sábado, 15 de agosto de 2015

Árbol del nim: Azadirachta indica (www.riomoros.com)

Plantaciones de té en primavera


Edições da Hortaliças em Revista para download

Regular consumption of spicy foods linked to lower risk of early death

Data suggest most benefit from eating spices regularly throughout the week

Date: August 4, 2015

Source: BMJ

Eating spicy food more frequently as part of a daily diet is associated with a lower risk of death, suggests a new study. The association was also found for deaths from certain conditions such as cancer, and ischemic heart and respiratory diseases.
Spicy chicken curry. Compared with participants who ate spicy foods less than once a week, those who consumed spicy foods 1 or 2 days a week were at a 10% reduced risk of death.
Credit: © PhotoEd / Fotolia

This is an observational study so no definitive conclusions can be drawn about cause and effect, but the authors call for more research that may "lead to updated dietary recommendations and development of functional foods."

Previous research has suggested that beneficial effects of spices and their bioactive ingredient, capsaicin, include anti-obesity, antioxidant, anti-inflammation and anticancer properties.

So an international team led by researchers at the Chinese Academy of Medical Sciences examined the association between consumption of spicy foods as part of a daily diet and the total risk and causes of death.

They undertook a prospective study of 487,375 participants, aged 30-79 years, from the China Kadoorie Biobank. Participants were enrolled between 2004-2008 and followed up for morbidities and mortality.

All participants completed a questionnaire about their general health, physical measurements, and consumption of spicy foods, and red meat, vegetable and alcohol.

Participants with a history of cancer, heart disease, and stroke were excluded from the study, and factors such as age, marital status, level of education, and physical activity were accounted for.

During a median follow-up of 7.2 years, there were 20,224 deaths.

Compared with participants who ate spicy foods less than once a week, those who consumed spicy foods 1 or 2 days a week were at a 10% reduced risk of death (hazard ratios for death was 0.90). And those who ate spicy foods 3 to 5 and 6 or 7 days a week were at a 14% reduced risk of death (hazard ratios for death 0.86, and 0.86 respectively).*

In other words, participants who ate spicy foods almost every day had a relative 14% lower risk of death compared to those who consumed spicy foods less than once a week.

The association was similar in both men and women, and was stronger in those who did not consume alcohol.

Frequent consumption of spicy foods was also linked to a lower risk of death from cancer, and ischaemic heart and respiratory system diseases, and this was more evident in women than men.

Fresh and dried chilli peppers were the most commonly used spices in those who reported eating spicy foods weekly, and further analysis showed those who consumed fresh chilli tended to have a lower risk of death from cancer, ischaemic heart disease, and diabetes.

Some of the bioactive ingredients are likely to drive this association, the authors explain, adding that fresh chilli is richer in capsaicin, vitamin C, and other nutrients. But they caution against linking any of these with lowering the risk of death.

Should people eat spicy food to improve health? In an accompanying editorial, Nita Forouhi from the University of Cambridge says it is too early to tell, and calls for more research to test whether these associations are the direct result of spicy food intake or whether this is a marker for other dietary or lifestyle factors.

* A hazard ratio is a measure of how often a particular event happens in one group compared to how often it happens in another group, over time.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by BMJ. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Jun Lv et al. Consumption of spicy foods and total and cause specific mortality: population based cohort study. BMJ, 2015 DOI:10.1136/bmj.h3942

Cite This Page:
BMJ. "Regular consumption of spicy foods linked to lower risk of early death: Data suggest most benefit from eating spices regularly throughout the week." ScienceDaily. ScienceDaily, 4 August 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/08/150804202650.htm>.

Trans fats, but not saturated fats like butter, linked to greater risk of early death and heart disease

Date: August 11, 2015

Source: McMaster University

Contrary to prevailing dietary advice, a recent evidence review found no excess cardiovascular risk associated with intake of saturated fat. In contrast, research suggests that industrial trans fats may increase the risk of coronary heart disease.

See more at:

Curcumin and turmeric: Improving the therapeutic benefits by enhancing absorption and bioavailability

Date: August 12, 2015

Source: Taylor & Francis

Few natural products have demonstrated the range of protective and therapeutic promise as have turmeric and its principal bioactive components, the curcuminoids. Success in translating this potential into tangible benefits has been limited by inherently poor intestinal absorption, rapid metabolism, and limited systemic bioavailability. Seeking to overcome these limitations, food ingredient formulators have begun to employ a variety of approaches to enhance absorption and bioavailability.

Few natural products have demonstrated the range of protective and therapeutic promise as have turmeric and its principal bioactive components, the curcuminoids. Success in translating this potential into tangible benefits has been limited by inherently poor intestinal absorption, rapid metabolism, and limited systemic bioavailability. Seeking to overcome these limitations, food ingredient formulators have begun to employ a variety of approaches to enhance absorption and bioavailability.

Turmeric and its main bioactive components -- curcumin, desmethoxycurcumin and bisdemethoxycurcumin -- have many biological effects including anti-inflammatory, antioxidant, antitumor, antibacterial, and antiviral activities. Turmeric traditionally has been consumed in fat-based sauces, such as in a fat-rich yellow curry. More recently, intake of concentrated extracts of curcuminoids has become common in the form of health supplements. This review introduces needed order to the curcumin marketplace by examining bioavailability studies on a number of commercial curcumin ingredients and evaluating them on a level playing field.

The article presented the following results:

· A hydrophilic carrier dispersed curcuminoid formula exhibits 45.9 times the bioavailability of the standard purified 95 percent curcuminoid preparation and, based on relative mass efficiency, 1.5 times the bioavailability of the next best commercial ingredient, a cyclodextrin complex.

Curcumin is currently being actively researched. When asked about the future of this field of research, author Dallas Clouatre said, "I would like to see and perhaps be involved in research on improving bioavailability. Also, it would be useful to test whether curcumin's benefits can be improved or even directed through use of combination products. The "silver bullet" research model for nutritional and pharmaceutical compounds long has been questioned. Alternatives, such as an examination of what is sometimes termed the "entourage effect," need to be explored."

The article authors conclude, "Delivery strategies can significantly improve the bioavailability of curcuminoids. Total formula mass is important for making practical formulation decisions about dosing, cost and space."

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Taylor & Francis.Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Brad J. Douglass, Dallas L. Clouatre. Beyond Yellow Curry: Assessing Commercial Curcumin Absorption Technologies. Journal of the American College of Nutrition, 2015; 34 (4): 347 DOI:10.1080/07315724.2014.950392

Cite This Page:
Taylor & Francis. "Curcumin and turmeric: Improving the therapeutic benefits by enhancing absorption and bioavailability." ScienceDaily. ScienceDaily, 12 August 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/08/150812134254.htm>.

