sexta-feira, 17 de julho de 2015

Psychoactive 'bath salt' use among U. S. high school seniors alarmingly high

Date: July 15, 2015

Source: New York University  

33% of students who used bath salts reported using only once or twice; however, frequent use was also common among users with an alarming 18% of users reporting using 40 or more times in the last year.

Recent years have seen an unprecedented growth in number and availability of new synthetic psychoactive drugs in the US and worldwide. In 2014, 101 new psychoactive drugs were identified, worldwide. Such drugs are often sold as "legal" highs or "research chemicals" over the internet or in head shops. Among these new drugs, "bath salts" appear to be one of the more commonly used in the US. "Bath salt" use has been associated with numerous adverse cardiac, psychiatric, neurological, gastrointestinal and pulmonary outcomes. In 2011, the use of bath salts was responsible for over 20,000 emergency room visits in the US and poisonings and deaths related to use have been occurring at large dance festivals. Increases in bizarre behavior linked to use of the "bath salt" known as Flakka (alpha-PVP) has increasingly been appearing in headlines. "Bath salt" use appears to be prevalent, yet, despite this, little is known about the epidemiology of this drug in the US.

See more at:

How opium poppies synthesize morphine

Discovery could lead to development of alternative painkillers

Date: July 13, 2015 

Source: University of Calgary

After years of leading research on the opium poppy scientists have characterized a novel gene that encodes the gateway enzyme in the formation of morphine -- which is to say, they've begun to understand how poppies synthesize the pain killing enzymes. The discovery opens the door to alternative production systems, aside from the plant itself.
From left: Peter Facchini, professor in biological sciences, Jill Hagel, research associate, and Scott Farrow, PhD student. They have characterized a novel gene that encodes the gateway enzyme in the formation of morphine and begun to understand how poppies synthesize the pain killing enzymes.
Credit: Photo by Riley Brandt, University of Calgary

Many people who live in developing countries do not have access to the pain relief that comes from morphine or other analgesics. That's because opiates are primarily derived from the opium poppy plant (Papaver somniferum) and are dependent on the plant health and supply around the world.

After years of leading research on the opium poppy, University of Calgary scientists, Peter Facchini, his PhD student, Scott Farrow, and research associate Jill Hagel, have characterized a novel gene that encodes the gateway enzyme in the formation of morphine -which is to say, they've begun to understand how poppies synthesize the pain killing enzymes. The discovery opens the door to alternative production systems, aside from the plant itself.

Farrow, who is building on the insights Facchini and his team have been gathering over more than 23 years of research into opium poppies, is the lead author of a new paper that describes one of many significant discoveries arising from Facchini's research program.

"The gene we've isolated actually consists of a natural fusion between two ancestral genes, which encodes the gateway enzyme in the formation of morphine," says Farrow. "It's really interesting to see these fused genes in a metabolic pathway. It provides us with a new tool to search for something missing in other plants as well."

The findings were published July 1 in Nature Chemical Biology, and detail the missing step to morphine biosynthesis.

Next steps

Facchini says the isolation of this gene, among many other things, is a key step toward the reassembly of the pathway to morphine in microorganisms such as yeast.

"These efforts could lead to the development of alternative production systems for painkillers such as morphine, codeine and oxycodone," says Facchini, professor of biological sciences in the Faculty of Science and an internationally recognized expert on the opium poppy. "It's satisfying to know that my research has the potential to help people. But finding the last known step is really just the beginning of a new pathway of inquiry," Facchini says.

He likens this discovery to a box of Lego building blocks without a set of instructions -- where the blocks are the genes along the pathway. One of the next steps will be to "write the instruction manual" based on still unknown information about how the genes work, which is crucial to reconstructing the pathway in another organism. "You can certainly snap a few pieces together, but you're not going to build a complex toy without a lot of knowledge and skill."

This work was supported by grants from Genome Canada, Genome Alberta, the Government of Alberta, the Canada Foundation for Innovation and the Natural Sciences and Engineering Research Council of Canada. Farrow also received a scholarship from Alberta Innovates Technology Futures.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University of Calgary. The original item was written by Gloria Visser-Niven. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Scott C Farrow, Jillian M Hagel, Guillaume A W Beaudoin, Darcy C Burns, Peter J Facchini. Stereochemical inversion of (S)-reticuline by a cytochrome P450 fusion in opium poppy. Nature Chemical Biology, 2015; DOI: 10.1038/nchembio.1879

Cite This Page:
University of Calgary. "How opium poppies synthesize morphine: Discovery could lead to development of alternative painkillers." ScienceDaily. ScienceDaily, 13 July 2015. <>.

Better chocolate with microbes: Same yeast used in beer, wine and bread

Date: July 15, 2015

Source: American Society for Microbiology

For decades, researchers have worked to improve cacao fermentation by controlling the microbes involved. Now, to their surprise, a team of Belgian researchers has discovered that the same species of yeast used in production of beer, bread, and wine works particularly well in chocolate fermentation.

For decades, researchers have worked to improve cacao fermentation by controlling the microbes involved. Now, to their surprise, a team of Belgian researchers has discovered that the same species of yeast used in production of beer, bread, and wine works particularly well in chocolate fermentation. The research was published ahead of print July 6th in Applied and Environmental Microbiology, a publication of the American Society for Microbiology.

"Chemical analyses as well as tasting the chocolate showed that the chocolate produced with our best yeasts is much better and more consistent than the chocolate produced through natural fermentation," said Kevin Verstrepen, PhD, professor of genetics and genomics, the University of Leuven, and the Flanders Institute for Biotechnology (VIB), Belgium. "Moreover, different yeasts yielded different chocolate flavors, indicating that it would be possible to create a whole range of specialty chocolates to match everyone's favorite flavor."

After the harvest, cacao beans are collected and placed in large wooden boxes, or even piled on the soil at the farms where they are grown, said Verstrepen. At this point, the beans are surrounded by an unappetizing white, gooey, pulp composed of sugars, proteins, water, pectin, and small amounts of lignin and hemicellulose. Microbes that are present in the farm environment then go to work consuming the pulp through fermentation.

Differences among the microbes at different farms result in differences in flavor and quality of the resulting chocolate, said Verstrepen. "Some microbes produce bad aromas that enter into the beans, giving rise to chocolate with a foul taste, while others do not fully consume the pulp, making the resulting beans difficult to process."

"We were looking to find or develop the best microbes that result in the best chocolate," said Verstrepen. These, he said, could be added immediately at the onset of fermentation, allowing them to outcompete less desirable microbes, enabling consistent production of high quality chocolate.

However, finding strains that could outcompete the undesirables and produce high quality chocolate proved highly challenging. The investigators characterized more than 1,000 strains of Saccharomyces cerevisiae, mostly from the alcoholic beverage industry, but including some from cacao farms. Some of the best performers came from the latter, and others came from the beer, wine, bioethanol, and sake industries, said Verstrepen. A key to success was the ability to tolerate the high temperatures encountered during cocoa fermentation--45°-50° centigrade (107.6°-109.4° Fahrenheit).

The investigators then crossed some of the best strains, to produce hybrids which they found performed even better. "The rationale behind this approach is identical to breeding strategies in agriculture: crossing optimal strains can generate superior offspring," says coauthor Jan Steensels, group leader for industrial research, and Ph.D. student at the Flanders Institute for Biotechnology. Compared to crossing livestock or crop plants, crossing yeasts is technically more challenging, and requires highly accurate microscopy, said Verstrepen.

The investigators then applied these new hybrids to fermenting chocolate on farms, which their industrial partner, Barry-Callebaut used to make chocolate for the taste testing. "In these tests, the (very eager) consumers' panel voted unanimously for chocolate derived from beans fermented by the newly developed yeast strains," said Steensels. Barry-Callebaut now plans commercial production of a range of tailor-made chocolates, using some of the novel yeasts.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by American Society for Microbiology. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Esther Meersman, Jan Steensels, Tinneke Paulus, Nore Struyf, Veerle Saels, Melissa Mathawan, Leen Allegaert, Gino Vrancken, Kevin J. Verstrepen. Application of a breeding strategy to generate robust yeast starter cultures for cocoa pulp fermentations. Applied and Environmental Microbiology, 2015; AEM.00133-15 DOI:10.1128/AEM.00133-15

Cite This Page:
American Society for Microbiology. "Better chocolate with microbes: Same yeast used in beer, wine and bread." ScienceDaily. ScienceDaily, 15 July 2015. <>.

Eating habits most important in weight gain in children

Date: July 16, 2015

Source: The Norwegian University of Science and Technology (NTNU)

Some children gain weight faster than others. What make some children gain weight faster than others? Eating habits seem to have far more to say than physical activity, new research suggests.

Some children gain weight faster than others. Eating habits seem to have far more to say than physical activity, research from the Norwegian University of Science and Technology suggests.

What make some children gain weight faster than others? A new survey attempts to identify factors that can lead to obesity.

Assistant Professor Silje Steinsbekk and Professor Lars Wichstrøm from the Norwegian University of Science and Technology's (NTNU) Department of Psychology are conducting the survey.

"We've examined whether physical activity, television time and appetite traits can explain why some children's body mass index (BMI) increases more than others' do," says Steinsbekk.

Most parents are familiar with the percentile curves on a children's growth chart that doctors use to track healthy rates of growth and weight gain. The child's weight SHOULD increase, and their bodies should round out as they grow. But how can we prevent this growth curve from becoming too steep?

Difference between children and adults

"BMI is a way to measure our spherical shape -- it indicates how round our bodies are," says Steinsbekk.

A healthy baby is chubby and round. At preschool age, most children slim down until they gradually fill out again, especially around puberty.

