sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Ervas e Plantas| PANC – Plantas Alimentícias Não Convencionais

Could Lactose Explain the Milk - Parkinson’s Disease Link?

Pomegranate vs. Placebo for Prostate Cancer

Ginger for Nausea, Menstrual Cramps, and Irritable Bowel Syndrome

Polyunsaturated fat in adipose tissue linked to lower mortality

Date: August 18, 2016

Source: Uppsala University

The fatty acid linoleic acid (Omega 6) in subcutaneous adipose tissue was linked to lower mortality among older men followed over a 15-year period.

In a study from Uppsala University, published in the American journal JAMA Cardiology, the fatty acid linoleic acid (Omega 6) in subcutaneous adipose tissue was linked to lower mortality among older men followed over a 15-year period.

A high proportion of linoleic acid in adipose tissue largely reflects a high intake of various vegetable oils, as this study also demonstrated. The findings may further indicate that an excessively low intake of polyunsaturated fatty acids increases the risk of (premature) death. However, no clear correlation could be established with mortality from cardiovascular disease. This study is the largest yet conducted examining the association between specific fatty acids in adipose tissue and the intake of these fatty acids. The study is also the largest forward-looking study to have analysed the associations between fatty acids in adipose tissue, cardiovascular disease, and mortality from all causes.

The question of what type of fat food should contain has been hotly debated. According to current dietary guidelines, food should contain a relatively high proportion of unsaturated ¬- including 'polyunsaturated' -- fatty acids. One difficulty in dietary studies is finding a reliable method of measuring dietary intake, particularly over an extended period. Measuring the fatty acid composition of adipose tissue can therefore make a valuable contribution to our knowledge about the association between diet and disease. The composition of adipose tissue provides an objective reflection of the average fat intake in recent years, particularly of fatty acids that the body cannot produce itself, such as the Omega 6 fatty acid linoleic acid derived from vegetable sources. Linoleic acid occurs in sunflower, rapeseed and other vegetable oils, in soft table and cooking fats (margarine), nuts and seeds.

In the population-based study ULSAM (Uppsala Longitudinal Study of Adult Men), adipose tissue biopsy specimens and blood samples were taken from 853 men at the age of 71 years. At about the same time, the men in the study were asked to fill in a food diary over a period of seven days. Many of the men underestimated their intake of energy and fat. Disregarding the men who reported most inadequately, a clear correlation was evident between the proportion of linoleic acid in adipose tissue and the food diaries. Somewhat weaker correlations were observed between fatty acids in the blood and reported intake, while strong correlations were observed between adipose tissue and blood for most fatty acids. Overall, the findings indicate that the proportion of polyunsaturated fatty acids in adipose tissue reflects the individual's intake of these fatty acids over the long term, and this appears to be particularly true of linoleic acid, which is the most common polyunsaturated fatty acid. With regard to Omega 3 fats, however, this study showed no clear association with a risk of cardiovascular disease or mortality.

After taking statistical account of a number of known risk factors for cardiovascular disease, no clear correlations with cardiovascular disease were observed for any fatty acid (251 deaths during a 15-year follow-up period). However, for total mortality (605 deaths) a correlation was seen, with a higher proportion of linoleic acid in adipose tissue being associated with a ten per cent lower risk of death. Linoleic acid is known to reduce the content of bad cholesterol in the blood, but the study cannot answer the question of whether this is the explanation for the association with reduced mortality.

The study is unique in measuring various fatty acids in adipose tissue among a large population of older men, followed over an extended period of time.

'Even though the study cannot prove any causal connection, the findings nevertheless support current dietary advice to replace some hard fats in the diet -- namely, those with a high proportion of saturated fatty acids -- with softer fats, e.g. vegetable oils with a high proportion of unsaturated fatty acids,' says David Iggman, a physician and researcher at the Clinical Nutrition and Metabolism Unit at Uppsala University.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Uppsala University.Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Iggman D, Ärnlöv J, Cederholm T, Risérus U. Association of Adipose Tissue Fatty Acids With Cardiovascular and All-Cause Mortality in Elderly Men. JAMA Cardiology, 2016 DOI:10.1001/jamacardio.2016.2259

Cite This Page:
Uppsala University. "Polyunsaturated fat in adipose tissue linked to lower mortality." ScienceDaily. ScienceDaily, 18 August 2016. <>.

Urbanization affects diets of butterflies

Butterflies that are 'picky' about the flowers they feed from may become increasingly dependent on fewer native flower sources with urbanization

Date: August 18, 2016

Source: National University of Singapore

Researchers have revealed that most tropical butterflies feed on a variety of flower types, but those that are 'picky' about their flower diets tend to prefer native plants and are more dependent on forests. These 'picky' butterflies also have wings that are more conspicuous and shorter proboscis.
Yellow vein lancer (Pyroneura latoia) butterfly, a flower specialist that feeds on a single native flower species, feeding on flowers of the Leea indica plant.
Credit: Tea Yi Kai

A study led by researchers from the National University of Singapore (NUS) revealed that most tropical butterflies feed on a variety of flower types, but those that are 'picky' about their flower diets tend to prefer native plants and are more dependent on forests. These 'picky' butterflies also have wings that are more conspicuous and shorter proboscis. The reduction in native plants due to urbanisation affects the diet of such butterflies, and researchers suggest that intervention may be needed to manage their preferred flower resources.

These findings are the outcome of a three-year study on how urbanisation affects the diets of tropical butterflies. "Butterfly species exhibit different levels of flower preferences and flower specialisation. Understanding the complex phenomenon of flower specialisation of butterflies is important as butterflies are known to be important pollinators of tropical forests. Changes in vegetation structure due to urbanisation could alter butterfly behavior, and in turn, result in changes in native plant pollination and reproduction," explained Mr Anuj Jain, who conducted the study as part of his doctoral research at the Department of Biological Sciences at NUS Faculty of Science.

"It is worrying that butterflies that are flower specialists may become increasingly dependent on fewer native flower sources. To conserve such butterflies, there is a need to develop intervention measures to maintain the availability of suitable flowering plants," Mr Anuj added.

Results of the study were published online in the journal Biological Conservation in July 2016.

Impact of urbanisation on tropical butterflies

When butterflies hunt for nectar, they collect pollen on their legs and body, which helps in pollination for the reproduction of plants. Studying the flowers that butterflies feed on is critical in understanding the reproduction and dispersal of different types of plants.

"So far, studies on the flower-feeding patterns of butterflies have been concentrated in temperate countries, such as the United Kingdom and Spain, but this area is not well-studied for the tropics. With massive landscape transformation that is happening in the tropics, there is a need to understand flower use by butterflies, to assess the implications on pollination and plant reproduction, as well as conservation of butterfly species," said Associate Professor Edward Webb from the Department of Biological Sciences at NUS Faculty of Science, who supervised the study.

To address this research gap, Mr Anuj collaborated with Assistant Professor Krushnamegh Kunte from the National Center for Biological Sciences in India, and butterfly experts from the Nature Society (Singapore) to look deeper into the flower-feeding patterns of tropical butterflies.

Over a period of three years, the research team surveyed 62 sites in Singapore, which included both forested areas and urban parks, and recorded 3,092 flower visits by 190 butterfly species feeding on 149 plant species.

Some tropical butterflies benefit from urban vegetation while others suffer

The researchers found that among the 190 butterfly species observed nectaring during the study, 30 were flower specialists who are 'picky' about their diets, feeding only on selected flower species, while the rest feed from a wide array of flowers.

A few forest butterflies were found to be critically dependent on single native flower species. One of them is the Yellow Vein Lancer (Pyroneura latoia) butterfly, which fed on flowers of the native plant Leea indica in 74 per cent of feeding observations. The team also found that the Lycaenidae family of butterflies, which is the most extinction prone and most habitat-specialised butterfly family in Singapore, is the most flower-specialised.

Of the 19 butterfly species that made at least 10 flower visits in both forests and urban parks, five species expanded their diet when they are in urban parks, which have more non-native plants compared to forested sites. This suggests that non-native flowering plants may be benefitting some butterflies by providing extra nectar resources.