Genetically engineered yeast produces opioids

3-5 days to biosynthesize active ingredients for opioid painkillers

Date: August 13, 2015

Source: Stanford School of Engineering

It typically takes a year to produce hydrocodone from plants, but scientistst have now genetically modified yeast to make it in just a few days. The technique could improve access to medicines in impoverished nations, and later be used to develop treatments for other diseases.
After a decade's work a team led by Stanford bioengineer Christina Smolke succeeded in finding more than 20 genes from five different organisms and engineering them into the genome of baker's yeast. In so doing they created two different microbial assembly lines, each of which took less than five days to convert sugar into one of two medicinal compounds: either thebaine, which can be refined into painkillers, or hydrocodone which is a prescription painkiller. The circles on the left represent organisms that contributed genes to the bioengineered yeast. From the top: California poppy, rat, goldthread, bacteria, and opium poppy.
Credit: Stephanie Galanie, Smolke Lab

For thousands of years, people have used yeast to ferment wine, brew beer and leaven bread.

Now researchers at Stanford have genetically engineered yeast to make painkilling medicines, a breakthrough that heralds a faster and potentially less expensive way to produce many different types of plant-based medicines.

Writing today in Science, the Stanford engineers describe how they reprogrammed the genetic machinery of baker's yeast so that these fast-growing cells could convert sugar into hydrocodone in just three to five days.

Hydrocodone and its chemical relatives such as morphine and oxycodone are opioids, members of a family of painkilling drugs sourced from the opium poppy. It can take more than a year to produce a batch of medicine, starting from the farms in Australia, Europe and elsewhere that are licensed to grow opium poppies. Plant material must then be harvested, processed and shipped to pharmaceutical factories in the United States, where the active drug molecules are extracted and refined into medicines.

"When we started work a decade ago, many experts thought it would be impossible to engineer yeast to replace the entire farm-to-factory process," said senior author Christina Smolke, an associate professor of bioengineering at Stanford.

Now, though the output is small -- it would take 4,400 gallons of bioengineered yeast to produce a single dose of pain relief -- the experiment proves that bioengineered yeast can make complex plant-based medicines.

"This is only the beginning," Smolke said. "The techniques we developed and demonstrate for opioid pain relievers can be adapted to produce many plant-derived compounds to fight cancers, infectious diseases and chronic conditions such as high blood pressure and arthritis."

From plant to test tubes

Many medicines are derived from plants, which our ancestors chewed or brewed into teas, or later refined into pills using chemical processes to extract and concentrate their active ingredients. Smolke's team is modernizing the process by inserting precisely engineered snippets of DNA into cells, such as yeast, to reprogram the cells into custom chemical assembly lines to produce medicinal compounds.

An important predecessor to the Stanford work has been the use of genetically engineered yeast to produce the anti-malarial drug artemisinin. Traditionally artemisinin has been sourced from the sweet wormwood tree in similar fashion to how opiates are refined from poppy. Over the last decade, as yeast-based artemisinin production has become possible, about one third of the world's supply has shifted to bioreactors.

The artemisinin experiments proved that yeast biosynthesis was possible, but involved adding only six genes. The Stanford team had to engineer 23 genes into yeast to create their cellular assembly line for hydrocodone.

"This is the most complicated chemical synthesis ever engineered in yeast," Smolke said.

Her team found and fine-tuned snippets of DNA from other plants, bacteria and even rats. These genes equipped the yeast to produce all the enzymes necessary for the cells to convert sugar into hydrocodone, a compound that deactivates pain receptors in the brain.

"Enzymes make and break molecules," said Stephanie Galanie, a PhD student in chemistry and a member of Smolke's team. "They're the action heroes of biology."

To get the yeast assembly line going, the Stanford team had to fill in a missing link in the basic science of plant-based medicines.

Many plants, including opium poppies, produce (S)-reticuline, a molecule that is a precursor to active ingredients with medicinal properties. In the opium poppy, (S)-reticuline is naturally reconfigured into a variant called (R)-reticuline, a molecule that starts the plant down a path toward the production of molecules that can relieve pain.

Smolke's team and two other labs recently independently discovered which enzyme reconfigures reticuline, but even after the Stanford bioengineers added this enzyme into their microbial factory, the yeast didn't create enough of the opioid compound. So they genetically tweaked the next enzyme in the process to boost production. Down the line they went, adding enzymes, including six from rats, in order to craft a molecule that emerged ready to plug pain receptors in the brain.

Engineered with a purpose

In their Science paper, the Stanford authors acknowledged that a new process to make opioid painkillers could increase concerns about the potential for opioid abuse.

"We want there to be an open deliberative process to bring researchers and policymakers together," Smolke said. "We need options to help ensure that the bio-based production of medicinal compounds is developed in the most responsible way."

Smolke said that in the United States, where opioid medicines are already widely available, the focus is on potential misuse. But the World Health Organization estimates that 5.5 billion people have little or no access to pain medications.

"Biotech production could lower costs and, with proper controls against abuse, allow bioreactors to be located where they are needed," she said.

In addition to bioengineering yeast to convert sugar into hydrocodone, the Stanford team developed a second strain that can process sugar into thebaine, a precursor to other opioid compounds. Bio-produced thebaine would still need to be refined through sophisticated processes in pharmaceutical factories, but it would eliminate the time delay of growing poppies.

"The molecules we produced and the techniques we developed show that it is possible to make important medicines from scratch using only yeast," she said. "If responsibly developed, we can make and fairly provide medicines to all who need."

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Stanford School of Engineering. The original item was written by Tom Abate. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Galanie et al. Complete biosynthesis of opioids in yeast. Science, 2015 DOI: 10.1126/science.aac9373

Cite This Page:
Stanford School of Engineering. "Genetically engineered yeast produces opioids: 3-5 days to biosynthesize active ingredients for opioid painkillers." ScienceDaily. ScienceDaily, 13 August 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/08/150813142535.htm>.

Stomach is the way to a woman's heart, too

Study shows that women's brains respond more to romantic cues on a full stomach

Date: August 13, 2015

Source:  Drexel University


Women's brains respond more to romantic cues on a full stomach than an empty one, new research demonstrates. The study explored brain circuitry in hungry versus satiated states among women who were past-dieters and those who had never dieted.
You've heard that romance starts in the kitchen and not in the bedroom. Well, researchers at Drexel University finally have the science to support that saying -- but not the way you might think.
Credit: © psphotography / Fotolia

You've heard that romance starts in the kitchen and not in the bedroom. Well, researchers at Drexel University finally have the science to support that saying -- but not the way you might think.

In a new study published online in the journal Appetite, researchers found that women's brains respond more to romantic cues on a full stomach than an empty one. The study explored brain circuitry in hungry versus satiated states among women who were past-dieters and those who had never dieted.

The study's first author Alice Ely, PhD, completed the research while pursuing a doctoral degree at Drexel, and is now a postdoctoral research fellow at the Eating Disorders Center for Treatment and Research, part of the UC San Diego School of Medicine. Michael R. Lowe, PhD, a professor in the College of Arts and Sciences at Drexel University, was senior author.

"We found that young women both with and without a history of dieting had greater brain activation in response to romantic pictures in reward-related neural regions after having eaten than when hungry," said Ely.

Ely said the results are contrary to several previous studies, which showed that people typically demonstrate greater sensitivity to rewarding stimuli when hungry. Such stimuli may include things like food, money and drugs.