"In adults, a BMI over 25 is defined as overweight, and a BMI over 30 is defined as obese," says Steinsbekk. When calculating BMI in children, both age and gender are taken into account, since boys and girls develop slightly differently.

Correlation between eating habits and BMI

The researchers found that the way children related to food and eating was crucial. Physical activity and TV viewing, on the other hand, did not explain why the BMI of some children increased more as compared to others.

"Our study shows that BMI increases more in children where food especially triggers their eating behaviour. Their food intake is controlled more by the sight and smell of food, and less by an inner experience of hunger.

The researchers have not investigated the reasons for this, but previous studies have shown that children who respond more enthusiastically to food, and continue to eat even when they are satiated, also actually eat more.

It is therefore plausible that the reason obesity-promoting appetite traits (triggered by food, does not stop even if full) lead to a steeper BMI curve is because these children eat more than others.

Does the child really look forward to mealtimes? Is the child is very concerned about food? Does the child want to have more food, even if they are full? Does the child eat faster than other children? Does the child resort to comfort eating? The researchers asked the parents questions like these for their survey.

This is part of a long-term study -- Tidlig Trygg i Trondheim (TtiT) -- that looks at children's psychological and psychosocial development over several years. The same children are examined every two years, and in this particular study, the researchers dealt with data from when the children were 4, 6 and 8 years old.

Appetite or obesity first?

What comes first, appetite or overweight? Do the child's eating habits explain the differences in BMI, or is it just the opposite, that children's BMI explains their eating habits? Or in another way of asking -- is it the enthusiasm for food that explains the higher BMI, or is it that kids with a high BMI need more energy and thus consume food more eagerly?

The researchers found that it seems to go both ways.

"Our results show that in relative terms, the BMI of children who are particularly triggered by food increases more when compared with others. But we also found the opposite effect: a high BMI leads to children becoming even more triggered by food over time (at around 6 to 8 years old). As they get older, they are even less able to stop eating when they're full," says Steinsbekk.

Don't force children

Why this is, scientists can't answer yet. More studies are needed.

Steinsbekk has worked with children with obesity for many years. She points out that many of these children find it difficult to know when they are full and therefore need their parents' help to regulate their food intake (for example, one serving at dinner). On the other hand, we know that in order to promote the development of normal eating behaviour, it is important for children to decide how much they want to eat. If children are pushed to eat everything on their plates, they may stop relying on their own body's signals, and eat until the parents are happy.

Research results have been published in the Journal of Pediatric Psychology. The researchers are continuing to look at obesity and eating behaviour in children, and more results are expected within a few months.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by The Norwegian University of Science and Technology (NTNU). Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
S. Steinsbekk, L. Wichstrom. Predictors of Change in BMI From the Age of 4 to 8. Journal of Pediatric Psychology, 2015; DOI:10.1093/jpepsy/jsv052

Cite This Page:
The Norwegian University of Science and Technology (NTNU). "Eating habits most important in weight gain in children." ScienceDaily. ScienceDaily, 16 July 2015. <>.

No bones about it: Cannabis may be used to treat fractures

Tel Aviv University researcher finds non-psychotropic compound in marijuana can help heal bone fissures

Date: July 16, 2015

Source: American Friends of Tel Aviv University

A new study explores another promising new medical application for marijuana. According to the research, the administration of the non-psychotropic component significantly helps heal bone fractures.
Credit: © jeremynathan / Fotolia

Cannabis -- marijuana, hashish -- was used as a go-to medical remedy by societies around the world for centuries. But the therapeutic use of marijuana was banned in most countries in the 1930s and '40s due to a growing awareness of the dangers of addiction. The significant medical benefits of marijuana in alleviating symptoms of such diseases as Parkinson's, cancer, and multiple sclerosis have only recently been reinvestigated.

A new study published in the Journal of Bone and Mineral Research by Tel Aviv University and Hebrew University researchers explores another promising new medical application for marijuana. According to the research, the administration of the non-psychotropic component cannabinoid cannabidiol (CBD) significantly helps heal bone fractures. The study, conducted on rats with mid-femoral fractures, found that CBD -- even when isolated from tetrahydrocannabinol (THC), the major psychoactive component of cannabis -- markedly enhanced the healing process of the femora after just eight weeks.

The research was led jointly by Dr. Yankel Gabet of the Bone Research Laboratory at the Department of Anatomy and Anthropology at TAU's Sackler Faculty of Medicine and the late Prof. Itai Bab of Hebrew University's Bone Laboratory.

Undeniable clinical potential

The same team, in earlier research, discovered that cannabinoid receptors within our bodies stimulated bone formation and inhibited bone loss. This paves the way for the future use of cannabinoid drugs to combat osteoporosis and other bone-related diseases.

"The clinical potential of cannabinoid-related compounds is simply undeniable at this point," said Dr. Gabet. "While there is still a lot of work to be done to develop appropriate therapies, it is clear that it is possible to detach a clinical therapy objective from the psychoactivity of cannabis. CBD, the principal agent in our study, is primarily anti-inflammatory and has no psychoactivity."

According to Dr. Gabet, our bodies are equipped with a cannabinoid system, which regulates both vital and non-vital systems. "We only respond to cannabis because we are built with intrinsic compounds and receptors that can also be activated by compounds in the cannabis plant," he said. The researchers found that the skeleton itself is regulated by cannabinoids. Even the addition of a non-psychogenic compound acting outside of the brain can affect the skeleton.

Separating the components out

"We found that CBD alone makes bones stronger during healing, enhancing the maturation of the collagenous matrix, which provides the basis for new mineralization of bone tissue," said Dr. Gabet. "After being treated with CBD, the healed bone will be harder to break in the future."

The researchers injected one group of rats with CBD alone and another with a combination of CBD and THC. After evaluating the administration of THC and CBD together in the rats, they found CBD alone provided the necessary therapeutic stimulus.

"We found CBD alone to be sufficiently effective in enhancing fracture healing," said Dr. Gabet. "Other studies have also shown CBD to be a safe agent, which leads us to believe we should continue this line of study in clinical trials to assess its usefulness in improving human fracture healing."

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by American Friends of Tel Aviv University. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Natalya M Kogan, Eitan Melamed, Elad Wasserman, Bitya Raphael, Aviva Breuer, Kathryn S Stok, Rachel Sondergaard, Ana VVillarreal Escudero, Saja Baraghithy, Malka Attar-Namdar, Silvina Friedlander-Barenboim, Neashan Mathavan, Hanna Isaksson, Raphael Mechoulam, Ralph Müller, Alon Bajayo, Yankel Gabet, Itai Bab. Cannabidiol, a Major Non-Psychotropic Cannabis Constituent Enhances Fracture Healing and Stimulates Lysyl Hydroxylase Activity in Osteoblasts. Journal of Bone and Mineral Research, 2015; DOI: 10.1002/jbmr.2513

Cite This Page:
American Friends of Tel Aviv University. "No bones about it: Cannabis may be used to treat fractures: Tel Aviv University researcher finds non-psychotropic compound in marijuana can help heal bone fissures." ScienceDaily. ScienceDaily, 16 July 2015.


Substâncias de embalagens plásticas elevam risco de diabetes e pressão alta

Fonte: IDEC - Sexta-feira, 17 de Julho de 2015 

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York identificaram duas substâncias presentes em cosméticos, sabonete, filme plástico e embalagens de alimentos processados que aumentam os riscos de pressão alta e desenvolver diabetes em crianças e adolescentes.

Os plastificantes usados para tornar os produtos mais flexíveis DINP (Diisononilftalato) e DIDP (Diisodecilftalato) passaram a ser usados em substituição ao DEHP (Bis(2-etilhexil)ftalato), devido a estudos anteriores mostrarem o mesmo problema apontado na nova pesquisa.

O DEHP foi banido em 2004 da fabricação de materiais plásticos na Europa, e nos Estados Unidos a substituição foi feita de forma voluntária pelos fabricantes.

Para diminuir a contaminação por essas substâncias plastificas, os autores do estudo sugerem medidas simples como não esquentar comida no micro-ondas em potes plásticos e lavá-los na mão ao invés de colocar na máquina de lavar-louça, que segundo eles facilita a liberação das substâncias tóxicas na comida.

Como alternativa ao uso das embalagens plásticas, o estudo aponta o papel manteiga e o papel alumínio, que geralmente não são usados para embalar alimentos industrializados. No comunicado à imprensa o pesquisador também menciona a necessidade de que os testes das substâncias químicas sejam realizados antes que elas passem a ser utilizadas pela indústria.

O estudo foi realizado com análise de amostras de sangue e urina de 356 adolescentes entre 12 e 19 anos, realizado durante a pesquisa nacional de saúde e nutrição. A coleta foi feita entre 2008 e 2012, quando também foram medidas pressão arterial dos voluntários. Dieta, atividade física, sexo, etnia, renda e outros fatores também foram avaliados.


Amazônia pode virar savana em 35 anos, alerta pesquisador

Por Ana Laura Ferreira (Rádio Ufscar)

Durante a 67ª reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que acontece no campus da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), em São Carlos (SP). As discussões sobre meio ambiente tiveram ampla participação na programação do evento. O Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Adalberto Luis Val, neste ano esteve presente no evento com a conferência “O efeito das mudanças climáticas na biota aquática”.

Desde o início da era industrial até hoje, os biomas do mundo todo vem passando por alterações significativas devido principalmente à queima de combustíveis fósseis, o que eleva a quantidade de gás carbônico na atmosfera e, por consequência, aumenta também a temperatura do planeta.