"Native flowering plants in the forests of Singapore tend to be spatially dispersed and flowering events are short, sporadic and few, except during times of mass flowering. The presence of non-native plants may make up for this shortfall in native flowering events. The impacts of non-native flowering plants can be complex, potentially benefiting generalist species while being detrimental to specialists," explained Mr Anuj.

Flower specialisation and evolutionary adaptation of butterflies

The research team also studied the factors that made butterflies flower-specialists or generalists and found that butterflies that feed on fewer flower species (i.e. specialists) have wings that are more conspicuous.

Mr Anuj said, "Our results suggest that the conspicuousness of the butterflies may be an important evolutionary adaptation to escape predators during feeding. When butterflies are feeding, they tend to be vulnerable to predation. They will need to optimise foraging strategies or morphologies to reduce the time they spend on flowers, which may reduce exposure to predators and may lower predation."

It was also found that butterflies that are flower generalists had longer proboscis lengths than specialists. Possession of a long proboscis is beneficial to butterflies because it widens food choices by allowing access to nectar in deep flowers, which typically secrete more nectar than short flowers.

Future studies to focus on impact of tropical butterflies on plant reproduction

In their current study, the research team could only quantify flower use by butterflies, but did not investigate the impact that the butterflies have on seed production, seed dispersal and establishment of native plants.

To further their understanding on the true costs and benefits of non-native plant species to butterflies in tropical forests, the team hopes to carry out community-level experiments involving multiple plant species over the entire plant reproduction cycle.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by National University of Singapore. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Anuj Jain, Krushnamegh Kunte, Edward L. Webb. Flower specialization of butterflies and impacts of non-native flower use in a transformed tropical landscape. Biological Conservation, 2016; 201: 184 DOI: 10.1016/j.biocon.2016.06.034

Cite This Page:
National University of Singapore. "Urbanization affects diets of butterflies: Butterflies that are 'picky' about the flowers they feed from may become increasingly dependent on fewer native flower sources with urbanization." ScienceDaily. ScienceDaily, 18 August 2016. <>.

Natural compound from a deep-water marine sponge found to reduce pancreatic tumor size

Date: August 18, 2016

Source: Florida Atlantic University

A deep-water marine sponge collected off of Fort Lauderdale’s coast contains leiodermatolide, a natural product that has the ability to inhibit the growth of cancer cells as well as block cancer cells from dividing using extremely low concentrations of the compound, report scientists.
Sea sponges are an ancient group of animals that appeared more than 600 million years ago that have many of the same genes as humans. These scientists are taking advantage of this similarity in human and sponge genomes to isolate marine natural compounds from these organisms to develop medicines useful in the treatment of human diseases such as cancer.
Credit: Florida Atlantic University, Harbor Branch Oceanographic Institute

Scientists at Florida Atlantic University's Harbor Branch Oceanographic Institute found that a deep-water marine sponge collected off of Fort Lauderdale's coast contains leiodermatolide, a natural product that has the ability to inhibit the growth of cancer cells as well as block cancer cells from dividing using extremely low concentrations of the compound. This work resulted in the award of a patent from the U.S. Patent and Trademark Office protecting the use of the compound against various forms of cancer. Sea sponges are an ancient group of animals that appeared more than 600 million years ago that have many of the same genes as humans. These scientists are taking advantage of this similarity in human and sponge genomes to isolate marine natural compounds from these organisms to develop medicines useful in the treatment of human diseases such as cancer. The researchers are expanding on their original findings, recently showing that leiodermatolide can reduce pancreatic tumor size in vivo, publishing the results of this study in the International Journal of Cancer (IJC).

Pancreatic cancer is the fourth leading cause of cancer death in the United States. Pancreatic cancer patients have less than a seven percent survival rate within five years of diagnosis, and 74 percent of patients die within the first year of diagnosis. In recent years, pancreatic cancer has received considerable attention because many well-known individuals have died from the disease. September marks seven years since the passing of actor Patrick Swayze, and October will be five years since the death of Apple Inc. co-founder Steve Jobs. The great tenor Luciano Pavarotti also died from this disease almost a decade ago.

In the article in IJC titled, "Leiodermatolide, a Novel Marine Natural Product, Has Potent Cytotoxic and Antimitotic Activity Against Cancer Cells, Appears to Affect Microtubule Dynamics, and Exhibits Antitumor Activity," the researchers more fully define how this marine compound kills the cancer cells, and show that its effects occur not only against cells but that it also has the ability to reduce pancreatic cancer tumor weight.

Lead author Esther Guzmán, Ph.D., associate research professor at FAU Harbor Branch, along with colleagues and co-authors Amy Wright, Ph.D., research professor; Tara Pitts, biological scientist; and Priscilla Winder, Ph.D., research associate; as well as collaborators from Eisai Pharmaceuticals and the University of Central Florida, have been able to show that leiodermatolide induces programmed cell death in pancreatic cancer cells, and inhibits the growth of other cancer cells such as metastatic melanoma, colon cancer, lymphoma, and glioblastoma, a rare and deadly form of brain cancer.

Taxol™, a commonly used anti-cancer drug, works by interacting with tubulin and causing its polymerization. Leiodermatolide also interacts with tubulin but appears to affect microtubule dynamics through a unique mechanism of action compared to other microtubule interacting agents. In a mouse model of metastatic pancreatic cancer, leiodermatolide exhibited significant tumor reduction when compared to gemcitabine -- the standard of care drug for pancreatic cancer -- and controls.

"Given the uniqueness of its mechanism of action, its potency, its selectivity for cancer cells, and its in vivo efficacy, leiodermatolide is an extremely interesting compound that merits further studies to determine its therapeutic potential for addressing some of the most devastating forms of cancer," said Guzmán.

Natural products, or secondary metabolites, are small, organic molecules produced by organisms. Unlike primary metabolites such as sugars, fats or proteins, these molecules are not essential to sustain life; however, the compounds are thought to confer an evolutionary advantage to the producing organism. For example, if a sponge makes a compound that is toxic to predators or tastes bad, that sponge may be protected from being eaten, and will have an advantage over one that does not produce the compound. In addition to blocking predation, natural products can have many different functions within the producing organism.

FAU Harbor Branch's drug discovery program, spearheaded by Wright, looks for treatments for pancreatic cancer and infectious diseases, and their scientists also have collaborations with other scientists working on other forms of cancer, malaria, tuberculosis, neurodegenerative disease and inflammation.

"The primary goal of our marine biomedical and biotechnology program is to discover marine natural products with utility as medicines or as tools to better allow us to understand disease processes," said Wright.

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Florida Atlantic University. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Esther A. Guzmán, Qunli Xu, Tara P. Pitts, Kaoru Ogawa Mitsuhashi, Cheryl Baker, Patricia A. Linley, Judy Oestreicher, Karen Tendyke, Priscilla L. Winder, Edward M. Suh, Amy E. Wright. Leiodermatolide, a novel marine natural product, has potent cytotoxic and antimitotic activity against cancer cells, appears to affect microtubule dynamics, and exhibits antitumor activity. International Journal of Cancer, 2016; 139 (9): 2116 DOI: 10.1002/ijc.30253

Cite This Page:
Florida Atlantic University. "Natural compound from a deep-water marine sponge found to reduce pancreatic tumor size." ScienceDaily. ScienceDaily, 18 August 2016. <>.

Greater intake of dietary omega-3 fatty acids associated with lower risk of diabetic retinopathy

Date: August 18, 2016

Source: The JAMA Network Journals

In middle-aged and older individuals with type 2 diabetes, intake of at least 500 mg/d of dietary long-chain ?-3 polyunsaturated fatty acids, easily achievable with two weekly servings of oily fish, was associated with a decreased risk of sight-threatening diabetic retinopathy, according to a study.

See more at:

Programa Questões – Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (nº ...

Práticas Integrativas e Complementares no SUS

MANHÃ TOTAL - Benefícios das práticas integrativas

18/08/16 Canal del Congreso - Plantas medicinales

Estilo de vida brasileiro aumenta casos de diabetes no país

Especialista alerta para a importância de cuidar dos hábitos alimentares e evitar complicações do diabetes.

O diabetes mellitus, também chamado de diabetes, é um grupo de distúrbios metabólicos. Esses distúrbios são caracterizados por hiperglicemia, resultantes de efeitos na ação da insulina, na secreção de insulina ou em ambas. Segundo um relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) mais de 16 milhões de brasileiros sofrem com diabetes. Aqui no Brasil a doença é responsável por 72 mil mortes, aproximadamente.

