quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Liquid Calories: Do Smoothies Lead to Weight Gain?

Green Smoothies: What Does the Science Say?

Tree resin may provide medicine against epilepsy

Date: September 8, 2015

Source: Linköping University

Sticky resin from conifers contains substances that could relieve or cure epilepsy. Researchers have synthesized and tested 71 substances known as resin acids, of which twelve are prime candidates for new drugs.

Sticky resin from conifers contains substances that could relieve or cure epilepsy. Researchers at Linköping University have synthesized and tested 71 substances known as resin acids, of which twelve are prime candidates for new medicines.

"Our goal is to develop some of the most potent substances into medicines," says Fredrik Elinder, professor of molecular neurobiology and head of the study, which was newly published in Nature's open-access periodicalScientific Reports.

Professor Elinder is an expert on the function of ion channels -- the pores in the cell membrane that allow the vital transport of charged ions between the cell's interior and its surroundings, making nerve and cardiac cells electrically excitable. Illnesses such as epilepsy, cardiac arrhythmia and chronic pain are caused by the excitability of nerve or cardiac cells being far too high.

Back in the 1940s, Swedish researchers discovered a local anaesthetic, lidocaine, that targeted ion channels. Like many of today's medicines against epilepsy, it worked by blocking channels selective for sodium ions. The problem is that many patients do not respond properly to the treatment, and that it has side effects.

"Our substances act instead on potassium channels, where they keep the door open via an electrostatic mechanism, thereby curbing the harmful nerve activity," Professor Elinder says.

The research group had previously discovered that polyunsaturated fatty acids acted via this mechanism, but were looking for more specific and more powerful substances. Resin acids -- found naturally in resin -- are fat-soluble and electrically charged, properties that are necessary to be able to bind to and pull the ion channels' "doorknobs." A collaboration with LiU chemists Professor Peter Konradsson and principal research engineer Xiongyu Wu was the key to success in the project. Based on the original molecule, dehydroabietic acid, 71 new molecules were created with small variations in the structure. These were tested on a hypersensitive potassium channel that was expressed in frog eggs.

"Twelve of the molecules were more potent than anything we'd looked at earlier," says doctoral student Nina Ottosson, who designed the test channel and measured the electrical currents that open and close the door to the ion channel.

Her results were later verified in nerve cells from mice.

The researchers have now submitted patent applications prior to continued developmental work.

"It's reasonable for us to be the ones developing the concept further, refining our ideas. But further on, others will have to take over," Professor Elinder says.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Linköping University. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Nina E Ottosson, Xiongyu Wu, Andreas Nolting, Urban Karlsson, Per-Eric Lund, Katinka Ruda, Stefan Svensson, Peter Konradsson, Fredrik Elinder. Resin-acid derivatives as potent electrostatic openers of voltage-gated K channels and suppressors of neuronal excitability.Scientific Reports, 2015; 5: 13278 DOI: 10.1038/srep13278

Cite This Page:
Linköping University. "Tree resin may provide medicine against epilepsy." ScienceDaily. ScienceDaily, 8 September 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/09/150908132812.htm>.

Natural compound could reduce breast cancer risk in some women

Luteolin may inhibit growth of human breast cancer cells in postmenopausal women taking hormone replacement therapy

Date: September 10, 2015

Source: University of Missouri-Columbia

The odds of women being diagnosed with breast cancer increase in postmenopausal women who have taken a combined estrogen and progestin hormone replacement therapy; these women also have an increased risk of developing progestin-accelerated breast tumors. Now, researchers have found that luteolin, a natural compound found in herbs such as thyme and parsley as well as vegetables such as celery and broccoli, could reduce the cancer risk for women who have taken hormone replacement therapy.

More than 100 women die from breast cancer every day in the United States. The odds increase in postmenopausal women who have taken a combined estrogen and progestin hormone replacement therapy; these women also have an increased risk of developing progestin-accelerated breast tumors. Now, University of Missouri researchers have found that luteolin, a natural compound found in herbs such as thyme and parsley as well as vegetables such as celery and broccoli, could reduce the cancer risk for women who have taken hormone replacement therapy.

"In most circumstances, hormone replacement therapies improve the lives of menopausal women and achieve excellent results," said Salman Hyder, the Zalk Endowed Professor in Tumor Angiogenesis and professor of biomedical sciences in the College of Veterinary Medicine and the Dalton Cardiovascular Research Center. "Nevertheless, research has proven that a higher incidence of breast cancer tumors can occur in women receiving therapies that involve a combination of the natural component estrogen and the synthetic progestin.

"Most older women normally have benign lesions in breast tissue," Hyder said. "These lesions typically don't form tumors until they receive the 'trigger'-- in this case, progestin--that attracts blood vessels to cells essentially feeding the lesions causing them to expand." His newest study shows that when the supplement luteolin is administered to human breast cancer cells in the lab, benefits can be observed including the reduction of those vessels "feeding" the cancer cells causing cancer cell death.

Hyder's lab has found that as human breast cancer cells develop, they tend to take on stem cell-like properties, which can make them harder to kill. Here, luteolin was used to monitor stem cell-like characteristics of breast cancer cells and his team saw a vast reduction in this phenomenon, further proving that the natural compound exerts its anti-tumor effects in a variety of ways.

Then, Hyder further tested laboratory mice with breast cancer and found that blood vessel formation and stem cell-like characteristics also were reduced in vivo, or inside the body.

"We feel that luteolin can be effective when injected directly into the bloodstream, so IV supplements may still be a possibility," Hyder said. "But, until the supplement is tested for safety and commercialized, which we hope will happen after further testing and clinical trials, women should continue consuming a healthy diet with fresh fruits and vegetables."

The early-stage results of this research are promising. If additional studies are successful within the next few years, MU officials will request authority from the federal government to begin human drug development (this is commonly referred to as the "investigative new drug" status). After this status has been granted, researchers may conduct human clinical trials with the hope of developing new treatments for breast cancer in women who have taken combined estrogen and progestin hormone replacement therapies.

Researchers involved with the study included Matthew T. Cook, a recent doctoral graduate and research scientist at Dalton Cardiovascular Research Center; Cynthia Besch-Williford, associate professor of veterinary pathobiology; Yayun Liang, a research associate professor of biomedical sciences in the College of Veterinary Medicine at MU; and Sandy Goyette and Benford Mafuvadze, who are graduate students in biomedical sciences.

The research recently was published in the journal Springer Plus through the generosity of numerous donors to the Ellis Fischel Cancer Center at MU.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University of Missouri-Columbia. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Matthew T. Cook, Yayun Liang, Cynthia Besch-Williford, Sandy Goyette, Benford Mafuvadze, Salman M. Hyder. Luteolin inhibits progestin-dependent angiogenesis, stem cell-like characteristics, and growth of human breast cancer xenografts. SpringerPlus, 2015; 4 (1) DOI:10.1186/s40064-015-1242-x

Cite This Page:
University of Missouri-Columbia. "Natural compound could reduce breast cancer risk in some women: Luteolin may inhibit growth of human breast cancer cells in postmenopausal women taking hormone replacement therapy." ScienceDaily. ScienceDaily, 10 September 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/09/150910111559.htm>.

