptor e o mecanorreceptor. Quando eles são estimulados, a atividade simpática aumenta. Mas em pacientes com insuficiência cardíaca esse aumento é exagerado, o que parece estar relacionado com uma hiperatividade dos mecanorreceptores, e isso faz com que os pacientes se cansem mais facilmente. Queríamos entender melhor por que isso ocorre”, explicou Antunes-Corrêa.

Como a própria nomenclatura sugere, o mecanorreceptor é uma espécie de sensor mecânico, ativado pela simples contração e relaxamento muscular. Já o metaborreceptor é um sensor químico, ativado pelos metabólitos produzidos em resposta à contração do músculo.

Em pessoas saudáveis, a ativação desses receptores durante a realização de exercícios físicos tem a função de aumentar a atividade do sistema cardiovascular e respiratório e garantir o aporte adequado de sangue e oxigênio para as células.

“Mas estudos anteriores mostraram que, como a musculatura dos portadores de insuficiência cardíaca sofre uma série de alterações metabólicas em razão da redução no fluxo sanguíneo e da hiperatividade simpática, o metaborreceptor fica em contato constante com uma série de metabólitos produzidos em excesso, mesmo durante atividade leves do dia a dia, e acaba perdendo sua sensibilidade. Como forma de compensação, o receptor mecânico fica hiperativado”, contou Antunes-Corrêa.

Por meio de uma biópsia do músculo vasto lateral da coxa de pacientes com insuficiência cardíaca, o grupo do Incor observou que a perda de sensibilidade do metaborreceptor estava associada a uma redução na expressão de outros dois receptores em seu entorno: o TRVP1 e o CB1.

Já a hiperatividade do mecanorreceptor foi relacionada com o aumento da inflamação muscular mediada pela enzima ciclooxigenase-2 (COX2).

“Essa enzima participa da produção de prostaciclinas, prostaglandinas e tromboxano – moléculas que podem modular a sensibilidade dos mecanorreceptores”, explicou Antunes-Corrêa.

Reabilitação cardíaca

Para descobrir o que ocorre com esses receptores quando o portador de insuficiência cardíaca é submetido a um protocolo de treinamento físico aeróbico moderado, foi realizado um estudo com 34 pacientes atendidos no Incor.

Os voluntários, que já estavam com o tratamento medicamentoso otimizado, foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Metade fez apenas o acompanhamento clínico convencional e os demais foram submetidos a três sessões semanais de bicicleta ergométrica e exercícios localizados durante quatro meses.

Além da biópsia muscular, uma série de exames foi realizada antes e depois do período de treinamento para avaliar função cardíaca, desempenho cardiopulmonar e atividade nervosa simpática.

No grupo de pacientes que passou pelo programa de treinamento físico, a atividade simpática durante a estimulação dos mecanorreceptores (por meio de contração muscular durante prática de exercícios passivos) ficou cerca de 10% menor.

A queda foi acompanhada por uma redução de 50% na expressão de COX2, ou seja, houve melhora do quadro inflamatório no músculo.

A biópsia muscular do grupo treinado também mostrou aumento na expressão dos receptores TRVP1 e CB1, o que sugere a recuperação da sensibilidade do metaborreceptor.

“A melhora desse balanço entre o mecanorreceptor e o metaborreceptor contribui para a diminuição da atividade simpática tanto durante o repouso como durante a realização das atividades do dia a dia. Isso está associado a uma melhora do prognóstico do paciente, pois diminui as arritmias cardíacas e a vasoconstrição periférica”, afirmou a pesquisadora.

O trabalho conduzido por Antunes-Corrêa dá continuidade a uma longa linha de pesquisa coordenada por Negrão no Incor. Em um trabalho de 2001 também publicado no American Journal of Physiology – Heart and Circulatory Physiology, os pesquisadores mostraram, pela primeira vez, que a atividade simpática estava alterada em portadores de insuficiência cardíaca durante a estimulação de mecanorreceptores e metaborreceptores. Outro estudo do grupo também apontou que, quanto maior era a hiperatividade, pior era o prognóstico do paciente com insuficiência cardíaca.

Em um trabalho divulgado em 2003 no Journal of the American College of Cardiology, o grupo mostrou que o treinamento físico diminuiu significativamente a atividade nervosa simpática.