O agravante da doença se deve, principalmente, ao estilo de vida que as pessoas levam hoje, que geram mais estresse e alimentação repleta de alimentos industrializados. Por isso, conscientizar-se sobre hábitos alimentares é muito importante para quem tem a doença.

Patrícia Cruz, nutricionista comportamental com ênfase em tratamento de diabetes mellitus, alerta para a epidemia de diabetes.” – adverte a especialista. Por isso, a necessidade do conhecimento da doença e como a alimentação influência nesse processo.

Segundo Patrícia Cruz, os tipos mais conhecidos são o diabetes mellitus tipo 1 e do tipo 2. No primeiro caso, ocorre uma completa deficiência na produção de insulina pelo pâncreas. Já no diabetes mellitus tipo 2, há um defeito na secreção ou ação da insulina.

Além desses dois tipos, há o diabetes gestacional que ocorre durante a gestação e outros tipos específicos, conforme a classificação pela OMS. Há ainda o pré-diabetes, que se caracteriza pela glicemia de jejum alterada e a tolerância à glicose diminuída, isto é, fatores de risco para o desenvolvimento do diabetes mellitus.

A obesidade é fator de risco para o desenvolvimento do diabetes tipo 2. Portanto, uma alimentação equilibrada somada a prática de atividade física podem prevenir o surgimento da doença, pois, nesse caso, uma dieta rica em gordura e açúcares leva à obesidade, que é fator de risco para o diabete. Quando se trata do diabetes tipo 1, que é uma doença auto-imune de causa genética, a alimentação vai evitar apenas as complicações da doença.

Infelizmente não há cura para o diabetes. Por isso, a especialista reforça a importância do cuidado com o habito alimentar. ” – explica Patrícia.

Não há alimentos que previnem a doença, mas existem alimentos que a controlam. Osportadores de diabetes devem excluir o açúcar e incluir carboidratos complexos, ricos em fibras.,alerta a especialista.
Por isso, dietas ricas em fibras (verduras, legumes, frutas, arroz integral, granola, leguminosas);carboidratos simples (batata, pães brancos, macarrão branco);adequada em proteínas (carne vermelha, queijos, leite, frango, peixe) e lipídios (queijos amarelos, óleos, manteiga) auxiliam nas taxas de açúcar, com os hipoglicimiantes orais e/ou insulina.

No caso das crianças, segundo Patrícia, o indicado é a terapia de contagem de carboidratos, que é recomendada pela . Essa é uma ferramenta segura e que permite fazer o controle das taxas glicêmicas de forma eficiente.

in EcoDebate, 19/08/2016

Lei estadual que privatiza parques em São Paulo ameaça meio ambiente e populações tradicionais, alerta MP

Assunto foi debatido em reunião com representantes de comunidades tradicionais, indígenas e o Instituto Socioambiental

A promulgação da Lei 12.260/2016, que autoriza a concessão de 25 parques estaduais de São Paulo à iniciativa privada, preocupa comunidades tradicionais e populações indígenas que vivem nos locais. Atualmente, já foram identificados pelo menos quatro grupos da etnia Guarani e diversas comunidades quilombolas, extrativistas e caiçaras cujos territórios incidem sobre as áreas dos parques ou seus entornos.

Para debater o assunto e buscar soluções que garantam o direito desses povos, as Câmaras de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural e de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do MPF se reuniram nessa terça-feira, 16 de agosto, com representantes de comunidades tradicionais, indígenas e o Instituto Socioambiental (Isa).

O que se espera é que a privatização dos parques não inviabilize o modo de vida das comunidades, já que a lei não específica qual seria a destinação do uso dos parques. “A concessão é geral, irrestrita e abre precedentes para que o mesmo ocorra em outras partes do país. Nossa preocupação é com a questão do impacto ambiental e do impacto sobre os povos e comunidades tradicionais”, alerta o diretor do Isa, Maurício Guetta.

A lei autoriza prazo de concessão dos parques estaduais por até 30 anos para “a exploração dos serviços ou o uso de áreas inerentes ao ecoturismo e à exploração comercial madeireira ou de subprodutos florestais”. O líder indígena Davi Guarani teme que as comunidades sejam retiradas dos parques. “Os Guarani têm relação direta com a Mata Atlântica. A gente vive daquela mata, tiramos ervas, cascas para fazer cerimônias e rituais. Além disso, não fomos consultados sobre a concessão”, afirmou.

A convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, assinada pelo Brasil, prevê que comunidades indígenas e povos tribais sejam consultados quanto a empreendimentos que os impactem.

Segundo a procuradora regional da República Maria Luiza Grabner, que acompanha o caso, a falta de consulta e diálogo com as comunidades é grave falha do projeto. “A lei já é um fator de desestabilização muito grande para esses povos, que vivem em área de dupla afetação (Unidades de Conservação em convergência com comunidades tradicionais), e agora vem como um rolo compressor”, explica.

O coordenador da 6ª Câmara, subprocurador-geral da República Luciano Mariz, informou que as autoridades competentes do Estado de São Paulo serão procuradas e alertadas quanto a aspectos relacionados à inconstitucionalidade da lei e à necessidade de garantia de direitos dos povos indígenas e comunidades tradicionais, especialmente porque está aberta a discussão da regulamentação da lei.

Fonte: Procuradoria-Geral da República

in EcoDebate, 19/08/2016

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Espécies de Mentha com propriedades medicinais, aromáticas e condimentares

Catálogo de ajíes Capsicum spp peruanos promisorios conservados en el banco de semillas del INIA, Peru

Plantas medicinales andreína

Medicina Originaria del Pueblo Mapuche

Manual de uso de hierbas medicinales del Paraguay

Medicinas Naturales para uso en Animales

Cartilla Jamundí: Orientaciones para el uso de Plantas Medicinales y el Control Biológico de plagas agrícolas

Utilisation et medecine avec LAVANDE R

Guía de las Plantas Medicinales del Río Cenepa

Plantas que curan, compartiendo vivencias y saberes

Plantas medicinales caribeñas para la atención primaria

Historia de la calendula

Lemon balm: guide

Padronização agrícola ameaça animais polinizadores, alerta pesquisa internacional

Pesquisa divulgada, nesta terça-feira (9), na revista científica PeerJ, periódico que aborda estudos nas áreas de Biologia e Ciências Médicas, aponta ameaças e oportunidades para abelhas e demais espécies polinizadoras em agricultura, nos próximos 30 anos. A investigação, apoiada pela rede SuperB, financiada pela União Europeia, foi conduzida por um grupo internacional de 17 cientistas, pesquisadores de órgãos de governos e organizações não governamentais liderados pelo Prof. Mark Brown, da Royal Holloway University of London. O Prof. Breno Magalhães Freitas, do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal do Ceará, foi o único representante brasileiro a participar do trabalho.

A reportagem foi publicada por Universidade Federal do Ceará – UFC, 09-08-2016.

Segundo os cientistas, a agricultura de larga escala pode ajudar ou eliminar os animais polinizadores. A partir da expansão desse modelo de cultivo, o desenvolvimento de novas classes de inseticidas e a descoberta de vírus emergentes, as abelhas e demais polinizadores estão enfrentando riscos ainda mais desafiadores. Em resposta, os pesquisadores alertam para a necessidade de políticas globais de prevenção pró-ativa, em vez de mitigação reativa, para assegurar o futuro dessas espécies vitais.

Ameaças e oportunidades

Para alcançar tais resultados, os pesquisadores usaram um método de “escaneamento do horizonte“, que identificou ameaças futuras – que exigem medidas preventivas – e oportunidades a serem aproveitadas, a fim de proteger as abelhas e demais insetos, como também aves, mamíferos e répteis que polinizam flores silvestres e cultivos agrícolas. “Cerca de 35% da produção agrícola mundial e 85% das plantas silvestres com flores dependem de polinizadores que enfrentam as mais diversas dificuldades para sobreviver e prosperar. Estamos adotando cada vez mais práticas que afetam essas espécies. Então, procuramos mitigar essas perdas, ao invés de impedi-las, em primeiro lugar. Esta é uma abordagem de trás para frente e bem cara para um problema que tem consequências muito reais para o nosso bem-estar”, explica o Prof. Brown.