A primeira resposta dos animais a essa situação é migrar para um ambiente mais favorável. Em longo prazo, a estrutura de seus organismos pode passar por mudanças adaptativas. Entretanto, de acordo com o pesquisador, que estuda os peixes da região amazônica, não tem havido tempo hábil para que as espécies mudem, o que ameaça a sobrevivência e a variedade de muitas delas.

Adalberto Luis Val alerta ainda sobre o risco de a Amazônia se tornar uma savana nos próximos 35 anos devido ao avanço do desmatamento e perda de biodiversidade.

Pode ouvir a entrevista no seu player ou fazer o download do arquivo MP3 clicando aqui.

in EcoDebate, 17/07/2015

Dados da CCEE mostram que geração eólica alcançou 2 GW médios em maio

Usinas eólicas elevam produção em 176%

Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE mostram que as usinas eólicas brasileiras, em maio, produziram 176% a mais de energia na comparação com o mesmo período do ano passado. Foram gerados 2,03 GW, enquanto o montante em 2014 foi de 0,73 GW.

A capacidade instalada da fonte no país, em maio, chegou a 6,2 GW. O crescimento é de 78%, em relação ao mesmo período do ano passado, quando a capacidade era de 3,5 GW.

Segundo o boletim InfoMercado mensal, o número de usinas cadastradas na CCEE em maio, com 244 plantas em funcionamento, acompanhou o desenvolvimento da fonte, que tinha 139 instalações que faziam parte da matriz energética brasileira em maio de 2014.

A maior geração eólica por Estado, em maio, foi alcançada no Rio Grande do Norte com o registro de 720 MW médios, montante 152% maior do registrado em 2014. Na sequência, aparece Bahia com 463 MW médios (+363%), Ceará com 380 MW médios (+165%) e Rio Grande do Sul com 328 MW médios, que significa 158% a mais do que em maio do ano passado.

Os dados consolidados da CCEE apontam que, em capacidade instalada, o Rio Grande do Norte (2.104 MW) também é o principal destaque, seguido por Ceará (1.301 MW) e Rio Grande do Sul (1.300 MW).

Informações da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, in EcoDebate, 17/07/2015

Com aquecimento solar, unidades do Minha Casa Minha Vida reduzem conta de luz em até 30%

Sistema de aquecimento solar contribui para sustentabilidade ambiental dos empreendimentos e economia de quase 900 mil pessoas

Um sistema de aquecimento solar nas unidades do Minha Casa Minha Vida (MCMV) vai beneficiar cerca de 896 mil pessoas em diversas regiões do Brasil. A instalação aumenta a eficiência energética, contribuindo para a sustentabilidade ambiental dos empreendimentos e para a economia das famílias, com reduções na conta de luz de até 30%. Os custos estão incluídos nos valores máximos de aquisição dos imóveis, não acarretando gastos adicionais para as famílias beneficiárias.

Uma pesquisa realizada em 2014 pela Caixa, Eletrobrás e Universidade UNA nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul mostra que 60% dos usuários perceberam economia na conta de energia com a utilização do SAS. A pesquisa foi realizada com apoio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit – GIZ (Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável).

Desde a segunda fase do programa, a instalação do sistema é obrigatória nas unidades unifamiliares contratadas a partir de junho de 2012, nas modalidades Empresas e Entidades, que atendem famílias com renda até R$ 1.600,00.

Os empreendimentos do MCMV possuem infraestrutura com abastecimento de água, esgotamento sanitário, pavimentação, energia elétrica, iluminação pública e coleta de resíduos sólidos.

Desde 2009, o Ministério das Cidades contratou 3,9 milhões unidades habitacionais no Brasil com investimento de R$ 265,2 bilhões. Em breve o governo federal vai anunciar a terceira fase do Programa. A meta é contratar mais 3 milhões de unidades habitacionais em todo o País.

Informações do Ministério das Cidades, in EcoDebate, 17/07/2015

MPF/RJ quer o fim da mortandade do boto cinza nas baias de Sepetiba e Ilha Grande

Boto-cinza é uma espécie ameaçada de extinção no território fluminense. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A mortalidade da espécie, símbolo do Município do Rio de Janeiro, aumentou mais de 5 vezes no período de 2006 a 2015

O Ministério Público Federal (MPF) em Angra dos Reis (RJ) expediu recomendação ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea), à Capitania dos Portos de Itacuruçá, à Polícia Federal (PF) e à Secretaria de Meio Ambiente de Mangaratiba para que seja criado um Grupo Interinstitucional com objetivo de traçar estratégias para paralisar a mortandade de boto-cinza nas baias de Sepetiba e Ilha Grande.

A recomendação exige a elaboração de um plano de fiscalização da atividade pesqueira de acordo com as portarias e instruções normativas vigentes para a Baía de Sepetiba, além de um cronograma de repressão da pesca predatória, e apresentação de dados do impacto das redes de emalhe deixadas por pescadores artesanais sobre o boto cinza.

O MPF adverte que, nas baias de Sepetiba e Ilha Grande, a mortalidade de botos cinza, no período entre 2006-2009, foi de 1 boto/mês; já entre 2010 e 2013, a frequência aumentou para 2,6 botos/mês, e a partir de 2014 até abril de 2015, a mortalidade foi de 5,5 botos/mês. Alerta que essa mortandade se encontra em níveis insustentáveis e muito acima do limite permitido para que a população se mantenha estável e que, caso ela persista, em aproximadamente dez anos a espécie estará totalmente extinta da área.

Na recomendação, o MPF também solicitou documentos do Ibama e Inea para conferir se nos procedimentos de licenciamentos de cada empreendimento existente na área de concentração do boto cinza foram previstos os impactos cumulativos no habitat da referida espécie ameaçada de extinção. Aprocuradora da República Monique Cheker classifica a situação como calamitosa e diz que é “lamentável o visível desencontro entre os órgãos de fiscalização e de repressão, inclusive no que tange à indicação das causas de mortandade do boto cinza e, enquanto isso ocorre, mais botos são mortos, de forma crescente”.

Caso a recomendação não seja cumprida, o MPF irá ingressar com ação civil pública, com pedido de liminar, sem prejuízo de eventual responsabilização individual de agentes públicos, já que, a cada mês, a situação piora. “Já temos dois inquéritos civis públicos instaurados e um procedimento de improbidade administrativa. Há dados suficientes para demonstrar que os órgãos não atuam de forma eficaz para paralisar a mortandade do boto cinza”, afirma Monique.

No último dia 7, o procurador da República no Rio de Janeiro, Sérgio Suiama, já havia expedido uma recomendação pedindo o fim da pesca predatória na Baía de Sepetiba. Há, assim, uma atuação conjunta entre a Procuradoria da República no Rio de Janeiro e em Angra dos Reis.

Informações da Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro, in EcoDebate, 17/07/2015

Kayapós - Cipó Kupá (parte 2)

Kayapós - Cipó Kupá (parte 1) from Celso Viviani on Vimeo.

Kayapós - Cipó Kupá (parte 1)

Kayapós - Cipó Kupá (parte 1) from Celso Viviani on Vimeo.

O documentário registra o projeto desenvolvido pelo pesquisador da EMBRAPA em etnobotânica e conservação de sementes tradicionais, Fábio Freitas. Doutor em evolução e domesticação de plantas, o engenheiro é responsável pela re-introdução do tradicional alimento cipó KUPÁ na aldeia Capoto, da etnia Kayapó

Técnicas e práticas no cultivo das hortas - Delverde Mais Verde

Doença de Alzheimer

Tu huerto en casa (guía básica) agricultura urbana parte 2

Tu huerto en casa (guía básica) agricultura urbana parte 1

Dicas para manter a saúde dos olhos

Plantas Medicinales Las Ancestrales

Plantas Medicinales Las Ancestrales from GeoParadise on Vimeo.

Project with the Indigenous Mayan women of Guatemala. Their garden of herbs and plants used for medicines and fabric dying was expanded to allow more women of he village to participate in the benefits. During the project a grey water system and herb drying shed was added as well. The project was sponsored by Geoparadise and filmed by a student of Untold Silent Histories, Franklin. Selva with Conscious Convergence was of great help organizing this event and lending Franklin her equipment.

Como evitar a hipoglicemia

Taquara tem Produtos da Gente

Taquara tem Produtos da Gente from AS-PTA on Vimeo.

Rita e Aldacir são agricultoras que aproveitam seus quintais para a produção de alimentos, plantas medicinais e temperos. Comercializam na Feira da Freguesia e nas redondezas.

Férias escolares

Agro TV: Agricultura urbana con atrapanieblas y granos andinos

Medidas para evitar a rinite

Alimentos x Imunidade: Saiba quais alimentos são aliados (ou não) do nosso sistema imunológico (


O inverno chegou. Nestes dias, nossa imunidade cai, já que passamos mais tempo em locais fechados, facilitando o contagio de gripes, resfriados e outras doenças típicas desta estação. Além disto, o estresse, a falta de sono e uma alimentação desequilibrada contribuem para que os níveis de defesa do nosso corpo diminuam.
O sistema imunológico, desde o desenvolvimento fetal, tem como função distinguir as substâncias próprias do organismo, mantendo os linfócitos T desativados. Estes são responsáveis por reagiriam diante das substâncias estranhas. Quando um agente estranho invade nosso corpo, essas células são ativadas, com o intuito de defender nosso organismo dos possíveis prejuízos que esta substância poderia causar. Por exemplo, em um exame de sangue, a taxa alterada dessas células pode indicar um problema com o nosso sistema imunológico. Quando a concentração for maior que o valor de referência, pode indicar, por exemplo, uma infecção. Quando abaixo, como em indivíduos portadores do vírus da AIDS, a consequência é uma deficiência imunológica e, consequentemente, vulnerabilidade às infecções oportunistas, que podem ser fatais. 