Your stomach bacteria determines which diet is best for weight reduction

Date: September 10, 2015

Source: Chalmers University of Technology

New research enables "tailored" diet advice -- based on our personal gut microbiome -- for persons who want to lose weight and reduce the risk of disease. Systems biologists have, for the first time, successfully identified in detail how some of our most common intestinal bacteria interact during metabolism.
The computational algorithm allowed for calculation of micronutrient content in different foods, and hereby it is possible to calculate how diet impacts the metabolism in the human gut microbiome. In the study it was found that subjects with low gene counts (LGC), having a compressed gut microbiota, respond better to dietary intervention than subjects with a high gene count (HGC), due to differences in the metabolism of the gut microbiota in the two groups.
Credit: Image courtesy of Chalmers University of Technology

New research enables "tailored" diet advice -- based on our personal gut microbiome -- for persons who want to lose weight and reduce the risk of disease. Systems biologists at Chalmers University of Technology have for the first time successfully identified in detail how some of our most common intestinal bacteria interact during metabolism.

The researchers at Chalmers University of Technology have developed a mathematical calculation platform that makes it possible to predict how different patients will respond to a modified diet, depending on how their gut microbiome is composed.

Work has been conducted in cooperation in the context of the EU funded project Metacardis, coordinated by professor Karine Clement at Institute of Cardiometabolism and Nutrition (Ican, Pitié-Salpêtrière Hospital, Inserm/Sorbonne University) in Paris and also includes professor Fredrik Bäckhed at the University of Gothenburg.

"This method allows us to begin identifying each individual bacteria type's metabolism and thus get a handle on the basic mechanisms in human metabolism," says Jens Nielsen, professor of systems biology at Chalmers and head of the research team.

There can be up to 1,000 different types of bacteria and other microorganisms in the human digestive system, many of which take part in metabolism in one way or another. The composition of the human gut microbiome greatly varies between individuals, for reasons that are largely unknown. However, research over the past few years has shown that there is a connection between some diseases and the composition of the gut microbiome.

"This is clear as regards type 2 diabetes, hardening of the arteries and obesity, for example. There are also indications that the same might apply to depression and the body's ability to respond to various cancer treatments," says Jens Nielsen.

Exactly how microorganisms interact with food, the individual and not least each other is extremely complex. Until now it has been very difficult to gain understanding of what the causal links are. In a study that was recently published in Cell Metabolism, however, researchers prove, through clinical trials, that the mathematical modelling they developed works.

The point of departure is a diet experiment that was performed at Ican. First the gut microbiome was characterised for individuals in a group of overweight patients, and then they were put on a weight loss diet. Everyone lost weight, which was expected. In patients with low-diversity gut microbiome, however, the content of several substances that generally indicate health risks was also reduced in the individuals' blood and faeces. This was a deviation from the patients who had gut microbiome with greater "biological diversity." Their health situation was not affected to the same extent.

Of real interest, however, is that the systems biologists from Chalmers with their modelling tools have largely been able to explain why both patient groups reacted as they did to the diet.

"Amongst other things, we have been able to demonstrate that the intestines of the individuals with low-diversity gut microbiome produce fewer amino acids when they follow this diet. This is one explanation for the improved blood chemistry.

In the short term, Jens Nielsen believes the research will make it easier for physicians to identify overweight patients who are at higher risk of cardiometabolic disease and could truly achieve major health benefits by modifying their diet and losing weight. Fairly soon it should be possible to design diet recommendations that take the gut microbiome of individual patients into account. Karine Clement is already thinking along these lines and new follow up clinical experiments are being designed.

"In the long term we might be able to add intestinal bacteria for patients whose metabolism does not function properly," she explains.

What are known as probiotics are already being used -- various yoghurt cultures are one example -- but the task of these bacteria is primarily to stabilise the intestines and create a favourable environment.

"The next generation of probiotics will pertain more to adding bacteria that integrate directly with the existing gut microbiome and make a lasting change to the composition," says Jens Nielsen.

The company Metabogen was founded based on collaboration between researchers at Chalmers and the University of Gothenburg and it will aim to develop these types of drugs.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Chalmers University of Technology. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Saeed Shoaie, Pouyan Ghaffari, Petia Kovatcheva-Datchary, Adil Mardinoglu, Partho Sen, Estelle Pujos-Guillot, Tomas de Wouters, Catherine Juste, Salwa Rizkalla, Julien Chilloux, Lesley Hoyles, Jeremy K. Nicholson, Joel Dore, Marc E. Dumas, Karine Clement, Fredrik Bäckhed, Jens Nielsen. Quantifying Diet-Induced Metabolic Changes of the Human Gut Microbiome. Cell Metabolism, 2015; 22 (2): 320 DOI:10.1016/j.cmet.2015.07.001

Cite This Page:
Chalmers University of Technology. "Your stomach bacteria determines which diet is best for weight reduction." ScienceDaily. ScienceDaily, 10 September 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/09/150910091400.htm>.

Cocoa flavanols lower blood pressure and increase blood vessel function in healthy people

Cocoa flavanols could help maintain cardiovascular health as we age

Date: September 10, 2015

Source: University Hospital Düsseldorf

Consuming cocoa flavanols lowers blood pressure, increases flow-mediated vasodilation and improves blood cholesterol profile. Applying the Framingham risk score suggests that cocoa flavanols might therefore be able to reduce age-related risk of developing cardiovascular diseases.

Two recently published studies in the journals Ageand the British Journal of Nutrition (BJN)demonstrate that consuming cocoa flavanols improves cardiovascular function and lessens the burden on the heart that comes with the aging and stiffening of arteries. The studies also provide novel data to indicate that intake of cocoa flavanols reduces the risk of developing cardiovascular disease (CVD).

As we age, our blood vessels become less flexible and less able to expand to let blood flow and circulate normally, and the risk of hypertension also increases. Arterial stiffness and blood vessel dysfunction are linked with cardiovascular disease -- the number one cause of deaths worldwide. "With the world population getting older, the incidence of cardiovascular disease, heart attacks and stroke will only increase," says Professor Malte Kelm, Professor of Cardiology, Pulmonary Diseases and Vascular Medicine at University Hospital Düsseldorf and Scientific Director of FLAVIOLA. "It is therefore pivotal that we understand the positive impact diet can have on cardiovascular disease risk. As part of this, we want to know what role flavanol-containing foods could play in maintaining the health of the heart and blood vessels."

Cocoa flavanols are plant-derived bioactives from the cacao bean. Dietary intake of flavanols has been shown to have a beneficial effect on cardiovascular health but the compounds are often destroyed during normal food processing. Earlier studies have demonstrated that cocoa flavanol intake improves the elasticity of blood vessels and lowers blood pressure -- but, for the most part, these investigations have focused on high-risk individuals like smokers and people that have already been diagnosed with conditions like hypertension and coronary heart disease. These two studies in Age and BJN are the first to look at the different effects dietary cocoa flavanols can have on the blood vessels of healthy, low-risk individuals with no signs or symptoms of cardiovascular disease.

Cocoa flavanols increase blood vessel flexibility and lower blood pressure

In the study published in Age, two groups of 22 young (<35 years of age) and 20 older (50-80 years of age) healthy men consumed either a flavanol-containing drink, or a flavanol-free control drink, twice a day for two weeks. The researchers then measured the effect of flavanols on hallmarks of cardiovascular aging, such as arterial stiffness (as measured by pulse wave velocity), blood pressure and flow-mediated vasodilation (the extent to which blood vessels dilate in response to nitric oxide).

They found that vasodilation was significantly improved in both age groups that consumed flavanols over the course of the study (by 33% in the younger age group and 32% in the older age group over the control intervention). In the older age group, a statistically and clinically significant decrease in systolic blood pressure of 4 mmHg over control was also seen.

Improving cardiovascular health and lowering the risk of CVD

In the second study, published in BJN, the researchers extended their investigations to a larger group (100) of healthy middle-aged men and women (35-60 years) with low risk of CVD. The participants were randomly and blindly assigned into groups that consumed either a flavanol-containing drink or a flavanol-free control drink, twice a day for four weeks. The researchers also measured cholesterol levels in the study groups, in addition to vasodilation, arterial stiffness and blood pressure.