De uma lista de 60 riscos e oportunidades identificadas para os polinizadores, a equipe selecionou seis questões de alta prioridade, como o controle corporativo da agricultura em escala global; a sulfoximina, uma nova classe de inseticidas sistêmicos; os novos vírus emergentes; o aumento da diversidade de espécies polinizadoras manejadas; os efeitos de eventos extremos no âmbito das mudanças climáticas; e, ainda, as reduções no uso de produtos químicos em ambientes não agrícolas.

A pesquisa destaca também a consolidação das indústrias agroalimentares como a maior ameaça para os polinizadores, com um pequeno número de empresas tendo um controle sem precedentes do solo. “Esta homogeneização de práticas agrícolas efetivamente implica que empresas estão usando sistemas de produção padronizados em paisagens que são muito diferentes, reduzindo significativamente a diversidade e número de polinizadores nativos”, alerta Sarina Jepsen, diretora de espécies ameaçadas e programas aquáticos, daSociedade Xerces, e coordenadora do grupo de especialistas em abelhas Bombus, da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

O Prof. Breno Magalhães Freitas, do Departamento de Zootecnia da UFC, destaca a importância de uma ação conjunta, nos âmbitos público e privado, na proteção aos polinizadores. “O estudo mostra claramente que temos duas opções: deixar as coisas continuarem como estão e ficarmos sempre reclamando e correndo atrás com medidas paliativas que geralmente não funcionam, ou chamarmos governos e as grandes corporações, como empresas da indústria agroalimentar e de pesticidas, para que assumam suas parcelas de responsabilidade e atuem em conjunto com os pesquisadores, ONGs e a sociedade em geral na implementação de medidas preventivas, para minimizar ou eliminar os possíveis problemas antes que aconteçam”, declara.


Brown MJF, Dicks LV, Paxton RJ, Baldock KCR, Barron AB, Chauzat M, Freitas BM, Goulson D, Jepsen S, Kremen C, Li J, Neumann P, Pattemore DE, Potts SG, Schweiger O, Seymour CL, Stout JC. (2016) A horizon scan of future threats and opportunities for pollinators and pollination. PeerJ 4:e2249

(EcoDebate, 15/08/2016) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

Impactos das mudanças climáticas ameaçam segurança alimentar de América Latina e Caribe

Relatório produzido por Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e Associação Latino-Americana de Integração (ALADI) destacou que a mudança climática afetará o rendimento dos cultivos da agricultura, terá impacto nas economias locais e comprometerá a segurança alimentar no Nordeste do Brasil, em parte da região andina e na América Central.
As alterações climáticas têm implicações graves para a agricultura e a segurança alimentar. Foto: FAO / L. Dematteis

O impacto das mudanças climáticas na América Latina e no Caribe será considerável devido à dependência econômica da região em relação à agricultura, afirmou novo estudo feito por Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e Associação Latino-Americana de Integração (ALADI).

O estudo foi apresentado no início de agosto em reunião da CELAC realizada em Santiago de los Caballeros, na República Dominicana, com o objetivo de ajudar a fornecer insumos para a gestão das mudanças climáticas no Plano para a Segurança Alimentar, Nutrição e Erradicação da Fome da CELAC 2025.

Segundo as três agências, o setor agrícola é a atividade econômica mais afetada pelas mudanças climáticas, enquanto responde por 5% do PIB regional, 23% das exportações e 16% dos empregos.

“Com uma mudança estrutural em seus padrões de produção e consumo, e um grande impulso ambiental, a América Latina e o Caribe podem alcançar o segundo dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que prevê o fim da fome, a segurança alimentar e a melhora da nutrição e a promoção da agricultura sustentável”, disse Antonio Prado, secretário-executivo adjunto da CEPAL.

Segundo ele, o Plano de Segurança Alimentar da CELAC e o novo Fórum dos Países da América Latina e do Caribe sobre Desenvolvimento Sustentável serão os pilares fundamentais para este processo.

O relatório das três agências destacou ainda que a mudança climática afetará o rendimento dos cultivos, terá impacto nas economias locais e comprometerá a segurança alimentar no Nordeste do Brasil, em parte da região andina e na América Central.

“O desafio atual para a região é considerável: como continuar seu processo positivo de erradicação da fome à medida que os efeitos das mudanças climáticas se tornam cada vez mais profundos e evidentes em seus sistemas produtivos?”, questionou Raúl Benítez, representante regional da FAO.

Os países cujos setores agrícolas sofrerão os maiores impactos (Bolívia, Equador, El Salvador, Honduras, Nicarágua e Paraguai) já enfrentam desafios importantes em termos de segurança alimentar.

Alguns países da região, assim como a CELAC, já deram passos importantes no desenho de planos de adaptação às mudanças climáticas para o setor agropecuário, mas o desafio ainda é grande. Apenas em termos de recursos financeiros, sem levar em conta as mudanças necessárias de política, será necessário algo em torno de 0,02% do PIB regional anual.
Impactos sobre o setor agrícola e a segurança alimentar

Paradoxalmente, apesar de a região gerar uma menor contribuição à mudança climática em termos de emissões de gases do efeito estufa na comparação com outras, é especialmente vulnerável a seus efeitos negativos.

O novo relatório projeta deslocamentos, em altitude e latitude, das regiões de cultivo de espécies importantes como café, cana de açúcar, batata, milho, entre outras.

Nacionalmente, esses impactos podem afetar seriamente a segurança alimentar. Segundo o relatório, na Bolívia as mudanças de temperatura e chuva causarão uma redução média de 20% do faturamento rural.

No caso do Peru, as projeções indicam que o impacto da mudança climática na agricultura irá gerar redução da produção de diversos cultivos básicos para a segurança alimentar, em especial daqueles que necessitam de mais água, como o arroz.

Mas o setor agrícola não apenas é afetado pelas mudanças climáticas, como contribui para que elas ocorram, sendo urgente que os países, como o apoio da CELAC, façam uma transição urgente para práticas agrícolas sustentáveis, tanto em termos ambientais como econômicos e sociais.

Segundo as três agências, a erradicação da fome na América Latina e no Caribe requer uma mudança de paradigma para um modelo agrícola plenamente sustentável que proteja seus recursos naturais, gere desenvolvimento socioeconômico equitativo e permita se adaptar às mudanças climáticas e mitigar seus efeitos.

Da ONU Brasil, in EcoDebate, 15/08/2016

Educação Ambiental e Saúde Pública, artigo de Antonio Silvio Hendges

[EcoDebate] Educação ambiental – EA são os processos através dos quais os indivíduos e a sociedade constroem valores, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas à conservação do meio ambiente como um espaço coletivo, essencial à qualidade de vida presente e futura dos meios físicos e sociais. A educação pressupõe a atuação nos processos socializadores dos indivíduos e grupos. Se estes processos estão relacionados com fatores e aspectos socioambientais, são indispensáveis abordagens pedagógicas com base nos conceitos e práticas da EA. Entre as dimensões da EA, estão suas contribuições para a promoção da saúde pública, desde a prevenção de doenças, endemias e epidemias até as ações diretas de intervenção em ambientes ou comunidades de risco quanto a diversos aspectos ambientais.

Esta área de ação conjunta entre a educação ambiental e a saúde pública está relacionada ao vínculo social entre estes dois campos em que ambos estão para a sociedade como direitos coletivos, ao mesmo tempo em que os impactos e transformações ambientais configuram-se como problemas que se agravam nas agendas das gestões públicas em diferentes esferas administrativas. A Agenda 21, documento resultante da Conferência da ONU Rio-92 estabelece uma relação direta entre a qualidade ambiental, os processos educativos e a promoção da saúde pública.

O Sistema Único de Saúde – SUS e os diversos programas de atendimento como o Programa Saúde da Família, Programa de Assistência à Saúde da Criança, formação de Agentes Comunitários de Saúde, também incorpora em suas ações a dimensão ambiental, tornando o sistema de assistência à saúde um instrumento essencial para a promoção das questões relacionadas ao meio ambiente e a educação como promotoras da prevenção e mesmo das soluções necessárias.