"In this case, they were more responsive when fed," she said. "This data suggests that eating may prime or sensitize young women to rewards beyond food. It also supports a shared neurocircuitry for food and sex."

The latest finding, based on a small pilot study, grew from Ely and her Drexel colleagues' earlier work investigating how the brain changes in response to food cues. Specifically, the researchers looked at whether the brain's reward response to food differed significantly in women at risk for future obesity (historical dieters) versus those who had never dieted. All of the study participants were young, college-age women of normal weight.

In that study, published in Obesity in 2014, the researchers found that the brains of women with a history of dieting responded more dramatically to positive food cues when fed as compared to women who had never dieted or who were currently dieting.

"In the fed state, historical dieters had a greater reaction in the reward regions than the other two groups to highly palatable food cues versus neutral or moderately palatable cues," she said. Highly palatable cues included foods like chocolate cake; neutral cues were things like carrots.

Ely said the data suggests historical dieters, who longitudinal studies have shown are more at risk for weight gain, may be predisposed by their brain reward circuitry to desire food more than people who have not dieted.

"Based on this study, we hypothesized that historical dieters are differentially sensitive -- after eating -- to rewards in general, so we tested this perception by comparing the same groups' brain activation when viewing romantic pictures compared to neutral stimuli in a fasted and fed state," she said. Testing was done using MRI imaging.

While both groups' reward centers responded more to romantic cues when fed, the historical dieters' neural activity noticeably differed from the non-dieters in one brain region that had also turned up in the earlier food studies.

"The pattern of response was similar to historical dieter's activation when viewing highly palatable food cues, and is consistent with research showing overlapping brain-based responses to sex, drugs and food," said Ely.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Drexel University. The original item was written by Alex McKechnie. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Alice V. Ely, Anna Rose Childress, Kanchana Jagannathan, Michael R. Lowe. The way to her heart? Response to romantic cues is dependent on hunger state and dieting history: An fMRI pilot study. Appetite, 2015; 95: 126 DOI: 10.1016/j.appet.2015.06.022

Cite This Page:
Drexel University. "Stomach is the way to a woman's heart, too: Study shows that women's brains respond more to romantic cues on a full stomach." ScienceDaily. ScienceDaily, 13 August 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/08/150813162335.htm>.

Vitamin D in teens: Don't overdo it, or bad things might happen

Date: August 14, 2015

Source: Mayo Clinic

Dosing obese teens with vitamin D shows no benefits for their heart health or diabetes risk, and could have the unintended consequences of increasing cholesterol and fat-storing triglycerides. These are the latest findings in a series of studies in childhood obesity.

Dosing obese teens with vitamin D shows no benefits for their heart health or diabetes risk, and could have the unintended consequences of increasing cholesterol and fat-storing triglycerides. These are the latest findings in a series of Mayo Clinic studies in childhood obesity.

Seema Kumar, M.D., a pediatric endocrinologist in the Mayo Clinic Children's Center, has been studying the effects of vitamin D supplementation in children for 10 years, through four clinical trials and six published studies. To date, Dr. Kumar's team has found limited benefit from vitamin D supplements in adolescents. The latest study, Effect of Vitamin D3 Treatment on Endothelial Function in Obese Adolescents, appears online in Pediatric Obesity.

"After three months of having vitamin D boosted into the normal range with supplements, these teenagers showed no changes in body weight, body mass index, waistline, blood pressure or blood flow," says Dr. Kumar. "We're not saying the links between vitamin D deficiency and chronic diseases don't exist for children -- we just haven't found any yet."

One-in-five American adolescents is obese, and more than a third are overweight, according to the Journal of American Medical Association. Several observational studies also have noted links between vitamin D deficiency and a host of weight-related medical complications, including cardiovascular diseases and insulin resistance. As a result, caregivers and providers often start high-dose supplementation in an attempt to slow or reverse some of the clinical complications associated with obesity.

"I have been surprised that we haven't found more health benefit," says Dr. Kumar. "We're not saying it's bad to take vitamin D supplements at reasonable doses, and we know most obese teens are vitamin D deficient. We're just saying the jury is still out on how useful it is for improving overall health in adolescents."

This is the first of Dr. Kumar's studies to report increased cholesterol and triglycerides during vitamin D supplementation, a finding she says might be attributed to the smaller number of children who participated in the study and the relatively short timeframe. She calls for larger, placebo-controlled studies to examine the long-term effects of vitamin D supplementation on teens and children.

Parents and providers often put obese adolescent children on vitamin D regimens -- sometimes at more than 5-to-10 times the recommended daily intake -- because some studies have shown a link between vitamin D in the blood and improved vascular function, says Dr. Kumar. She opted to study vitamin D in overweight teens because this population is at increased risk for chronic disease, and because of the compound's increasing popularity as a homeopathic or complementary treatment for obesity.

Dr. Kumar notes that it is possible to ingest too much vitamin D, a condition called vitamin D toxicity or hypervitaminosis, which can result in poor appetite, nausea, vomiting and kidney complications. More information is available online.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Mayo Clinic. The original item was written by Sam Smith. Note: Materials may be edited for content and length.

Cite This Page:
Mayo Clinic. "Vitamin D in teens: Don't overdo it, or bad things might happen." ScienceDaily. ScienceDaily, 14 August 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/08/150814091322.htm>.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Mulheres registram maiores níveis de colesterol

Gente que vai à feira


Gente que valoriza a agricultura familiar

Gente que prefere os alimentos orgânicos

Programa Rural Contemporâneo: Temperos e sabores picantes

Programa Rural Contemporâneo: Diversidades do Cerrado

Mapa de Feiras Orgânicas atingiu o total de 400 feiras cadastradas

Gente que se preocupa com a origem dos alimentos

Curso de Agroecologia á distância

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário - Segunda-feira, 10 de Agosto de 2015 

Está aberta as inscrições para o curso a distância de agroecologia. Os interessados podem se inscrever até o dia 18 de setembro, por meio de carta de intenção pelo endereço eletrônico: petry@upf.br. As aulas começam em 21 de setembro. O curso de 40h tem como público-alvo: agentes de extensão rural, agricultores, estudantes e pessoas com interesse no tema. As aulas serão ministradas pela Unidade de Passo Fundo/RS e tem como objetivo o estímulo, a reflexão e a análise da agroecologia.

A ação integra o edital 81/2013 no qual o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) fomenta 54 projetos de Núcleos de Estudo em Agroecologia e duas Redes de Núcleos de Estudo em Agroecologia (R-NEA) no Sudeste e no Sul com recursos na ordem de R$ 11 milhões. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) faz a gestão do edital.


Falta um ano para as Olimpíadas no Rio. E vai ter orgânicos!

Fonte: Organics News Brasil - Segunda-feira, 10 de Agosto de 2015 

Falta exatamente um ano para as Olimpíadas no Rio de Janeiro. Nem vamos abordar o atraso nas obras, a poluição, a falta de mobilidade urbana e a falta de segurança.

Vamos torcer para dar certo o projeto do comitê Brasil Orgânico e Sustentável, liderado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e empresas provadas do setor.