"We found that intake of flavanols significantly improves several of the hallmarks of cardiovascular health," says Professor Kelm. In particular, the researchers found that consuming flavanols for four weeks significantly increased flow-mediated vasodilation by 21%. Increased flow-mediated vasodilation is a sign of improved endothelial function and has been shown by some studies to be associated with decreased risk of developing CVD. In addition, taking flavanols decreased blood pressure (systolic by 4.4 mmHg, diastolic by 3.9 mmHg), and improved the blood cholesterol profile by decreasing total cholesterol (by 0.2 mmol/L), decreasing LDL cholesterol (by 0.17 mmol/L), and increasing HDL cholesterol (by 0.1 mmol/L).

The researchers also calculated the Framingham Risk Score -- a widely used model to estimate the 10-year cardiovascular risk of an individual -- and found that flavanol intake reduced the risk of CVD. "Our results indicate that dietary flavanol intake reduces the 10-year risk of being diagnosed with CVD by 22% and the 10-year risk of suffering a heart attack by 31%," says Professor Kelm.

The combined results of these studies demonstrate that flavanols are effective at mitigating age-related changes in blood vessels, and could thereby reduce the risk of CVD in healthy individuals. The application of 10-year Framingham Risk Scores should be interpreted with caution as the duration of the BJN study was weeks not years and the number of participants was around 100, not reaching the scale of the Framingham studies. That being said, Professor Kelm comments that "the reduction seen in risk scores suggests that flavanols may have primary preventive potential for CVD." Other longer-term studies, such as the 5-year COcoa Supplement and Multivitamin Outcomes Study (COSMOS) of 18,000 men and women, are now underway to investigate the health potential of flavanols on a much larger scale.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by University Hospital Düsseldorf. Note: Materials may be edited for content and length.

Journal Reference:
Roberto Sansone, Ana Rodriguez-Mateos, Jan Heuel, David Falk, Dominik Schuler, Rabea Wagstaff, Gunter G. C. Kuhnle, Jeremy P. E. Spencer, Hagen Schroeter, Marc W. Merx, Malte Kelm, Christian Heiss.Cocoa flavanol intake improves endothelial function and Framingham Risk Score in healthy men and women: a randomised, controlled, double-masked trial: the Flaviola Health Study. British Journal of Nutrition, 2015; 1 DOI: 10.1017/S0007114515002822

Cite This Page:
University Hospital Düsseldorf. "Cocoa flavanols lower blood pressure and increase blood vessel function in healthy people: Cocoa flavanols could help maintain cardiovascular health as we age." ScienceDaily. ScienceDaily, 10 September 2015. <www.sciencedaily.com/releases/2015/09/150910110832.htm>.

Associação indígena do Xingu será a 1ª do mundo a certificar produção orgânica

Fonte: Ascom/MAPA - Cláudia Lafetá - Sexta-feira, 04 de Setembro de 2015 

Autorização foi concedida pelo Mapa em cerimônia na quinta-feira (3), em Brasília

Um dia histórico para os índios brasileiros. Nesta quinta-feira (3), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) autorizou a Associação Terra Indígena Xingu (Atix) a funcionar como certificadora da produção orgânica, inaugurando o primeiro Sistema Participativo de Garantia (SPG) exclusivamente indígena do mundo. Coordenada pela Secretaria do Produtor Rural e Cooperativismo em conjunto com a Fundação Nacional do Índio (Funai), a solenidade ocorreu na horta orgânica do Mapa e contou com a participação de representantes da Atix, entidade que reúne 16 etnias do Parque Indígena do Xingu. 

De acordo com o Mapa, a certificação da produção orgânica valoriza o produto indígena, que alcança um mercado diferenciado. O novo mecanismo de avaliação participativa leva em conta as características tradicionais desses povos, promove autonomia e proporciona maior interação entre os produtores.

Segundo o coordenador de Agroecologia do Mapa, Rogério Dias, o setor de orgânicos passa por um forte crescimento, com aumento dos produtos nos mercados de todo o Brasil. “Esperamos que o credenciamento sirva de estímulo para que outros grupos indígenas a certificarem seus produtos". A Coordenação de Agroecologia do ministério é responsável pela aplicação dos mecanismos de controle para a garantia da qualidade orgânica.

A associação conta com indígenas capacitados para atividade apícola desde 1998, produzindo mel de abelhas africanas de qualidade, que são criadas em regiões de vegetação nativa. De acordo com Dias, a Atix percebeu que a forma como trabalham vai ao encontro dos regulamentos da agricultura orgânica.

“Eles são muito criteriosos e buscam a garantia da qualidade, o que constatado pelos fiscais do Mapa durante a auditoria de credenciamento, quando avaliarem o funcionamento do sistema”, disse Dias.

Para celebrar o cadastro, a Secretaria do Produtor Rural e Cooperativismo realizada uma cerimônia com apresentações culturais e exposição dos produtos e de artesanato na horta orgânica do ministério. O secretário Caio Rocha participou da solenidade.


Hortaliças de setembro

Crianças assistem a 60 publicidades de junk food por semana na TV argentina

Fonte: Criança e Consumo - Sexta-feira, 04 de Setembro de 2015 

A principal estratégia das empresas é associar o produto a personagens que as crianças conhecem e se identificam.

A Fundação InterAmericana del Corazón (FIC) da Argentina divulgou uma análise detalhada sobre a publicidade dirigida para crianças na televisão do país. Segundo o levantamento, são televisionadas cerca de 60 publicidades de junk food por semana durante a programação infantil. Entre os alimentos anunciados para crianças, 85,3% são classificados como de baixo valor nutricional, de acordo com os parâmetros da Organização Mundial da Saúde. Destes, 32,7% usam personagens conhecidos pelas crianças e 24,8% utilizam presentes para incentivar as compras.

A FIC monitorou durante três meses (de novembro de 2013 a janeiro de 2014) cinco canais da televisão aberta e três canais fechados. Ao todo foram veiculadas 21.085 peças, desse total 46,7% foi durante a faixa de horário destinado ao público infantil. O levantamento ainda ranqueou os produtos alimentícios anunciados para criança, em primeiro lugar estão as sobremesas (23,3%), em seguida os derivados do leite (16,2%), depois as bebidas açucaradas (13,2%), as redes de fast foods (12,5%) e por último os salgadinhos (7,9%).

A pesquisa alerta para o problema da obesidade infantil e para a necessidade de restringir publicidade de alimentos de baixo valor nutritivo. Na Argentina, entre 2004 e 2005, 10,4% das crianças de 6 meses a 6 anos estavam obesas, segundo estudo nacional. O aumento do consumo de alimentos com alto teor de açúcar, sal e gorduras é um dos principais responsáveis por esse excesso de peso. Como parte das soluções para reverter esse quadro está a restrição da publicidade de alimentos direcionada às crianças. Foi nesse sentido que a Organização Mundial da Saúde colocou entre as estratégias para reduzir e prevenir a obesidade de crianças e adolescentes, no continente americano, a restrição da publicidade de alimentos.


No Brasil, o cenário também é preocupante e deixa evidente a necessidade de restringir a publicidade infantil. Dados recentes mostram que as crianças passam muitas horas na frente da TV, estão tomando refrigerante e comendo doces cada vez mais cedo e um número considerável está com sobrepeso.