As ações educativas de prevenção primária, em períodos pré patogênicos, sejam de doenças específicas ou de condições gerais de higiene e cuidados com o ambiente são fundamentais para estabelecer conexões nas ações individuais, comunitárias e dos serviços públicos de atenção primária. Na mobilização das comunidades, nos planejamentos, nos diagnósticos socioambientais e de prováveis endemias e/ou epidemias, nas análises e avaliações, a EA é uma ferramenta estratégica com amplas possibilidades de usos e metodologias na promoção da saúde pública e de melhorias em outros aspectos sociais e ambientais, inclusive utilizando-se de conhecimentos e práticas locais para a sua realização.

Na realização dos diagnósticos socioambientais, é indispensável que se destaquem as questões ambientais, sejam às famílias individualmente ou das comunidades. Aspectos como a origem e qualidade da água, disposição e destino dos resíduos, coleta e tratamento dos esgotos, espaços verdes e de lazer, economia e consumo familiar e relações socioculturais são fundamentais à construção e intervenção eficaz dos projetos e ações de atenção primária à saúde. Na mobilização individual ou comunitária também utilizam-se metodologias pedagógicas com base na EA, aproveitando-se, por exemplo, de datas comemorativas e/ou eventos locais para a divulgação de informações de interesse coletivo.

Na aquisição de hábitos saudáveis e preventivos em relação ao fumo, álcool ou outras substâncias, a EA também é uma ferramenta eficaz, facilitando a identificação, os contatos com os indivíduos ou famílias e o encaminhamento adequado aos tratamentos e/ou ações necessárias individualmente e às comunidades, evitando-se conflitos e atitudes que possam resultar em problemas socioambientais complexos ou mesmo em violência. Indispensável uma abordagem que considere o meio ambiente socialmente construído para o enfrentamento destas questões. Em educação ambiental, não se deve ter um enfoque moralista, policial ou de exclusão, mas a busca de soluções integradas que respeitem a dignidade e os direitos humanos dos envolvidos.

Na prevenção de doenças transmitidas por vetores como mosquitos, ratos e animais abandonados, a educação ambiental é indispensável à responsabilidade e consciência coletiva, acondicionando-se e dispondo-se adequadamente os resíduos para coleta, evitando-se o descarte de objetos como pneus e outros que acumulam água em terrenos baldios ou locais inapropriados e inclusive exigindo dos poderes públicos ações preventivas e saneadoras dos problemas identificados.

São muitas as atividades que relacionam a saúde pública e a educação ambiental, sendo grande parte dos agravos à saúde diretamente relacionados com fatores ambientais, considerando-se que as alterações e condições ambientais interferem diretamente na saúde e na qualidade de vida dos indivíduos e comunidades, tornando o meio ambiente e as condições de saúde indissociáveis.

Algumas ações de educação ambiental diretamente relacionadas à saúde pública e qualidade de vida:

– Mobilização comunitária para a resolução de problemas específicos às comunidades;

– Reuniões de lideranças para análise e busca de soluções dos problemas socioambientais;

– Atividades locais de comércio de produtos e serviços feitos nas comunidades, como artesanato, alimentos, roupas e outros, valorizando os conhecimentos e práticas locais;

– Desenvolvimento de atividades culturais e artísticas que valorizem e resgatem conhecimentos e práticas locais, como música, teatro, dança, jogos e outras manifestações integradas às representações sociais* coletivas;

– Prevenção de doenças transmissíveis por vetores como a dengue, leptospirose, raiva e outras zoonoses, possibilitando a organização de ações que tenham como base o equilíbrio e a qualidade do meio ambiente;

– Exigência de políticas públicas direcionadas aos aspectos socioambientais, segurança educação, transporte, saúde, inclusão digital, melhorando as condições de acesso das comunidades aos recursos disponíveis à qualidade de vida;

– Capacitação de agentes comunitários e de educação ambiental que estimulem e orientem para a formação local de redes de ação e de comunicação que facilitem intra e inter comunidades a busca de soluções conjuntas aos problemas ambientais identificados;

– Produção de conteúdos e de materiais educativos, como panfletos, jornais, programas de rádios, entrevistas, palestras, oficinas e cursos que estimulem práticas saudáveis e a colaboração comunitária.

– Prevenção de endemias e epidemias transmitidas por vetores como insetos, ratos, animais abandonados, etc.

* Representações sociais são ideias, conceitos atitudes coletivas elaboradas de acordo com os valores sociais, econômicos, políticos, culturais, tecnológicos, religiosos dos grupos humanos e se constituem pelas maneiras de pensar, agir, sentir, fazer e consumir socialmente estabelecidas. Uma vez formadas, estas representações possuem a capacidade de agregar indivíduos e possibilitar a convivência social. Podem também gerar conflitos entre grupos (ou indivíduos) quando estes possuem diferentes representações sociais sobre determinado tema ou costume.


GOMIDE, Márcia; SERRÃO, Mônica Armond. A Educação Ambiental e a Promoção da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 09 ago.2016.

PEREIRA, Carlos Alexandre Rodrigues; MELO, Juliana Valério de; FERNANDES, André luís Teixeira. A educação ambiental como estratégia da Atenção Primária à Saúde. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2016.

VIEIRA, Ana Carolina Pires; Oliveira, Silmara Sartoreto. Educação Ambiental e Saúde Pública: uma análise crítica da literatura. Disponível em: . Acesso em: 09 Ago. 2016.

Antonio Silvio Hendges, Articulista no EcoDebate, professor de Biologia, pós graduação em Auditorias Ambientais, assessoria e consultoria em educação ambiental –

in EcoDebate, 15/08/2016
"Educação Ambiental e Saúde Pública, artigo de Antonio Silvio Hendges," in Portal EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/08/2016,

Conceitos de Educação Ambiental, artigo de Antonio Silvio Hendges

[EcoDebate] Desde os anos 70 do século passado quando as preocupações com o meio ambiente ganharam destaque nas agendas dos governos e empresas, diversas conferências e congressos internacionais, tratados, documentos legais e publicações estabeleceram conceitos sobre a educação ambiental, sempre na perspectiva da formação da cidadania e da capacitação de recursos humanos para a intervenção transformadora das relações da sociedade com o meio ambiente socialmente construído. Seguem-se alguns destes conceitos.

“Entendem-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade”.

Política Nacional de Educação Ambiental – Lei nº 9795/1999, Artigo 1º.

“A Educação Ambiental é uma dimensão da educação, é atividade intencional da prática social, que deve imprimir ao desenvolvimento individual um caráter social em sua relação com a natureza e com os outros seres humanos, visando potencializar essa atividade humana com a finalidade de torná-la plena de prática social e de ética ambiental”.
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental, Artigo 2°.

“A educação ambiental é a ação educativa permanente pela qual a comunidade educativa tem a tomada de consciência de sua realidade global, do tipo de relações que os homens estabelecem entre si e com a natureza, dos problemas derivados de ditas relações e suas causas profundas. Ela desenvolve, mediante uma prática que vincula o educando com a comunidade, valores e atitudes que promovem um comportamento dirigido a transformação superadora dessa realidade, tanto em seus aspectos naturais como sociais, desenvolvendo no educando as habilidades e atitudes necessárias para dita transformação”.

Conferência Sub-regional de Educação Ambiental para a Educação Secundária – Chosica, Peru em 1976.

“A educação ambiental é um processo de reconhecimento de valores e clarificações de conceitos, objetivando o desenvolvimento das habilidades e modificando as atitudes em relação ao meio, para entender e apreciar as inter-relações entre os seres humanos, suas culturas e seus meios biofísicos. A educação ambiental também está relacionada com a prática das tomadas de decisões e a ética que conduzem para a melhora da qualidade de vida”.

Conferência Intergovernamental de Tbilisi, Geórgia em 1977.

“Consideramos que a educação ambiental para uma sustentabilidade equitativa é um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida. Tal educação afirma valores e ações que contribuem para a transformação humana e social e para a preservação ecológica. Ela estimula a formação de sociedades socialmente justas e ecologicamente equilibradas, que conservam entre si relações de interdependência e diversidade. Isto requer responsabilidade individual e coletiva em níveis local, nacional e planetário”.