Na Copa não deu muito certo, nem teve grande repercussão a venda e exposição de orgânicos nos estádios.

Dessa vez, a intenção é ter as Praças Brasil Orgânico e Sustentável. Serão quiosques para venda direta de produtos da agricultura familiar, com novo formato mais amplo e integrado por uma área de convivência, as “praças” serão instaladas em cinco pontos do Rio de Janeiro – Praça São Perpétuo (conhecida como Praça do Ó), Jardim Botânico, Largo do Machado, Saens Peña e Centro (Praça XV ou Porto).

A campanha Brasil Orgânico e Sustentável é realizada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) em parceria com os ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Turismo (MTur), com o Programa das Nações Unidades para o Meio Ambiente (Pnuma), com a Agência de Cooperação Alemã (GIZ); com a Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, com a Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), com o Instituto Maniva, com o Instituto Nacional do Câncer (Inca) e com o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec).


RS mostra a força da agricultura familiar

Fonte: Por: Marta Moraes – Editor: Marco Moreira - Ascom/MMA - Terça-feira, 11 de Agosto de 2015 

Boas práticas 3//Modelo inédito de produção mistura propriedade coletiva da terra e mecanismos de mercado para garantir renda a famílias de colonos

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, esteve sexta-feira (07/08), na Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (Coopan), no Assentamento Capela, no município de Nova Santa Rita, Região Metropolitana de Porto Alegre.

O assentamento e a cooperativa completaram, em 2014, 20 anos com um modelo inédito de produção que mistura propriedade coletiva da terra e mecanismos de mercado para garantir renda a dezenas de famílias de colonos, procedentes de um acampamento em Cruz Alta.

Trinta famílias do assentamento (de um total de 100) fazem parte da cooperativa, que possui, atualmente, 70 sócios e que colhe, por safra, mais de 50 mil sacas de arroz orgânico, além de criar suínos e produzir leite. A safra de arroz orgânico da reforma agrária no Rio Grande do Sul, em 2014, chegou a 350 mil sacas e a produção é certificada pelo Instituto de Mercado Ecológico (IMO).


Durante a visita, a ministra conheceu a infraestrutura da cooperativa e o local de beneficiamento e armazenamento do arroz. Na ocasião, ela ressaltou a experiência da produção do arroz agroecológico da cooperativa como um caminho a ser seguido por outros assentamentos e o significado da participação das mulheres na cooperativa como um exemplo para as gerações mais jovens.

No início do assentamento e da cooperativa os agricultores tentaram a produção tradicional do arroz, mas os produtores começaram a apresentar muitos problemas de saúde. “Procuramos, então, fazer uma produção diferente, respeitando o trabalhador, o meio ambiente e o consumidor”, explica o diretor da Cooperativa, Nilvo Bosa. “Trocamos experiências com outros assentamentos e, hoje, conseguimos dominar a técnica de cultivo. Desde o início da produção do arroz orgânico, em 1999, passamos a vivenciar as vantagens desse tipo de produção.”


Além do cultivo do arroz orgânico, em 544 hectares, a Coopan abate cerca de 20 mil suínos e produz 118 mil litros de leite ao ano, num sistema sem empregados: os sócios são remunerados pelo número de horas trabalhadas, independentemente da atividade. Existem na cooperativa vários postos de serviços em atividade, que vão além da produção do arroz, suína e do leite. Há, por exemplo, uma padaria no local.

Com esse sistema. as famílias conquistaram mais qualidade de vida e renda com a produção desses itens. O assentamento Capela, que possui 2.160 hectares, proporciona a infraestrutura que as famílias precisam para produzir. Lá, elas, ainda, contam com espaços que asseguram a integração e o bem estar da comunidade.

Já na Cooperativa, da qual fazem parte 30% das famílias dos assentados, existe uma sede administrativa e uma creche, que acolhe os filhos das agricultoras e agricultores, enquanto os pais trabalham na produção de arroz. Tem também uma cozinha comunitária, um refeitório, uma quadra poliesportiva, campo de futebol, entre outras estruturas. Cada família que integra a cooperativa tem um lote na área do assentamento. Mas o uso da terra é coletivo.


Desde o preparo do solo para o plantio até o momento de comercialização, o arroz passa por diversas etapas. Tudo é planejado com antecedência pela diretoria coletiva e pelos cooperados, para que haja um manejo adequado e que as próximas safras também sejam garantidas. Parte da produção é vendida para mercados locais especializados em orgânicos e para supermercados de grandes cidades, como Porto Alegre, São Paulo e Brasília.
Mas a maior parte é vendida para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). Segundo o diretor da Coopan, as medidas auxiliaram também na logística da comercialização. “Esses programas nos ajudaram a desenvolver e a melhorar a produção”, garante. “Produzimos no campo como sonhamos um dia e conseguimos entregar o produto.”


A renda da cooperativa vem também da prestação de serviços a parceiros. Os silos, por exemplo, abrigam a produção de outras cooperativas de sem-terra que não têm capacidade de armazenamento. Ao longo dos anos de produção, os assentados foram adquirindo tecnologia, como máquinas de secagem e beneficiamento de arroz. Hoje, eles têm até tecnologia de embalagem a vácuo, o que faz com que a validade do produto seja de um ano.

A expectativa é gerar mais renda e manter os jovens no campo, de acordo com o diretor da Coopan. Para isso, os produtores estão investindo no envolvimento dos jovens nas atividades da cooperativa. “Nosso jovem participa ativamente. Temos vários postos de serviços, estimulamos os estudos deles, mostramos as vantagens de se ficar no campo. Essa experiência da cooperativa com o assentamento Capela é um sinal de que a reforma agrária dá certo”, afirma. Bosa lembra ainda que os assentamentos também exercem um papel importante nos municípios, movimentando a economia local.


O sistema de produção orgânica se baseia em princípios de agroecologia que buscam viabilizar a produção de alimentos e outros produtos necessários ao homem de forma harmônica com a natureza, com relações comerciais e de trabalho justas, e valorização da cultura e do desenvolvimento local. A produção agroecológica é melhor para a saúde do consumidor, do produtor e do meio ambiente. Traz também benefícios econômicos e sociais.

Acompanharam a ministra na visita o diretor do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Raimundo Deusdará, e o secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA (SEDR), Carlos Guedes de Guedes.


Alimentos energéticos melhoram qualidade do leite materno

Fonte: Graziele Bezerra - Rádioagência Nacional - Quarta-feira, 05 de Agosto de 2015 

A maranhense Tatiele Barros teve muita dificuldade para amamentar o filho Pedro Henrique, hoje com quatro anos de idade. Sonora: "Eu sofri muito, meus seios doiam, mas não saía leite. Meu filho chorava demais. Eu fiquei desesperada. Aí minha mãe, mais experiente, fazia compressa com água morna e passava no seio e me ensinaram também que tem uma seringa. É própria para isso, para puxar o leite e eu fui fazendo, fazendo essa experiência, e fazia muita massagem no seio e até que um certo dia começou a sair leite."