Desta forma, um indivíduo bem nutrido está mais preparado para enfrentar infecções, gripes e resfriados do que um indivíduo que se alimenta mal. As vitaminas A, C, E e ácido fólico, e os minerais zinco e selênio, encontrados em frutas, verduras, legumes, cereais e grãos, são as principais vitaminas e minerais responsáveis por fortalecerem nosso sistema imunológico. 
A vitamina A apresenta função importante na manutenção da integridade das membranas mucosas. Desta forma, a sua deficiência no nosso organismo provoca uma redução do número de linfócitos T circulantes, aumentando a probabilidade de infecções bacterianas, virais ou parasitárias. Essa vitamina pode ser encontrada em alimentos como cenoura, abóbora, fígado, batata doce, damasco seco, brócolis e melão.
A vitamina C é característica por sua ação antioxidante e estimula a resistência às infecções através da atividade imunológica de leucócitos. Ela aumenta a produção dessas células de defesa, que tem efeito direto sobre bactérias e vírus, elevando a resistência a infecções. Acerola, frutas cítricas (limão e laranja, por exemplo), kiwi, caju, tomates, vegetais folhosos crus, morango, repolho e pimentão são exemplos de fontes. No entanto, a vitamina C é facilmente destruída pela luz e pelo calor, por isso sucos preparados a partir dessas frutas, por exemplo, devem ser consumidos imediatamente.
A vitamina E tem a capacidade de interagir com as vitaminas A e C, e com o mineral selênio, agindo como antioxidante. Sua função principal é proteger as membranas celulares contra substâncias tóxicas, radiação e radicais livres, que são liberados em qualquer reação química do organismo e podem causar sérios danos às estruturas das células, prejudicando o processo de envelhecimento e desencadeando algumas formas de câncer. Alimentos ricos em vitamina E são o germe de trigo (fonte mais importante), óleo de soja, arroz, algodão, milho, girassol, amêndoas, nozes, castanha do Pará, gema, vegetais folhosos e legumes.
O ácido fólico é uma vitamina essencial para a formação dos leucócitos (glóbulos brancos) na medula óssea. Alimentos ricos em ácido fólico são fígado, feijões e vegetais folhosos verde escuros (brócolis, couve e espinafre, por exemplo).
O zinco atua na reparação dos tecidos e na cicatrização de ferimentos. A sua deficiência resulta em diversas doenças imunológicas, sendo a mais grave a linfopenia, que provoca a diminuição do número de linfócitos. Fontes alimentares importantes de zinco são as carnes, peixes (incluindo ostras e crustáceos), aves, leite, cereais integrais, feijões e nozes. 
O selênio possui grande capacidade antioxidante, assim como a vitamina E. Castanha do Pará, alimentos marinhos, fígado, carne e aves são os alimentos mais ricos em selênio.

Além destes, alimentos como iogurte e leite fermentado, alho, cogumelo Shitake, acerola, gengibre e brócolis são exemplos que fortalecem o sistema imunológico. O iogurte e o leite fermentado são conhecidos como probióticos, já que possuem microrganismos vivos que recuperam a flora intestinal e fortalecem o sistema imunológico. Já o alho é um excelente agente antibacteriano e possui substâncias que previnem o câncer gástrico e doenças cardiovasculares. O cogumelo Shitake, por sua vez, possui lentinan, uma substância que aumenta a produção das células de defesa do organismo. A acerola é uma fruta rica em vitamina C (30 a 50 vezes mais que a laranja), responsável por agir na reconstituição dos leucócitos em períodos de queda de resistência. Por fim, o brócolis, fonte de ácido fólico e vitaminas A e E, ajuda a prevenir o câncer, fortalecer a imunidade e proteger o cérebro. 

De modo contrário, existem alimentos que reduzem a eficiência do nosso sistema imunológico e que, por isso, devem ser evitados. Entre eles enquadram-se os industrializados, já que contêm grandes quantidades de aditivos químicos, como corantes, aromatizantes e acidulantes, responsáveis por privarem o nosso organismo de vitaminas e minerais essenciais; os alimentos ricos em gorduras saturadas e trans, presentes em carnes gordas e produtos industrializados; os doces e os alimentos ricos em açúcares, já que aumentam a eliminação dos minerais importantes para o nosso organismo, como o magnésio e o zinco, que são essenciais para o nosso sistema antioxidante; álcool, cafeína e sal devem ser evitados também, pois atrasam a recuperação; e o consumo de leites e derivados deve ser moderado, pois esse grupo de alimentos apresenta uma proteína de difícil digestão, e esta proteína intacta é vista como um corpo estranho no organismo, assim nosso sistema imunológico é ativado, sendo que, na maioria das vezes, a área respiratória é o local onde a inflamação instala-se, resultando em quadros de rinite e sinusite. No caso da gripe, este grupo de alimentos ajuda a formar e espessar ainda mais o muco, naturalmente formado neste quadro. 

Agora que você já sabe quais alimentos são aliados do nosso sistema imunológico, alimente-se corretamente, porque uma alimentação equilibrada associada à prática de exercícios físicos regulares e uma boa noite de sono são atitudes simples capazes de fortalecerem nosso sistema imunológico, preparando-nos para enfrentar esses dias frios.

Jéssica Fernanda Scatolin Russo
Graduanda em Ciências dos Alimentos (ESALQ-USP)
Sob orientação da Profª. Drª. Jocelem Mastrodi Salgado

Postado há 3 weeks ago por GEAF FUNCIONAIS

Verminoses: dicas do Ministério da saúde


A soja pode ser um aliado a radioterapia? (


O câncer era considerado no passado como uma doença típica de países de alta renda. No entanto, nas últimas quatro décadas, os países em desenvolvimento têm registrado elevados números de casos desta doença, ganhando dimensões cada vez maiores. Hoje o câncer é considerado como um problema sério de saúde pública mundial. 

É evidente que nos últimos anos o Brasil passou por um processo de mudança no seu perfil epidemiológico, sendo que os fatores relacionados a esse processo estão ligados principalmente com a intensa exposição aos agentes cancerígenos, fatores de riscos próprios do mundo contemporâneo. Além disso, fatores como o prolongamento da expectativa de vida e o envelhecimento populacional, acarretados por uma melhoria das condições sociais e econômicas, evolução da medicina e diminuição do número médio de filhos, também contribuíram para o perfil atual de saúde dos brasileiros.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) no ano de 2030 teremos a incidência de cerca de 27 milhões de novos casos de câncer, 17 milhões de mortes e 75 milhões de pessoas vivas, anualmente, com esta doença. No Brasil as estimativas também não são animadoras. A carga nacional para o ano de 2014, válida também para o ano de 2015, é de aproximadamente 576 mil novos casos. 
Atualmente já existem diversos tratamentos para o câncer, os quais possuem como objetivo a cura, o prolongamento da vida útil e a melhoria da qualidade de vida. As três principais formas de tratamento desta doença são a quimioterapia, radioterapia e a cirurgia. A radioterapia é um tratamento convencional que apresenta resultados satisfatórios. No entanto, um número significativo de casos pode apresentar resistência à esse tratamento ou os tumores voltarem a se desenvolverem, o que pode acarretar em tumores avançados ou em metástases. Dessa forma, a busca por alternativas que tenham como objetivo auxiliar no controle do câncer e que sejam menos tóxicas, reduzindo consequentemente os efeitos colaterais deste tratamento, são muito importantes e tem sido extensivamente estudadas. 
Diversos estudos já comprovam que a dieta pode influenciar diretamente no desenvolvimento, na progressão, na metástase e na mortalidade do câncer. Alimentos como o brócolis, couve, cúrcuma, chá verde, tomate, uva e soja já foram estudados e demonstraram resultados satisfatórios para prevenir ou retardar o desenvolvimento do câncer. 

Na nossa conversa de hoje abordaremos um pouco mais da soja e os benefícios que este grão pode trazer à nossa saúde. A soja é uma cultura milenar. Este grão já faz parte da cultura do sudeste da Ásia a quase dois milênios. Sua importância na alimentação da antiga civilização chinesa era tão valorizada, que a soja, juntamente com o trigo, o arroz, o centeio e o milheto, era considerada um grão sagrado, com direito a cerimoniais ritualísticos na época da semeadura e da colheita. 

No Ocidente este grão passou a ser utilizado somente na segunda metade do século XIX, mesma época em que os chineses migraram para os EUA. Já no Brasil, a soja foi trazida por Gustavo Dutra, professor da Escola de Agronomia da Bahia, o qual realizou os primeiros estudos com esta cultivar. 

Inicialmente a soja ganhou elevado destaque devido à sua composição nutricional. Este grão é rico em gorduras, vitaminas, minerais e possui ainda alto teor de proteínas de boa qualidade. O conteúdo proteico (38-40%) deste grão é duas vezes superior à da carne, quatro vezes à dos ovos, trigo e outros cereais, cinco vezes à do pão e doze vezes à do leite. Sua qualidade se assemelha com a da carne, no entanto, apresenta a vantagem de não conter colesterol, superando em qualidade as outras proteínas vegetais. 

Porém, a riqueza da soja não para por aí, este grão também é rico em compostos bioativos, destacando-se as isoflavonas, compostos fenólicos que se encontram distribuídas amplamente nas leguminosas, sendo a soja a que possui maior quantidade. Estes compostos bioativos, principalmente a genisteína e daidzeína são também conhecidos como fitoestrógenos, uma vez que possuem estruturas que se assemelham ao estrógeno.