Segundo o Painel Nacional de Televisão, do Ibope Media, crianças e adolescentes, entre 4 e 17 anos, assistiram em média 5h35 de televisão por dia durante 2014. Paralelamente um estudo do Ministério da Saúde revelou que 60,8% das crianças com menos de dois anos de idade comem biscoitos, bolachas e bolos e que 32,3% tomam refrigerantes ou suco artificial. Como resultado desse cenário 33,5% das crianças de cinco a nove anos estão acima do peso, entre elas 15% estão obesas (POF 2008-2009).

Para diminuir esses números e auxiliar na garantia de uma infância saudável, o Brasil, assim como os outros países da América, precisa restringir a publicidade infantil.


“Remédio não é alimento”

Fonte: Criança e Consumo - Terça-feira, 08 de Setembro de 2015 

Procon do Mato Grosso recebe representação contra a Bayer por dirigir publicidade ao público infantil na campanha do suplemento vitamínico Redoxitos.

A empresa Bayer foi denunciada pelo Projeto Criança e Consumo por direcionar as estratégias de comunicação mercadológica do produto Redoxitos, suplemento alimentar de vitamina C, para crianças. Em forma de bala de goma, o produto é anunciado como uma maneira de complementar as necessidades de vitamina C das crianças a partir de 4 anos, sem esclarecer que se trata de um remédio e que portanto, não pode ser comparado a frutas, legumes e vegetais.

Com o objetivo de dialogar com a criança em diversos momentos do seu dia, foi desenvolvida uma comunicação transmídia em diferentes meios. Na televisão, a publicidade veiculada nos canais infantis pela Bayer mostra uma versão modificada do conto infantil “Os três porquinhos” que tem como narrador uma criança. As animações e efeitos visuais constroem uma ligação entre diversão e o consumo do Redoxitos.

No site da empresa há um jogo chamado “Missão Planeta C”, o objetivo é capturar alimentos e Redoxitos para escapar de agentes infecciosos. Feito com o intuito de gerar simpatia pela marca, o jogo transmite para as crianças valores de alimentação saudável atrelados à ingestão do suplemento vitamínico. Outra estratégia para promover o produto foi a parceria com o filme “Divertidamente” da Pixar Disney. As embalagens promocionais são decoradas com personagens do filme e informam que Redoxitos é um alimento, e não um suplemento vitamínico.

A empresa enviou também o produto para mães com blogs populares. Algumas delas ajudaram a divulgar o Redoxitos postando fotos e participando de eventos como a pré-estreia do filme “Divertidamente” e em atividades nos shoppings e farmácias. Em compensação, outras mães blogueiras se posicionaram contra a publicidade desenvolvida pelo produto. O MILC (Movimento Infância Livre de Consumismo) criou na internet a campanha “Remédio não é bala”, valorizando a ingestão de alimentos in natura, ricos em vitamina C, em detrimento do consumo de suplementos.

“A campanha do Redoxitos faz uma relação proposital entre o doce e a medicação com o apelo de ser mais fácil de ser ministrada em crianças”, conta Mariana Sá, do MILC. “A indústria, além de fazer suas campanhas massivas usando meios tradicionais, vem assediando mães blogueiras para que atuem na promoção desse novo tipo de produto farmacêutico. Distribuindo brindes, além de bugigangas com a sua marca para mães acompanhadas dos seus filhos, muitos dos quais bebês”, explica.

Segundo Ana Paula Bortoletto, nutricionista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), “a criança que tem uma alimentação saudável já ingere naturalmente esse nutriente”. A quantidade recomendada para crianças de 4 a 10 anos é de 30mg por dia, valor facilmente suprido com um pedaço de mamão, por exemplo. Ao consumir o Redoxitos, a criança além de ingerir vitamina C (ácido ascórbico), ingere também diversos componentes artificiais e açucares.

“A estratégia de comunicação do produto Redoxitos violou a legislação brasileira vigente que considera abusiva e ilegal a publicidade direcionada para o público infantil com menos de 12 anos”, esclarece a advogada do Instituto Alana, Ekaterine Karageorgiadis. “Além disso, há um agravante por se tratar de uma empresa de medicamentos que busca convencer crianças a consumirem seus produtos, que em excesso pode levar a graves consequências para a saúde”, alerta.

O Criança e Consumo solicitou ao Procon do Mato Grosso que sejam tomadas medidas jurídicas para coibir essa prática comercial, a fim de que a empresa acabe com tal abusividade e ilegalidade e deixe de realizar ações semelhantes, bem como repare os danos já causados às crianças.

Acompanhe o caso:


Banco de sementes é oportunidade de convivência com o Semiárido

Fonte: Ascom/MDS - Terça-feira, 08 de Setembro de 2015 

Ministra Tereza Campello participou do encontro do Dialoga Brasil na Paraíba, sexta-feira (4)

Agricultores familiares de baixa renda terão acesso a sementes de qualidade e adaptadas ao Semiárido. Esta e outras políticas públicas, como as cisternas, estão mudando a vida do sertanejo, ensinando que é possível conviver com a seca. Ao participar do encontro Dialoga Brasil, em João Pessoa (PB), a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, destacou que o banco de sementes tem sido uma oportunidade para os sertanejos produzirem. “Nós queremos a convivência com o Semiárido. Estamos construindo os nossos bancos de sementes inspirados na tecnologia social criada pelo nosso sertanejo”, afirmou ela, nesta sexta-feira (4).

O Programa Banco Comunitário de Sementes Crioulas garante o acesso a sementes sem modificações genéticas e com maior produtividade. Serão 640 unidades no Semiárido. Em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), o MDS irá construir 600 Bancos de Sementes. Os outros 40 serão financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A estratégia vai beneficiar pelo menos 12,8 mil famílias rurais que fazem parte do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

A ministra ressaltou ainda a importância do Bolsa Família para o acesso das crianças de baixa renda à escola. O programa complementa a renda de 14 milhões de famílias. “O Bolsa Família levou as crianças para a escola. Elas estão fora do trabalho infantil e fora da rua.”

No evento, Sumaia Buena Baptista propôs a criação de novas políticas para a migração. Ao responder a pergunta, a ministra Tereza Campello ressaltou que o Brasil vive um momento diferente: o êxodo rural é menor graças aos incentivos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Seguro Safra.

Mas o país se tornou atrativo para os imigrantes. “O Brasil tem tratado essa questão da imigração com políticas sociais para acolher novos cidadãos. Esse é um grande desafio não apenas para a assistência social, mas para a saúde e educação. Temos que enfrentar isso juntos”, afirmou Tereza.

O Dialoga Brasil é uma plataforma digital, lançada pelo governo federal, para a participação social na gestão das políticas públicas. A plataforma foi aberta às sugestões da população no final de julho. Os temas discutidos, em João Pessoa, foram saúde, redução da pobreza, segurança pública e cultura. Na próxima semana, mais temas serão incluídos na plataforma.


Maior produção e geração de renda

Fonte: Ascom/MDA - Terça-feira, 08 de Setembro de 2015 

O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) acaba de repassar quase R$ 3 milhões para fortalecer a agricultura familiar Paranaense. Os recursos foram destinados para estruturação do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural do Paraná (Emater/PR) – R$ 2,2 milhões, e para revitalização de feiras livres realizadas nos municípios de Realeza e Francisco Beltrão – R$ 770 mil.

No caso da Emater, os recursos são destinados à compra de veículos e equipamentos, como computadores, impressoras, câmeras fotográficas, e outros materiais necessários para atividades dos técnicos de Ater, principalmente em atividades de campo.

O objetivo do repasse é melhorar a infraestrutura de serviços de Ater para atendimento dos agricultores familiares e, dessa forma, contribuir para a inclusão produtiva por meio da geração de renda.