“Agora avançamos no entendimento de como o exercício modula a ação desses receptores. O grande diferencial da pesquisa é o aspecto translacional, ou seja, a associação entre os achados moleculares e o estado clínico do paciente”, comentou Antunes-Corrêa.

O trabalho também contou com a colaboração da pesquisadora Holly Middlekauff, da Escola de Medicina da University of California, Los Angeles (UCLA), autora de uma série de artigos que revelaram a sensibilidade aumentada dos mecanorreceptores em pacientes com insuficiência cardíaca e a relação com a via da COX2.

Por Karina Toledo, da Agência FAPESP.

Publicado no Portal EcoDebate, 26/02/2015

UE dá primeiro (e curto) passo no Protocolo de Paris, que deverá substituir o Protocolo de Quioto

Bloco se adianta ao propor oficialmente corte de “pelo menos 40%” de suas emissões de gases estufa até 2030 em relação a 1990

A União Europeia (UE) deu a largada rumo ao acordo do clima de Paris nesta quarta-feira (25/02), ao tornar-se o primeiro bloco a colocar na mesa sua proposta de redução de gases de efeito estufa para o novo tratado global, a ser implementado em 2020. Umdocumento divulgado pela Comissão Europeia detalha a visão dos 27 países sobre o novo regime climático e diz o que os europeus estão dispostos a fazer.

A chamada Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida (INDC) da UE chega um mês antes do prazo informal dado pelas Nações Unidas para os países desenvolvidos apresentarem seus números. Traz também um avanço ao propor que o novo acordo, que os europeus já estão chamando de Protocolo de Paris, tenha força de lei internacional. Porém, ainda faz pouco para colocar o mundo na trajetória segura de limitar o aquecimento global no fim deste século a 2 °C, objetivo almejado pelos membros da Convenção do Clima da ONU, com base nas recomendações da ciência.

A INDC europeia propõe reduzir as emissões dos 27 países do bloco “em pelo menos 40%” até 2030 em relação aos níveis de 1990, sem a compra de créditos de carbono de fora. Segundo o documento da Comissão Europeia, isso colocaria a UE numa trajetória “economicamente viável” de cortar 80% de suas emissões até 2050, permitindo uma chance “provável” de ficar dentro do limite de 2 °C.

Na linguagem estatística do IPCC, o painel do clima da ONU, “provável” significa uma chance de pelo menos 66%.

“Os europeus merecem crédito por terem sido os primeiros a fazer o anúncio, mas sua oferta está aquém do que seria sua contribuição justa ao esforço mundial de redução de emissões”, diz Mark Lutes, analista sênior de clima do WWF, uma das organizações integrantes do Observatório do Clima. “Estamos dizendo que o mundo precisa reduzir a zero as emissões de queima de combustíveis fósseis e chegar a 100% de energia renovável até 2050; e a proposta europeia não chega lá.” No entanto, ressalta Luttes, os europeus deixaram a porta aberta para revisões periódicas dos compromissos a partir de 2020, algo que o Brasil tem defendido nas negociações.

“Esperamos que a UE ainda possa aumentar sua contribuição à luz do que a ciência diz que é necessário fazer para evitar o caos climático”, diz o secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl. “Da mesma forma, esperamos que o Brasil não fique dependendo disso para colocar na mesa um compromisso de redução de emissões ambicioso e proporcional a sua responsabilidade. Para o Brasil, fazer a coisa certa no clima representa oportunidade de recolocar a economia nos eixos, e nós não podemos deixar essa oportunidade passar só porque outros países estão fazendo menos do que deveriam.”

“O Brasil é um dos países com mais oportunidades para redução de emissões e tem tudo para assumir um papel de protagonismo, estimulando os outros países a aumentarem a ambição do novo acordo global”, afirma o gerente de estratégias da conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e coordenador-geral do Observatório do Clima, André Ferretti.

Colaboração de Maria Luiza Campos, para o Portal EcoDebate, 26/02/2015

25 mil obras de arte para você imprimir e decorar

Dica do:

Se você gostaria de ter um quadro de um pintor famoso em sua sala de estar, a dica são as 25 mil obras de arte em alta resolução para download gratuitodisponibilizadas pela National Gallery of Art (Galeria de Arte Nacional) que fica em Washington, nos Estados Unidos.