Diversas pesquisas já comprovaram que as isoflavonas promovem diversos benefícios à saúde, os quais podemos citar a prevenção e o tratamento de doenças cardiovasculares, osteoporose, alivio dos sintomas indesejáveis da pré- e pós-menopausa e câncer, principalmente aos relacionados à hormônios (câncer de mama e de próstata). 

Mais especificadamente para o câncer, as isoflavonas presentes na soja agem de diferentes maneiras, como por exemplo, provocando a inibição da atividade de enzimas que controlam o crescimento das células cancerígenas, inibição da formação de novos vasos sanguíneos para a nutrição do tumor, atividade antioxidante inibindo a formação de radicais livres e a indução da morte das células cancerígenas. 

Além de todos esses mecanismos, estes compostos apresentam como vantagem o fato de não serem tóxicos, sendo, portanto, seguros ao consumo humano. Diante de todas estas evidências, diversos pesquisadores têm focado seus estudos para o potencial da soja em complementar o tratamento dos pacientes que fazem radioterapia, uma vez que seus compostos bioativos são promissores em aumentar a resposta positiva ao tratamento. 

Sabe-se atualmente que a radioterapia além de afetar as células cancerígenas, também age nas células normais, acarretando no desenvolvimento de diversos efeitos colaterais. Pensando nisso, os pesquisadores também têm comprovado que devido ao potencial antioxidante das isoflavonas da soja, estas podem reduzir a lesão das células normais pela radiação, aliviando consequentemente os sintomas adversos deste tratamento. 

Apesar de alguns estudos já relatarem todos os benefícios da interação entre a soja e a radioterapia, ainda há a necessidade de estudos mais aprofundados para fornecerem com segurança esta relação. No entanto, que a soja é um alimento altamente benéfico à saúde, isso já é comprovado. Sendo assim, não hesite em aderir uma dieta rica com soja!

Patrícia Bachiega
Doutoranda em Ciência e Tecnologia de Alimentos
Sob orientação: Profª. Drª. Jocelem Mastrodi Salgado 
Postado há 1 week ago por GEAF FUNCIONAIS


Fatores de risco para infarto

Síndrome do intestino irritável e a alimentação (


Desconfortos abdominais, dores intensas, flatulência e diarreia são algumas reações adversas no consumo de diferentes alimentos que podem mostrar indícios de uma alteração no intestino conhecida como síndrome do intestino irritável. A síndrome do intestino irritável é uma doença comum que afeta milhares de pessoas no mundo todo, podendo se manifestar em todas as idades e, principalmente, em mulheres. 

Devido à grande dificuldade em encontrar o diagnóstico correto para a síndrome do intestino irritável, esta doença muitas vezes é confundida com outras desordens do intestino, inclusive com as alergias e intolerâncias alimentares, por apresentarem sintomas muitos semelhantes. Dessa forma, seu diagnóstico é dado por algumas características clínicas positivas, pelos sintomas e diversos exames físicos, o qual se faz necessário para evitar o erro no diagnóstico.

A síndrome é considerada uma doença funcional, afetando os movimentos peristálticos e as contrações musculares do tubo digestivo, deixando-os de forma desordenada, influenciando negativamente no transporte dos gases e fezes e a quantidade de líquido absorvido. No entanto, ao contrário de outras doenças do intestino, geralmente, esta síndrome não apresenta lesões e nem inflamações, mas pessoas que já possuem alguma inflamação podem ser mais suscetíveis a síndrome do intestino irritável.

Segundo diversos trabalhos científicos, a causa dessa síndrome ainda é desconhecida e são diversos os fatores que podem explicá-las, tais como as condições psicológicas do paciente, tanto o estresse como a ansiedade; as alterações hormonais; além das mudanças alimentares que são fatores determinantes. Os sintomas mais comuns dessa doença são as dores intensas abdominais, alterações nos hábitos intestinais, constipação, flatulências, distensão abdominal, insônia; cefaleias e náuseas. Além disso, muitas vezes esses sintomas são gravados logo após o consumo das refeições e em períodos de tensão, como nos períodos menstruais.

As alterações na dieta alimentar foram avaliadas em diversos estudos e puderam mostrar que este é um dos fatores mais importante, a qual pode contribuir tanto na melhora e tratamento da síndrome como pode vir a desencadear as diversas desordens no intestino. Estes estudos, ainda mostraram que pessoas com a síndrome podem ter uma hipersensibilidade a determinados alimentos, como o consumo de carboidratos (frutose, lactose e sorbitol), bebidas alcoólicas, leite, cafeína, alimentos condimentados e ricos em gorduras, os quais podem ser limitante no agravamento dos sintomas.
Entretanto, para as pessoas portadoras da síndrome é necessária uma atenção na hora das refeições, sendo importante o fracionamento das refeições, pois o consumo de elevadas quantidades de alimentos pode acarretar reações adversas como cólicas e diarreias. Assim, a forma mais correta é diminuir a quantidade de alimentos no prato e aumentar as refeições ao longo do dia. 
Alternativas são muito estudas para as pessoas que possuem essa síndrome. Dentre as mais benéficas podemos destacar o consumo de alimentos ricos em fibras e o consumo de probióticos, os quais podem ser eficazes no tratamento da síndrome do intestino irritável ou na minimização dos sintomas indesejáveis.
Os probióticos são microrganismos que ajudam no equilíbrio da flora intestinal e reduzem a formação de gases, devido a alteração da microbiota. Além disso, diminuem as alterações da motibilidade ocasionadas pela síndrome e contribuem na diminuição dos desconfortos abdominais, como as flatulências e as dores. Esses benefícios foram constatados em um estudo que avaliou uma ampla faixa etária de pacientes, os quais consumiram probióticos durante seis semanas e foi notada uma melhora, principalmente, nas dores intensas.
Os alimentos ricos em fibras também são importantes para a manutenção do intestino, pois as fibras solúveis e insolúveis presente nesses alimentos contribuem na retenção da água e no aumento do volume fecal, o que diminui o transito intestinal e colabora com a melhora da constipação, além de reduzir a evacuação, no caso de pessoas que também sofrem com a diarreia. Entretanto, os alimentos ricos em fibras que devem ser consumidos frequentemente, tanto para uma melhor qualidade de vida quanto para a manutenção do seu intestino são os grãos, cereais, frutas, nozes e vegetais. É válido ressaltar também que o consumo deve ser de forma regular em todas as suas refeições para garantir os benefícios para a sua saúde.

Para contribuir com a melhora de sua saúde as dicas é importante lembrar de consumir água ao decorrer do dia, selecionar os alimentos que você pode consumir, aumente o consumo de alimentos, como frutas e vegetais, evite os alimentos que te tragam desconfortos e pratique exercícios físicos regularmente, o qual ajudará tanto no trânsito intestinal como também pode contribuir na redução de estresses e ansiedade, os quais são fatores para o surgimento e agravamento da síndrome.

Embora não há uma cura eficaz para a síndrome do intestino irritável, os sintomas podem ser tratados, reduzidos ou até mesmo prevenidos, quando há uma combinação entre uma dieta alimentar equilibrada e um estilo de vida mais saudável.

Jessica Bomtorin Aranha
Graduanda em Ciências dos Alimentos
Sob orientação: Profª. Drª. Jocelem Mastrodi Salgado
Postado há Yesterday por GEAF FUNCIONAIS


Primeiros sinais de um AVC

{Receita} Manteiga Temperada com Ervas - Super Fácil

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Constituintes fitoquímicos podem estender a longevidade

O envelhecimento é bem conhecido como um processo inevitável que é influenciado por fatores genéticos, estilo de vida e fatores ambientais. No entanto, os mecanismos exatos subjacentes ao processo de envelhecimento não estão bem esclarecidos. Algumas evidências crescentes demonstram que o envelhecimento é altamente associado ao aumento crônico de espécies reativas de oxigênio (ROS), inflamação crônica persistente de baixo grau (como ocorre com a ativação do NFkappaB) e redução na autofagia (mecanismo catabólico básico que envolve a degradação de constituintes desnecessários e sem função das células por ação dos lisossomos) relacionada com a idade, o que sugere que estes fatores podem desempenhar papéis importantes na promoção do envelhecimento. De fato, a redução de ROS, um baixo grau de inflamação crônica e a promoção da autofagia por restrição calórica ou outras manobras através da alimentação e da utilização de preparações vegetais podem estender a longevidade em diversos modelos animais. Curiosamente, estudos recentes demonstraram que algumas pequenas moléculas derivadas dos alimentos e das preparações vegetais, também chamadas de “constituintes fitoquímicos “, podem estender a longevidade (Journal of Nutritional Biochemistry 25 (2014) 581–591).

Informações da:

Associação Paulista de Fitoterapia

14 Simple Salads for Winter

Viva Caatinga! Quipá

OAB-PB e CRM-PB defendem protocolo para pesquisas com o Canabidiol

Sala de Convidados - Maconha: Usos, Políticas, Saúde e Direitos

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Laudato Si': a perspectiva sistêmica que atualiza o debate ambiental. Entrevista com Moema Miranda

Pensar em sistema permite entender que “a Terra ferida e os pobres despossuídos são protagonistas de processos de luta e de transformação”, diz a antropóloga. 