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. Documento da sociedade civil durante a RIO-92.

“A Educação Ambiental nasce como um processo educativo que conduz a um saber ambiental materializado nos valores éticos e nas regras políticas de convívio social e de mercado, que implica a questão distributiva entre benefícios e prejuízos da apropriação e do uso da natureza. Ela deve, portanto, ser direcionada para a cidadania ativa considerando seu sentido de pertencimento e co-responsabilidade que, por meio da ação coletiva e organizada, busca a compreensão e a superação das causas estruturais e conjunturais dos problemas ambientais.”

SORRENTINO et al, Educação ambiental como política pública, 2005.

“A Educação Ambiental, apoiada em uma teoria crítica que exponha com vigor as contradições que estão na raiz do modo de produção capitalista, deve incentivar a participação social na forma de uma ação política. Como tal, ela deve ser aberta ao diálogo e ao embate, visando à explicitação das contradições teórico-práticas subjacentes a projetos societários que estão permanentemente em disputa.”

TREIN, E. Salto para o Futuro, 2008.

“A Educação Ambiental deve proporcionar as condições para o desenvolvimento das capacidades necessárias; para que grupos sociais, em diferentes contextos socioambientais do país, intervenham, de modo qualificado tanto na gestão do uso dos recursos ambientais quanto na concepção e aplicação de decisões que afetam a qualidade do ambiente, seja físico-natural ou construído, ou seja, educação ambiental como instrumento de participação e controle social na gestão ambiental pública”.

QUINTAS, J. S., Salto para o Futuro, 2008.

“Um processo educativo eminentemente político, que visa ao desenvolvimento nos educandos de uma consciência crítica acerca das instituições, atores e fatores sociais geradores de riscos e respectivos conflitos socioambientais. Busca uma estratégia pedagógica do enfrentamento de tais conflitos a partir de meios coletivos de exercício da cidadania, pautados na criação de demandas por políticas públicas participativas conforme requer a gestão ambiental democrática.”

LAYRARGUES; P.P. Crise ambiental e suas implicações na educação, 2002.

“Processo em que se busca despertar a preocupação individual e coletiva para a questão ambiental, garantindo o acesso à informação em linguagem adequada, contribuindo para o desenvolvimento de uma consciência crítica e estimulando o enfrentamento das questões ambientais e sociais. Desenvolve-se num contexto de complexidade, procurando trabalhar não apenas a mudança cultural, mas também a transformação social, assumindo a crise ambiental como uma questão ética e política.”

MOUSINHO, P. Glossário. In: Trigueiro, A. (Coord.) Meio ambiente no século 21.Rio de Janeiro: Sextante. 2003.

“Educação ambiental é uma perspectiva que se inscreve e se dinamiza na própria educação, formada nas relações estabelecidas entre as múltiplas tendências pedagógicas e do ambientalismo, que têm no “ambiente” e na “natureza” categorias centrais e identitárias. Neste posicionamento, a adjetivação “ambiental” se justifica tão somente à medida que serve para destacar dimensões “esquecidas” historicamente pelo fazer educativo, no que se refere ao entendimento da vida e da natureza, e para revelar ou denunciar as dicotomias da modernidade capitalista e do paradigma analítico-linear, não dialético, que separa: atividade econômica, ou outra, da totalidade social; sociedade e natureza; mente e corpo; matéria e espírito, razão e emoção etc.”

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In: Layrargues, P. P. (Coord.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

Fonte das informações:

Antonio Silvio Hendges, Articulista no EcoDebate, Professor de Biologia, Pós Graduação em Auditorias Ambientais, assessoria e consultoria em Educação Ambiental –

in EcoDebate, 18/08/2016
"Conceitos de Educação Ambiental, artigo de Antonio Silvio Hendges," in Portal EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/08/2016,

Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares e em Segurança Alimentar

Guia horta FMUSP Revisado

Guia orienta população para o uso seguro das plantas medicinais

Potencialidades farmacológicas das ervas e plantas são inúmeras, mas uso e cultivo demandam cuidados

Por Ivanir Ferreira, Jornal/Agência USP

As plantas medicinais podem ajudar no tratamento de várias enfermidades, mas precisam ser consumidas com cuidado. Para orientar a população sobre o assunto, voluntários da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) publicaram um guia informativo. A inspiração foi a horta que está sendo cultivada desde 2013 na laje de um dos prédios da faculdade.

O Guia informativo sobre plantas medicinais lista e identifica as ervas por nomes científicos e populares, orienta sobre o momento adequado para coleta, seleção das folhas e modo de preparo dos chás. A publicação está na internet e pode ser acessada gratuitamente

Mais informações: site

in EcoDebate, 19/08/2016

Projeto foca no uso de plantas para restauração de margens de rios afetados pela tragédia de Mariana

Atualmente cobertas de rejeito da mineração de ferro decorrente do rompimento da barragem da Samarco, em Mariana, Minas Gerais, as margens dos rios e a mata ciliar que as habitam são o foco da pesquisa em Ecofisiologia e Bioquímica Vegetal da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O estudo, coordenado pelo professor do Departamento de Botânica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), Paulo Henrique Pereira Peixoto, tem como objetivo investigar e desenvolver tecnologias que permitam restaurar a mata ciliar presente das margens dos rios afetados, utilizando plantas resistentes às condições adversas do ambiente. Em abril deste ano, o projeto foi aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), no edital Tecnologias para a Recuperação da Bacia do Rio Doce.

Segundo Peixoto, o resultado da pesquisa deverá contribuir para a recuperação inicial, gerando dados para o estabelecimento de metodologias para a restauração das matas ciliares da Bacia do Rio Doce, um processo longo e que deverá ser continuado. A restauração das matas ciliares é fundamental não apenas para restaurar a fertilidade do solo, como também para reter os detritos e impedir que esses retornem ao leito do rio.

Trabalhando em conjunto com a natureza

Para a avaliação empírica da pesquisa, Peixoto e sua equipe irão testar misturas desse solo empobrecido com solos férteis de outras regiões, ricos em nutrientes. O objetivo, conforme ele explica, é determinar em quais proporções é possível que as plantas se desenvolvam melhor. “Nós estamos utilizando espécies reconhecidas como adaptadas a recuperação de áreas degradadas. As leguminosas, de um modo geral, tem a capacidade de fixar nitrogênio da atmosfera no solo. Esse macronutriente, fundamental para as plantas, não se encontra disponível no solo degradado. Mas devido a essa capacidade, é esperado que essas plantas desenvolvam mesmo nessas condições”, explica.
Membros da equipe do projeto, intitulado “Análises ecofisiológicas e bioquímicas de rejeitos da barragem de Fundão sobre o desenvolvimento de leguminosas da mata ciliar e de uma espécie adaptada ao estresse por ferro” (Foto: Arquivo Pessoal)

Com uma duração de dois anos, a pesquisa terá como primeira etapa a coleta de amostras do solo na região impactada da bacia do Rio Doce. Esse material será analisado em laboratório, visando caracterizar sua composição química. Posteriormente, os pesquisadores irão cultivar algumas espécies de leguminosas lenhosas (monjoleiro, pata-de-vaca; pau-jacaré, etc) e herbáceas (crotalária e mucuna-preta) em vasos contendo diferentes proporções do rejeito da barragem na bacia do Rio Doce e solos de reconhecida fertilidade.

Além das plantas envasadas no laboratório, a pesquisa incluirá um “estudo piloto” na própria margem do rio, onde o mesmo processo de análise de solo e desenvolvimento dos espécimes será realizado.

Maior desastre ambiental da história brasileira

Com o rompimento da Barragem do Fundão, nos arredores de Mariana (MG), o rejeito da extração de ferro, operada pela empresa Samarco, foi despejado no Rio Gualaxo, um afluente do Rio Doce, provocando uma enxurrada de lama que atingiu diversos municípios da região e teve imenso impacto nas condições do rio. Esse é o maior desastre ambiental já registrado no Brasil. Entre os municípios de Bento Rodrigues e Santa Cruz do Escalvado (onde a maior parte da massa de rejeitos foi contida na Represa de Candonga), as matas ciliares foram arrancadas pela onda de lama e detritos da mineração, que se depositaram nas margens do rio, tornando-as quase estéril.