Ela ouviu muitos conselhos para comer canjica, rapadura e outros alimentos conhecidos como excelentes fontes de produção de leite, mas preferiu optar por outro caminho. Sonora: "A minha alimentação era muito saudável, balanceada porque foi a pediatra que passou. Para mim, eu não considerava boa, mas como era pelo meu filho, para dar leite, para ele não sentir cólica, para não sentir nada, aí eu tive que fazer uma alimentação bem saudável." Para a nutricionista Cristiane Coronel, a alimentação balanceada é a melhor aliada para a produção de leite materno. Mas ela também recomenda a introdução de alimentos muito comuns no norte do país.

Sonora: "O açaí está em primeiro lugar das frutas mais energéticas e que ajudam realmente a mãe ter uma boa nutrição porque ele é rico em ferro, ácido fólico, vitaminas, minerais, fibras e principalmente gorduras boas. Então não só o açaí deve ser introduzido na alimentação, como também castanhas. É muito interessante também porque são fontes de gorduras boas. São fontes de gorduras que realmente vão ajudar no equilíbrio metabólico e principalmente dos hormônios da própria mãe, vai melhorar a qualidade do leite sempre."

A nutricionista também fala do valor nutricional de outro alimento bastante consumido na região. Sonora: "A tapioca também influencia e muito na produção de leite porque ela é extremamente energética. Então você colocando a tapioca que seja ela doce, que seja a salgada, ou só mesmo com uma manteiga, já é um alimento que é muito rico em nutrientes que seja principalmente em gorduras boas e carboidratos bons também. Introduzir isso em lanches é uma excelente opção pra mãe ter energia suficiente pra poder dar conta da demanda do bebê e também pra produção de leite. É uma execelente fonte. E não só a tapioca, mas comer a própria mandioca também é uma fonte nutricional muito interessante." Outro desafio enfrentando por muitas mães é manter a amamentação do bebê com o fim da licença-maternidade. Cristiane Coronel orienta que nesse caso seja feita a ordenha antes de sair de casa. O leite materno deve ser conservado em geladeira. A nutricionista garante que, dessa forma, o bebê ficará bem nutrido enquanto a mãe estiver no trabalho.


Falsos mitos querem manter afastado o protagonismo popular na escolha dos alimentos

Fonte: ABRASCO - Por Erneilton Lacerda - Quarta-feira, 05 de Agosto de 2015 

Mesa-redonda debateu como as estratégias da indústria de alimentos prejudicam a saúde e retiram direitos

A frase “Você é o que você come” nunca foi tão importante e contou com tanta conotação política como nos dias atuais e esteve no centro dos debates da mesa-redonda O Modelo Agroalimentar hegemônico e as ameaças à Saúde e à Soberania Alimentar: O caso dos Alimentos Biofortificados, Transgênicos e Ultraprocessados, realizada em 31 de julho, no penúltimo dia do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, o Abrascão 2015.

Diversos movimentos sociais, cientistas e pesquisadores dialogaram com os debatedores Vanessa Schottz Rodrigues, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Campus Macaé (UFRJ) e integrante do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar (Fbssan); Leonardo Melgarejo, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RS) e membro da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA), e Carlos Augusto Monteiro, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP). Todos eles defenderam o protagonismo da população brasileira em escolher o tipo de alimento que consome e o acesso pleno às informações acerca dos agrotóxicos e dos alimentos bioforticados, transgênicos e ultraprocessados. A coordenação da mesa foi de Anelise Rizollo, professora da Universidade de Brasília e integrante do Grupo Temático Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva (GT ANSC/Abrasco).

O diálogo frutífero entre o conhecimento acadêmico e o popular, uma das marcas dos eventos da Abrasco, foi destacado por Vanessa Schottz Rodrigues, que citou o Dossiê Abrasco: Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na Saúde, como exemplo dessa construção coletiva. A professora defendeu os direitos de cada povo decidir sobre o seu próprio sistema alimentar produtivo e afirmou que “refletir sobre o que comemos e o que deixamos de comer faz com que aprofundemos a leitura sobre a forma como o sistema agroalimentar se estrutura e como ele próprio determina aquilo que comemos e aquilo que deixamos de comer”.

A debatedora fez uma diferenciação entre o que se conveniou chamar de segurança alimentar global e segurança alimentar. Esta última, expôs, “nasce no seio dos movimentos sociais campesinos” e se contrapõe à primeira, cujas características são a intensificação e especialização de produção, expansão das trocas no mercado internacional, a concentração do poder nas mãos de empresas transnacionais e a padronização e artificialização de alimentos. “Para tanto, são utilizadas tecnologias que pouco conhecemos e que trazem impactos sociais e de saúde”, criticou Vanessa, que enxerga na agroecologia o modelo ideal para contrapor o modelo agroalimentar hegemônico. “A agroecologia defende o respeito às diversidades locais, resiste politicamente ao agronegócio, tem produção diversificada e conserva a agrobiodiversidade”, justificou.

O processamento de alimentos permeou a exposição de Carlos Monteiro. Ele separou os alimentos em três categorias: alimentos in natura e/ou minimamente processados; ingredientes culinários, e alimentos processados e ultraprocessados, formulação que norteou o Guia Alimentar da População Brasileira, lançado no ano passado. Ele demonstrou preocupação especial com os ultraprocessados e questionou se podem ser chamados de alimentos. “O ultraprocessado, na verdade, é feito com o que sobra. Não é composto por um alimento específico, mas é a formulação de ingredientes em sua maior parte modificados, substâncias e aditivos sem os quais não há processamento”, aprofundou-se. “A indústria de alimentos tende a defender o processamento como se fosse um conjunto de técnicas que acontecem desde a colheita do alimento à preparação culinária. Dessa forma, ela esconde o processamento industrial”, complementou.

Monteiro criticou o marketing agressivo e antiético da indústria de alimentos ultraprocessados e indicou que o crescente consumo desse tipo de alimentos é a principal causa da pandemia de obesidade. “A cadeia da produção de alimentos ultraprocessados causa vários problemas que vão além da questão de doenças crônicas e da obesidade, pois eles prejudicam a vida social, cultura e a sustentabilidade do planeta”.

Leonardo Melgarejo foi o último debatedor e tratou do imaginário e das “mitologias” construídos a respeito dos transgênicos, agrotóxicos e plantas fortificadas. Para ele, é papel dos profissionais da nutrição e das demais áreas da saúde alertar as pessoas para os riscos do uso dos transgênicos, agrotóxicos e plantas fortificadas. “Apenas reuniões como essa que a Abrasco promove conseguirão colocar para as pessoas a importância de seu protagonismo dentro desse debate”.

Melgarejo declarou que há uma despolitização proposital desse debate, “com a venda ilusória de soluções técnicas para problemas políticos”. A banalização de conceitos, continuou, se apoia na redução do protagonismo social, simplificações e abordagens curativas que fortalecem concentração de poder econômico. “As seis maiores empresas que vendem sementes são as seis maiores empresas que vendem agrotóxicos”, informou.