Parte desse valor será direcionada ao fortalecimento da atividade leiteira, em especial na região sudoeste do estado, que envolve 42 municípios e tem produtores de leite em 60% das propriedades rurais - com produção anual de 936,1 milhões de litros. São aproximadamente 30 mil estabelecimentos rurais que poderão continuar contando com assistência técnica próxima e continuada.

“A produção do leite é importante, tanto para o agricultor familiar como para o município. O fortalecimento da produção do leite na agricultura familiar no Paraná reafirma o compromisso do MDA com a atividade leiteira para geração de renda nas propriedades familiares”, afirma o diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural da Secretaria da Agricultura Familiar do MDA, Marenilson Batista da Silva.

Fortalecendo a identidade regional

Já o recurso restante, cerca de R$ 770 mil, é direcionado para ações que contribuem para a inclusão produtiva, já que as feiras livres geram renda e fortalecem a identidade regional.

A Prefeitura de Realeza receberá cerca de R$ 220 mil. O repasse visa melhorias nas instalações atuais, como ampliação de boxes, banheiros e calçada coberta, e aquisição de um veículo de carga para suporte no transporte dos produtos dos agricultores familiares para a feira e distribuição na alimentação escolar.

Mais de 600 famílias de produtores rurais da agricultura familiar da localidade serão beneficiadas pelo projeto. Elas trabalham na produção de hortifrúti, cereais e com pequenos animais.

E no município de Francisco Beltrão será construído, por meio do repasse de R$ 550 mil, um espaço físico para reestruturar a feira livre dos produtores rurais da cidade. A feira, que atualmente funciona com barracas desmontáveis e sem ambiente físico para proteção em dias chuvosos, passará a ter local fixo. O espaço beneficiará diretamente 28 famílias de agricultores familiares, gerando cerca de 300 empregos - diretos e indiretos. A expectativa é que o espaço atenda em torno de dois mil consumidores/mês.

A feira se configura mais que um ponto comercial da agricultura familiar, pois nesse meio circulam bens, culturas e pessoas, sendo uma partilha de saberes e conhecimentos entre o consumidor e o feirante. As melhorias proporcionarão um melhor espaço de comercialização, além de mais adequado e agradável aos consumidores.


Crianças sentem mais vontade de comprar produto anunciado na TV, diz pesquisa

Fonte: EBC - Por Prioridade Absoluta - Terça-feira, 08 de Setembro de 2015 

As crianças de 10 a 11 anos são altamente influenciadas pela televisão e internet no que diz respeito ao desejo de comprar um produto, e são as que ficam mais chateadas por não conseguir adquiri-lo. É o que o indica a pesquisa IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município) Criança e Adolescente do Grupo de Trabalho (GT) Criança e Adolescente da Rede Nossa São Paulo, com a parceria do Ibope Inteligência, e apoio do Instituto Alana e do Instituto C&A.

O estudo avaliou, entre os dias 13 e 30 de junho de 2015, a percepção e o grau de satisfação de 805 crianças e adolescentes, de 10 a 17 anos, sobre diversos aspectos da cidade de São Paulo, entre eles o consumo. A maioria dos dados mostra que quanto menor a idade do entrevistado maior é o seu grau de satisfação com a cidade e conforme a idade aumenta tornam-se mais críticos. “A pesquisa confirma que a criança tem o senso crítico menos desenvolvido e é por isso que a legislação vigente a protege com maior vigor. Até os 12 anos as crianças são consideradas hipervulneráveis nas relações de consumo e, especialmente, perante a publicidade, justamente por estarem em uma peculiar fase de desenvolvimento”, explica Isabella Henriques, diretora do Instituto Alana e coordenadora do projeto Prioridade Absoluta.

Entre as crianças de 10 e 11 anos, 68% responderam que sentem vontade de ter um produto que viu na televisão ou na internet. Outro dado relevante mostra que cerca de 59% das crianças afirmam que ficam chateadas quando não compram ou ganham um item anunciado. Nas outras faixas etárias esse valor cai, 55% entre 12 e 14 anos, e 48% de 15 a 17 anos. Dos 37% dos entrevistados que declaram que ficam no computador ou na internet quando não estão na escola, afirmam que sempre ou quase sempre sentem vontade comprar algo que veem na TV ou na Internet.

O estudo levantou também as principais formas de acesso das crianças à internet. Os telefones celulares representam o acesso de 50% das crianças de 10 a 11 anos, que também indicaram outras formas de conexão: 44% computador de casa, 13% tablets, 8% computadores da escola e apenas 1% em lan house.

A pesquisa pretende auxiliar na elaboração de políticas públicas voltadas para as crianças e adolescentes, ao abordar desde temas do cotidiano, como escola e amigos, cultura, saúde, segurança e proteção, e a avaliação de órgãos municipais como Prefeitura e Câmara Municipal.


Castanha é o produto da sociobiodiversidade mais adquirido pelo PAA

Fonte: Ascom/MDS - Quinta-feira, 10 de Setembro de 2015 

Em 2014, agricultores familiares venderam mais de 2,7 mil toneladas do produto para o Programa de Aquisição de Alimentos

Ana Rosa Marcondes, 46 anos, é extrativista em Ariquemes (RO), município a 200 quilômetros de Porto Velho. No ano passado, ela e o marido, Edivar Miranda da Silva, 54, venderam R$ 1,5 mil em castanhas-do-brasil para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), na modalidade Compra com Doação Simultânea. “Estamos preservando a natureza. Isso vale muito”, conta. 

Durante todo o ano, a castanha foi o produto da sociobiodiversidade mais adquirido pelo programa em todo o país: foram mais de 2,7 mil toneladas. No total, o PAA comprou 7,4 mil toneladas de castanhas.

O trabalho do casal começa cedo. Na propriedade, há seis árvores de castanha-do-brasil. Depois de colher os frutos, eles ainda expõem a castanha ao sol para secar, mas não descascam o produto para não estragar. Além da castanha, eles produzem óleo de copaíba e têm criação de aves e tambaquis para contribuir no orçamento familiar.

Em Ariquemes, a Escola Municipal de Educação Infantil e Fundamental Roberto Turbay é uma das entidades que recebem os produtos comprados pelo PAA. A diretora, Neidair Mazine de Lima, conta que a castanha, por exemplo, é utilizada em bolos e pães, servidos para 550 alunos que estudam em período integral. 

“É uma alimentação adequada vinda direto do produtor”, ressaltou. Por causa da boa alimentação ofertada aos alunos, complementada com os produtos colhidos em uma horta construída na própria instituição, Neidair relata que não há crianças obesas na escola.
Organização – A venda da castanha para o PAA possibilitou que a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Estado do Acre (Cooperacre) criasse autonomia e conquistasse os mercados nacional e internacional. Só em 2014, a cooperativa vendeu R$ 1,5 milhão na modalidade de Formação de Estoque do PAA. “Nós chegamos ao mercado graças ao programa. O PAA nos ensinou muito”, destaca o presidente e fundador da cooperativa, Manoel José da Silva, 76. 

Criada em 2001, a Cooperacre reúne, atualmente, mais de 2 mil famílias por meio de 35 associações cooperativas filiadas. “Se não tivesse a compra do PAA e do Pnae [Programa Nacional de Alimentação Escolar], a maior parte do produto estaria estragada”, diz o fundador. 

A cooperativa utilizou o dinheiro recebido do PAA para formar estoque e comercializar o produto por todo o ano para quase todo o país, para a América do Sul, Estados Unidos e Alemanha. Além de beneficiar a castanha, a organização também comercializa polpas de frutas da região. “É possível crescer preservando a floresta. Só ganhamos pelo fruto, nunca pela madeira”, afirma Manoel.