Segundo o professor, além do imenso impacto na biodiversidade e nas condições bioquímicas do solo, o acúmulo desses resíduos nas margens pode provocar um constante assoreamento do leito do rio, especialmente durante os períodos chuvosos. Dessa forma, a restauração das matas ciliares auxilia na fertilidade do solo e na retenção de novos detritos que prejudiquem os rios. “É uma pesquisa ampla, que vai combinar a geração de conhecimento com uma aplicação prática, contribuindo para solucionar um problema grave e de solução bastante complexa”, avalia Peixoto.

Além de oferecer um direcionamento para os esforços de restauração da bacia, esse estudo irá oferecer uma formação prática e teórica aos pesquisadores e alunos de IC e pós-graduação envolvidos. O financiamento da Fapemig será destinado à compra de equipamentos importantes e materiais de consumo, além de contar com uma bolsa de pós-doutorado.
“É uma pesquisa ampla, que vai combinar a geração de conhecimento com uma aplicação prática, contribuindo para solucionar um problema grave e de solução bastante complexa” (Foto: Géssica Leine)

Para o professor, o Estado está assumindo um ônus que deveria ser das empresas responsáveis. No entanto, o financiamento governamental está sendo fundamental para a investigação dos impactos do acidente e para a proposição de soluções. “Restaurar as matas ciliares é a primeira etapa de um longo processo. Apesar do nosso projeto ter um prazo de dois anos de duração, espero que ele tenha continuidade, e que parta da Samarco-Vale-BHP, responsáveis pela barragem, o apoio para tal. Por hora, nossa responsabilidade de entregar os resultados é compartilhada com a UFJF”, concluiu.

O trabalho também conta com a colaboração de professores do Departamento de Bioquímica da UFJF, Embrapa-Gado de Leite, UFV e do IFET-Ouro Branco. Além da pesquisa da UFJF, outros 28 projetos foram aprovados pelo edital da Fapemig, entre os 145 submetidos. A iniciativa da fundação se divide em três linhas teóricas: recuperação do solo; recuperação da água; e recuperação da biodiversidade, na qual o trabalho coordenado por Peixoto está inserido.

Da Universidade Federal de Juiz de Fora, in EcoDebate, 16/08/2016

Lições mal aprendidas e quase esquecidas de uma primavera silenciosa: Lei 13.301/2016, artigo de Thiago Lustosa Jucá

Imagem: Leve Bem

Artigo de Thiago Lustosa Jucá, biólogo e membro titular da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes da Petrobras

[Jornal da Ciência] No mundo pós-guerra, a ciência nuclear canalizava para si, não só grande parte dos recursos financeiros destinados às pesquisas científicas, como os debates da época, principalmente depois que a sociedade tomou conhecimento dos efeitos devastadores sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. Por conta disso, as responsabilidades da ciência e os limites do progresso tecnológico foram duramente questionados. Os debates acerca dessas responsabilidades/limites ganharam ainda mais força em 1962, após a publicação de Silent Spring, que recebeu o título em português de “Primavera Silenciosa”, da bióloga marinha e escritora, a americana Rachel Carson. Esse livro, que é considerado um marco do surgimento do movimento ambientalista no mundo, não só despertou a consciência pública para a questão ambiental, como foi responsável por mudanças que culminaram na proibição do uso do inseticida DDT nos EUA.

Em seu livro, Rachel Carson chama a atenção, de maneira clara e objetiva, para o uso indiscriminado de produtos químicos (usados como inseticidas e herbicidas), que ao contaminar todo o ambiente onde eram pulverizados, dizimavam várias espécies de animais. A intenção do título era evocar o extermínio das aves, como consequência da toxicidade dessas substâncias, algo notado de imediato não só pelos moradores dos locais atingidos, mas também de áreas distantes. Por isso, a autora utilizou esse título, em referência à primavera que passou a ser silenciosa, sem a presença e o canto dos pássaros.

Recentemente, em 27 de Junho de 2016, foi sancionada a Lei nº 13.301 que dispõe sobre a adoção de medidas de vigilância em saúde quando verificada situação de iminente perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor (Aedes aegypti) do vírus da dengue, chikungunya e zika. A Lei trata em seu art. 1º, § 3°, inciso IV, da permissão para a incorporação de mecanismos de controle vetorial por meio de dispersão de aeronaves mediante aprovação das autoridades sanitárias e da comprovação científica da eficácia da medida.

Na verdade, a sanção de tal medida vai na contramão dos estudos científicos, políticas públicas, ações governamentais e não governamentais desenvolvidos nos últimos 50 anos a respeito desse tema, em especial, depois da publicação de Primavera Silenciosa, quando a população tomou conhecimento de tal assunto. Vale lembrar que diversas entidades nacionais se manifestaram, em vão, solicitando o veto dessa proposta. Nem mesmo todos os estudos desenvolvidos em instituições como o INCA e a FIOCRUZ, com um histórico de contribuições valiosas para a saúde pública nacional, alertando para os perigos da pulverização dessas substâncias, surtiram efeitos. O próprio Ministério da Saúde, através de nota técnica (Recomendação nº 003, de 15 de Junho de 2016), se manifestou contrário à adoção da pulverização aérea como estratégia para o combate de vetores, mesmo em situação emergencial.

O motivo de tanta preocupação por parte dessas instituições se deve ao fato de que tal medida aumentaria significativamente o risco de contaminação de pessoas e do ambiente. Quando se considera a organização desordenada das nossas cidades, o risco fica ainda mais potencializado. Cabe ressaltar que a Organização Mundial de Saúde classificou recentemente algumas das substâncias a serem utilizados em tais pulverizações, e que já são utilizados nos “fumacês”, como possivelmente carcinogênicas.

Nos EUA da década de 50, mesmo com todo o lobby da indústria contra a restrição e proibição de uso do benzeno, um carcinogênico reconhecido, o congresso e a Justiça Americana restringiram drasticamente seu uso em ambientes industriais. Com o DTT, a vitória foi ainda maior: o mesmo foi banido em 1972, o que só ocorreu no Brasil em 2009 (Lei 11.936/09), apesar da sua proibição para fins agrícolas em 1985. Vale lembrar que tal medida (art. 1º, § 3°, inciso IV) surgiu por emenda parlamentar, ainda durante a tramitação do Projeto de Lei de Conversão nº 9/2016 (oriundo da Medida Provisória nº 712, de 29 de janeiro de 2016), na câmara dos deputados, e foi amplamente defendida pelas empresas de aviação agrícola, que serão beneficiadas com tal medida. Infelizmente, uma prática considerada fracassada no mundo e já abolida em muitos países, conseguiu se refugiar em nosso País.

Apesar de essa lei representar outro “7×1” contra nós, vale lembrar que a saúde é um direito fundamental de todo ser humano e dever do Estado (art. 196); e que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida (art. 225), ambos da Constituição Federal de 1988. Por tudo disso, a comunidade científica nacional e a sociedade devem, mais do que nunca, se mobilizar e impedir que o meio ambiente e pessoas inocentes sejam “condenados”. O DTT não representou a vitória sobre as pragas, e nem tal medida triunfará sobre os vetores; pelo contrário, como disse Rachel Carson “pela primeira vez na História, todos os seres humanos estão sujeitos ao contato com produtos químicos perigosos do momento da concepção até a morte”.

Referências Bibliográficas

Rachel Carson. Primavera Silenciosa. Ed. Guaia, Pag. 327, 2010.

Oliveira, Francisco Zuza. Nota Técnica. Considerações sobre a pulverização agrícola aérea em relação às discussões do PL 18/2015 na Assembleia Legislativa do Ceará. Fortaleza, 2016.

Guyton, KZ; Loomis D; Grosse Y; Ghissass FE; Benbrahim-Tallaa L; Guha N; Scocciant C; Mattock H; Straif K. Carcinogenicity of tetrachlorvinphos, parathion, malathion, diazinon, and glyphosate. On behalf of the International Agency for Research on Cancer Monograph Working Group, IARC, Lyon, France, The Lancet Oncology, 2015.

Patrícia Fara. Uma Breve História da Ciência. Ed. Fundamento, Pag. 436, 2014.