Para fazer valer seus interesses, a indústria se apoia em mitos, utilizados unicamente para esconder as verdades inconvenientes. Os principais mitos que envolvem os transgênicos dizem que eles são mais seguros, protegem o meio ambiente e a saúde e representam o fim do fome. Há a falsa crença também de que os agrotóxicos se degradam no meio ambiente e são eliminados pelo corpo humano, ao passo que se difundiu o mito de que as plantas bioativas acabarão com a desnutrição oculta. “O mito indispensável e comum aos três é que eles são indispensáveis”, asseverou. “A lógica dos transgênicos, dos agrotóxicos e dos bioforticados é criar novos mercados para um pequeno grupo de empresas. Isso ignora a desnutrição e as doenças trazidas por eles.”

Apesar disso, Melgarejo acredita que, diante da situação mundial, o Brasil está indo bem: “As ações de combate à fome e a pobreza têm trabalhando para superar o problema da desnutrição. A proposta relacionada às plantas bioforticadas enfraquece esse trabalho. O Programa Nacional de Redução de Agrotóxicos (PRONARA) precisa do apoio da sociedade, porque entra em confronto com programas desenvolvidos pelo Ministério da Agricultura. Por isso, esse processo de informação, participação e protagonismo é tão importante”.


Projeto Agroflorestar torna-se referência para geração de políticas públicas no país e exterior 

Fonte: Articulação Nacional de Agroecologia - ANA - Quarta-feira, 05 de Agosto de 2015 

O Projeto Agroflorestar realizado pela Cooperafloresta (Associação dos Agricultores Agroflorestais de Barra do Turvo/SP e Adrianópolis /PR) e demais atores sociais está gerando referenciais para políticas públicas socioambientais

O Projeto Agroflorestar, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental - iniciativa da Cooperafloresta (Associação dos Agricultores Agroflorestais de Barra do Turvo/SP e Adrianópolis /PR)e diversas organizações parceiras - tem contribuído para a geração de referências para políticas públicas na esfera socioambiental no Brasil e em outros países.

Trata-se da propagação das linhas de atuação do Projeto Agroflorestar que buscam o equilíbrio entre o desenvolvimento humano e o meio ambiente por meio dos Sistemas Agroflorestais (SAFs). Refere-se à prática que promove a proteção e recuperação ambiental aliada ao resgate da dignidade de vida dos associados da Cooperafloresta, atualmente 120 famílias agricultoras e quilombolas de Adrianópolis (PR) e de Barra do Turvo (SP). 

Tecnologia Social exemplar

A Tecnologia Social que permeia o Projeto Agroflorestar, desenvolvida desde 1996 pela Cooperafloresta, em 2013 foi destacada entre as três melhores do país, que atuam na transformação de comunidades. A condecoração foi decorrente do prêmio promovido pela Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, que elegeu o projeto ‘Agrofloresta baseada na estrutura, dinâmica e biodiversidade florestal’ um dos três ícones do Brasil, na categoria “Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária”.

Linhas de atuação do Projeto Agroflorestar tornam-se edificantes 

Para corroborar com a geração de referenciais para políticas públicas na esfera scioambiental, neste ano outras duas instituições passaram a considerar as linhas de atuação, bem como os padrões técnicos e metodológicos do Projeto Agroflorestar modelo.

Para tanto, os referenciais técnicos e metodológicos advêm do aprimoramento e ampliação da prática agroflorestal junto à agricultura familiar e camponesa e comunidades quilombolas; dos trabalhos de campo e do desenvolvimento de estudos e pesquisas. Trabalho este que - com foco na fixação de carbono e emissões evitadas em biomas diversos - vem gerando informações científicas relevantes que servirão como base para apontar referenciais para políticas públicas.

Projeto Agroflorestar na Plataforma de Boas Práticas para o Desenvolvimento

Sustentável (www.boaspraticas.org.br), A primeira iniciativa de 2015 para irradiar o Projeto Agroflorestar a ponto de garantir visibilidade global das ações desenvolvidas é a de que os referenciais para otimizar o desenvolvimento de SAFs poderão, agora, ser acessados e proliferados por meio da Plataforma de Boas Práticas para o Desenvolvimento Sustentável (www.boaspraticas.org.br). Lançada em 2014 pela Unidade de Coordenação de Projetos da FAO, em parceria com a ITAIPU Binacional e o Governo do Estado do Paraná, a

Plataforma objetiva promover a disseminação e o compartilhamento de um conjunto de iniciativas bem sucedidas desenvolvidas nos três estados da região Sul do Brasil. A Plataforma vai proporcionar a troca de experiências, sobretudo entre nações latinoamericanas e africanas, a partir do diálogo em prol do desenvolvimento sustentável.

Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC

Outra iniciativa é decorrente da atuação de um grupo de trabalho da Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC. Desta feita, a atuação da Cooperafloresta está sendo citada como referência mútua para otimizar o desenvolvimento de SAFs. Neste âmbito, a proposta é a de compartilhar as experiências consolidadas ou em andamento com o manejo ou beneficiamento de Sistemas AgroFlorestais Agroecológicos do Sul (SAFAS), aprovado pelo MDA/CNPq, de forma que sejam efetivamente consideradas nas políticas públicas e/ou ações futuras.

Sobre a Cooperafloresta – http://www.cooperafloresta.com/

A Cooperafloresta (Associação dos Agricultores Agroflorestais de Barra do Turvo/SP e Adrianópolis /PR) nasceu em 1996. Em 2003 foi formalizada e hoje atua diretamente com 120 famílias agricultoras e quilombolas de Adrianópolis (PR) e Barra do Turvo (SP). Também assessora 180 famílias agriculturas assentadas, distribuídas nos municípios de Morretes, Antonina, Paranaguá, Serra Negra e Lapa (Paraná); Ribeirão

Preto e Apiaí (São Paulo).

Em todas as localidades promove o fortalecimento da agricultura familiar e camponesa assessorando os processos de organização, formação e capacitação das famílias agricultoras, planejamento dos sistemas agroflorestais, além do beneficiamento, agroindustrialização, certificação participativa e comercialização da produção.

Além do Projeto Agroflorestar, a Cooperafloresta executou três outros projetos patrocinados pela Petrobras que tem se configurado como uma parceira fundamental para a consolidação, qualificação e multiplicação da prática agroflorestal, geração de renda e conservação ambiental.

Sobre o Projeto Agroflorestar http://www.agroflorestar.com.br/

O Projeto Agroflorestar – iniciativa que busca o equilíbrio entre o desenvolvimento humano e o meio ambiente – está sendo patrocinado pela Petrobras desde 2010. Ao longo de sua execução vem conquistando resultados importantes e muitos avanços, transformando a vida de centenas de famílias agricultoras de diversas regiões do país ao mesmo tempo em que recupera e conserva os recursos naturais.


Sem promoção enganosa: industrializados não substituem leite materno

Fonte: Criança e Consumo - Sexta-feira, 07 de Agosto de 2015 

Organização Mundial da Saúde (OMS) disponibiliza para consulta pública documento que orienta a restrição da promoção de alimentos substitutos do leite materno.