Idec recomenda à OMS fim da interferência da indústria de alimentos em políticas públicas

Fonte: Idec - Quinta-feira, 10 de Setembro de 2015 

Em contribuição a relatório regional da Organização, medida foi defendida como ponto fundamental para conter a epidemia de obesidade infantil

O Idec sugeriu à Organização Mundial da Saúde (OMS) que recomende aos países a adoção de mecanismos para impedir a interferência de interesses comerciais na elaboração e implementação de políticas públicas de alimentação, a fim de frear o avanço da obesidade infantil no mundo. 

A sugestão foi enviada no fim de agosto para uma consulta regional sobre o relatório preliminar da Comissão para acabar com a obesidade infantil, da qual o Idec participou a convite da Organização Panamericana de Saúde (Opas/OMS).

Para o Instituto, controlar a influência da indústria no processo regulatório é o principal ponto para conter o avanço de doenças crônicas não transmissíveis - como obesidade, pressão alta e diabetes -, tanto entre as crianças quanto entre a população em geral. “A contribuição foi feita com base nas pesquisas do Idec sobre as tentativas de regulação da publicidade de alimentos no Brasil, que apontam a atuação coordenada de grandes transnacionais de alimentos para evitar a regulação de alimentos, e também a partir das experiências de outros países da América Latina”, explica Ana Paula Bortoletto, nutricionista do Idec.

O documento enviado à OMS destaca, por exemplo, a suspensão da resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre publicidade de alimentos não saudáveis. Aprovada em 2010, a medida foi barrada pela Justiça por pressão das empresas do setor. Os detalhes desse processo estão no estudo do IdecPublicidade de alimentos não saudáveis: os entraves e as perspectivas de regulação no Brasil.

Outro exemplo citado é a resistência à implementação de uma lei recém-aprovada sobre rotulagem de alimentos no Chile. As grandes multinacionais do setor têm investido contra a regra em comissões internacionais, apresentando queixas à Organização Mundial do Comércio (OMC), por exemplo, com o apoio do Procurador-Geral do Chile. 

“Diante dessas evidências, os países devem estabelecer processos transparentes de definição e formulação de políticas de saúde pública livres da interferência de interesses comerciais e proteger as políticas públicas de saúde já estabelecidos ou em processo de aprovação”, diz um trecho do documento.

Obesidade infantil

O Idec vem alertando para o aumento da obesidade infantil e os problemas que ela pode desencadear. Na edição de agosto, a matéria de capa da Revista do Idec fez um panorama do assunto, mostrando que os índices de obesidade entre as crianças no Brasil já estão praticamente iguais aos dos Estados Unidos.


Suplementos e alimentos proteicos: o que são?

Fonte: Blog da Saúde - Ministério da Saúde - Quinta-feira, 10 de Setembro de 2015 

As evoluções observadas nas áreas científicas e tecnológicas associadas à crescente preocupação dos consumidores com a saúde e estética contribuíram para o surgimento e o desenvolvimento de um mercado de produtos que mesclam características de alimentos, medicamentos e cosméticos.

Autoridades sanitárias e fabricantes de produtos utilizam diferentes terminologias para denominar esses produtos, tais como: alimentos funcionais, nutracêuticos, suplementos dietéticos, suplementos para saúde e nutricosméticos. Trata-se, portanto, de uma categoria muito ampla de produtos com características qualitativas e quantitativas bastante variadas.

No Brasil, não há previsão legal para a categoria “Suplementos Alimentares”. Atualmente, esses produtos poderiam ser enquadrados em pelo menos quatro categorias distintas de alimentos: suplementos vitamínicos e minerais; novos alimentos; alimentos com alegações de propriedades funcionais e/ou de saúde; e substâncias bioativas isoladas e probióticos. Na área de medicamentos, alguns suplementos poderiam ser enquadrados como medicamentos específicos, medicamentos fitoterápicos ou medicamentos biológicos.

Recebe-se diariamente, denúncias, pedidos de informação, notificações de eventos adversos, adulterações e alertas internacionais referentes ao uso de suplementos. Trata-se, portanto, de uma categoria complexa, de grande interesse dos consumidores e com ampla comercialização pela internet.

Os consumidores que procuram uma maneira rápida e fácil para perder peso, ganhar massa muscular, melhorar a aparência ou mesmo obter outros benefícios à saúde devem ficar atentos à publicidade, pois em geral esses produtos não cumprem os benefícios anunciados. Pior! Podem causar danos graves à saúde por conterem ingredientes que não são seguros para serem consumidos como alimentos ou, ainda, conter substâncias com propriedades terapêuticas, que não podem ser consumidas sem acompanhamento médico.

Nos anos de 2013 e 2014, foram analisados 23 suplementos proteicos, sendo que 20 apresentaram irregularidades de composição. Apenas um desses produtos apresentou resultado satisfatório para todos os ensaios. Dentre as amostras insatisfatórias, foram identificados problemas na quantidade de carboidratos e proteínas diferentes da informada na rotulagem, utilização de ingredientes não declarados, tais como amido, soja e fécula de mandioca dentre outros itens de rotulagem.

Alimentos não podem ter propriedades ou indicações terapêuticas e ou medicamentosas. Portanto, propagandas e rótulos que indicam produtos para prevenção ou tratamento de doenças ou sintomas, emagrecimento, redução de gordura, ganho de massa muscular, aceleração do metabolismo ou melhora do desempenho sexual são ilegais. Não estão autorizados para anunciar alimentos, pois tais atribuições são exclusivas de medicamentos e devem ser indicadas por médicos.

Os alimentos para atletas são considerados alimentos para fins especiais, destinados a atender as necessidades nutricionais específicas e auxiliar no desempenho de atletas, isto é, praticantes de exercício físico com especialização e desempenho máximos com o objetivo de participação em esporte com esforço muscular intenso. Esses produtos não podem apresentar substâncias estimulantes, hormônios ou outras consideradas como "doping" pela Agência Mundial Antidoping (WADA).

Os alimentos para atletas são classificados como suplemento: hidroeletrolítico para atletas; energético para atletas; proteico para atletas; para substituição parcial de refeições de atletas; de creatina para atletas; de cafeína para atletas. Essa denominação deve constar na rotulagem mesmo no caso de produto importado.

Esses alimentos para atletas são indicados para indivíduos com necessidades nutricionais específicas em decorrência de exercícios físicos. Na maioria dos casos, uma alimentação equilibrada é suficiente para atender as necessidades nutricionais de atletas. Só em situações específicas alguns necessitam de suplementação, conforme orientação de nutricionista ou médico.

Para as pessoas que praticam atividade física com objetivo de promoção da saúde, recreação ou estética não há necessidade de suplementação. Essa parcela da população não deve consumir esse tipo de alimento, sem a orientação de um profissional competente. Uma dieta balanceada e diversificada é suficiente e recomendável para atender as necessidades nutricionais dessas pessoas.


2ª Jornada Nutrição de Taubaté


Proibição de plásticos na Califórnia, artigo de Roberto Naime

fonte da imagem: alpambiental.com.br/reciclagem/plasticos/ e recicloteca.org.br

[EcoDebate] As realidades do Brasil e do estado americano da Califórnia são bastante diferentes, mas sempre que se encontra um tema para reflexão, não se deve perder a oportunidade. Na Califórnia se institucionalizou, ou seja, virou lei, a proibição do uso de sacolas plásticas, pelo que se registra, a partir do ano de 2.016. A Califórnia é um dos estados americanos mais desenvolvidos e se fosse classificado separadamente teria a sétima maior economia do globo pela pujança de seu Produto Interno Bruto (PIB).