Moema Miranda, diretora do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas – Ibase, se debruçou sobre a Encíclica Laudato Si’ e, depois de participar de encontro no Vaticano, comemora: “após dois mil anos de dualismo, pela primeira vez uma perspectiva sistêmica e integrada é afirmada com tanta clareza em um documento da Igreja”. Para ela, essa é a grande novidade do documento apostólico. É como abrir uma janela para oxigenar não só o debate de causas ambientais, mas uma visão de mundo. “Abre-se uma fundamental e bem posicionada possibilidade de diálogo com abordagens sistêmicas desenvolvidas pelas chamadas ciências do sistema terra, que envolvem a física, a química, a biologia, entre outras”, completa, em entrevista concedida por e-mail para IHU On-Line.

O que Moema chama de visão sistêmica é materializada na Encíclica com as repetidas afirmações de que “tudo está interligado”. Isso permite entender que não há uma crise ambiental e outra social. Ou seja, se a terra sofre, os pobres são impactados, e vice-versa. “A Terra ferida e os pobres despossuídos são protagonistas de processos de luta e de transformação”, destaca. Assim, percebe-se que o documento tem poder de inspirar não somente católicos. Isto credita peso político para Laudato Si’, que “apresenta-se como documento com enorme capacidade de influenciar o debate e de contribuir para ações mais coordenadas no enfrentamento das causas do aquecimento global”, avalia.

Na entrevista, a antropóloga também aponta questões que foram deixadas à margem. Para ela, há “uma grande e lamentável ausência na Encíclica: trata-se do papel e do lugar das mulheres em todo este debate. Sabemos bem que a pobreza tem gênero, raça e geração. As mulheres estão entre as pessoas mais pobres em todo o mundo. São também as mulheres, especialmente aquelas vivendo em situação de pobreza, as que pagam o preço mais alto pelasmudanças climáticas que afetam as vidas de suas famílias”, avalia.

Moema Miranda (foto abaixo) é antropóloga, com mestrado e pós-graduação em Antropologia Social pelo Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integra a direção colegiada do Ibase. Participou do Comitê Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio+20. É membro do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial. Coordena o projeto “Diálogo dos Povos – Uma articulação Sul-Sul”, com a participação de entidades e redes da América Latina e da África.

Em julho, participou da conferência sobre a Encíclica Laudato Si’, intitulada “As pessoas e o Planeta em primeiro lugar: imperativo a mudar de rumo”. O encontro realizado no Vaticano foi promovido pelo Pontifício Conselho da Justiça e da Paz junto com a Aliança Internacional das Organizações Católicas para o Desenvolvimento – CIDSE.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Qual é a importância da Encíclica Laudato Si’ na convergência de esforços para mitigar as mudanças climáticas? Como deve ser a repercussão da Encíclica no encontro da COP 21, em dezembro, em Paris?

Moema Miranda – Estamos a poucos meses daCOP 21 emParis. A Encíclica Laudato Si’ chega — em termos políticos — a tempo de contribuir com o avanço dos debates internacionais, bem como nacionais, sobre as medidas que devem ser tomadas no campo das mudanças climáticas. As organizações da sociedade civil têm denunciado como os processos oficiais estão distantes de decisões relevantes que alterem o curso “que parece suicida” (LS 55) de aumento do aquecimento global. Na Encíclica, o Papa identifica, em consonância com este entendimento, que “as cúpulas mundiais sobre o meio ambiente dos últimos anos não corresponderam às expectativas, por que não alcançaram, por falta de decisão política, acordos ambientais globais realmente significativos e eficazes” (LS 166).

Hoje as causas humanas das mudanças climáticas, assumidas com total clareza na Laudato Si’, têm aceitação praticamente consensual entre cientistas e organizações da sociedade civil. Apesar disso, os mecanismos governamentais, internacionais e nacionais, para a tomada dedecisões efetivas, têm se demonstrado dramaticamente ineficazes. A causa principal encontra-se na captura dos debates pelos interesses das grandes corporações, que têm cada vez maior influência sobre os sistemas políticos.

O Papa, especialmente a partir da Laudato Si’, assume uma posição de destaque, sendo o único líder com expressão internacional a afirmar a necessidade de enfrentar as causas reaisdo aquecimento global, indo além de soluções “superficiais”. Neste contexto, muitas das denúncias e críticas que vêm sendo feitas por organizações populares, pastorais e movimentos ambientalistas e sociais há anos, ganham uma nova dimensão.

Revelações pela visão sistêmica

Pela crescente popularidade e expressão social que o Papa adquiriu, sua intervenção chamará atenção paraaspectos essenciais: denunciando as “falsas soluções” ou as “soluções superficiais” (LS 54); defendendo propostas que respeitem as “responsabilidades comuns porém diferenciadas” (LS 170); considerando a “dívida ecológica” dos países do Norte (LS 51); indicando a necessidade de superar o uso de energias fósseis (LS 26); exigindo que se imponham limites claros aos padrões de consumo hegemônicos: “devemos aceitar um certo decréscimo do consumonalgumas partes do mundo” (LS 193).

Finalmente, a Encíclica, ao apresentar uma visão sistêmica (“tudo está ligado com tudo”, (LS 16), reconhece que “não há duas crises separadas: uma ambiental e outra social; mas uma única e complexa crise socioambiental”(LS 139). Este reconhecimento coincide com o que os movimentos sociais tinham afirmado já no Fórum Social Mundial de 2009, em Belém, ao denunciar a “crise de civilização”.

A consequência desta perspectiva é que, como afirma o Papa, “convém evitar uma concepção mágica do mercado, que tende a pensar que os problemas se resolvem apenas com o crescimento dos lucros das empresas ou dos indivíduos. Será realista esperar que quem está obcecado com a maximização dos lucros se detenha a considerar os efeitos ambientais que deixará às próximas gerações?” (LS 190).

Há, portanto, da perspectiva da Encíclica, a necessidade de superar o sistema baseado na “cultura do descarte” (LS 22), o que implica uma revisão profunda do modelo econômico, social e cultural hegemônico. A Laudato Si’apresenta-se, assim, como documento com enorme capacidade de influenciar o debate e de contribuir para ações mais coordenadas no enfrentamento das causas do aquecimento global. No entanto, não devemos esperar que esta seja uma batalha fácil! Os oponentes são extremamente poderosos!

IHU On-Line – Como está sendo a recepção desse documento entre os pesquisadores e ambientalistas? A senhora participou de encontros e discussões sobre o documento (inclusive no Vaticano). O que tem surgido a partir dessas discussões?

Moema Miranda – No começo de julho, em Roma, o Pontifício Conselho de Justiça e Paz [1], em cooperação com aCoordenação das Agências Católicas para o Desenvolvimento – CIDSE, organizou um importante seminário sobre a Encíclica. Contou com a presença de aproximadamente 180 pessoas de mais de 20 países. Entre eles, organizações ambientalistas, movimentos populares e pastorais sociais. A avalição comum sobre a Encíclica foi extremamente positiva. Naomi Klein [2], ativista e jornalista canadense, por exemplo, disse que “agora o Vaticano elevou o nível do debate”, abrindo possiblidades de avanços efetivos nas discussões sobre clima.

Mary Robinson [3] afirmou que “a Encíclica é muito melhor do que esperávamos”. Pablo Solón [4], reconhecido ambientalista boliviano, escreveu: “a Encíclica sobre o Cuidado da Casa Comum é um chamado a reconhecer que todos somos parte de uma família universal e a viver em comunidade com nossa Madre Terra”[5] . Estas opiniões, comuns ao representante da Via Campesina [6] e a outros líderes presentes, indicam a avaliação positiva que a Encíclica vem encontrando na sociedade civil organizada. Sem dúvidas, isto se deve ao fato de que efetivamente ela recolhe inúmeras das perspectivas e propostas elaboradas ao longo de anos de mobilização e luta.

O Papa promoveu um primeiro encontro com movimentos sociais em julho do ano passado. Não foi um encontro banal. Percebe-se claramente que houve uma escuta séria e respeitosa da voz, tantas vezes silenciada, criminalizada, perseguida ou desqualificada dos que lutamos por um “outro mundo possível”.

Ausência feminina

No entanto, foi identificada uma grande e lamentável ausência na Encíclica: trata-se do papel e do lugar das mulheresem todo este debate. Sabemos bem que a pobreza tem gênero, raça e geração. As mulheres estão entre as pessoas mais pobres em todo o mundo. São também as mulheres, especialmente aquelas vivendo em situação de pobreza, as quepagam o preço mais alto pelas mudanças climáticas que afetam as vidas de suas famílias. A elas cabe extra-trabalho quando há problemas com a água, a terra, o aumento das doenças, entre tantos outros efeitos.

As mulheres são ativas militantes nos movimentos sociais e ambientais, nas pastorais sociais, nas organizações populares e de base. As feministas, camponesas, indígenas, quilombolas, moradoras de favelas, jovens artistas, entre tantas outras, estão organizadas. Elas defendem direitos, formulam propostas. É uma grande pena que sua voz, seupapel essencial nas lutas socioambientais e sua vitimização não tenham sido evidenciadas e valorizadas na Encíclica.

IHU On-Line – Em quais aspectos esse documento papal dialoga e problematiza as principais constatações e concepções científicas e antropológicas de nosso tempo? Em que medida a Encíclica questiona e problematiza o antropocentrismo que caracteriza a vida na Terra?