O Departamento de Nutrição para Saúde e Desenvolvimento (NHD), da Organização Nacional da Saúde (OMS), está elaborando um documento que irá fornecer recomendações para governos e instituições garantirem e valorizarem a alimentação saudável das crianças e restringirem as promoções inadequadas de alimentos e bebidas que substituem o leite materno. O texto faz referência aos critérios contidos no Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno, que procura identificar esses alimentos e garantir que os bebês tenham uma dieta baseada no aleitamento materno.

O documento está disponível para consulta pública online no site da OMS, o propósito é que os comentários auxiliem na elaboração de uma versão final. A iniciativa surgiu de uma percepção global: a substituição cada vez mais frequente do leite materno por produtos industrializados, que são amplamente divulgados nos meios de comunicação e que muitas vezes não são adequados para as crianças por conterem uma grande quantidade de açúcar, gorduras saturadas e sódio.

Essa situação pode contribui para uma alimentação deficiente desde os primeiros meses de vida, levando a obesidade infantil. A OMS recomenda a amamentação exclusiva para bebês até os seis meses de idade e depois a ingestão de alimentos saudáveis como complemento. A amamentação deve ser contínua por até dois anos de idade ou mais.

Preocupados com essa situação, em 2010, a World Health Assembly (WHA) convocou os Estados Membros para alertar sobre os problemas decorrentes da promoção de alimentos inadequados para crianças e orientar que os governos cessem tal prática. A OMS criou o Grupo Consultivo Científico e Técnico (STAG) que definiu algumas diretrizes sobre o assunto que resultou na elaboração deste documento e que estará disponível para consulta pública até 10 de agosto.

É possível fazer download dessa primeira versão em árabe, chinês, inglês, francês, russo, e espanhol. Após esta consulta pública inicial o documento será discutido com atores da sociedade civil e do setor privado. Na sequência, o documento será apresentado ao Conselho Executivo da OMS, para depois ser levado aos Estados Membros na 69ª World Health Assembly (WHA) em maio de 2016.

Para participar é preciso preencher um formulário online disponível no site da OMS. Dúvidas podem ser enviadas para o nutrition@who.int. Para garantir a transparência no processo, a Organização vai disponibilizar os comentários publicamente no site.


ONU: Vencedoras do Prêmio Educação Além do Prato dão aula especial para delegação do Camboja

Fonte: ONU BR - Sexta-feira, 07 de Agosto de 2015 

Com o tema “O poder da alimentação escolar além do prato”, professoras e merendeiras fizeram apresentações detalhando suas estratégias de mobilização para promover hábitos alimentares mais saudáveis.

Professoras e merendeiras vencedoras do Prêmio Educação Além do Prato deram uma aula especial na terça-feira (04) para uma delegação do Camboja, que está no Brasil de 3 a 7 de agosto em visita de estudo organizada pelo Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimento (PMA).

Com o tema “o poder da alimentação escolar além do prato”, as vencedoras fizeram apresentações contando como mobilizaram seus alunos, comunidades, merendeiras e professores para promover hábitos alimentares mais saudáveis.

“Todo mundo gostou da ideia do Prêmio porque ia valorizar as merendeiras e se ganhássemos também poderíamos melhorar nossa escola”, conta a diretora da Escola CEI Missionária Dorothy Stang, Rosana Batista, instituição que ganhou o segundo lugar do prêmio com a torta da merendeira Maria de Fátima Brotas. A premiação foi organizada em 2014 pela prefeitura de São Paulo, com apoio do Centro de Excelência contra a Fome.

Também foram realizadas atividades de culinária e degustação com as crianças, além de visitas a hortas e plantações e ateliês de “contação de histórias”, onde a Cuca e o Saci davam dicas de boa alimentação.


Mudança na lei pode impedir consumidor de conhecer origem transgênica de produtos, alerta advogado

Fonte: Agência Senado - Quarta-feira, 12 de Agosto de 2015 

Alterações sugeridas na Lei de Biossegurança (Lei 11.105, de 2005) podem reduzir drasticamente as chances de os consumidores continuarem a saber se um alimento industrializado possui ou não em sua composição matéria-prima de origem transgênica. O alerta foi feito pelo advogado Maurício Guetta, do Instituto Socioambiental (ISA), durante audiência pública no Senado, nesta terça-feira (11).

Até agora, segundo ele, o debate em torno do projeto de lei em análise (PLC 34/2015) está centrado na questão do fim o uso do símbolo de transgenia nos rótulos dos produtos, uma letra “T” dentro de um triângulo amarelo. Advertiu, contudo, que a mudança mais sensível afeta as regras de rastreabilidade, dificultando a identificação de elementos geneticamente modificados (OGMs) na composição dos produtos.

Guetta explicou que, atualmente, a identificação é feita a partir de exames da matéria-prima: se ela tiver origem transgênica, então o produto final será rotulado como transgênico. Com a alteração sugerida, contudo, a identificação passa a ser feita sobre o produto final, resultado de uma ou mais fases de processamento industrial. Então, disse o expositor, as moléculas de DNA já estarão rompidas e as análises de laboratórios resultariam inúteis como meio de identificação.

- No produto final, não necessariamente vamos encontrar a prova laboratorial, e o que importa para o consumidor é saber se a matéria-prima é ou não transgênica. Então, se esse projeto for aprovado, muito provavelmente o que vai acontecer é que o consumidor será ludibriado – comentou Guetta.

A audiência foi uma iniciativa conjunta das Comissões conjunta das Comissões de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), que darão parecer sobre o projeto. Foi sugestão dos senadores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Cristovam Buarque (PDT-DF) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), esse o relator da matéria na CCT. Um segundo debate ocorrerá nesta quarta-feira (11), a partir das 9h.

Atualmente, produtos com qualquer percentual de substância transgênica devem trazer essa informação, obrigação regulada por portaria que instituiu a rotulagem com triângulo preenchido pela letra “T”. Pelo projeto, o alerta deve passar a ser necessário apenas naqueles em que a substância transgênica supere 1% da composição. Porém, nesse caso, o símbolo atual deve ser substituído apenas pelos dizeres: “Contém transgênico”.

Mesmo com o alerta para outros aspectos do projeto, a pauta do debate foi dominada pela questão da rotulagem. O autor do texto, deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), também presente, disse que o projeto não retira o direito à informação, mas adapta o padrão de rotulagem para evitar símbolo que “criminaliza” o produto. E disse que a portaria que criou o rótulo resultou de pressão de grupos contrários a inovações tecnológicas no campo, como o Movimento dos Sem-Terra (MST).

O presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), Edmundo Klotz, mostrou-se favorável à proposta, principalmente à previsão da retirada do símbolo da transgenia. Na opinião dele, o símbolo apenas "desinforma e estigmatiza os alimentos", com o objetivo de desestimular o consumo. Citou pesquisa mostrando que 69% dos entrevistados desconheciam o significado.

– O símbolo pode ser confundido com radiação, inflamável, eletricidade. Tem gente que confunde até com sinal de transito. Outros entendem como sinal de perigo ou proibição – salientou.

Espécies doadoras

Edmundo Klotz também é contra a menção nos rótulos das espécies doadoras de genes, pois são nomes científicos que pouco ou nada significam para a população e só colaboram para a percepção equivocada de risco. Maurício Geutta, porém, considerou essencial a informação, pois assim as pessoas podem buscar fontes de informação quando sentirem necessidade.