Aqui no Brasil, afora os estímulos para utilização de sacolas retornáveis ou permanentes, a eventual cobrança pelas sacolas de plástico, a desestimular seu uso, proibições de uso de plásticos se alternam com liberações, ao sabor de interesses de consumidores ou indústrias de plásticos. Lei mesmo, permitindo ou proibindo, não existe qualquer registro a fazer.

Ninguém é contra normatizações ou incorporações exegéticas à legislações atualmente vigentes, mas dentro da realidade brasileira, vários registros devem ser realizados. Nos Estados Unidos como um todo e na Califórnia em particular existe uma quase universalização do tratamento de esgotos e efluentes domésticos e outra quase generalização na utilização de moagem caseira de resíduos sólidos de natureza orgânica e sua destinação acompanhado de outros efluentes domésticos para tratamento quase universal.

Aqui no Brasil, a questão de saneamento básico é complicada, conforme bem abordam os dados e análises do site “Trata Brasil”. Além de índices muito reduzidos de tratamento de esgotos, que não atingem a 40% em todo o país, não existe infraestrutura instalada para moagem doméstica de resíduos sólidos orgânicos e sua destinação para tratamento como efluente adicionado aos esgotos domésticos. Mesmo que existisse a possibilidade, aumentaria apenas o volume de efluentes domésticos com elevada carga orgânica e não tratados.

Por outro lado a coleta de resíduos sólidos orgânicos, recicláveis e resíduos em geral, é bastante desenvolvida e cobre a maior parte das municipalidades do país. E esta coleta se viabiliza com o uso da embalagem plástica obtida em supermercados ou em outros pontos principalmente de varejo, uma vez que as embalagens fornecidas por atacadistas são diferenciadas. Tanto faz alguém utilizar uma embalagem plástica fornecida por algum varejista, ou adquirir embalagens plásticas com esta finalidade específica.

Ninguém está aqui defendendo o uso de embalagens plásticas em pontos comerciais varejistas. Sejam embalagens fornecidas gratuitamente ou mediante remuneração. Mas está se expondo a complexidade que assume uma questão, que aparentemente é simples. Como se diz em um aforisma popular, não adianta vestir um santo e desvestir o outro. Nossa própria legislação manifesta na Lei 11.445 que saneamento são as questões que envolvem os efluentes domésticos, água potável, a gestão de resíduos sólidos e drenagem urbana pluvial.

Não se está tampouco defendendo o uso indiscriminado e eterno de material plástico, seja em embalagens, seja em outras formas de utilização. Mas é preciso evoluir pensando no conjunto. Nem mesmo práticas de separação de resíduos sólidos, ou de segregação na origem, acompanhadas de coleta seletiva e da atuação de cooperativas de recicladores ou agentes ambientais, se encontra institucionalizada ou operativa, nem mesmo nas grandes cidades brasileiras como um todo.

Ocorrem iniciativas isoladas, mesmo quando persistentes no tempo. E isto é impressionante. Num país que detêm grande parcela de população pobre e desprovida de qualificação profissional para absorção no mercado de trabalho formal, nem mesmo os argumentos de geração de ocupação e renda e a materialização de inclusão social efetiva, sensibiliza boa parte dos administradores e gestores públicos.

Por isto não se pode condenar de forma simples, os fabricantes de plásticos, embora os mesmos procurem apenas defender seus interesses corporativos e econômicos e nada mais. Não existe consideração ou reflexão com a realidade do conjunto da sociedade.

Mas é preciso pensar coletivamente e refletir holisticamente sobre a situação descrita. Certamente em algum momento, a “era dos plásticos” passará sobre o cotidiano das nações. Mas é preciso pensar nas soluções globalmente. Ressalta-se a situação da Califórnia, que saudável ser possível eliminar os plásticos sem gerar transtornos de qualquer natureza para a vida cotidiana das pessoas.

Embora da lei aprovada em agosto de 2.010 estabelecendo os princípios e diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (lei 12.305), onde se trata dos modernos mecanismos de gestão compartilhada e logística reversa, ainda é espantoso que passados 4 anos, além de não se ter erradicado os ”lixões”, não se conseguiu estabelecer de forma generalizada mecanismos de apoio a cooperativas de catadores ou agentes ambientais, que poderiam ser mais eficientemente incluídos em termos sociais, com a geração de ocupação e renda.

Os mecanismos de reciclagem são muito importantes, tanto para os catadores ou agentes ambientais, como para a natureza. Que observa redução de impactos ambientais relevantes sobre os recursos naturais pela menor demanda de matérias primas renováveis ou não renováveis, materializada pela reutilização dos materiais.

Quando um produto termina seu ciclo de vida útil, não significa que seus materiais componentes também tenham encerrado seu ciclo. Os materiais podem ser reutilizados para industrialização ou concepção de novos produtos. O exemplo mais clássico são as latinhas de alumínio que são recicladas gerando economias de água e de energia. A eficientização energética gerada se aproxima de 90%. O ciclo da reciclagem das latinhas atualmente gira em torno de 20 a 30 dias. O Brasil recicla cerca de 99% das latinhas de alumínio, sendo a maior referência mundial, seguido de perto pelo Japão.

A motivação e os estímulos é que podem ser diversos. No Brasil isto se deve ao valor econômico agregado à atividade, enquanto nos países desenvolvidos isto se deve a práticas institucionalizadas por políticas públicas e normatizações atuantes. Mas isto não importa. O fator relevante são os resultados para a qualidade ambiental e a qualidade de vida do conjunto das populações.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Celebração da vida [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

in EcoDebate, 10/09/2015
"Proibição de plásticos na Califórnia, artigo de Roberto Naime," in Portal EcoDebate, 10/09/2015, http://www.ecodebate.com.br/2015/09/10/proibicao-de-plasticos-na-california-artigo-de-roberto-naime/.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Cidreira (Tecendo Saberes - UFS)

Clicar na imagem para ampliar.

Erva cidreira é uma planta de uso muito comum e popular no Brasil. Dotada de propriedades terapêuticas, sendo, portanto uma planta medicinal, possui alguns nomes populares como Capim-cidreira, Citronete e Melissa, sendo conhecida no meio cientifico como Melissa officinalis L.,pertencente à família Laminaceae, é uma planta da Ásia e da região que circunda o Mediterrâneo, mas que tem uma ótima adaptação em todo território brasileiro, rica em aldeídos (citral, citronelal), terpenos e alcoóis, ácidos fenólicos, flavonóides. É utilizada principalmente, e mais conhecida por seus efeitos ansiolíticos e dispépticos. No entanto, possui também efeitos hipotensores, antiinflamatórios, cicatrizantes, antiviróticos (herpes vírus), antiespasmódicos e expectorantes. Seu princípio ativo é encontrado nas folhas, sendo elas, portanto utilizadas nos fins terapêuticos.

Indicações: Dor de cabeça, ansiedade, insônia, distúrbios da digestão (gastrites, dispepsia, meteorismo, flatulências, êmeses, náuseas, eructações), hipertensão arterial sistêmica, ferimentos, inflamações, lesões por herpes simples.

Contra-indicações: deve ser evitada em pessoas com hipotireoidismo (pode causar redução da função da tireoide), além do que seu uso em excesso pode levar a efeitos colaterais indesejáveis se usada de forma errônea, que são caracterizados pela exacerbação de seus efeitos sobre a fisiopatologia humana. 