Lei N° 13.301, de 27 de Junho de 2016,

RECOMENDAÇÃO Nº 003, DE 15 DE JUNHO DE 2016. Conselho Nacional de Saúde, CNS.

Thiago Lustosa Jucá, biólogo, doutor em Bioquímica de Plantas pela UFC. Atualmente trabalha como técnico químico de petróleo na Refinaria de Lubrificantes e Derivados do Nordeste, Petrobrás, onde é membro titular da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e coordenador do Grupo de Trabalho do Benzeno.

Artigo socializado pelo Jornal da Ciência / SBPC e reproduzido in EcoDebate, 17/08/2016

Resenha do artigo: Educação alimentar e nutricional: a escola como promotora de hábitos alimentares saudáveis

Autoria da resenha: Fernanda Cardoso Fernandes 

Nutricionista CRN3 - 32574 -

Autoras do artigo:

Cristiane Tarine Muller Girotto, Cláudia Thomé da Rosa Piasetzki, Eva Teresinha de Oliveira Boff.

GIROTTO, C. T. M. ; PIASETZKI, C. T. R. ; BOFF, E. T. O. Educação alimentar e nutricional: a escola como promotora de hábitos alimentares saudáveis. In: XXII Seminário de Iniciação Científica - Salão do Conhecimento, 2014, Ijuí. Salão do Conhecimento 2014, 2014. Disponível em: Acesso em: 17 de ago 2016.

É perceptível, em todo o mundo, o aumento na prevalência de obesidade nas crianças e nos adolescentes. A alimentação inadequada destes pode resultar em excesso de peso e, ocasionar, por exemplo, doenças como hipertensão arterial, dislipidemias, resistência à insulina e o diabetes tipo 2 (GUIMARÃES, 2008). 

Tendo em vista que a maioria dos hábitos alimentares é firmado durante a infância e a adolescência, a escola tem importante função como promotora de hábitos alimentares saudáveis. Acrescente-se, conforme observado em estudos, que os novos hábitos disseminados na escola repercutem positivamente na família (GABRIEL et al., 2008).

Levando em consideração a importância da reeducação alimentar, o presente trabalho teve como objetivo promover hábitos alimentares saudáveis entre estudantes de ensino médio, associando seminários sobre educação alimentar e nutricional aos conteúdos curriculares .

O trabalho foi desenvolvido em uma Escola de Educação Básica do município de Augusto Pestana, Rio Grande do Sul. Foram envolvidos 28 alunos do 2º ano do ensino médio.

O ensino-apredizagem teve como estratégia seminários e álbuns seriados. Os seminários tiveram como tema: merenda escolar, alimentação saudável e alimentos industrializados. Os álbuns seriados tiveram informações quanto aos industrializados, indicando a quantidades de açúcar e de sódio, ilustrados em saquinhos com as quantidades referenciadas. As exposições foram em grupo para acontecer uma maior interação e possibilitar aprofundamento na apresentação teórica. Os assuntos abordados durante as atividades eram associados aos assuntos que estavam sendo ministrados nas disciplinas de física, química e biologia. Os assuntos explanados foram subdividos em PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), desjejum, alimentos industrializados, importância da alimentação adequada dos adolescentes, estilo de vida e necessidades nutricionais. 

Após todas as abordagens, foi trabalhado os 10 passos da Alimentação Saudável para Adolescentes estabelecidos pelo Ministério da Saúde (2011). Nas disciplinas de Biologia, Física e Química foram abordados conceitos de alimentos fontes de energia, valor energético dos alimentos, doenças associadas ao consumo de sal e de açúcar, e funções biológicas dos carboidratos, das proteínas e dos lipídeos.

A estratégia utilizada para o ensino-aprendizagem possibilitou aos alunos uma maior reflexão das informações passadas, principalmente as relacionadas com os prejuízos originados de uma má alimentação. Outra conclusão foi a de que a escola mostrou-se um lugar apropriado para a promoção de hábitos alimentares saudáveis, pois, além de fornecer informações sobre alimentação saudável, gerou discussões específicas para auxiliar a escolha adequada dos alimentos. 

Referências Bibliográficas

GABRIEL, C. G.; SANTOS, M. V.; VASCONCELOS, F. A. G. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 8, n. 3, p. 299-308, 2008.

GUIMARÃES, I.C.B.; ALMEIDA, A.M.; SANTOS, A.S.; BARBOSA, D.B.V.; GUIMARÃES, A.C.. Pressão Arterial: Efeito do Índice de Massa Corporal e da Circunferência Abdominal em Adolescentes. Arq Bras Cardiol. 2008;90(6):426-32.

USP - Ikebana

USP - Alunos de nutrição conhecem os sabores e histórias da comida serta...

USP - Guia orienta população para o uso seguro das plantas medicinais

Curso Agricultura Urbana Dicas e Truques apresentação.

Horta de medicinais

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Want a better memory? Try eating a Mediterranean diet

Eating a Mediterranean diet can slow down cognitive decline

Date: August 9, 2016

Source: Frontiers

The Mediterranean diet can improve your mind, as well your heart, shows a new study.

Eating a Mediterranean diet can slow down cognitive decline.

The Mediterranean diet can improve your mind, as well your heart, shows a study published in the open-access journal Frontiers in Nutrition.

By sticking to the Mediterranean diet the study showed that people had slowed rates of cognitive decline, reduced conversion to Alzheimer's, and improved cognitive function.

The main foods in the Mediterranean diet (MedDiet) include plant foods, such as leafy greens, fresh fruit and vegetables, cereals, beans, seeds, nuts, and legumes. The MedDiet is also low in dairy, has minimal red meat, and uses olive oil as its major source of fat.

Leading author Roy Hardman from the Centre for Human Psychopharmacology Swinburne University of Technology Melbourne Australia and his colleagues evaluated all the available papers between 2000-2015 that investigated if and how a MedDiet may impact cognitive processes over time. In total, 18 out of the 135 articles met their strict inclusion criteria.

"The most surprising result was that the positive effects were found in countries around the whole world. So regardless of being located outside of what is considered the Mediterranean region, the positive cognitive effects of a higher adherence to a MedDiet were similar in all evaluated papers;" he said.

Attention, memory, and language improved. Memory, in particular, was positively affected by the MedDiet including improvements in: delayed recognition, long-term, and working memory, executive function, and visual constructs.

"Why is a higher adherence to the MedDiet related to slowing down the rate of cognitive decline? The MedDiet offers the opportunity to change some of the modifiable risk factors," he explained.

"These include reducing inflammatory responses, increasing micronutrients, improving vitamin and mineral imbalances, changing lipid profiles by using olive oils as the main source of dietary fats, maintaining weight and potentially reducing obesity, improving polyphenols in the blood, improving cellular energy metabolism and maybe changing the gut micro-biota, although this has not been examined to a larger extent yet."

Moreover, the benefits to cognition afforded by the MedDiet were not exclusive to older individuals. Two of the included studies focused on younger adults and they both found improvements in cognition using computerized assessments.

The researchers stress that research in this area is important due to the expected extensive population aging over the next 20-30 years. They envision that the utilization of a dietary pattern, such as the MedDiet, will be an essential tool to maintain quality of life and reduce the potential social and economic burdens of manifested cognitive declines like dementia.

"I would therefore recommend people to try to adhere or switch to a MedDiet, even at an older age," Hardman added.

Like many researchers, Hardman takes his research home: "I follow the diet patterns and do not eat any red meats, chicken or pork. I have fish two-three times per week and adhere to a Mediterranean style of eating."

Story Source:

The above post is reprinted from materials provided by Frontiers. Note: Content may be edited for style and length.

Journal Reference:
Roy J. Hardman, Greg Kennedy, Helen Macpherson, Andrew B. Scholey, Andrew Pipingas. Adherence to a Mediterranean-Style Diet and Effects on Cognition in Adults: A Qualitative Evaluation and Systematic Review of Longitudinal and Prospective Trials.Frontiers in Nutrition, 2016; 3 DOI: 10.3389/fnut.2016.00022

Cite This Page:
Frontiers. "Want a better memory? Try eating a Mediterranean diet: Eating a Mediterranean diet can slow down cognitive decline." ScienceDaily. ScienceDaily, 9 August 2016. <>.