Para a coordenadora da Escola Nacional de Defesa do Consumidor, Andiara Maria Braga Maranhão, a proposta do deputado Heinze pode trazer retrocesso, pois oferece um patamar de segurança inferior ao que é garantido hoje aos consumidores. Andiara lembrou que o Código de Defesa do Consumidor foi aprovado há 25 anos, estabelecendo o direito à informação:

– Não é uma questão de vantagem ou desvantagem, mas é um dever de quem produz e um direito de quem compra. Informação e transparência são obrigações legais que precisam ser atendidas – argumentou.

A representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Juliana Ribeiro Alexandre, disse que, independente da regra em vigor, a pasta tem condições de verificar seu cumprimento. Segundo a ela, o Mapa será sempre a favor das informações, visto que é um direito do consumidor. Todavia, devem ser diretas, claras e não podem induzir a erro o consumidor.

Para Juliana Ribeiro, o símbolo da transgenia adotado atualmente – a letra "T" dentro de um triângulo amarelo – não é o ideal e poderia ser modificado. Ela também acha que a identificação científica do organismo doador de genes é uma informação muito complexa para o consumidor usar em sua tomada de decisão e pode ser dispensada.


A questão da segurança dos transgênicos foi o enfoque de alguns debatedores. O presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), Edivaldo Domingues Velini, explicou que não é possível concluir pela segurança ou insegurança “coletiva” de organismos geneticamente modificados, mas avaliar caso a caso, o que é feito pela CTNBio. Depois, garantiu que os alimentos produzidos e consumidos no país têm padrão de segurança reconhecido internacionalmente.

Em relação aos agrotóxicos, Edivaldo Velini reconheceu que o consumo no Brasil vem aumentando em consequência da elevação da produtividade agrícola, porém não é uma relação linear. Entre 2012 e 2014, houve 17% de aumento na produção de alimentos no país, enquanto o consumo de agrotóxico cresceu 11%.

- Temos uma situação melhor até que a de muitos outros países. Consumimos, por exemplo, dez vezes menos que o Japão e quatro vezes menos que Alemanha – afirmou.

Direito do consumidor

A professora Marijane Vieira Lisboa, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), salientou que não existe consenso científico sobre a segurança dos transgênicos, e sim uma polêmica intensa. Segundo ela, pelo estágio atual das pesquisas, não se pode concluir nem que sejam inócuos nem que sejam perigosos. Frente a isso, afirmou que o direito do consumidor à informação sobre a origem transgênica é incontestável deve ser amparado em sistema de rastreabilidade eficaz, além de informações claras nos rótulos, como permite o triângulo.

- Ainda acrescentaria que isso é fundamental para crianças, pessoas semianalfabetas e até quem, como eu, tem problema de catarata e sofre na escuridão de um supermercado para enxergar o que está escrito em pequenas letras. Então, vou direto ao triângulo – salientou.


Já Adriana Adriana Brondani, diretora do Conselho de Informações sobre a Biotecnologia (CIB), sustentou que já existe vasta produção científica confirmando a segurança dos produtos transgênicos. Segundo ela, os estudos que indicam o contrário são “controversos”, tendo sido recebidos com críticas pela sociedade científica.

Adriana também atacou que chamou de “mito do alimento natural”. Lembrou que os alimentos hoje consumidores resultaram de modificações genéticas ao longo de eras, em decorrência de processos naturais ou artificiais resultante de cruzamentos de plantas de diferentes regiões. E afirmou que a transgenia é mais uma estratégia, por meio de alterações no próprio genoma da planta.


O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) questionou o projeto, que a seu ver não garante a identificação dos produtos que contenham transgênicos. A senadora Regina Souza (PT-PI) rebateu afirmações de que o modo de identificação dos produtos transgênicos é ruim para as exportações brasileiras.

- Os números são crescentes na pauta de exportações e o consumo gigantesco, para que se diga que há criminalização – argumentou.

Considerando o alto grau de analfabetismo no país, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) sugeriu que use simbologia clara e fácil para identificar os produtos compostos por transgênicos, como é o caso da legislação em vigor.

Antes de encerrar a audiência, o senador Lasier Martins (PDT-RS) informou que foram recebidas mais de 50 manifestações de telespectadores sobre o projeto em análise, a ampla maioria contrárias à extinção do símbolo atual de informação dos produtos, o triângulo amarelo com a letra “T”.


Pesquisadores registram presença de animais ameaçados de extinção na região da Lapa, PR

Quatro espécies de felinos fazem parte da fauna que habita a Reserva Mata do Uru
Cerca de 600 vídeos de vários animais, principalmente mamíferos de médio e grande porte, foram registrados na Reserva Mata do Uru, localizada na Lapa, apenas durante o primeiro semestre deste ano. As pesquisas, desenvolvidas com o apoio do Instituto Positivo, são realizadas desde 2013 e monitoram animais que vivem no local por meio de verificação de imagens capturadas em “armadilhas fotográficas” instaladas em toda área da reserva.

Puma ou onça-parda, gato-do-mato-pequeno, jaguatirica, gato-mourisco, família de veado-catingueiro, tatu-de-rabo-mole-grande, tatu-galinha, tatu-mulita, cutia, irara, paca, bugio-ruivo, gambá e lebre são alguns dos animais que habitam o local e que foram registrados durante a pesquisa. Aves e pequenos roedores também fazem parte da fauna da Mata do Uru.

Segundo a bióloga Dayane May, pesquisadora e professora do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Positivo, quatro espécies estão na lista de ameaçadas de extinção do Paraná, três na categoria vulnerável: bugio-ruivo, jaguatirica e onça-parda. Já a paca encontra-se na categoria de perigo. Além disso, quatro animais aparecem na lista nacional de espécies ameaçadas na categoria vulnerável: onça-parda, jaguatirica, gato-do-mato-pequeno e bugio-ruivo.

A pesquisadora explica que, das quatro espécies de felinos registradas na Reserva Mata do Uru – onça-parda, jaguatirica, gato-mourisco e gato-do-mato-pequeno -, três são consideradas vulneráveis para o Paraná. “Isso indica o potencial da área em abrigar e permitir a manutenção das populações de indivíduos que demandam áreas de vida amplas e em bom estado de conservação”, revela Dayane.

Também foram observados felinos noturnos circulando durante o período diurno e animais de hábito solitário circulando em grupo. “Estas situações são menos comuns de encontrar, no que se pode concluir que a Reserva propicia condições para estes acontecimentos”, finaliza.

Sobre a Mata do Uru

Com cerca de 128 hectares na região da Lapa (PR), a Mata do Uru é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) que, ao lado dos quase 300 hectares do Parque Estadual do Monge, forma uma relevante área preservada de Floresta Araucária. Pioneiro no Programa Desmatamento Evitado, o Grupo Positivo, por meio do Instituto Positivo, apoia a conservação da área por meio de parceria com a SPVS e os proprietários do terreno.

in EcoDebate, 05/08/2015