Utilizar cuidadosamente em pessoas com pressão baixa

Interações medicamentosas: a erva cidreira pode interagir com outros medicamentos contendo plantas medicinais, especialmente, Kava-kava (Piper methysticum G. Forst).De maneira geral interage com depressores do sistema nervoso central e com hormônios tireoidianos (poderá se ligar à tirotropina)

Modo de uso: a erva cidreira permite muitas preparações (dentre elas macerações para uso externo), no entanto seu uso principal se dá por chás, que dever ser preparados através de infusão. Pode-se utilizar também o óleo essencial.

Forma de utilização: Infusão (chá): 2 a 4g (1-2col sobremesa) em 150 ml (xic. chá)
Uso: Via oral 

Frequência: 2 a 3x ao dia

Gente que respeita a diversidade

Frutas de setembro


PRONAF 20 anos


Cultivo de hortaliças envolve crianças em projeto ambiental em escola do município

Horta Orgânica na Escola é o nome do projeto que vem reunindo crianças na Escola Municipal Campestre Norte

03/09/2015 - 10h40 Imprimir Envie por e-mail
Créditos: Ascom

As crianças que estudam na Escola Municipal Campestre Norte estão tendo a oportunidade de ter uma alimentação mais saudável e sendo instruídas sobre a importância da ingestão desse tipo de alimento. O projeto Horta Orgânica na Escola é o responsável por essa conscientização. 

Idealizado pela diretora Cristiane Burlamaque e coordenado pela professora Eliane Silva, o projeto "Horta Orgânica na Escola" permitiu maior conhecimento para os alunos sobre a importância da preservação da terra, utilização correta de plantio e cultivo.

O resultado da colheita é consumido na merenda escolar a exemplo das verduras, legumes e frutas, tudo 100% natural e livre de agrotóxicos.

Na Escola Municipal Campestre Norte, o plantio da horta é variado: coentro, cebola, batata, macaxeira, mamão, entre outros, além de plantas medicinais diversas tudo somando para uma alimentação mais saudável.


ß-lapachona (www.portaldosfarmacos.ccs.ufrj.br)

A ß-lapachona (7,8-Benzo-2,2-dimetil-3,4-diidro-5,6-oxo-2H-cromeno) é uma substância natural encontrada como constituinte minoritário do cerne de árvores da família Bignoniaceae, conhecidas no Brasil como ipês1. A ß-lapachona é produzida por semi-síntese a partir do lapachol. Esta naftoquinona natural é conhecida desde 1858, e é facilmente extraída da serragem da madeira de espécies de ipês. No Brasil há cerca de 46 tipos de madeiras comerciais conhecidas como “ipês”(Tabebuia sp). 

O lapachol foi avaliado clinicamente nos tratamentos de carcinoma de Walker-256 e do sarcoma de Yoshida. Embora promova a regressão definitiva de neoplasias em aproximadamente 30% dos portadores com estas patologias, além de agir como analgésico, seus efeitos colaterais agravam o quadro clínico de pacientes com câncer: anemia, aumento do tempo de coagulação e problemas gastrintestinais. O lapachol durante algum tempo foi comercializado pelo Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (LAFEPE). 

A ß-Lapachona, apesar de ainda não ser um fármaco, é uma substância muito importante do ponto de vista da pesquisa científica. Suas atividades farmacológicas contra o Tripanossoma cruzi, agente etiológico causador da doença de Chagas, e contra células cancerosas, a distingue de outras naftoquinonas. Devido a sua citotoxicidade a ß-Lapachona não pode ser utilizada no tratamento da Doença de Chagas, mas sua estrutura tem servido de inspiração para os químicos medicinais, no desenvolvimento de substâncias mais seletivas contra o T. cruzi. Esta citoxicidade é importante para o controle da proliferação de diversos tipos de células cancerosas. A ß-lapachona é eficaz, in vitro, contra linhagens de células humanas malignas de pulmão, mama, colo-retal, próstata; melanoma e leucemia. 

Outra atividade surpreendente da ß-lapachona é a sua ação sinergística no tratamento radioterápico de tumores. Por exemplo, ela aumenta em 79% a eficiência da radiação sobre células de melanoma humano (U1-Mel), resistentes à radiação. Este efeito é devido a indução da apoptose, morte celular programada, causada pela energia ionizante e por substâncias indutoras de apoptose. Tanto a radiação, quanto os inibidores do complexo DNA-topoisomerase, provocam danos ao DNA das células cancerosas.

Os mecanismos de atuação da ß-lapachona ainda não estão bem delineados. Há evidências que ela atue inibindo as enzimas topoisomerases I e II, uma vez que sua incubação direta com a topoisomerase I, antes da adição de DNA como substrato, aumenta drasticamente o efeito inibitório, sugerindo a interação direta da ß-lapachona com a topoisomerase I. 

Existem evidências da participação da enzima NAD(P)H:quinona oxidoreductase-1 (NQO1) no processo de ativação da ß-lapachona na apoptose, que aumenta a sua citotoxicidade. A NQO1 é expressa em maiores concentrações em vários tipos de tumores, incluindo os de mama, pulmão e colo-retal, do que em tecidos normais. Foi demonstrado, recentemente, que a ß-lapachona é um agente terapêutico efetivo e um radiosensitizador capaz de matar células de carcinoma de pulmão, principalmente as células do tipo NSCLC, por estas conterem maior concentração desta enzima. Esta observação abre perspectivas para o desenvolvimento de novas estratégias de quimioterapia seletiva de alguns tipos de câncer de pulmão, próstata e de pâncreas. Seria a mesma abordagem da quimioterapia da doença de Chagas, na qual se sabe que o estresse oxidativo comanda a morte do parasita. 

O uso combinado de ß-lapachona com fármacos, que atuam por diferentes mecanismos de ação, pode ser uma boa alternativa para a quimioterapia do câncer. A combinação de ß-lapachona com paclitaxel (Taxol®), fármaco antineoplásico, tem se mostrado uma associação efetiva contra tumores humanos de ovário e próstata, que pode vir futuramente a ser usada no tratamento de alguns tipos de câncer.

A notícia auspiciosa é que a ß-lapachona encontra-se em fase clinica II, sob o código ARQ501, para o tratamento de câncer de pâncreas. Vários pesquisadores brasileiros têm feito grandes contribuições científicas sobre a reatividade química desta quinona natural e sobre diversas de suas atividades biológicas. 


M. N. da Silva, V. F. Ferreira, M. C. B. V. de Souza; um panorama atual da química e da farmacologia de naftoquinonas, com ênfase na β-lapachona e derivados; Quim. Nova 2003, 26, 407-416.

E. A. Bey, M. S. Bentle, K. E. Reinicke, Y. Dong, C.-R. Yang, L. Girard, J. D. Minna, W. G. Bornmann, J. Gao, D. A. Boothman; An NQO1- and PARP-1-mediated cell death pathway induced in non-small-cell lung cancer cells by ß-lapachone; Proc. Nat. Acad. Sci. - PNAS 2007, 104, 11832-11837.

Topoisomerases são enzimas que atuam nos processo de replicação e empacotamento do DNA.

NSCLC (Non-Small Cell Lung Câncer) é um dos tipos de carcinoma de pulmão classificado pelo histologistas pelo tamanho e aparência. Esta classificação tem importância para o tratamento clínico da doença.

NAD(P)H:quinona oxidoreductase-1 é uma enzima que atua nos processo de oxi-redução celular por transferência de dois elétrons do sistema quinona-hidroquinona.

Taxol® é um produto natural isolado,pela 1ª vez, de Taxus brevifolia . Este fármaco é recomendado para o tratamento de câncer de ovário, mama e pulmão (NSCLC ).