Moema Miranda – A Encíclica Laudato Si’ é histórica por muitos de seus aspectos. Certamente, entre estes, destaca-se o fato de ser o primeiro documento pontifício a adotar uma perspectiva sistêmica, holística, como chamou atençãoRoberto Malvezzi [7], da Comissão Pastoral da Terra – CPT [8]. Após dois mil anos de dualismo, pela primeira vez umaperspectiva sistêmica e integrada é afirmada com tanta clareza em um documento da Igreja: “tudo está interligado com tudo” (LS 16). É de grande importância, neste sentido, o parágrafo 98: “Jesus vivia em plena harmonia com a criação […]. Não Se apresentava como um asceta separado do mundo ou inimigo das coisas aprazíveis da vida […]. Encontrava-Se longe das filosofias que desprezavam o corpo, a matéria e as realidades deste mundo.Todavia, ao longo da história, estes dualismos combalidos tiveram notável influência nalguns pensadores cristãos e desfiguraram o Evangelho.” (Grifo da entrevistada)

A partir daí, abre-se uma fundamental e bem posicionada possibilidade de diálogo com abordagens sistêmicas desenvolvidas pelas chamadas ciências do sistema terra, que envolvem a física, a química, a biologia, entre outras. Já na Introdução da Encíclica, o Papa afirma seu “objectivo de assumir os melhores frutos da pesquisa científica atualmente disponível, deixar-se tocar por ela em profundidade e dar uma base concreta ao percurso ético e espiritual seguido.”(LS 15)

Crítica à tecnociência 

Por outro lado, a Encíclica apresenta uma dura crítica à “tecnociência”, quando aliada aos interesses financeiros e de mercado: “é preciso reconhecer que os produtos da técnica não são neutros, porque criam uma trama que acaba por condicionar os estilos de vida e orientam as possibilidades sociais na linha dos interesses de determinados grupos de poder. Certas opções, que parecem puramente instrumentais, na realidade são opções sobre o tipo de vida social que se pretende desenvolver.” (LS 107)

Partindo destas premissas, a Laudato Si’ desafia o lugar que comumente atribuímos à espécie humana na cultura ocidental. Ao adotar uma perspectiva sistêmica, reconhece que somos parte da comunidade da vida: “nós mesmos somos terra (cf. Gên. 2, 7). O nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos.” (LS 2)

A inspiração sistêmica sustenta a crítica explícita ao “antropocentrismo exacerbado” e à desmedida relação humana com os bens comuns. O antropocentrismo é identificado como uma das principais causas do aumento da pobreza, bem como da crise ambiental, em todas as suas dimensões. Laudato Si’ também compreende a crítica ao antropocentrismo do ponto de vista teológico e espiritual.

Perspectiva espiritual

No entanto, reconhece que, embora hegemônica, esta perspectiva não é compartilhada por todos. Identifica, por um lado, na espiritualidade de São Francisco de Assis uma ruptura significativa com o modelo dominante. São Francisco não deve ser compreendido como um romântico, amante dos lobos e dos passarinhos. Sua espiritualidade inspira a “fraternidade universal” como consequência do reconhecimento do valor intrínseco de todas as criaturas. A natureza, ou o mundo criado, não tem valor apenas pelo uso que definimos a partir dos interesses humanos, mas são em si valiosos e, como tal, devem ser cuidados.

Mais ainda, a espiritualidade franciscana combina grande respeito por todos os seres humanos com a mesma atitude em relação à criação: “a pobreza e a austeridade de São Francisco não eram simplesmente um ascetismo exterior, mas algo de mais radical: uma renúncia a fazer da realidade um mero objecto de uso e domínio.” (LS 11) A Encíclia reconhece, por outro lado, que muitas culturas indígenas negam e resistem ao antropocentrismo utilitarista e, por isto, os povos indígenas assumem protagonismo na defesa de seus territórios frente ao avanço do capital e da mercantilização da vida. Nesse sentido, vale a pena ler com especial atenção o parágrafo 146.

Finalmente, mas não menos importante, ao adotar a perspectiva sistêmica, a Encíclicareconhece a Terra como ser vivente, criatura que se expressa, e não apenas fonte inerte de “recursos naturais”, ao dispor do ser humano. Assim, afirma que a Terra, “esta irmã, clamacontra o mal que lhe provocamos por causa do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou. Crescemos a pensar que éramos seus proprietários e dominadores, autorizados a saqueá-la.”(LS 3, grifo da entrevistada). A voz da terra, somada à voz dos pobres, se torna fonte de denúncia das injustiças a um tempo ambientais e sociais do modelo de desenvolvimento hegemônico. A “profecia da terra” reassume lugar de destaque. A Terra ferida e os pobres despossuídos são protagonistas de processos de luta e de transformação.

IHU On-Line – Em que medida o debate suscitado pela Encíclica e as descobertas científicas que demonstram a mudança climática apontam para a necessidade de se repensar o paradigma do progresso sob o qual vivemos?

Moema Miranda – Considero que a maior dificuldade para a adoção de medidas efetivas em relação ao aquecimento global, e a outros aspectos dramáticos da crise socioambiental, está no fato de que suas origens, sua raiz, se situa no coração do modelo de desenvolvimento capitalista. A lógica do crescimento econômico ilimitado em um planeta limitado é, inegavelmente, “suicida”. O consenso científico em relação às ações humanas como principal fator do aquecimento global foi atingido com enorme disputa. Como ativistas e estudiosos indicaram, as grandes corporações lideram lobbies extremante fortes para desqualificar as pesquisas científicas e alcançaram grande êxito. Hoje, segundo as pesquisas de opinião, a maior parte dos americanos considera que o aquecimento global é uma inverdade.

Com todos os limites, os relatórios do IPCC [9] que vinculam ação humana e aquecimento global ganharam, ao longo dos anos, consistência e contam com apoio quase absoluto da comunidade científica. A Encíclica assume de forma clara e explícita este entendimento: há um sistema econômico e cultural que gera, simultaneamente e de forma interligada, a pobreza de muitos e a extrema riqueza de poucos; que produz desigualdade e concentração de riqueza e poder; que degrada e destrói o ambiente e as condições de vida sobre a Terra. Este sistema se baseia em uma “cultura do descarte” e supõe que a natureza seja mera fonte de recursos a ser utilizada de forma irresponsável e sem cuidado pela parte da humanidade beneficiada. Portanto, “há vencedores e vencidos não só entre os países, mas também dentro dos países pobres, onde se devem identificar as diferentes responsabilidades.” (LS176)

Em distintos momentos e com ênfases específicas, a Encíclia subscreve uma leitura crítica docrescimento econômicocomo sinônimo de progresso e, de um ponto de vista mais profundo, cultural e espiritual, afirma com lucidez: “se reconhecermos o valor e a fragilidade da natureza e, ao mesmo tempo, as capacidades que o Criador nos deu, isto permite-nos acabar hoje com o mito moderno do progresso material ilimitado. Um mundo frágil, com um ser humano a quem Deus confia o cuidado do mesmo, interpela a nossa inteligência para reconhecer como deveremos orientar, cultivar e limitar o nosso poder.”(LS 78)

IHU On-Line – Sob quais aspectos é preciso se pensar em responsabilidades diferenciadas e historicamente definidas entre os países? A partir da divulgação desse documento, em que aspectos os países ricos são diretamente incitados a agir de modo diferente em termos de modelo de produção e desenvolvimento?

Moema Miranda – A partir do que foi dito até aqui, já podemos perceber como o Papa identifica as responsabilidades diferenciadas dos países do Sul e do Norte nas causas do aquecimento global. No entanto, sabemos que o princípio das “responsabilidades comuns, mas diferenciadas”, consagrado a partir da Rio 1992 [10], no marco da Convenção-quadro da Nações Unidas sobre Mudanças do Clima [11] (UNFCCC, para a sigla em inglês), está sob forte ataque nas negociações internacionais sobre clima.

Neste sentido, a Laudato Si’ presta uma enorme contribuição ao debate, ao reafirmar e reconhecer, no parágrafo 170: “É verdade que há responsabilidades comuns, mas diferenciadas, pelo simples motivo — como disseram os bispos da Bolívia — que “os países que foram beneficiados por um alto grau de industrialização, à custa duma enorme emissão de gases com efeito de estufa, têm maior responsabilidade em contribuir para a solução dos problemas que causaram”. Ao assumir em um documento pontifício a declaração dos bispos da Bolívia, país que desempenhou papel relevante nos debates internacionais, o Papa contribui, sem dúvida, para que os governos dos países do Sul sejam fortalecidos nos debates internacionais.

O contraponto com as responsabilidades dos países do Norte é parte desta mesma lógica. São chamados a ocupar um lugar de maior responsabilidade. Como foi afirmado anteriormente, isto implica alterações profundas não apenas nos padrões políticos, mas em formas de vida marcadas pelo sobreconsumo, pelo acúmulo e pelo desperdício, o que implica não apenas os governos, mas também a parte privilegiada da população dos países do Norte.

O Papa reconhece a gravidade dos desafios: “A política não deve submeter-se à economia, e esta não deve submeter-se aos ditames e ao paradigma eficientista da tecnocracia. Pensando no bem comum, hoje precisamos imperiosamente que a política e a economia, em diálogo, se coloquem decididamente a serviço da vida, especialmente da vida humana. A salvação dos bancos a todo o custo, fazendo pagar o preço a população, sem a firme decisão de rever e reformar o sistema inteiro, reafirma um domínio absoluto da finança que não tem futuro e só poderá gerar novas crises depois duma longa, custosa e aparente cura.” (LS 189)

IHU On-Line – Em que sentido se pode dizer que uma mudança de modelo de desenvolvimento passa longe das grandes decisões econômicas e financeiras, relegando o tema ambiental a um plano secundário? Nessa lógica, como é possível se contrapor ao poderio financeiro das corporações e do mercado como um todo, que termina por sobrepujar decisões políticas e, por conseguinte, posturas no cuidado com a vida na Terra?