Para pesquisar, procure por categorias, nome do autor ou título da obra. Para baixar, escolha a imagem desejada e clique na seta. A resolução das imagens chega até 3000 mil pixels.

Caso o site National Gallery of Art demonstre instabilidade por conta do alto acesso, aguarde alguns segundos e tente novamente.

Até logo!

Fonte: Catraca Livre

Pesquisa produz géis ginecológicos a partir da manteiga do murumuru

Link do artigo:

O objetivo é desenvolver um produto que permaneça mais tempo no local de ação com menos aplicações

É comum entre as mulheres em idade reprodutiva a alta incidência de inflamações e infecções de cunho ginecológico. Na região Amazônica, esse índice é ainda maior por causa do clima quente e úmido, que favorece a proliferação de doenças. Pensando nisso, a professora Kariane Nunes, do Instituto de Saúde Coletiva (Isco) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), resolveu desenvolver um gel voltado para medicamentos mais eficaz no tratamento de vaginites e vaginoses, utilizando um sistema de liberação controlada feito com a cera do murumuru, que permanece mais tempo no organismo.

“A tecnologia farmacêutica aliada à pesquisa pode corroborar com o desenvolvimento de um sistema de liberação novo, mais arrojado, que consiga permanecer no local de ação por mais tempo, diminuindo a frequência de utilização de cremes”, explica a professora. Os cremes tradicionais vendidos atualmente são rapidamente degradados pelo fluxo vaginal, que é bastante intenso. Por isso, a mulher precisa aplicá-los todos os dias, o que é incômodo e faz com que muitas desistam no meio do tratamento.

Segundo Kariane, os fármacos nunca são consumidos em sua forma original porque são muito potentes e podem aumentar o risco de reações adversas. Por isso, é necessário desenvolver formas farmacêuticas que não sejam tão agressivas ao corpo. No projeto desenvolvido em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA) e a Universidade de São Paulo – Ribeirão Preto (USP Ribeirão Preto), o objetivo é desenvolver géis líquidos cristalinos que consigam acomodar o fármaco e liberá-lo gradativamente no organismo.

“No mercado, existem lipídeos autoemulsionantes que, na presença de água, se transformam em cristais líquidos. É possível adquirir essas gorduras por um preço um pouco alto. Durante as pesquisas que fiz no pós-doutoramento, descobri que temos uma matéria-prima na Amazônia, especificamente no Pará, que tem propriedades idênticas a esses lipídios”, explica Kariane.

A manteiga do murumuru (Astrocaryum murumuru) funciona como um emoliente natural, que atua na retenção da umidade da pele e contribui na hidratação e recuperação de sua elasticidade natural. Já é utilizada pela indústria cosmética, mas, até então, não havia nenhum estudo voltado para a produção de medicamentos. Trata-se de uma matéria-prima barata, feita a partir do caroço da fruta, e atóxica, que não causa nenhum tipo de irritação nas mucosas.

No momento, o sistema de liberação controlada feito com o murumuru está sendo submetido a análises físico-químicas. Se for bem-sucedido, passará por outras avaliações para ser produzido comercialmente. Após essa fase, a ideia é estabelecer parcerias com as comunidades locais para a criação de uma cadeia produtiva que siga da planta aos medicamentos na região. “Não só a instituição será beneficiada, mas também aquela comunidade que está plantando a matéria-prima. Isso nos torna, de fato, um país que um dia pode pensar em desenvolvimento tecnológico, que saia daquela escala de produtor de commodities. Vamos produzir a matéria-prima e também o produto acabado”, conclui Kariane.

Como vai funcionar o gel ginecológico

- Ao invés de ser usado de sete a dez dias seguidos, como ocorre com os cremes tradicionais, a ideia é que o gel seja aplicado apenas duas ou três vezes;

- Uma vez no canal vaginal, o gel entrará em contato com a água presente no fluido vaginal e se transformará em um cristal líquido biodegradável;

- O gel permanecerá mais tempo no canal vaginal, liberando aos poucos o fármaco que irá tratar a doença;

- A terapia será mais eficaz, com menor frequência de uso e reações adversas.

Luena Barros – Comunicação/UFOPA
Gel na forma de cristal líquido observado por microscópio.
Produto será feito a partir de resíduos da planta amazônica. Acima, a Profa. Kariane Nunes. Foto: Luena Barros.