Moema Miranda – Os movimentos sociais e ambientais em todo o mundo têm denunciado de forma contundente e dramática como a hipertrofia do mercado, subordinando todas as dimensões da vida econômica, social e cultural, dos desejos e sonhos, é nociva e desruptiva. A Encíclica nos permite aprofundar a crítica ao modelo, na mesma direção, acrescentando aspectos importantes. “O problema fundamental é (…) ainda mais profundo: o modo como realmente a humanidade assumiu a tecnologia e o seu desenvolvimento juntamente com um paradigma homogêneo e unidimensional. Neste paradigma, sobressai uma concepção do sujeito que progressivamente, no processo lógico-racional, compreende e assim se apropria do objeto que se encontra fora. Um tal sujeito desenvolve-se ao estabelecer o método científico com a sua experimentação, que já é explicitamente uma técnica de posse, domínio e transformação. É como se o sujeito tivesse à sua frente a realidade informe totalmente disponível para a manipulação.” (LS 106)

Por tudo que foi exposto, fica claro que não se pode esperar que as empresas ou o mercado sejam capazes de se autolimitar. A captura dos sistemas políticos pelos interesses do capitalaumentam ainda mais os desafios presentes. Esta lógica domina tanto nos planos nacionais quanto na dimensão internacional, nas cúpulas governamentais e no sistema ONU.

Cultura do Consumo

A Encíclica, no entanto, alerta também para aspectos que se vinculam ao padrão de desejo de consumo, hegemônico no planeta. Afirma o Papa: “A consciência da gravidade da crise cultural e ecológica precisa traduzir-se em novos hábitos. Muitos estão cientes de que não basta o progresso actual e a mera acumulação de objectos ou prazeres para dar sentido e alegria ao coração humano, mas não se sentem capazes de renunciar àquilo que o mercado lhes oferece.”(LS 209, grifo da entrevistada)

Esta percepção implica no que chama de “revolução cultural”, aliada à necessidade de “conversão ecológica”. Em países onde parte imensa da população está submetida a padrões indignos de pobreza, há que lutar ativamente para que todos tenham acesso a todos os direitos e a condições de vida digna. No entanto, o aumento do consumo — e o desejo de consumo — deve ter limites.

Limites — palavra que o mercado odeia, porque o atinge no coração — que se impõem por um lado, pela própria natureza limitada do planeta. Mas limites que também se vinculam à valorização de uma perspectiva antropológicamultidimensional. O Papa é, neste sentido, profético e desafiante: “A sobriedade, vivida livre e conscientemente, é libertadora. Não se trata de menos vida, nem vida de baixa intensidade; é precisamente o contrário. (…) A felicidade exige saber limitar algumas necessidades que nos entorpecem, permanecendo assim disponíveis para as múltiplas possibilidades que a vida oferece.” (LS 223).

Encíclica em movimento

A Encíclica Laudato Si’ é, sem dúvida, um documento a ser lido, relido, meditado. Acredito que será tanto mais impactante quanto mais for apropriada pelos movimentos sociais, ambientais, pastorais, comunidades e por todos os que lutam por um mundo de justiça e paz. Ela permite e exige processos profundos que implicam na nossa relação com o mundo, com uma dimensão pessoal, que considero incontornável. Finalmente, estimula que esta seja uma caminhada cheia de esperança: “Caminhemos cantando; que as nossas lutas e a nossa preocupação por este planeta não nos tirem a alegria da esperança.” (LS 244). Que assim seja!

Por Márcia Junges e João Vitor Santos


[1] O Pontifício Conselho Justiça e Paz (Pontificium Consilium de Iustitia et Pace): organismo da Cúria Romana que tem em vista fazer com que no mundo sejam promovidas à justiça e a paz, segundo o Evangelho e a Doutrina Social da Igreja. Aprofunda a Doutrina Social da Igreja, empenhando-se por que ela seja amplamente difundida e posta em prática junto dos indivíduos e das comunidades, especialmente no que se refere às relações entre operários e empresários, a fim de estarem cada vez mais impregnadas do espírito do Evangelho. Recolhe notícias e resultados de pesquisas sobre a justiça e a paz, sobre o progresso dos povos e as violações dos direitos humanos, avalia-os e, segundo a oportunidade, comunica aos organismos episcopais as conclusões deduzidas. Ainda favorece as relações com as associações católicas internacionais e com outras instituições não católicas, que se empenham pela afirmação dos valores da justiça e da paz no mundo. (Nota da IHU On-Line)

[2] Naomi Klein (1970): jornalista, escritora e ativista canadense. A carreira de escritora de Klein começou com contribuições ao jornal The Varsity na Universidade de Toronto, escrevia sobre feminismo. Em 2000 publicou No Logo (em português Sem Logo – A Tirania das Marcas em Um Planeta Vendido), que para muitos se transformou em um manifesto do movimento antiglobalização. O livro traz efeitos negativos da cultura consumista e as pressões impostas de grandes empresas sobre seus trabalhadores. Em 2002 publica Fences and Windows (em português Cercas e Janelas), uma coleção de matérias escrita por ela sobre o movimento antiglobalização no mundo como movimento zapatista e os protestos contra OMC e FMI. Em 2004 Klein e o marido Avi Lewis fizeram um documentário chamado The Take onde contam sobre os trabalhadores autônomos na Argentina. Klein também escreve regularmente para os jornais The Nation, In These Times, Canada’s The Globe and Mail, This Magazine e The Guardian. Em outubro de 2005 esteve em 11ª lugar na enquete sobre os intelectuais de 2005 promovida pela Revista Prospect. (Nota da IHU On-Line)

[3] Mary Robinson (1944): política irlandesa. Entre os anos de 1969 a 1989 participou da Câmara Alta do Parlamento e, em 1988, foi co-fundadora do Centro Irlandês para as Leis Européias. Nos anos 1990 foi eleita presidente da Republica da Irlanda, sendo a primeira mulher e a primeira personalisdade de esquerda a ocupar o cargo. Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Mary Robinson fundou a EGI (Iniciativa Ética Global). (Nota da IHU On-Line). Helmut Schmidt (1918): economista e ex-político do Partido Social-Democrata (SPD) Alemão, desde 1946. Foi Chanceler da Alemanha de 1974 a 1982, tendo atuado como ministro de Relações Exteriores. (Nota da IHU On-Line). Shimon Peres (1923): Político israelense. Foi primeiro-ministro de Israel nos períodos de 1984 a 1986 e 1995 a 1996, e co-fundador do Partido Trabalhista israelense, em 1968. Em junho de 2007 foi eleito presidente de Israel. (Nota da IHU On-Line)

[4] Pablo Solón Romero: foi embaixador do Estado Plurinacional da Bolívia junto à Organização das Nações Unidas a partir de fevereiro de 2009 a julho de 2011. Ele é o filho do famoso boliviano muralista Walter Solón Romero Gonzáles. Atualmente é diretor executivo da Focus on the Global South , com sede em Bangkok. (Nota da IHU On-Line)

[5] Em artigo publicado no Boletim Tunapa, n. 98, da Fundação Solón, distribuído no encontro (Nota da entrevistada)

[6] Via Campesina: organização internacional de camponeses composta por movimentos sociais e organizações de todo o mundo. A organização visa articular os processos de mobilização social dos povos do campo em nível internacional. (Nota da IHU On-Line)

[7] Roberto Malvezzi – “Gogó” (1953): graduado em Estudos Sociais e em Filosofia pela Faculdade Salesiana de Filosofia, Ciências e Letras de Lorena, em São Paulo. Também é graduado em Teologia pelo Instituto Teológico de São Paulo. Em janeiro de 1980, incorporou-se nas Pastorais Sociais da Diocese de Juazeiro, tendo sido Coordenador Nacional por aproximadamente seis anos da Comissão Pastoral da Terra – CPT. Lutou contra o regime militar, na defesa dos direitos das populações realocadas em razão da barragem de Sobradinho, na luta pela convivência com o semiárido. É escritor e compositor. (Nota da IHU On-Line)

[8] Comissão Pastoral da Terra (CPT): órgão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, vinculado à Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz e surgido em 22 de junho de 1975, durante o Encontro de Pastoral da Amazônia, convocado pela CNBB e realizado em Goiânia. (Nota da IHU On-Line)

[9] IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática: órgão das Nações Unidas responsável por produzir informações científicas em três relatórios que são divulgados periodicamente desde 1988. Os relatórios são baseados na revisão de pesquisas de 2.500 cientistas de todo o mundo. O documento divulgado pelo IPCC em fevereiro de 2007 afirmou que os homens são os responsáveis pelo aquecimento global. Sobre o tema, a IHU On-Line nº 215 produziu uma edição especial, intitulada Estamos no mesmo barco. E com enjoo. Anotações sobre o relatório do IPCC. O sítio do IHU tem dado ampla cobertura ao tema. No endereço eletrônico (, podem ser acessadas entrevistas sobre o assunto. (Nota da IHU On-Line)

[10] Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento: encontro realizado entre os dias 3 e 14 de junho de 1992, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. O evento, que ficou conhecido como ECO-92 ou Rio-92, fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados, e elaborou documentos importantes que continuam sendo referência para as discussões ambientais. (Nota da IHU On-Line)

[11] Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima: é um tratado internacional que foi resultado da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, informalmente conhecida como a Cúpula da Terra, realizada no Rio de Janeiro em 1992. O tratado não fixou, inicialmente, limites obrigatórios para as emissões de gases de efeito estufa e não continha disposições coercitivas. Em vez disso, garantia disposições para atualizações (chamados “protocolos”), que deveriam criar limites obrigatórios de emissões, dos quais o mais conhecido é o Protocolo de Quioto. (Nota da IHU On-Line)

(EcoDebate, 15/07/2015) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]